Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Neurodiversidade: crianças estão sentadas em um banco e observam um campo verde a frente delas

Neurodiversidade: o que é e relação com o autismo?

O termo neurodiversidade tem se popularizado muito nos últimos anos e sido usado cada vez mais, inclusive na comunidade do autismo. De uma forma resumida, movimentos ligados a esse conceito têm como principal objetivo reconhecer e respeitar as diferenças neurológicas que fazem parte da vida de muitas pessoas.

Assim, uma das primeiras relações entre a neurodiversidade e o autismo é justamente o fato do TEA não ser mais considerado uma doença e, portanto, não existir uma cura para esta condição. O mesmo ocorre com outros casos que incluem a neurodiversidade, como dispraxia, TDAH, síndrome de Tourette e outras.

Neste artigo, explicamos mais sobre como surgiu esse movimento, qual sua importância, qual sua com o autismo e os principais desafios da neurodiversidade no Brasil.

O que é neurodiversidade?

O primeiro registro de uso do termo “neurodiversidade” ocorreu em 1988. Nesta ocasião, a socióloga australiana Judy Singer, que também tinha o diagnóstico de Síndrome de Asperger, afirmou que uma conexão neurológica atípica não era o mesmo que uma doença a ser tratada ou curada.

Ao contrário disso, ela acreditava que essas diferenças humanas deveriam ser respeitadas. Essa visão era bem diferente daquela que pais e profissionais tinham anteriormente sobre a busca por uma possível cura para o autismo e outras condições. Mas apesar de Singer ter sido a primeira a usar o termo, a discussão sobre neurodiversidade acontecia bem antes.

Um exemplo disso é a atuação de Jim Sinclair, um homem no espectro do autismo que fundou uma associação chamada Autism Network International. Durante uma conferência sobre autismo em Toronto, no Canadá, ele se identificou como pessoa autista e criticou movimentos formados por pais.

Em um ensaio publicado anos mais tarde, Sinclair voltou a abordar a importância de se compreender o autismo como uma diferença a ser respeitada. Em suas palavras:

“Autismo é um jeito de ser. Não é possível separar a pessoa do autismo. […] Quando os pais dizem ‘gostaria que meu filho não tivesse autismo’, o que estão realmente dizendo é ‘gostaria que meu filho com autismo não existisse e eu tivesse uma criança diferente em seu lugar’”.

De acordo com registros históricos, a Autism Network International é a primeira sociedade norte-americana organizada por alguém com o diagnóstico de autismo. Antes disso, o ativismo da causa era exercido somente por pais.

Pessoas como Judy Singer e Jim Sinclair foram essenciais para dar força ao movimento pela neurodiversidade, que hoje foi adotado por diversas pessoas no espectro.

Neurodiversidade e autismo

Além do termo neurodiversidade ter sido usado pela primeira vez por uma pessoa no espectro do autismo, o crescimento dos movimentos ligados a esta ideia pelo mundo foram essenciais para criar uma relação com o TEA.

Para começar, pessoas autistas adotaram a ideia e o movimento como uma forma de ver suas diferenças entendidas e respeitadas. Exemplo disso é o fato do símbolo mais utilizado dentro da comunidade autista – formada apenas por pessoas no espectro – para representar o autismo ser o símbolo da neurodiversidade.

Bem diferente de simbologias escolhidas no passado para definir o autismo, como o quebra-cabeça e até mesmo a cor azul. Vale ressaltar que essa crítica de pessoas autistas aos símbolos antigos têm sido cada vez mais ouvidas por membros da comunidade do autismo – como pais, familiares e profissionais ligados à causa.

De modo geral, podemos dizer que um dos principais objetivos da comunidade autista é justamente conseguir incluir pessoas no espectro nas discussões que envolvem a causa. Graças aos movimentos pela neurodiversidade a presença de autistas em eventos sobre o tema e o aumento da relevância deles dentro da comunidade tem sido cada vez mais evidente.

Obviamente, esse movimento ainda encontra muitos desafios, especialmente no Brasil. Além disso, ativistas autistas ainda recebem muitas críticas quanto às suas atuações.

Principais críticas ao movimento pela neurodiversidade

De acordo com um artigo publicado por Tiago Abreu e Sophia Mendonça, ambos no espectro do autismo, no portal O mundo autista, o movimento de neurodiversidade no Brasil tem recebido muitas críticas. Algumas das principais citadas por eles são:

  1. Falta de delimitação do que seria apenas diversidade e o que seria uma diferença ruim;
  2. O fato da maior parte dos ativistas serem “autistas leves” e não possuírem as mesmas necessidades e demandas que autistas conhecidos como “moderados” ou “severos”;
  3. O movimento ser considerado excludente e autoritário;
  4. As críticas de ativistas do movimento à Análise do Comportamento Aplicada (ABA), por considerarem que ela “robotiza” a pessoa autista e busca excluir características como os comportamentos repetitivos (conhecidos como estereotipias ou stims);
  5. A forma como os ativistas se relacionam com a ciência. Defendendo, por vezes, práticas desacreditadas pela ciência como possíveis intervenções para o TEA.

Os desafios da neurodiversidade no Brasil

Diante disso tudo, é certo que o movimento pela neurodiversidade tem enfrentado muitos desafios no Brasil. Um dos principais têm relação com o mercado de trabalho. Isso porque empregadores ainda têm resistência em admitir em seu quadro de funcionários pessoas autistas.

Parte disso tem relação com as adaptações necessárias para que uma pessoa autista consiga exercer suas funções. Algumas delas são:

  • Uso de fones de ouvido antirruído para bloquear barulhos externos que podem ser incômodos;
  • Previsibilidade sobre tarefas e expectativas;
  • Clareza ao realizar pedidos e demandar atividade.

Além disso, pesquisadores entendem que para incluir funcionários neurodiversos nas empresas, é preciso que haja uma reformulação nos processos de seleção, recrutamento e desenvolvimento da carreira.

Pontos positivos de ter funcionários neurodiversos

Apesar destas dificuldades que o movimento pela neurodiversidade encontra, existem muitos benefícios de ter esses funcionários dentro das empresas. Uma pesquisa feita em 2016 pelo National Institute of Economic and Social Research (NIESR) afirma que profissionais neurodiversos podem demonstrar maior comprometimento e confiabilidade.

Segundo a publicação,  quando uma empresa adota políticas que visam incluir a neurodiversidade conquistam melhores resultados, entre eles:

  • Alta performance da equipe;
  • Bons índices de saúde organizacional.

Embora ainda exista um longo caminho a se seguir em prol da neurodiversidade, é preciso entender como esses movimentos têm crescido e ganhado relevância ao longo dos anos. Isso é real, principalmente quando falamos de ativistas autistas, que têm ganhado mais espaço dentro da comunidade.

Tudo isso é um lembrete de que pessoas autistas crescem, e têm muito a contribuir conosco. E se você deseja conhecer mais sobre o trabalho da Genial Care e como você pode se tornar um de nossos colaboradores, entre em contato através do site!

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora?