Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Avaliação sensorial: criança brincando com molde e massa de modelar

O que você precisa saber sobre a avaliação sensorial no autismo

A dificuldade no processamento sensorial em pessoas com TEA compromete, em diferentes graus, o desenvolvimento e aprendizagem, exatamente por isso, realizar uma avaliação sensorial faz toda a diferença nas estratégias de intervenção.

Isso porque a integração sensorial representa a capacidade que uma pessoa tem de receber e processar os estímulos sensoriais que estão sendo expostos nos ambientes.

Quando pensamos na prática de integração sensorial do autismo, estamos falando em estratégias da terapia ocupacional, que têm como objetivo ajudar autistas a ultrapassarem as barreiras sensoriais, auxiliando no processamento de texturas, cheiros, gostos, sons, movimentos e outros.

Exatamente por isso, a avaliação sensorial é tão importante para entender quais são os padrões de respostas sensoriais, que geram barreiras na comunicação e interação desses indivíduos, e como podemos quebrá-las para garantir qualidade de vida, autonomia e independência.

Neste texto, você vai entender o que é avaliação sensorial e como ela pode ajudar na vida de pessoas com TEA.

Identificando o Transtorno de Processamento Sensorial

O Transtorno do Processamento Sensorial (TPS) é uma condição que acontece quando o sistema nervoso e o cérebro têm dificuldade em processar os estímulos do corpo, ambiente e sentidos. Assim, a entrada sensorial é mal interpretada ou detectada, criando dificuldades em processar, por exemplo, fome, frio, sono, luzes, sons etc.

Ainda não existem causas esclarecidas para o TPS, mas se sabe, que assim como no autismo, a genética é um dos fatores de risco. Existem dois tipos de TPS, que são:

  • Hipossensibilidade: quando a criança precisa de muito esforço para sentir algum estímulo;
  • Hipersensibilidade: quando os estímulos são percebidos com muita facilidade, criando sensações táteis desconfortáveis.

Alterações sensoriais, independente do tipo que forem, podem impactar o comportamento da pessoa com autismo, fazendo com que ela tenha menos autonomia e liberdade no dia a dia. Por isso, é muito importante sabermos diferenciar esse transtorno das birras ou crises.

O que é avaliação sensorial?

Para saber se alguém no espectro tem TPS, é preciso fazer uma Avaliação de Processamento Sensorial ou SIPT (sigla derivada do inglês). Essa avaliação sensorial é feita pelo terapeuta ocupacional, buscando entender o diagnóstico e direcionar melhor as estratégias para cada pessoa.

A avaliação de perfil sensorial na terapia ocupacional é padronizada por 17 testes fundamentados e comprovados por pesquisas científicas, por isso, tudo tem base em estudos.

Nela serão avaliados os resultados quantitativos e qualitativos dos distúrbios de integração sensorial. Importante ressaltar que, o SIPT não avalia o desempenho acadêmico ou de inteligência de uma pessoa.

Todos os testes são organizados em 4 categorias distintas:

  1. Percepção Visual Motora Livre: habilidade de perceber visualmente o espaço e a forma das coisas, deixando de lado a coordenação motora;
  2. Somatossensorial: percepção tátil, muscular e das articulações;
  3. Práxis: interpretações de instruções, habilidades de copiar modelos simples e a imitação de posturas corporal;
  4. Motor: coordenação bilateral (habilidade de coordenar os dois lados do corpo), duração de reflexos, equilíbrio dinâmico e estático e precisão motora.

A avaliação sensorial é um processo que faz parte da Integração Sensorial de Ayres, proposto em 1989 por Jean Ayres como um processo neurobiológico que organiza as sensações do próprio corpo e do ambiente, criando a capacidade de pessoas processarem, organizarem e interpretarem sensações, respondendo de maneira apropriada ao ambiente.

Short Sensory Profile (SSP)

O Short Sensory Profile é outra versão padronizada do Perfil Sensorial para identificar rapidamente se uma criança possui dificuldades específicas no processamento sensorial. Ele também é um instrumento estratégico para realizar a avaliação sensorial, que utiliza a autorregulação de Dunn, um nome bastante conhecido na T.O.

Ela ficou conhecida por criar o que conhecemos hoje como Perfil Sensorial de Dunn. Desenvolvido em 1994, esse instrumento tem o objetivo de avaliar e mensurar quanto o processamento sensorial de determinada pessoa pode facilitar ou dificultar seu desempenho funcional nas atividades da vida diária.

O SSP é um questionário para pessoas cuidadoras, desenvolvido para ser aplicado em crianças de 3 a 10 anos. São 38 perguntas com poder discriminativo dos prejuízos sensoriais.

Os itens precisam ser respondidos a partir de uma escala de pontuação de comportamentos em 5 níveis diferentes:

  1. Sempre;
  2. Frequentemente;
  3. Ocasionalmente;
  4. Raramente;
  5. Nunca.

A pontuação vai de 1 (sempre) até 5 (nunca), indicando o desempenho em determinadas situações. As mais altas indicam maior proximidade com desempenho típico, já as menores, uma probabilidade de dificuldade no processamento sensorial.

Terapia de integração sensorial e autismo

Quando pensamos em pessoas neurotípicas, elas têm muito mais facilidade para aprender a lidar com o processamento de informações sensoriais, fazendo de uma forma automática. Já para pessoas atípicas, esse aprendizado precisa ser ensinado. É aqui que entra a Terapia Ocupacional.

Por meio das práticas de T.O., os profissionais vão favorecer itens como processamento, recepção e resposta adaptativa para as pessoas no espectro.

Primeiro, é preciso fazer uma avaliação sensorial para termos um ponto de partida. Com ela, é possível entender a capacidade do indivíduo de integrar informações sensoriais, e então, desenvolver o melhor programa de intervenção para as necessidades identificadas.

Depois disso, aos poucos o terapeuta vai estimular o contato de novas informações sensoriais, seja por meio de brincadeiras, objetos ou ações. A partir de cada novo avanço, é hora de passar para outra etapa.

É muito importante ficar de olho nos resultados das intervenções, entender o que está sendo desenvolvido e o que pode ser melhorado. Esse é um trabalho constante que exige reavaliação por parte da equipe, por isso, cuidadores precisam entender o que está sendo feito.

Ter o respaldo de profissionais capacitados e especializados, ajuda a família a ficar mais tranquila do que está sendo feito, e garante a melhora na qualidade de vida dos autistas.

Aqui no nosso blog temos uma seção dedicada a conteúdos sobre Terapia Ocupacional e que podem ajudar nesse momento, acesse:
Conteúdos de Terapia Ocupacional

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul