Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Imagem ilustrando a importância da terapia ocupacional no Autismo. Menino feliz brincando em balanço e terapeuta ao lado observando seu desenvolvimento.

A importância da terapia ocupacional e o cenário da profissão no Brasil

Com o passar dos anos, é possível ver uma crescente na importância da Terapia Ocupacional (T.O.) como uma profissional essencial no panorama da saúde no Brasil, seja para pessoas típicas ou atípicas.

Com um foco singular na promoção do bem-estar e na melhoria da qualidade de vida, os terapeutas ocupacionais desempenham um papel fundamental em diversos espaços para pessoas de todas as idades.

Neste artigo, exploraremos a importância da terapia ocupacional, desde o que é ela e qual sua função na saúde, até o cenário atual da profissão no Brasil, como o déficit de profissionais e áreas específicas de atuação, como no caso do autismo.

Vale a pena ler para conhecer mais sobre a especialidade!

O que é e qual a função da terapia ocupacional?

Segunda o COFFITO — Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional — a terapia ocupacional é uma profissional focada no estudo, tratamento e prevenção de pessoas com alterações motoras, afetivas, cognitivas e perceptivas, por conta ou não de transtornos genéticos, traumáticos ou doenças adquiridas ao longo da vida.

A T.O. é uma profissão da área da saúde que se concentra na promoção da saúde e no bem-estar através da ocupação significativa, ou seja, está ligada às atividades cotidianas que as pessoas realizam para ocupar seu tempo e dar sentido às suas vidas.

Isso inclui desde tarefas básicas, como se vestir e se alimentar, até atividades mais complexas, como trabalho e lazer.

Os terapeutas ocupacionais trabalham com pessoas de todas as idades e em diversos momentos da vida, desenvolvendo habilidades e ajudando-os a participar das atividades que são importantes em suas rotinas.

Isso pode envolver o desenvolvimento de habilidades motoras, cognitivas e emocionais, adaptação do ambiente e fornecimento de equipamentos especializados para facilitar a participação.

Com isso, fica mais fácil entender a grande importância da terapia ocupacional para a saúde da população, oferecendo cada vez mais acesso a atendimentos que potencializam a qualidade de vida e garantam um futuro mais independente para as pessoas.

Cenário da terapia ocupacional no Brasil

Menina deitada ao chão olhando para terapeuta que está ao seu lado.

No Brasil, a Terapia Ocupacional tem ganhado destaque como uma profissão essencial para a promoção da saúde e inclusão social. No entanto, apesar do reconhecimento crescente, ainda enfrentamos desafios significativos, especialmente no que diz respeito à disponibilidade de profissionais qualificados.

De acordo com os dados mais recentes do COFFITO, o Brasil conta com cerca de 17.500 mil terapeutas ocupacionais, dando uma média de 6,6 profissionais para cada 100 mil habitantes. Esse número está muito abaixo do recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

O número de terapeutas ocupacionais no Brasil ainda é relativamente baixo em comparação com outros países, e muitas regiões enfrentam uma escassez de profissionais. Isso pode dificultar o acesso aos serviços de Terapia Ocupacional para aqueles que mais precisam, criando disparidades de saúde significativas em todo o país.

Esse é um fato que cria muitas barreiras de acessibilidade para pessoas que precisam da terapia ocupacional no dia a dia, já que pode ser cada vez mais difícil encontrar profissionais qualificados e preparados, principalmente quando falamos de autismo, por exemplo.

Ainda segundo dados do COFFITO, atualmente, existe um déficit de cerca de 24 mil terapeutas ocupacionais no país, algo ligado à urgência de investimentos e formações nessa profissão tão importante.

Inclusive, a falta de profissionais especializados em T.O. implica em uma diminuição da expectativa de vida de pessoas que precisam dessa especialidade para desenvolverem suas rotinas e habilidades, como é o caso de pessoas no espectro.

Quais habilidades a terapia ocupacional ajuda a promover?

A Terapia Ocupacional é uma profissão ampla que ajuda a promover diversas habilidades e competências usadas na rotina de pessoas, atípicas ou não.

Inclusive, a importância da terapia ocupacional é tão grande para o desenvolvimento pessoal, que a especialidade é aplicada no sistema de saúde brasileiro como APS — Atenção Primária à Saúde.

Segundo o Ministério da Saúde, a APS é o primeiro nível de atenção em saúde, sendo caracterizado por diversas ações, tanto no coletivo quanto no individual, que abrangem a promoção e proteção da saúde de forma integral.

Algumas das áreas em que os terapeutas ocupacionais podem ajudar incluem:

Desenvolvimento motor

Um dos pilares fundamentais da T.O. é o desenvolvimento motor. Isso inclui habilidades como coordenação motora fina e grossa, equilíbrio, força e destreza. Os terapeutas ocupacionais trabalham com as pessoas para melhorar sua capacidade de realizar tarefas físicas essenciais para a vida diária, como vestir-se, alimentar-se, inscrever e realizar atividades domésticas.

