Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Mulher adulta que acabará de receber seu Diagnóstico tardio.

Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro?

O diagnóstico tardio de autismo é uma realidade cada vez mais presente na vida de muitas pessoas.

Isso acontece, principalmente, porque a conscientização do TEA e os avanços em processos diagnósticos permitem identificar pessoas que estão no espectro, mesmo que elas já sejam adultas.

Mas, diferente de um diagnóstico que acontece quando se é criança, para diagnosticar o autismo na vida adulta, são necessários outros procedimentos e avaliações. Além disso, é muito importante que exista representatividade para que cada vez mais pessoas identifiquem a possibilidade de estarem no espectro.

Nesse artigo, explicamos mais sobre esse processo do diagnóstico tardio de autismo e quais profissionais procurar. Continue lendo para aprender.

O que é autismo?

O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento que muda a forma como as pessoas veem e interagem com o mundo.

Quando falamos nas características do autismo, temos algo que conhecemos como díade do autismo, que são:

  • Dificuldades na comunicação e interação social;
  • Presença de padrões de movimentos restritos e repetitivos.

Pessoas no espectro têm uma forma diferente de vivenciar experiências, agir e interpretar o mundo do que pessoas consideradas neurotípicas – ou seja, sem nenhum transtorno ou condição.

Além disso, uma pessoa autista pode apresentar dificuldades nas relações do dia a dia, dificuldades em lidar com mudanças na rotina e até em estar exposta a situações onde existem muitos estímulos visuais e sonoros, por exemplo.

Atualmente, o diagnóstico de autismo pode ser fechado com a ajuda de manuais como o DSM-5 e a CID-11.

Por que autismo é um espectro e não uma doença?

O termo “espectro” foi introduzido em 2013 para descrever a diversidade de sinais e níveis de suporte dentro do TEA. Isso porque, cada pessoa no espectro tem suas próprias características e singularidade, o que as torna únicas.

Com a inclusão do termo no DSM-5, o autismo passou a ser chamado de Transtorno do Espectro do Autismo, reconhecendo essa pluralidade. Isso ajuda a evitar estereótipos e promove uma compreensão mais ampla do transtorno.

Além disso, é importante lembrar que o TEA não é uma doença, por isso não existe nenhum tipo de cura. O que existem são intervenções baseadas nas evidências científicas que apoiam e promovem a qualidade de vida daqueles que estão nesse espectro.

A ampliação da discussão sobre as singularidades do autismo aumenta a representatividade e facilita a busca por diagnósticos precisos, mesmo quando falamos de pessoas adultas.

Já que, por ser um espectro, o autismo permite que cada pessoa tenha suas características, barreiras e diferenças, ampliando a diversidade e indicando as múltiplas formas de ser alguém autista.

Quais são os graus de autismo?

Os manuais mais recentes para apoiar o diagnóstico de autismo são o DSM-5 e a CID-11. Em ambos, o autismo está nos Transtornos do Espectro do Autismo (TEA), cujo laudo vem acompanhado do código 6A02 mais definição:

  • 6A02.0 – Transtorno do espectro do autismo sem deficiência intelectual e com comprometimento leve ou ausente na linguagem funcional;
  • 6A02.1 – Transtorno do espectro do autismo com deficiência intelectual e com comprometimento leve ou ausente da linguagem funcional;
  • 6A02.2 – Transtorno do espectro do autismo sem deficiência intelectual e com linguagem funcional prejudicada;
  • 6A02.3 – Transtornos do espectro do autismo com deficiência intelectual e com linguagem funcional prejudicada;
  • 6A02.4 – Transtorno do espectro do autismo sem deficiência intelectual e com ausência de linguagem funcional;
  • 6A02.5 – Transtorno do espectro do autismo com deficiência intelectual e com ausência de linguagem funcional;
  • 6A02.Y – Outro transtorno do espectro do autismo especificado;
  • 6A02.Z – Transtornos do espectro do autismo não especificados.

Para facilitar um pouco esse entendimento, é comum que muitos profissionais e famílias se refiram a esses diagnósticos como níveis de autismo, definidos como:

Em casos de diagnóstico tardio de autismo, é bem comum que a pessoa receba o laudo de autismo leve.

Banner sobre a Rede Genial de terapeutas com mulher e uma menina brincando com bolhas de sabão.

Como o diagnóstico tardio de autismo é feito?

Com o passar do tempo, muitos adultos têm procurado ajuda para o diagnóstico tardio de autismo.

Isso acontece, principalmente, porque se identificam com pessoas que conhecem que estão no espectro ou até mesmo com personagens de séries e filmes.

Esse foi o caso da escritora e estudante de cinema Letícia Magalhães.

Apesar de sempre ter se sentido diferente das outras pessoas com quem convivia, ela só percebeu que poderia estar no espectro ao comparar muitos de seus comportamentos ao personagem Sheldon, da sitcom The Big Bang Theory.

“Um dia, lendo uma reportagem na Revista Superinteressante, li que Sheldon era um exemplo de pessoa com Síndrome de Asperger. Isso plantou uma hipótese na minha mente”, lembra.

diagnóstico tardio de autismo: montagem em lego dos personagens da série The Big Bang Theory

Apesar disso, o diagnóstico formal demorou para aparecer. “Comecei a fazer terapia e ir à psiquiatra. Fui primeiro diagnosticada com depressão e fobia social, mas ainda não me sentia completamente contemplada com esse diagnóstico. Com mais e mais conversas na mídia, principalmente na internet, sobre o espectro autista, resolvi ir atrás para ver se eu estava realmente no espectro, algo que alguns testes na internet já haviam me confirmado”.

Em 2017, já com 24 anos, Letícia descobriu que havia uma clínica especializada em autismo na cidade em que mora e resolveu buscar ajuda para o diagnóstico de TEA.

Psicologia e psiquiatria no diagnóstico tardio de autismo

Muitos profissionais das áreas da psicologia e da psiquiatria têm conhecimento sobre autismo e podem ser os primeiros a ajudar uma pessoa que acha que pode estar no espectro a iniciar seu processo diagnóstico.

A função deles, nesse sentido, é fazer uma entrevista inicial, coletar dados e, em alguns casos, preencher algumas escalas padronizadas que ajudem a direcionar o processo diagnóstico.

Assim, caso se identifique que existe a possibilidade daquela pessoa estar no espectro, pode haver o encaminhamento para uma avaliação neuropsicológica.

Avaliação neuropsicológica no processo de diagnóstico tardio de autismo

Para confirmar a suspeita, é necessário que a pessoa passe por um processo de avaliação neuropsicológica.

Esse exame tem como objetivo mensurar e descrever o perfil de desempenho cognitivo, sendo possível avaliar suspeitas de alterações cognitivas que podem ser decorrentes de desordens neurológicas e outros transtornos, como o autismo.

A avaliação neuropsicológica é feita em várias etapas e exige uma série de procedimentos que devem ser minuciosos, como:

  • Testes neurológicos e psicológicos específicos;
  • Anamnese médica a partir de entrevistas com o paciente e seus familiares;
  • Observação clínica.

Depois de aplicar os testes necessários e avaliar a pessoa, o profissional analisa os dados, tomando como base as respostas médias da população geral e, a partir daí, consegue traçar um diagnóstico.

Apesar do processo de diagnóstico tardio de autismo ser longo e muitas vezes difícil para quem está nesta busca, obter uma resposta pode trazer a sensação de alívio e autocompreensão.

“Já ouvi falar que o diagnóstico era uma muleta, uma desculpa para meus defeitos, ou um rótulo desnecessário. Mas para mim não foi nada disso. Com o diagnóstico, comecei a me envolver com grupos de pessoas no espectro online, e troquei muitas experiências e conhecimentos, além de fazer boas amizades.”

“Hoje sei que minha ‘estranheza’ tem nome, e não preciso ter vergonha de quem sou”.

Conclusão

O diagnóstico tardio de autismo é um passo muito importante para que cada vez mais pessoas se entendam consigo mesmo e tenham clareza sobre suas características e individualidades.

Além disso, esse laudo ajuda no suporte e apoio necessário para ter um futuro com cada vez mais independência e autonomia, recebendo as intervenções adequadas para o desenvolvimento de habilidades.

Quanto mais falamos sobre autismo e vemos representatividade e inclusão de pessoas no espectro, mais pessoas conseguiram buscar o diagnóstico tardio de autismo e receber apoio adequado, independente da idade.

Educar pais, profissionais de saúde e educadores sobre o autismo é fundamental para promover um ambiente de apoio e compreensão para aqueles que acreditam estar no espectro.

Aqui em nosso blog temos um conteúdo sobre neurodiversidade e que pode ajudar pessoas a entenderem se são neurodivergente. Vale a pena ler agora mesmo:

Como saber se você é neurodivergente?

Conheça nosso atendimento para autismo

Conteúdos relacionados

Esse artigo foi útil para você?

Dia Nacional do Futebol: inclusão e emoções das pessoas com TEA Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Aprovado Projeto de Lei que obriga SUS aplicar a escala M-CHAT em crianças de 2 anos Dia mundial do Rock: conheça 5 bandas com integrantes autistas Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? Senado: debate público sobre inclusão educacional de pessoas com TEA Emoções no autismo: saiba como as habilidades emocionais funcionam Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin