Genial Care

Pesquisar
Pesquisar
desenvolvimento infantil: imagens tem fundo salmão e bebê agachado

Desenvolvimento infantil: o que observar até os 6 anos?

No desenvolvimento infantil, quando o bebê ainda está dentro do ventre da mãe são feitos exames e análises médicas para analisar seu crescimento e evolução durante a gestação. Isso acontece porque, desde esta fase, é preciso entender se seu desenvolvimento está ocorrendo de acordo com o esperado e ele está atingindo o que especialistas chamam de “marcos do desenvolvimento”.

A partir do momento em que a criança nasce, essa observação continua a ser importante e, apesar de dizermos sempre que cada pessoa tem seu próprio tempo de evolução, existem marcos no desenvolvimento infantil que precisam ser verificados.

Quando esses marcos não são atingidos ou demoram mais a aparecerem, dizemos que a criança apresenta sinais de atraso no desenvolvimento. Nesse texto, explicamos quais são os marcos a serem atingidos de 0 a 6 anos de idade.

Desenvolvimento infantil dos 0 aos 6 anos

Até os 3 primeiros meses

Nesse período, especialmente durante o primeiro mês, o bebê dorme a maior parte do tempo e seus músculos e sistema nervoso central ainda estão em desenvolvimento, o que faz com que ele consiga enxergar objetos e pessoas que estão a menos de 30 centímetros de distância.

Com dois meses, já consegue seguir alguns objetos com o olhar e levantar a cabeça, além de ser aqui que está pronta para vocalizar sons ainda primitivos. Aos três meses, por outro lado, esses primeiros sons são aprimorados e é quando ocorre, também, a sustentação da cabeça.

Outro sinais de desenvolvimento que ocorrem até o terceiro mês de vida são:

  • Entre os 2 e os 4 meses, o bebê reage aos sons e às alterações do tom de voz das pessoas que o rodeiam.
  • Consegue distinguir seus principais cuidadores das demais  pessoas com quem se relaciona e estabelece com eles uma relação privilegiada.
  • Fixa o rosto e sorri (o 1º sorriso social aparece por volta das 6 semanas).
  • Aprecia situações sociais com outras crianças ou adultos.
  • Tem o choro como sua principal forma de comunicação, podendo significar estados distintos (sono, fome, desconforto etc).

De 4 a 7 meses

Ao completar quatro meses, o bebê já deve ser capaz de sustentar a cabeça. Um mês mais tarde, outro marco do desenvolvimento infantil é que ele já conhece as partes do corpo e começa a brincar com elas – agarrando os próprios pés e brincando o tempo todo com as mãos, por exemplo. Também já apoia as mãos e levanta a cabeça.

Os primeiros sons com sílabas, como “mama” e “baba” aparecem dos 6 aos 7 meses. Nessa fase, a criança também já consegue passar um objeto de uma mão para outra ao brincar, porque já consegue sentir mais esses objetos.

Outros marcos do desenvolvimento nessa idade:

  • Entre os 4 e os 6 meses já consegue utilizar os membros para se movimentar: rola para trás e para frente e apresenta também maior eficácia em alcançar e agarrar o que quer ou a posicionar-se no chão para brincar.
  • Entre os 4 e os 6 meses a visão e a coordenação olho-mão encontram-se próximas da do adulto.
  • Por volta dos 4-6 meses, adquire grande sensibilidade às modulações nos tons de voz que ouve.
  • Por volta do 6º mês, compreende algumas palavras familiares (o próprio nome, “mamã”, “papá”.). Importante: vira a cabeça em direção ao som quando o chamam.

De 8 a 12 meses

Essa é considerada a fase principal na qual o bebê se torna móvel, o que significa que ele começa a engatinhar, se mexer. Mas é também nesse período que ele consegue sentar com mais facilidade e até arriscar alguns passos laterais com algum apoio.

A partir dos 11 meses, já responde a chamados, demonstra total compressão pelo próprio nome e também consegue brincar batendo palmas e dar tchau. Já é capaz, também, de levar a colher à boca para se alimentar.

Outros marcos esperados:

  • A partir dos 10 meses, a noção de causa-efeito está bem desenvolvida, o que significa que o bebê sabe exatamente o que vai acontecer quando bate num determinado objeto (produz som) ou quando deixa cair um brinquedo (o pai ou a mãe vai pegar). Começa também a relacionar os objetos com o seu fim (exemplo: ao brincar com o telefone, o coloca junto ao ouvido).
  • Já consegue se manter concentrado durante períodos de tempo cada vez mais longos.
  • A primeira palavra pode surgir por volta dos 10 meses de idade.
  •  O bebê está mais sociável, procura ativamente a interação com quem o rodeia (por meio de vocalizações, gestos e expressões faciais).
  • Inicia comportamentos de imitação, relativamente a pequenas ações que vê os adultos fazer (lavar o rosto, escovar o cabelo etc).
  • Mostram preferência por um determinado objeto (um cobertor ou uma pelúcia, por exemplo), o qual terá um papel muito importante na vida do bebê – ajuda a adormecer, é objeto de reconforto quando está triste, etc.

De 1 a 3 anos

Com um ano, é esperado que a criança já consiga proferir pelo menos uma palavra. Aos dois anos, consegue dar nome a objetos, dizer o próprio nome e começa a formar frases. Nessa idade, ela também aprende a correr, e é o momento de ficar com a atenção redobrada para evitar possíveis quedas.

Aos três anos, ela já tem alguns amigos, embora por vezes prefira brincar sozinha, consegue se vestir com auxílio dos pais e calçar os sapatos sozinha e aprende, aos poucos, a usar o penico e o banheiro. Outros marcos esperados:

  • Começa a andar, sobe e desce escadas, sobe nos móveis etc. Inicialmente, o equilíbrio ainda é bastante instável. Porém, a partir dos 16 meses, o bebê já é capaz de caminhar e de se manter de pé em segurança, com movimentos muito mais controlados.
  • É capaz de acompanhar pedidos simples, como, por exemplo “me dê a caneca/ o copo”.
  • Consegue estabelecer a relação entre um carrinho de brincar e o carro da família.
  • Entre os 20 e os 24 meses é também capaz de brincar de atividades que envolvem imaginação, como o faz de conta (por exemplo: fingir colocar chá de um bule para uma xícara, põe açúcar, tomar… ) ou seja,lembra uma sequência de acontecimentos e consegue imitá-las ao brincar. Importante: a capacidade de fazer esse tipo de jogos indica que a criança  compreende a diferença entre o que é real e o que não é

De 4 a 6 anos

Aos 4 anos, a criança já apresenta um grande repertório de palavras – algo em torno de 1500, uma imaginação poderosa e consegue se comunicar facilmente com seus responsáveis. No que diz respeito ao desenvolvimento motor, já consegue andar de bicicleta e patinete, além de realizar mais atividades relacionadas ao equilíbrio. Também já consegue se vestir sozinha.

Entre 5 e 6 anos, ela entra na “fase dos porquês”, devido à curiosidade aguçada. Também é quando ela demonstra mais sua vontade própria, dizendo com mais frequência e o que quer e o que não quer fazer.

Outros marcos:

  • Melhor pronúncia das palavras.
  • Aprende a ler sozinha.
  • Melhoria do desenvolvimento motor: consegue usar a tesoura, transporta copo sem derrubar o conteúdo e consegue fazer um nó.
  • Compreende conceitos de número e de espaço: “mais”, “menos”, “maior”, “dentro”, “debaixo”, “atrás”.
  • Começa a compreender que os desenhos e símbolos podem representar objetos reais.
  • Reconhece padrões entre os objetos: objetos redondos, objetos retangulares, quadrados.
  • Tem maior consciência do certo e errado, preocupando-se geralmente em fazer o que está certo; pode culpar os outros pelos seus erros (dificuldade em assumir a culpa pelos seus comportamentos).

Considerações importantes

Não apresentar ou demorar para algum desses marcos do desenvolvimento infantil não significa, necessariamente, que a criança apresenta atraso. No entanto, é interessante estar atento quando dois ou mais sinais se tornam mais evidentes ao longo do crescimento da criança.

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso Escala M-CHAT: saiba como funciona! Déficit na percepção visual: Como a terapia ocupacional pode ajudar? 3 aplicativos que auxiliam na rotina de crianças autistas 3 Animações que possuem personagens autistas | Férias Geniais Conheça os principais tratamentos para pessoas no espectro autista Diagnóstico de autismo do meu filho. O que preciso fazer? Quais os principais sinais de que meu filho tem autismo? Diagnóstico de autismo: quais os próximos passos. Veja 5 dicas Estereotipias: o que são e quais as principais em pessoas autistas Graus de autismo: Conheça quais são e como identificá-los