Para crianças, o desenvolvimento motor é essencial para alcançar marcos importantes, como rastejar, andar e explorar o ambiente ao seu redor.

Autonomia nas atividades da vida diária (AVDs)

Outra área-chave da importância da terapia ocupacional é no desenvolvimento da autonomia nas atividades da vida diária (AVDs). Isso inclui tarefas essenciais para o autocuidado, como higiene pessoal, alimentação, vestimenta e manutenção da casa.

Os terapeutas ocupacionais trabalham para desenvolver habilidades que lhes permitam realizar essas atividades de forma independente e segura, adaptando o ambiente e fornecendo equipamentos quando necessário.

Habilidades cognitivas

A importância da terapia ocupacional também está diretamente ligada ao desenvolvimento de habilidades cognitivas, como atenção, memória, resolução de problemas e raciocínio.

Para pessoas com lesões cerebrais, distúrbios neurológicos ou transtornos como TEA ou Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), os terapeutas ocupacionais utilizam uma variedade de técnicas e atividades para fortalecer essas habilidades e melhorar o funcionamento cognitivo.

Habilidades sociais e emocionais

Além das habilidades físicas e cognitivas, a Terapia Ocupacional também se concentra no desenvolvimento de habilidades sociais e emocionais.

Isso inclui a capacidade de interagir efetivamente com os outros, entender e expressar emoções, resolver conflitos e construir relacionamentos significativos.

Atuação da terapia ocupacional no autismo

Uma das áreas onde a Terapia Ocupacional tem um impacto significativo é nas intervenções de pessoas com TEA.

Os terapeutas ocupacionais desempenham um papel fundamental no apoio às pessoas com autismo, ajudando-as a desenvolver habilidades sociais, emocionais e motoras necessárias para uma vida independente e autônoma.

Por meio de abordagens baseadas em evidências científicas e focadas nas necessidades individuais no espectro, os terapeutas ocupacionais trabalham para identificar e desenvolver planos de intervenção personalizados.

Isso pode incluir atividades que visam melhorar a coordenação motora, a comunicação e a autonomia nas atividades diárias, bem como estratégias de Integração Sensorial, uma das terapias mais comuns ligadas à importância da terapia ocupacional no autismo.

Os profissionais de terapia ocupacional avaliam quais são as melhores alternativas para aquela pessoa e aplicam diferentes atividades de trabalho para o desenvolvimento dela.

Durante as sessões, os terapeutas ocupacionais utilizam tecnologias e atividades diversas para garantir melhor adaptação à vida social e ambientes diversos, além do espaço terapêutico.

Assim, são elaborados planos específicos que buscam desenvolver na criança com o objetivo de ampliar as possibilidades de desenvolver os recursos necessários para tornar o cotidiano dela mais tranquilo e saudável.

Por meio disso, são criadas condições que estimulam o bem-estar e a autonomia ao longo de todos os comportamentos.

É terapeuta ocupacional? Inscreva-se já em nosso curso

Se você se interessa pela Terapia Ocupacional, já é formado na área e deseja fazer a diferença na vida das pessoas, temos um curso focado no desenvolvimento de profissionais especializados em autismo.

Aqui na Genial Care, você terapeuta, alcança o seu máximo potencial! Oferecemos um curso exclusivo para especialização em autismo, capacitando profissionais clínicos para uma intervenção de excelência, personalizada e respeitando o individual.

Prepare-se para se destacar como profissional na intervenção de pessoas com TEA e encontre módulos práticos e imersivos, com ensino pensando para quem busca transformação profissional.

Tenha acesso a conteúdos focados na inovação com rigor clínico e científico, com aulas sempre atualizadas, com abordagem integrada entre disciplinas, a fim de proporcionar uma compreensão abrangente das intervenções, unindo o uso de dados e tecnologia como apoio nas práticas terapêuticas.

Conclusão

Conseguimos perceber a importância da terapia ocupacional para a saúde da população no geral, promovendo o bem-estar de todos.

Apesar dos desafios enfrentados pela profissão, os terapeutas ocupacionais continuam a fazer uma diferença significativa na vida das pessoas, ajudando-as a alcançar seu máximo potencial e viver vidas mais autônomas e independentes.

Essa é uma profissional que garante o futuro da saúde em nosso país e consegue transformar a vida de milhares de pessoas. Desde o desenvolvimento motor até habilidades sociais e emocionais, os terapeutas ocupacionais trabalham com indivíduos de todas as idades e necessidades para promover a independência, autonomia e qualidade de vida.

Aqui em nosso blog já temos um texto completo sobre a importância da terapia ocupacional no autismo, vale a pena continuar a leitura desse conteúdo:

TERAPIA OCUPACIONAL NO AUTISMO

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso