Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Ilustração de um menino brincando com blocos geometricamente distintos. Integração sensorial no autismo.

Integração sensorial no autismo: o que é e como funciona?

A integração sensorial no autismo é uma das práticas mais conhecidas da terapia ocupacional. Seu principal objetivo é ajudar pessoas com dificuldades sensoriais, ou seja, auxiliar no processamento de texturas, sons, cheiros, gostos, brilho e movimento, por exemplo.

Essas dificuldades que podem ser comuns em pessoas com autismo podem ocasionar pouca consciência corporal e controle do próprio corpo. Por esse motivo, profissionais de Terapia Ocupacional (T.O.) que atuam com a integração sensorial são tão procurados para ajudar nessas demandas.

Vale reforçar que esse tipo de intervenção é considerada prática baseada em evidências científicas que funcionam para o autismo.

Neste artigo, explicamos mais sobre essas terapias, a importância da integração sensorial no autismo, dificuldades, e como elas podem ajudar. Se você é um terapeuta ocupacional comprometido e em busca de uma oportunidade para trabalhar com crianças com autismo, no final deste artigo, vamos apresentar uma oportunidade para você se juntar à equipe da Genial Care.

O que é a integração sensorial?

 

terapeuta com criança em sala de integração sensorial
Terapeuta Genial Care

A Integração Sensorial é um processo neurológico pelo qual o cérebro organiza e interpreta as informações sensoriais provenientes do ambiente.

Para as crianças com autismo, a integração sensorial pode ser um desafio, já que o cérebro de alguém no espectro pode processar e responder a estímulos sensoriais de maneira diferente. Isso pode levar a dificuldades na regulação emocional, na interação social e no desempenho funcional.

Assim, essa integração tem como objetivo fornecer experiências terapêuticas estruturadas e cuidadosamente planejadas para desenvolver e aprimorar a forma como o cérebro processa e integra as informações sensoriais recebidas pelo ambiente.

O autismo e a disfunção do processamento sensorial

A hipersensibilidade e dificuldade em lidar com informações visuais, sonoras ou toques é bastante comum em pessoas com autismo. Por esse motivo, vemos pessoas no espectro que não conseguem assistir a uma queima de fogos de artifício ou com luzes muito fortes e intensas, por exemplo.

Em alguns casos, essas dificuldades podem ser tão intensas que o indivíduo se machuca para estar totalmente consciente do próprio corpo. Esse conjunto de características é o que atende o que chamamos de “disfunção do processamento sensorial” e consta em manuais diagnósticos como um dos sintomas de autismo.

De acordo a 5ª edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), da Associação Americana de Psiquiatria, problemas sensoriais no Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) são descritos da seguinte maneira:

“Hiper ou hipo-reatividade a estímulos sensoriais ou interesses incomuns em aspectos sensoriais do ambiente (por exemplo, aparente indiferença à dor / temperatura, resposta adversa a sons ou texturas específicas, cheiro ou toque excessivo de objetos, fascínio visual por luzes ou movimento)”.

Assim, entendemos que:

  • Hipersensibilidade: é quando a pessoa sente demais os estímulos. Por isso, os sons podem ser, por exemplo, mais altos e estímulos visuais muito fortes;
  • Hipossensibilidade: o indivíduo precisa de muito esforço para sentir qualquer tipo de estimulação. Por isso é comum que pessoas com hipossensibilidade estejam sempre agitadas e em movimento.

Quais são os Transtornos do Processamento Sensorial?

A própria disfunção do processamento sensorial pode apresentar diferentes diagnósticos dentro e fora do TEA. Essas diferenças ajudam profissionais de terapia ocupacional e a própria família a entenderem qual tipo de intervenção sensorial vai ajudar aquele indivíduo.

Entre as classificações diagnósticas do Transtorno do Processamento Sensorial estão:

  • Transtorno de modulação sensorial: dificuldade para regular grau, intensidade e natureza das respostas dos estímulos sofridos;
  • Transtorno de discriminação sensorial: gasta mais energia para identificar diferenças e semelhanças dos estímulos;
  • Transtornos motores com base sensorial: dificuldade para absorver informações do próprio corpo e reagir de forma coerente com o ambiente.

