Search
Criança segurando a mão de um adulto

Diagnóstico de autismo: tudo que você precisa saber sobre o laudo

O processo do diagnóstico de autismo ainda é um assunto que deixa as famílias com muitas dúvidas, principalmente as que estão no início da jornada e desejam buscar acolhimento o quanto antes.

Ele é conduzido por uma equipe de profissionais – de diversas áreas – que avaliam aspectos do comportamento da pessoa, para assim aplicar instrumentos de medida/avaliação validados cientificamente para conseguir chegar a um laudo.

Normalmente, o primeiro passo para o diagnóstico de autismo é a identificação dos sinais de atraso no desenvolvimento da criança.

É a partir daí que as famílias decidem optar por ajuda profissional, especialmente quando notam que a criança não só tem atraso, como não atingiu os marcos do desenvolvimento esperados para a idade dela.

Neste artigo, trouxemos ricas considerações da neuropsicóloga Dra. Joana Portolese e o do médico psiquiatra Dr. Elder Lanzani Freitas, especializado em psiquiatra da infância e adolescência em 2017 e em terapia comportamental.

Eles comentam sobre o processo para o diagnóstico e laudo de autismo, profissionais envolvidos e como procurar ajuda. Vem ler!

Como saber se preciso buscar diagnóstico de autismo na criança?

Doutora atendendo criança que está acompanhada de sua mãe.
Muitas famílias se questionam: qual o momento certo para buscar ajuda profissional para o diagnóstico de autismo? O ideal é procurar assim que perceber ou suspeitar dos sinais de autismo na criança.

Quanto mais precoce for o diagnóstico, melhor para iniciar as intervenções, pois ajuda a estimular o desenvolvimento da criança, devido à neuroplasticidade.

Portanto, o ideal é que a família esteja sempre observando os marcos do desenvolvimento esperados para cada idade e, ao observar um ou mais sinais que indiquem atraso no desenvolvimento, buscar ajuda do profissional de pediatria responsável por acompanhar a criança.

Embora não possam ser usados como fins diagnósticos, existem alguns testes de screening (rastreamento) que podem ajudar a família nesta decisão.

Um deles é o M-CHAT (Modified Checklist for Autism in Toddlers) – instrumento de rastreamento precoce de autismo, com objetivo de identificar indícios do TEA em crianças entre 18 e 24 meses.

E a suspeita de autismo em adultos?

Já no caso da suspeita de autismo em adultos, a indicação é procurar um profissional da psicologia e apresentar a suspeita para que ele avalie as possibilidades e encaminhe a pessoa para uma avaliação neuropsicológica.

Além disso, um teste que pode ajudar na decisão de buscar o diagnóstico é o Quoficiente Autista (QA).

Também conhecido como teste do autismo leve ou teste da Síndrome de Asperger, mede a extensão de traços autistas em pessoas adultas.

Quem faz o diagnóstico de autismo?

De acordo com o Dr. Elder Lanzani Freitas, o diagnóstico é feito com uma abordagem multiprofissional. “Geralmente são vários profissionais atuando em conjunto, para poder oferecer a melhor proposta e a melhor intervenção terapêutica”, explica.

Dessa forma, existem vários profissionais que podem participar do laudo, que vão desde uma equipe multidisciplinar, interdisciplinar ou transdisciplinar que vão trabalhar no processo de investigação comportamental e entender se aquela pessoa está ou não no espectro do autismo.

Algumas das especialidades que podem compor essa equipe são:

De acordo com a neuropsicóloga Joana Portolese, cada profissional tem uma parte importante nesse processo diagnóstico.

“Um médico fecha o diagnóstico. Mas também tem, por exemplo, o psicólogo que vai diferenciar esse nível e a questão intelectual. A fonoaudióloga, que consegue fazer um diferencial em casos de apraxia da fala ou um transtorno da comunicação social, ou para ver as funções e preservá-las para o desenvolvimento da fala”

Ela continua falando de outros profissionais que podem auxiliar.

“Tem também a terapeuta ocupacional, que vai fazer essa avaliação de integração sensorial para pensar na intervenção. As psicólogas que fazem avaliação comportamental para ver pré-requisitos para o programa de intervenção ABA”.

Manuais diagnósticos

Assim como as diferentes especialidades, outro fator importante para o diagnóstico de autismo são os manuais diagnósticos, como:

  • DSM (Manual Diagnóstico de Transtornos Mentais), da Associação Americana de Psiquiatria;
  • CID (Classificação Internacional das Doenças e Transtornos Mentais), da Organização Mundial da Saúde.

Esses documentos determinam as características que compõem o espectro autista como “díade do autismo”:

  1. Dificuldades na comunicação e interação social;
  2. Padrões restritos e repetitivos de comportamento.

São esses manuais que ajudam a determinar qual será o laudo da pessoa, entender o nível de necessidade de suporte, e apoiar os profissionais clínicos na indicação de terapias e intervenções.

Banner sobre a Rede Genial de terapeutas com mulher sentada em um escritório, com um notebook a sua frente. Diagnóstico de autismo

Existe idade para fechar o diagnóstico de autismo?

Essa dúvida é comum para muitas famílias, especialmente porque algumas são orientadas a esperar até que a criança complete determinada idade para ser possível diagnosticar.

O Dr. Elder Lanzani Freitas pontua que existe, sim, o formato de intervenção precoce e muitas vezes o médico que fornece o diagnóstico, se apoia em escalas específicas que auxiliam, com a história do paciente e com o exame clínico, para entender esse laudo.

No entanto, não é preciso esperar para fazer o diagnóstico de autismo!

Os primeiros sinais de TEA podem aparecer antes do bebê completar 18 meses – exceto em casos do que chamamos de autismo regressivo – e o diagnóstico pode ser fechado antes da criança completar dois anos.

Além disso, ele afirma que existe uma “valorização da opinião da palavra do médico”, por ser um diagnóstico clínico. E as propostas de intervenção que têm que ser colocadas, tem que explicar o que implica dar esse nome sobre o laudo e o que implica para a família esses tratamentos propostos ou esses direcionamentos do que precisa ser feito”, explica.

“Noto sinais de autismo na criança, mas profissionais não acreditam em mim”

criança com celular na mão e uma mulher ao fundo
Ainda hoje, muitas famílias relatam dificuldades em conseguir o diagnóstico de autismo ou mesmo identificar atrasos no desenvolvimento da criança quando procuram ajuda profissional.

Segundo Joana, isso acontece porque existem muitos transtornos que podem surgir ao longo do desenvolvimento infantil.

“Como tem as questões dos transtornos do neurodesenvolvimento, algumas coisas vão ficando mais claras, como o autismo. Aos dois anos o TDAH [Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade], aos seis ou sete anos a dislexia, e os transtornos de aprendizagem, como dislexia, discalculia, mesmo a deficiência intelectual, enfim, transtornos que já ficam mais claros para a gente no período de alfabetização”, afirma.
No entanto, existem alguns profissionais que se limitam a desconsiderar o diagnóstico mesmo sem avaliar a criança ou entender de onde surgiram as suspeitas da família.

Nesses casos, as pessoas cuidadoras podem procurar por uma segunda opinião e continuar a observar os marcos do desenvolvimento.

Iniciando as intervenções

É importante lembrar que as intervenções podem – e devem – começar mesmo sem um diagnóstico fechado.

De fato, elas muitas vezes podem ajudar no processo diagnóstico, uma vez que muitos profissionais preferem que a criança comece a ser estimulada para entender se ela preenche os critérios para o transtorno.

Além disso, o estímulo é essencial para que a criança se desenvolva e atinja os marcos do desenvolvimento e a presença das pessoas cuidadoras nesse processo de tratamento é considerado um fator que aumenta a probabilidade de resultados positivos para a criança.

Entre as intervenções para o autismo, uma das indicações para o desenvolvimento são aquelas que se baseiam nas estratégias da ABA (Análise do Comportamento Aplicada).

Em nosso YouTube já falamos sobre duas intervenções ABA: ABA estruturada e a ABA naturalista, você pode conhecer mais clicando nos botões a seguir:
ABA Estruturada
ABA Naturalista

Conheça nosso atendimento padrão ouro em intervenção para autismo
Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Canabidiol no tratamento de autismo Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso Escala M-CHAT: saiba como funciona! Déficit na percepção visual: Como a terapia ocupacional pode ajudar? 3 aplicativos que auxiliam na rotina de crianças autistas 3 Animações que possuem personagens autistas | Férias Geniais Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Conheça os principais tratamentos para pessoas no espectro autista Diagnóstico de autismo do meu filho. O que preciso fazer? Quais os principais sinais de que meu filho tem autismo? Diagnóstico de autismo: quais os próximos passos. Veja 5 dicas Estereotipias: o que são e quais as principais em pessoas autistas 5 personagens autistas representados em animações infantis Graus de autismo: Conheça quais são e como identificá-los Outubro Rosa: 5 maneiras da mãe se cuidar 5 brincadeiras para o Dia das Crianças O Rol taxativo da ANS chegou ao fim? AUTISMO em ADULTOS: Quando e como saber? AUTISMO e ASPERGER: 25 sinais de Autismo Infantil Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Autismo: Fui diagnosticada aos 60 anos e agora?