Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
generalização no autismo: menino observa uma caixa de madeira aberta com objetos dentro com cara surpresa e segura uma caixinha de madeira menor na mão esquerda

A importância da generalização no autismo

A seguir veremos sua definição e sua importância nas intervenções destinadas a pessoas no espectro do autismo.

O que é generalização?

Generalização é o termo técnico utilizado para descrever quando um comportamento passa a ocorrer não só na presença do estímulo no qual foi ensinado, mas também na presença de estímulos que diferem de alguma maneira do original. Por estímulo entendemos qualquer evento físico ou combinação entre eventos, como por exemplo: um objeto, uma fala, um som ou a combinação entre eles.

Estes e outros conceitos comportamentais podem ser encontrados no livro Aprendizagem: comportamento, linguagem e cognição, escrito por Anthony Charles Catania.

Mas, qual é a importância desse fenômeno quando falamos em aprendizagem?

Um comportamento só passa a ser autônomo e se manter ao longo do tempo se ele ocorrer em contextos diversos e frente a estímulos diversos. Para entender o que isso significa na prática topa fazer um exercício?

Tente se lembrar de quando você estava aprendendo uma habilidade que atualmente você realiza sem nem perceber, como amarrar seus sapatos, por exemplo.

No início, essa habilidade era ensinada com muita ajuda (pais ou pessoas cuidadoras seguravam sua mão, apontavam, instruíam verbalmente) e era utilizado um sapato específico. Muito provavelmente o que você mais utilizava na época ou um que era mais fácil de amarrar.

A partir do momento que você foi conseguindo realizar mais etapas dessa habilidade de maneira independente (sem ajuda), passou a ser esperado que você conseguisse fazer o mesmo – amarrar seus cadarços – quando utilizava outros sapatos, na presença de outras pessoas e em lugares diferentes da sua casa.

Este fenômeno é chamado de generalização. Sem que haja generalização não há autonomia na execução da habilidade e portanto ela não transforma a vida de quem a executa.

Como as crianças aprendem a generalizar?

Quando falamos sobre o ensino de novas habilidades, precisamos nos atentar para as diferenças naturais que existem de criança para criança. Algumas levarão mais tempo para aprender determinado comportamento. Outras precisarão de estratégias diferentes das usuais, para que o ensino seja bem sucedido.

Dessa forma, para crianças com desenvolvimento típico, apesar de ser comum que a generalização ocorra como produto do processo de aprendizagem, nem sempre isso acontece.

É por isso que muitos pais, mães, cuidadores(as) e profissionais ficam em dúvida do que fazer quando a criança não executa uma habilidade, supostamente já aprendida, em ambientes diversos.

A seguir veremos como a ciência do comportamento pode atuar em situações nas quais a generalização não ocorre como produto do processo de aprender.

Como a ciência do comportamento lida com isso?

Mesmo na comunidade de profissionais esse tema é tão polêmico que dois autores, Strokes e Baer, já em 1977, descreveram que a forma mais frequente com que pesquisas de análise do comportamento aplicada (ABA) analisavam a generalização era a partir de “train and hope” (treino e esperança).

Ou seja, a maior parte das pesquisas da época não se propunham a planejar a generalização das habilidades ensinadas, os profissionais apenas treinavam a habilidade e “torciam” para que o indivíduo passasse a utilizá-la em contextos diversos.

Isso revela o quanto a ciência do comportamento está, há anos, lutando para resolver esse entrave, além de demonstrar o quanto essa ciência tinha (e ainda tem) que caminhar nesse sentido.

Alguns dos modos de garantir generalização, além do chamado “train and hope“:

  • disponibilizar as mesmas consequências que mantém o comportamento no contexto ensinado, em todos os outros que se espera que aquele comportamento ocorra.
  • mudar a consequência que mantém o comportamento para consequências que irão mantê-lo naturalmente no cotidiano.
  • treinar a habilidade em contextos e/ou com estímulos variados o suficiente para que haja generalização.

Mas e quanto a pessoas no espectro? Há diferenças quando falamos na generalização de habilidades? A seguir veremos como isso se dá no cenário do TEA.

O aprendizado de generalização nas crianças com autismo

É comum que pessoas autistas tenham mais dificuldades do que pessoas com desenvolvimento típico em generalizar habilidades.

Isso pode ser explicado devido a pessoas no espectro apresentarem um controle de estímulos mais restrito, isto é, ficam sob controle de propriedades específicas de um estímulo, como por exemplo, sua cor. Por exemplo:

É comum que ao aprender a dizer palavra “cachorro”, quando olha o desenho de um cachorro em um livro, uma criança passe a dizer “cachorro” na presença de desenhos diferentes em livros, programas de TV ou até mesmo ao ver um cachorro passeando no parque.

Já pessoas com TEA podem apresentar dificuldade em reconhecer desenhos diferentes de cachorro como sendo o mesmo animal, se eles tiverem cores muito diferentes (ou por qualquer outra característica que não seja muito semelhante ao primeiro desenho de cachorro usado no ensino desta palavra).

Apesar disso, nós sempre reforçamos que todas crianças são capazes e têm o direito de aprender. Sendo assim, mesmo que haja mais dificuldade em promover a generalização quando se ensina habilidades novas para pessoas no espectro, isso é possível utilizando qualquer uma das estratégias citadas acima.

O sucesso na generalização depende de seu planejamento ao longo da intervenção, por isso veremos a seguir como as intervenções ABA garantem que isso ocorra.

Individualização da intervenção e generalização

Uma característica marcante das intervenções baseadas em ABA é a personalização da intervenção de acordo com as necessidades individuais da pessoa.

Sendo assim, o planejamento do ensino de qualquer habilidade deve considerar:

  • o que a criança já sabe fazer
  • seus pontos fortes, facilidades, interesses
  • os pontos que ainda precisam ser desenvolvidos

A partir desse plano de ensino e do registro de como as estratégias planejadas têm surtido efeito no comportamento da pessoa, passa-se a fazer as mudanças necessárias para que as habilidades ocorram em contextos variados (pessoas, ambientes e estímulos) e que se mantenha ao longo do tempo de maneira autônoma.

É por isso que sem o planejamento da generalização não é possível garantir que ela ocorra, tanto em intervenções aplicadas ao TEA, como em intervenções de qualquer outra natureza.

Para saber mais sobre como a ciência do comportamento pode ser aplicada com autismo e quais técnicas são recomendadas para essa população entre no nosso blog!

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora?