Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Terapeuta segurando um brinquedo sensorial com uma criança em uma espécie de atendimento de terapia ocupacional.

Terapia ocupacional no autismo: como essa especialidade pode ajudar pessoas com TEA?

Sabemos que o autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento que muda a forma como as pessoas veem e interagem com o mundo. Por isso, é muito importante que pais e pessoas cuidadoras encontrem maneiras eficientes de apoiar o desenvolvimento e qualidade de vida das crianças no espectro.

Uma disciplina que tem se mostrado altamente benéfica é a terapia ocupacional no autismo, que tem como objetivo promover, manter e desenvolver habilidades necessárias para que as crianças consigam se adaptar de forma funcional ao dia a dia e em diferentes ambientes, como em casa e na escola, por exemplo.

Focando nas singularidades de cada criança e entendendo seu desenvolvimento físico, emocional, sensorial e cognitivo, a terapia ocupacional ajuda em diversos momentos importantes para a criança, seja ela atípica ou neurotípica.

Neste texto, explicamos mais sobre a terapia ocupacional no autismo, como ela funciona e qual sua importância para o desenvolvimento de pessoas no espectro, além dos benefícios dessa especialidade na rotina de todo o núcleo familiar. Confira!

O que é terapia ocupacional?

criança e menino em sessão de terapia ocupacional no autismo

A terapia ocupacional é um campo de conhecimento e de intervenção em saúde, educação e na esfera social. Essa é uma das intervenções mais conhecidas para o autismo.

Seu objetivo se concentra na ajuda às pessoas a desenvolverem as habilidades necessárias para desempenhar as atividades diárias de forma independente e significativa.

Isso quer dizer que ela ajuda na promoção, desenvolvimento e manutenção das atividades funcionais da rotina. Para pessoas com TEA, isso pode incluir tarefas como vestir-se, comer, comunicar-se e participar de atividades sociais, por exemplo.

Normalmente indicada por profissionais que fazem o diagnóstico junto à Análise do Comportamento Aplicada (ABA) e Fonoaudiologia, ela pode ajudar a criança em várias áreas de desenvolvimento.

Essa disciplina reúne tecnologias orientadas para a autonomia de pessoas que apresentam dificuldade em ser incluídas e participar da vida social. Isso acontece, muitas vezes, porque esses indivíduos têm alguma limitação:

  • Física;
  • Sensorial;
  • Mental;
  • Psicológica;
  • Social.

Além disso, profissionais de terapia ocupacional podem ajudar a criança a desenvolver:

  • Autonomia;
  • Autoestima;
  • Autoconfiança;
  • Autorregulação;
  • Interação social.

Assim, profissionais desta área podem ser responsáveis tanto por ajudar em atividades do dia a dia, quanto na parte sensorial da criança. Isso é: avaliar os déficits de processamento sensorial para identificar barreiras na aprendizagem.

Vale ressaltar ainda que, profissionais que atuam com essa especialidade precisam ter formação acadêmica superior e ser capacitados para atuar em todos os níveis de atenção à saúde, de todas as faixas etárias.

Terapia ocupacional no autismo

Quando ouvimos falar em terapia ocupacional no autismo, é muito comum pensar nas terapias de integração sensorial. Isso porque muitas pessoas no TEA apresentam dificuldades com hiper e hipossensibilidade:

  • Hipersensibilidade: é quando a pessoa sente demais os estímulos. Por isso, os sons podem ser, por exemplo, mais altos e estímulos visuais muito fortes;
  • Hipossensibilidade: já aqui, a pessoa precisa de muito esforço para sentir qualquer tipo de estimulação. Por isso é comum que pessoas com hipossensibilidade estejam sempre agitadas e em movimento.

E apesar dessas intervenções serem muito importantes para pessoas com autismo, existem muitas outras demandas que podem ser de responsabilidade da equipe de T.O. que atende a criança.

Uma das principais delas são as atividades da vida diária (AVDs). Dentro disso, algumas das principais atividades que a terapia ocupacional se encarrega de ensinar a criança são:

  • Ir ao banheiro;
  • Arrumar o cabelo;
  • Colocar os sapatos;
  • Escovar os dentes.

Além disso, também é possível trabalhar no desenvolvimento da coordenação motora em atividades como:

  • Subir e descer escadas com equilíbrio;
  • Pular com os dois pés;
  • Jogar e segurar a bola com as duas mãos;
  • Segurar o lápis com a mão para escrever.

Vale reforçar que essas atividades podem ajudar crianças com qualquer nível de necessidade de suporte no autismo. Assim, mesmo aquelas com “autismo severo” podem ser beneficiadas com o aprendizado de atividades básicas, para conquistar maior autonomia.

Quais os métodos de terapia ocupacional no autismo?

Menino sorridente brincando em uma rede de balanço. Junto a ele a uma terapeuta que o balança.

Para iniciar as intervenções, os profissionais de terapia ocupacional avaliam quais são as melhores alternativas para aquela pessoa e aplicam diferentes atividades de trabalho para o desenvolvimento dela.

Durante as sessões, os terapeutas ocupacionais utilizam tecnologias e atividades diversas para garantir melhor adaptação à vida social e ambientes diversos, além do espaço terapêutico.

Assim, são elaborados planos específicos que buscam desenvolver na criança com o objetivo de ampliar as possibilidades de desenvolver os recursos necessários para tornar o cotidiano dela mais tranquilo e saudável.

Por meio disso, são criadas condições que estimulam o bem-estar e a autonomia ao longo de todos os comportamentos. Alguns exemplos de métodos mais usados são:

Integração Sensorial

A Integração Sensorial é uma abordagem muito conhecida quando pensamos na terapia ocupacional no autismo. Ela procura ajudar as pessoas com dificuldades sensoriais a processarem e responderem a informações de maneira mais saudável e eficiente.

Isso pode incluir atividades como brincar com texturas e formas diferentes para melhorar a tolerância sensorial.

Assim, essa integração tem como objetivo fornecer experiências terapêuticas estruturadas e cuidadosamente planejadas para desenvolver e aprimorar a forma como o cérebro processa e integra as informações sensoriais recebidas pelo ambiente.

Treinamento de habilidades

Para melhorar as habilidades sociais, os terapeutas ocupacionais podem usar jogos de simulação e treinamento de papéis para ajudar as crianças a entenderem e praticarem interações sociais apropriadas.

Além disso, também é possível promover a independência, incluindo atividades de treinamento de autocuidado, como ensinar a criança a se vestir ou escovar os dentes de forma independente.

Atividades motoras e brincadeiras

A terapia ocupacional no autismo também abrange o desenvolvimento da coordenação e percepção motora, como melhorar o equilíbrio por meio de atividades como andar de bicicleta ou praticar esportes adaptados.

Nesse ponto, também são usados métodos que envolvem o lúdico e as brincadeiras para promover a comunicação e a interação sempre de acordo com os interesses, motivações e repertório da criança.

Isso pode envolver brincadeiras estruturadas que incentivam a comunicação verbal e não verbal.

Benefícios da terapia ocupacional no autismo

A terapia ocupacional no autismo oferece vários benefícios notáveis para pessoas no espectro.

Com o apoio de terapeutas ocupacionais especializados, crianças e adultos com TEA podem conquistar uma maior independência e qualidade de vida, diminuindo comportamentos desafiadores de maneira mais eficaz e significativa.

Alguns dos benefícios mais notáveis da terapia ocupacional no autismo são:

  • Desenvolvimento de habilidades motoras: Muitas crianças com TEA enfrentam desafios no desenvolvimento de habilidades motoras finas e grossas. A terapia ocupacional pode ajudá-las a melhorar o controle motor e a coordenação, o que é fundamental para tarefas como escrever, amarrar os sapatos e comer com talheres;
  • Melhoria da comunicação: A terapia ocupacional no autismo também pode ser valiosa no desenvolvimento da comunicação. Terapeutas ocupacionais trabalham em estreita colaboração com fonoaudiólogos para ajudar as crianças a desenvolverem habilidades de comunicação, incluindo linguagem verbal e não verbal;
  • Apoio na integração sensorial: Muitas pessoas com TEA têm diferenças sensoriais significativas. A terapia ocupacional pode ajudar a criança a compreender e lidar melhor com as sensações que podem ser difíceis, como ruídos altos, luzes brilhantes ou texturas desconfortáveis;
  • Promoção da autonomia: A terapia ocupacional visa capacitar pessoas com TEA a serem mais autônomas. Isso envolve o desenvolvimento de habilidades de autocuidado, como vestir-se e cuidar da higiene pessoal, por exemplo.
  • Habilidades sociais: A terapia ocupacional no autismo pode ser uma parte integrante do desenvolvimento de habilidades sociais, ajudando as crianças com TEA a se envolverem em interações sociais significativas e a compreenderem as nuances da comunicação social.

Equipe multidisciplinar

A terapia ocupacional é recomendada e valiosa para o desenvolvimento de crianças com autismo, junto a outras áreas como a psicologia embasada em Análise do Comportamento Aplicada e a fonoaudiologia. Essa junção de expertises é o que compõem as intervenções multidisciplinares.

Isso significa que profissionais dessas áreas atuam de maneira simultânea e integrada para conquistar o desenvolvimento saudável e autônomo do indivíduo.

Entre as principais vantagens de uma equipe multidisciplinar estão:

  • Maior suporte às famílias: as famílias e pessoas cuidadoras não dependem de apenas um profissional para oferecer acolhimento e informações a respeito do tratamento;
  • Maior suporte aos profissionais: os profissionais têm com quem trocar suas dúvidas e angústias, além de terem com quem checar o efeito das suas intervenções em áreas que não são sua especialidade;
  • Maior efetividade da intervenção: os ganhos não se limitam às áreas de especialidade de apenas um profissional;
  • Ganhos globais no desenvolvimento da pessoa: quando alinhados, os profissionais atuam em uma mesma direção, consolidando os ganhos do indivíduo. Como vimos no texto de generalização, treinar habilidades em contextos diversos é fundamental para resultados positivos.

A terapia ocupacional é parte importante das intervenções multidisciplinares para o autismo. Por isso, é importante escolher bem a equipe de profissionais de T.O. que vai atender a pessoa com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e ajudá-la a conquistar sua autonomia e independência.

Conclusão

Quando falamos da terapia ocupacional no autismo, entendemos que essa especialidade desempenha um papel essencial na melhoria da qualidade de vida de pessoas com TEA, ajudando-as a desenvolver habilidades que lhes permitem viver de forma mais independente e significativa.

Lembre-se de que cada pessoa é única, e um terapeuta ocupacional especializado pode criar um programa personalizado para atender às necessidades específicas da pessoa autista.

Para conhecer mais sobre T.O., fonoaudiologia e psicologia ABA e entender quais aspectos precisam ser levados em conta na hora de escolher uma clínica e equipe que vai atender sua criança, leia os artigos disponíveis no nosso blog, temos uma categoria para cada uma dessas disciplinas:

Blog Genial Care

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi