Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Mãe ajudando filho a lavar a mão. Essa é uma das necessidades fisiológicas.

Autismo e sensações: o impacto das necessidades fisiológicas no desenvolvimento de crianças com TEA

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento que muda a forma como as pessoas veem e interagem com o mundo. Por isso, aspectos como as necessidades fisiológicas e outros processos funcionais do corpo, podem impactar no desenvolvimento de crianças autistas e como elas percebem o mundo.

Algo muito comum de se ouvir quando falamos em necessidades fisiológicas e autismo, é sobre o desfralde e como esse processo pode ser difícil para pais e pessoas cuidadoras. 

Isso porque, muitas crianças no espectro apresentam dificuldades de integração sensorial que podem criar barreiras na percepção de sensações e na organização do comportamento, o que significa que elas podem ser mais ou menos sensíveis aos estímulos como temperatura, cheiro e texturas e também ter dificuldades em identificar sinais corporais. 

Neste texto, você vai entender melhor sobre a importância de olharmos para as necessidades fisiológicas, a partir da Pirâmide de Maslow, e o desenvolvimento de crianças com TEA, com foco na terapia ocupacional e na integração sensorial. Vem aprender! 

O que é a Pirâmide de Maslow? 

A Pirâmide de Maslow é uma teoria proposta pelo psicólogo Abraham Maslow que pressupõe a hierarquia das necessidades humanas. 

De acordo com a teoria, os seres humanos possuem uma série de necessidades em comum que devem ser supridas por ordem de prioridade. Normalmente, esta pirâmide é utilizada na psicologia organizacional. 

No entanto, podemos utilizar seus conceitos para compreender o impacto das necessidades fisiológicas no processo de aprendizado e desenvolvimento humano, principalmente quando falamos de crianças atípicas.

A pirâmide é dividida em cinco categorias: 

  1. Necessidades fisiológicas
  2. Segurança
  3. Sociais
  4. Estima
  5. Autorrealização. 

Essa pirâmide propõe que as pessoas tenham necessidades complexas que podem ser hierarquizadas.

Os indivíduos são motivados por diferentes níveis de necessidades, começando pelas necessidades fisiológicas e subindo para segurança, pertencimento, estima e, finalmente, autorrealização.

As necessidades fisiológicas como base da pirâmide

As necessidades fisiológicas são as necessidades básicas do ser humano relacionadas à sobrevivência, como alimentação, sono, repouso, abrigo e outras necessidades físicas.

Elas são consideradas o nível mais baixo de todas as necessidades humanas, mas são de vital importância e, por isso, devem ser atendidas antes que outras necessidades de níveis superiores possam ser satisfeitas.

Sem a satisfação das necessidades fisiológicas, uma pessoa não consegue progredir para as próximas etapas da pirâmide, que incluem as necessidades de segurança, amor e pertencimento, estima e autorrealização.

É importante ressaltar que as necessidades fisiológicas são universais e compartilhadas por todas as pessoas, independentemente de sua cultura, contexto ou condições socioeconômicas. 

Como alguém pode chegar ao nível do amor e pertencimento, se suas necessidades fisiológicas, ou seja, suas necessidades de sobrevivência, não estão adequadas?

Qual a ligação entre as necessidades fisiológicas e o desenvolvimento infantil? 

As necessidades fisiológicas são a base para o desenvolvimento saudável de qualquer criança. No contexto do TEA, essas necessidades adquirem uma importância ainda maior devido às especificidades desse transtorno.

Quando falamos de necessidades fisiológicas e desenvolvimento infantil, podemos considerar o papel da Terapia Ocupacional como a especialidade que se concentra em ajudar crianças a desenvolverem habilidades necessárias para suprir essas necessidades, dando suporte para que a criança realize atividades cotidianas e seu processo de aprendizado, melhorando assim sua independência e qualidade de vida.

Dessa forma, é muito importante promover a satisfação das necessidades fisiológicas, pois são a base das necessidades humanas, contribuem para o bem-estar geral e a qualidade de vida das pessoas. 

Favorecendo que eles avancem em direção ao atendimento de outras necessidades mais complexas, como segurança, relacionamentos interpessoais, autoestima e autorrealização.

Alguns aspectos do corpo estão diretamente ligados a essas necessidades e podem impactar a vida de pessoas no espectro, como:

  • Alimentação: crianças com TEA frequentemente enfrentam desafios relacionados à alimentação. Isso pode incluir seletividade alimentar, resistência a experimentar novos alimentos, preferências por texturas específicas e problemas gastrointestinais.
  • Sono: distúrbios do sono são comuns em crianças com TEA, incluindo dificuldades para adormecer, manter o sono e acordar cedo.
  • Exercício Físico: algumas crianças com TEA podem ter dificuldades em participar de atividades físicas devido a problemas motores ou sensoriais. Proporcionar ambientes que não sejam excessivamente estimulantes e com desafios motores compatíveis com as habilidades pode ajudar a criança a se sentir mais confortável durante a atividade física.
  • Higiene e Autocuidados: crianças com TEA podem enfrentar desafios em atividades de autocuidado, como escovar os dentes, tomar banho e vestir-se. Essas atividades podem ser dificultadas por sensibilidades sensoriais ou dificuldades motoras.

As necessidades fisiológicas relacionadas à comunicação e comportamento

Durante o desenvolvimento típico, há um momento na infância em que a criança começa a perceber os incômodos relacionados às suas necessidades fisiológicas, ou seja, a criança começa a perceber e verbalizar que está com frio, fome, vontade de ir ao banheiro, etc.

Nesse intervalo de tempo, as pessoas cuidadoras devem reconhecer a importância dessas necessidades e atuar diretamente sobre elas, como forma de cuidado essencial e colaboração na homeostase da criança, garantindo alívio e equilíbrio interno.

As dificuldades em comunicar essa sensação simples, primitiva e básica podem fazer com que a criança tenha comportamentos desafiadores, tanto para aliviar sensações desagradáveis quanto pela dificuldade em não conseguir comunicar que está sentindo essa necessidade. 

Assim, a identificação dessa motivação é essencial para um terapeuta ocupacional resolver uma questão dentro de sua sessão. 

Junto disso, no tempo adequado, trabalhar a comunicação de nossas crianças com tato e outros sentidos do corpo, proporciona a possibilidade de exercerem autonomia e terem qualidade de vida.

As necessidades fisiológicas e a integração sensorial

E qual é a relação entre a integração sensorial e a percepção de sensações fisiológicas? Como já falamos aqui, crianças TEA apresentam alterações sensoriais que vão impactar no nível de alerta

Ou seja, quando há alterações sensoriais, há grandes chances da criança ativar com maior frequência o sistema do cortisol, que é o nosso hormônio do estresse. 

Agora imagine manter-se constantemente em alerta ao ambiente? Ativando o nosso sistema autônomo para lutar e fugir? Como é possível perceber se está com vontade de ir banheiro? Como é possível relaxar para conseguir dormir? 

É aí que a integração sensorial tem um papel importante para dar suporte a percepção dessas necessidades fisiológicas, reduzindo a frequência com que uma sensação é aversiva, evitando a ativação do nosso sistema do cortisol. 

Dessa forma, compreender e atender às necessidades fisiológicas e sensoriais das crianças com TEA é essencial para promover seu desenvolvimento e bem-estar e garantir qualidade de vida nas atividades diárias.

Conclusão

Compreender e atender às necessidades fisiológicas das crianças com TEA é essencial para promover seu desenvolvimento e bem-estar. 

A terapia ocupacional, a integração sensorial e a aplicação dos princípios da Pirâmide de Maslow fornecem um quadro valioso para apoiar essas crianças. 

Ao criar um ambiente seguro, estruturado e acolhedor, podemos ajudar as crianças com TEA a alcançar seu máximo potencial e ter um futuro muito mais independente e autônomo.

Você pode continuar lendo e entender mais sobre integração sensorial e Terapia Ocupacional no autismo clicando no botão a seguir: 

Terapia ocupacional

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi