Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
autismo regressivo: menino brinca com legos

Autismo regressivo: conheça o Transtorno Desintegrativo da Infância

O autismo regressivo – também conhecido como Transtorno Desintegrativo da Infância, Síndrome de Heller ou autismo tardio – é o nome que se dá para crianças que apresentam os primeiros sinais de TEA somente entre um ano e meio e dois anos de idade.

Associado por muitas famílias como decorrência de fatores externos, como a vacinação, especialistas acreditam que este fenômeno está presente em ⅓ dos casos de autismo e sua explicação tem a ver com a neurologia. Neste artigo, explicamos mais sobre o surgimento, sinais de alerta e intervenções para o autismo regressivo.

O que é autismo?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma condição do neurodesenvolvimento que afeta a forma como a pessoa vê e interage com o mundo. Os primeiros sinais tendem a aparecer ainda na primeira infância, sendo que alguns, comuns em muitos dos casos diagnosticados mais tarde, são notados desde cedo pela família, como:

  • Pouco ou nenhum contato visual (normalmente identificado pela mãe na hora de amamentar o bebê);
  • Não responder ao ser chamada pelo próprio nome (normalmente confundido com risco para deficiência auditiva);
  • Hipotonia (Dificuldade em sustentar a própria cabeça ou diminuição do tônus muscular e da força);
  • Dificuldade no desenvolvimento da fala (normalmente, a criança já tem 2 anos e ainda não verbalizou.

De acordo com manuais como o DSM e a CID, para que o diagnóstico seja traçado, é necessário que a pessoa apresente sinais da chamada díade do autismo desde a infância:

  1. Dificuldades na interação e comunicação social;
  2. Presença de padrões de comportamento restritos e repetitivos – as famosas estereotipias.

Pessoas com TEA podem apresentar diferentes níveis de necessidade de suporte para realizar as tarefas da vida diária, o que é conhecido também como graus de autismo.

Enquanto algumas podem ter dificuldades para fazer tarefas cotidianas sozinhas, como tomar banho e se trocar, outras podem ter uma vida considerada típica e conquistar a independência, se descobrindo no espectro somente na vida adulta.

O que é autismo regressivo?

No caso do autismo regressivo, os sinais não costumam aparecer tão cedo. Na verdade, a criança parece ter um desenvolvimento considerado típico e apresenta todos os marcos do desenvolvimento para sua atual idade. É muito comum ouvir relatos de famílias que convivem com esse tipo de TEA e afirmam que a criança:

  • Desenvolveu a fala e já tinha um bom repertório de palavras;
  • Apresentava bons movimentos de coordenação motora fina e grossa;
  • Fazia contato visual e interagia normalmente com pares da mesma idade.

No entanto, entre um ano e meio e dois anos, a criança começa a se comportar de maneira diferente e é quando surgem os primeiros sinais de alerta:

  • A criança para de falar e “desaprende” as palavras que já conhecia;
  • Para de interagir com as outras e começa a ter comportamentos desafiadores;
  • Tem dificuldades na coordenação motora e também parece ter desaprendido coisas que já sabia: bater palmas, dar tchau etc.

Quando isso acontece, é comum a família buscar a avaliação de um profissional da pediatria ou neuropediatria e ouvir que a criança está apresentando alguns sinais comuns no espectro do autismo. A partir daí, se inicia uma avaliação para traçar o diagnóstico.

Quais são as causas do autismo?

Como dissemos anteriormente, é comum que a família tente associar o surgimento desses sintomas com fatores externos, sendo a vacinação e o nascimento de outra criança os mais comuns.

No entanto, como já reforçamos, vacinas não causam autismo. O que sabemos até agora é que a genética é um fator majoritário para o desenvolvimento do TEA e que a criança já nasce autista, não se torna.

Além disso, alguns fatores ambientais também já foram estudados como contribuintes para essa condição, como a idade paterna e uso de ácido valpróico, substância normalmente presente em medicações para tratamento de transtornos bipolar e epilépticos.

Por que o autismo regressivo acontece?

No caso do autismo regressivo, o que especialistas entendem como um fator determinante para a presença dos sinais é a realização de uma poda neural que ocorre no cérebro de todos os seres humanos nesta fase.

Durante o primeiro ano de vida, todos nós temos o dobro de sinapses de um adulto. E conforme crescemos, nosso cérebro automaticamente seleciona as sinapses que ainda vamos precisar e desliga todos os outros circuitos que não estão mais sendo utilizados.

No caso de crianças com autismo regressivo, essa poda neural, que ocorre próxima aos dois anos, elimina sinapses importantes – e que estavam sendo usadas. É quando os sinais de TEA aparecem.

É comum que as famílias confundam isso e digam que, nesses casos, a criança se tornou autista. Na verdade, ela já tinha essa predisposição genética. Ou seja, ela já tinha nascido autista, mas a poda neural tornou os sinais evidentes.

Ao notar qualquer sinal de regressão no comportamento e desenvolvimento da criança, o ideal é que a família procure por ajuda profissional, e leve a criança ao pediatra ou neuropediatra para que ela seja avaliada.

Qual o tratamento para o autismo regressivo?

Da mesma forma que ocorre com o TEA, o melhor tratamento para o autismo regressivo são as intervenções com práticas baseadas em evidências científicas, como a Análise do Comportamento Aplicada (ABA).

É preciso também que a criança seja acompanhada por uma equipe multidisciplinar, transdisciplinar ou interdisciplinar e que a família receba orientação parental para conseguir lidar com comportamentos desafiadores e estimular a criança no dia a dia.

Para conhecer mais sobre os serviços da Genial Care e saber como podemos te ajudar neste processo, acesse nosso site!

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul