ABA e intervenções para autismo atividades da vida diária: criança está sentada com colher na boca, um bolo está a sua frente

Atividades da vida diária e autismo: ABA e terapia ocupacional no ensino de habilidades básicas

Foto do author Gabriela Bandeira

Gabriela Bandeira

19 de maio de 2022

As atividades da vida diária (AVD) são essenciais na vida de todos nós. Quando falamos em autismo, essas habilidades básicas que são aprendidas desde a infância são o que, mais tarde, vai ajudar as pessoas no espectro a terem mais autonomia e independência. 

Como o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento, é comum que as pessoas com essa condição tenham maior dificuldade em realizar essas atividades, e as estratégias da Análise do Comportamento Aplicada (ABA), assim como profissionais especialistas em Terapia Ocupacional (T.O.) podem ajudar nesse processo de aprendizado. 

Neste artigo, explicamos mais sobre as AVDs, sua importância e como a terapia ocupacional e estratégias da ABA podem ajudar no ensino dessas habilidades.

O que são atividades da vida diária? 

As atividades da vida diária – também conhecidas como habilidades básicas – são todas aquelas relacionadas à autocuidado e manutenção do corpo. Alguns exemplos bem comuns de AVDs que aprendemos na infância são: 

  • Se alimentar;
  • Tomar banho;
  • Escovar os dentes;
  • Trocar de roupa;
  • Entre outras.

No entanto, à medida que crescemos, continuamos a aprender outras habilidades básicas que vão nos ajudar a conquistar autonomia e independência. Sendo assim, outras atividades que estão relacionadas às AVDs são: 

  • Administrar o próprio dinheiro e finanças: seja entender como o dinheiro funciona e saber gerenciá-lo para pagar contas, é preciso aprender a usar uma conta bancária, cartões de crédito e ter um planejamento financeiro. Todas essas habilidades vão ajudar na conquista da independência financeira, que é um dos pontos mais importantes para viver só ou sem a presença do núcleo familiar;
  • Saúde e segurança: parte das habilidades básicas é saber cuidar da própria saúde e segurança. Aqui estão incluídas tarefas que vão desde manter os exames médicos em dia até saber em quem confiar, os riscos que corre com estranhos e se comunicar para pedir ajuda caso seja preciso;
  • Estudo e carreira: também são atividades importantes na vida de todos nós, e também de quem está no espectro. Por isso, estudar e encontrar um espaço no mercado de trabalho também são fundamentais. Lembrando que esse direito é garantido por lei para pessoas autistas;
  • Habilidades sociais: desenvolver as habilidades sociais também é essencial para pessoas autistas. Uma vez que esse quadro pode ser comprometido em razão do TEA, é preciso fazer um treino de habilidades sociais;
  • Atividades de lazer: todos temos hobbies e atividades que trazem diversão e ajudam no nosso bem-estar. Encorajar desde cedo essas atividades no tempo livre da criança também é importante;
  • Organização: aprender a administrar melhor o tempo tanto nas atividades pessoais quanto profissionais e ter um planejamento ou cronograma.

Por que pessoas com autismo precisam aprender atividades da vida diária? 

Aprender atividades da vida diária é essencial para todas as pessoas. Esse conjunto de habilidades é aprendido desde a infância e é o que determina a conquista da autonomia e independência por cada indivíduo. 

Pessoas com TEA têm dificuldade na interação e comunicação social e também apresentam padrões de comportamentos restritos e repetitivos. Além disso, também podem ter dificuldades na coordenação motora e atrasos no desenvolvimento. Tudo isso contribui para que o aprendizado das AVDs seja mais difícil. 

Por isso, treinar essas habilidades básicas é essencial desde o momento do diagnóstico. Entender como esse processo de aprendizagem vai funcionar é tarefa da equipe responsável por acompanhar a criança. 

Para isso, é preciso avaliar a criança e entender quais habilidades já foram desenvolvidas e quais ainda precisam ser aprendidas por ela, sempre levando esse repertório em consideração para traçar um plano de intervenção. Dentro disso, tanto as estratégias da ABA, quanto profissionais de terapia ocupacional serão úteis.

Como a ABA ajuda a ensinar habilidades básicas para crianças com autismo? 

A Análise do Comportamento Aplicada (ABA) é uma ciência comprometida em  desenvolver conhecimento e estratégias para lidar com questões socialmente relevantes de qualquer natureza. Aqui entram demandas relacionadas ao desenvolvimento atípico ou quaisquer outras (como educacionais, sociais, políticas públicas, gestão de pessoas, saúde mental etc). 

Quando aplicada ao TEA, existem algumas estratégias da ABA que podem auxiliar nesse aprendizado dessashabilidades básicas. Algumas delas são: 

Ensino por tentativas discretas

O ensino por tentativas discretas pode ser usado para ensinar uma nova habilidade. Ele acontece dentro de um ambiente programado para limitar o acesso a estímulos que possam distrair a criança. Assim, é definido o comportamento que se deseja ensinar, assim como os critérios de aprendizagem que indicarão se a criança está realizando essa habilidade da maneira desejada. 

A partir disso, são realizadas várias tentativas com o objetivo de fortalecer a resposta-alvo. Nesse momento, podem ser usados diversos tipos de ajuda para facilitar o processo de aprendizagem. Depois que a criança atinge o critério de aprendizagem determinado, e realiza o comportamento de maneira autônoma, se inicia o processo de generalização.  

Modelação

A modelação é uma estratégia usada para o ensino de novas habilidades e funciona da seguinte forma: o terapeuta ou pessoa cuidadora realiza o comportamento alvo da intervenção, seguido da instrução para que a criança o imite. Ou seja,   demonstra-se visualmente a habilidade  para a criança e assim que ela a realiza reforça-se a resposta desejada. 

Ensino naturalístico

O ensino naturalístico consiste na aplicação de princípios da análise do comportamento aplicada durante as rotinas e atividades diárias da criança para promover, apoiar e encorajar naturalmente o aprendizado de habilidades.

Suportes visuais

Aqui são trabalhadas exibições visuais que ajudam a criança a se envolver em um comportamento ou sequência de comportamentos independentes de ajudas adicionais.

Como a terapia ocupacional pode ajudar nas atividades de vida diária? 

Profissionais especialistas em terapia ocupacional também são responsáveis por trabalhar o ensino de AVDs para crianças com autismo. Isso porque esta área tem como objetivo promover o desenvolvimento de habilidades de desempenho. 

Algumas das principais atividades que a terapia ocupacional se encarrega de ensinar a criança são: 

  • Ir ao banheiro;
  • Arrumar o cabelo;
  • Colocar os sapatos;
  • Escovar os dentes. 

Além disso, também é possível trabalhar no desenvolvimento da coordenação motora em atividades como:

  • Subir e descer escadas com equilíbrio;
  • Pular com os dois pés;
  • Jogar e segurar a bola com as duas mãos;
  • Segurar o lápis com a mão para escrever. 

Para trabalhar as escalas de atividades diárias, as brincadeiras se tornam um recurso terapêutico para alcançar os principais objetivos identificados a partir da avaliação e da conversa com a família e a escola. 

Além disso, profissionais da terapia ocupacional, assim como profissionais ABA, têm como objetivo auxiliar a família e as pessoas cuidadoras para que as estratégias de ensino possam ser utilizadas na casa da criança, com o objetivo de minimizar as dificuldades que ela enfrenta no dia-a-dia, melhorando a qualidade de vida de todo núcleo familiar. 

É importante que a equipe trabalhe de forma multidisciplinar, interdisciplinar ou transdisciplinar para definir juntos os objetivos para desenvolvimento da criança. Saiba mais sobre o que não pode faltar em intervenções de qualidade no blog.

Foto do author Gabriela Bandeira

Escrito por:

Gabriela Bandeira

Qual é a sua relação com a criança autista?*