É preciso conhecer esta condição para entender as terapias de integração sensorial.

Como é a terapia de integração sensorial no autismo?

Para as pessoas neurotípicas, aprender a lidar com o processamento de informações sensoriais é algo automático, ou seja, ninguém precisa ensinar, pois aprendemos sozinhos a interpretar e reagir a estímulos sonoros, visuais e de toque, por exemplo.

No caso de pessoas com autismo, esse aprendizado muitas vezes precisa ser ensinado, é aí que surgem as terapias de integração sensorial.
É por meio desta prática que profissionais de T.O. vão favorecer itens como a recepção, o processamento e a resposta adaptativa ao meio para esses indivíduos.

Mas como isso funciona? Te explicamos a seguir:

Avaliação

Como ponto de partida, a terapeuta avalia a capacidade do indivíduo de integrar informações sensoriais e, então, desenvolve um programa de intervenção com experiências sensoriais que atende às necessidades identificadas.

Experiências terapêuticas

O programa de intervenção é determinado para atingir desafios que estão um nível acima da capacidade da pessoa. Algumas das intervenções comuns nesse momento são balançar, escovas, jogar bolas etc.

Um exemplo disso é: se a criança sente muito incômodo ao tocar em determinadas texturas, T.Os vão estimular esse contato aos poucos, por meio de brincadeira, como pedir para a criança feche os olhos e toque em uma massinha de modelar ou brinquedos de borracha, que são considerados objetos de textura grudenta.

A partir do momento que ela estiver acostumada com essa sensação, é hora de passar para outros objetos com texturas similares e diferentes.

Apresentação de resultados

Depois é o momento de apresentar os resultados desta intervenção. Em muitos casos, as terapias de integração sensorial resultam em melhor foco e comportamento por parte do indivíduo, além de ansiedade reduzida.

Claro que esse é um trabalho constante que exige reavaliação por parte da equipe de terapia ocupacional que atende a criança e constante cuidado em adaptar as atividades às necessidades identificadas.

Banner sobre a Rede Genial de terapeutas com mulher acompanhando uma criança em suas brincadeiras.

Integração Sensorial de Ayres

Bastante conhecida na área de terapia ocupacional, a Integração Sensorial de Ayres é uma área de especialidade da T.O., que foi desenvolvida por Jean Ayres na década de 1950.

Mesmo isso tendo ocorrido há mais de 70 anos, os estudos de Ayres se mantém atuais até os dias de hoje, e a prática é replicada por inúmeros profissionais da terapia ocupacional.

Essa especialidade foi desenvolvida como um processo neurobiológico que organiza as sensações do próprio corpo e do ambiente, criando a capacidade de pessoas processarem, organizarem e interpretarem sensações, respondendo de maneira apropriada ao ambiente.

Os indivíduos recebem informações sensoriais por meio dos 7 sentidos e assim, através deles é possível entender o corpo, ambiente e todos os estímulos exteriores, criando uma reação de aprendizado de acordo com cada um deles. Assim, é possível conectar corpo e mente.

Perfil Sensorial de Dunn

Outro nome bastante conhecido dentro da T.O. é Winnie Dunn. Conhecida por criar o que conhecemos hoje como Perfil Sensorial de Dunn.

Desenvolvido em 1994, esse instrumento tem o objetivo de avaliar e mensurar quanto o processamento sensorial de determinada pessoa pode facilitar ou dificultar seu desempenho funcional nas atividades da vida diária.

Sua base principal foram estudos do desenvolvimento, neurociências e comportamento humano, principalmente, em pesquisas específicas sobre autorregulação. Ele é baseado na Estrutura de Processamento Sensorial de Dunn, que trabalha com dois conceitos importantes a saber: limiar neurológico e autorregulação.

O conceito de limiar neurológico está relacionado com a quantidade de estímulos necessários (intensidade) para acionar o receptor sensorial, transformá-lo em estímulo elétrico, assim chegando ao córtex cerebral, ou seja, perceber ou não perceber um estímulo sensorial.

Sendo assim, a aplicação de protocolos como o perfil sensorial de Dunn é essencial para, ao identificar o funcionamento sensorial da criança, estabelecer estratégias práticas e na vida real que vão ajudá-las a responder ao ambiente adequadamente.

O ambiente da integração sensorial

 

 

terapeuta e criança em sala multissensorial
sala multissensorial genial care

Por último, é super importante falar um pouco sobre o ambiente em que são realizadas as intervenções sensoriais no autismo. Uma vez que para trabalhar o processamento sensorial é necessário lidar com diferentes estímulos, ter um espaço com essas possibilidades é algo extremamente importante.

Esse é um dos motivos de não ser possível realizar as intervenções de integração sensorial na casa da família, por exemplo.

É preciso uma sala – ou várias – onde a criança possa ser exposta a diferentes estímulos (visual, tátil, auditivo, vestibular/equilíbrio, proprioceptivo/consciência corporal, olfato e paladar) para trabalhar sua percepção, regulação e modulação sensorial.

Assim, a sala de integração sensorial é um espaço com objetos como redes, piscinas de bolinhas, balanços, paredes de escalada e outros.
O objetivo da terapia sensorial é trabalhar a maneira como as sensações são processadas pelo cérebro do indivíduo. Desta maneira, é possível ajudar pessoas com autismo a entender melhor as informações que recebem e a usá-las para facilitar seu dia a dia.

Estamos contratando

terapeutas Genial Care conversando na frente do computador
A inclusão de um terapeuta ocupacional na equipe multidisciplinar de intervenção para crianças autistas é essencial. Por isso, se você é um profissional da terapia ocupacional e busca uma oportunidade inovadora para fazer a diferença na vida de crianças com autismo e suas famílias, a Genial Care é o lugar perfeito para você.Nossa clínica multidisciplinar está com vagas de T.O., expandindo a equipe e buscando profissionais comprometidos e talentosos para se juntarem a nós nessa transformação.

Oferecemos um ambiente de trabalho colaborativo, infraestrutura moderna e recursos atualizados para o desenvolvimento profissional contínuo.

Além disso, você terá a chance de trabalhar lado a lado com uma equipe experiente de especialistas multidisciplinares, incluindo psicólogos ABA e fonoaudiólogos, proporcionando uma abordagem abrangente e integrada em todo o processo.

Terapeutas: preencham já nosso formulário

Na Genial Care, valorizamos a dedicação, a empatia e o compromisso em ajudar todas as crianças a alcançarem seu máximo potencial. Se você deseja fazer parte de uma equipe apaixonada por transformar vidas e contribuir para o avanço da terapia ocupacional no autismo, acesse nossas vagas agora mesmo.

A Genial Care é uma clínica multidisciplinar para crianças autistas e suas famílias, mas, além disso, é uma healthtech que valoriza os profissionais clínicos e oferece constantes treinamentos, trocas e formações para entregar resultados clínicos e intervenções de excelência.

Conclusão

A Integração Sensorial desempenha um papel fundamental no desenvolvimento e no bem-estar das crianças com autismo. Através de abordagens terapêuticas especializadas, como as oferecidas pela Genial Care, as crianças podem aprender a regular suas respostas sensoriais, aprimorar suas habilidades sociais e desenvolver todo o seu potencial.

Essa estratégia pode trazer uma série de benefícios significativos para crianças com autismo, incluindo melhora na regulação emocional, aumento da interação social, desenvolvimento de habilidades motoras e aprimoramento de atenção e concentração.

Ela é uma das práticas usadas pela Genial Care para promover o aprendizado de crianças no TEA. Se você é um terapeuta que compartilha essa visão e está procurando uma oportunidade gratificante de carreira, não perca a chance de se juntar à Genial Care. Juntos, podemos ajudar a transformar a vida das crianças com autismo.

Quer saber mais sobre nossos serviços? Acesse nosso site:

Rede de cuidado de saúde atípica

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul