Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Sexualidade no autismo: casal se beija

Sexualidade e puberdade no autismo

A sexualidade e puberdade no autismo são temas desafiadores para familiares e profissionais. Essa dificuldade se encontra em todas as áreas de atuação com jovens, sejam eles neurotípicos e atípicos.

Porém, quando falamos do TEA isso se agrava ainda mais, devido à ausência de diretrizes específicas para essa população. Em 2002, Blancett e Wolfe conduziram uma revisão de 12 currículos de educação sexual para pessoas com deficiências. Nenhum deles focou diretamente em pessoas autistas.

Neste artigo, vamos discutir temas e intervenções que devem ser inseridas no programa de ensino de habilidades e terapia voltada para o autismo.

Por que falar sobre sexualidade com jovens?

Segundo o guia técnico internacional de educação sexual da UNESCO, publicado em 2018,a educação sexual é fundamental para a segurança e desenvolvimento saudável dos jovens. Apesar de evidências científicas demonstrarem o efeito benéfico desses programas, poucas crianças e jovens têm acesso a essas informações.

Para crianças e adolescentes autistas é ainda menos frequente que existam práticas direcionadas à sexualidade e puberdade. Isso impacta diretamente no aumento da vulnerabilidade dessa população.

No entanto, independente de serem típicos ou não, jovens passam pelo processo da puberdade e precisam ser orientados sobre a sexualidade. A ciência pode ajudar nesse sentido.

Como a ciência pode ajudar na educação sexual de jovens?

Participar de programas de educação sexual podem trazer uma série de benefícios para crianças e adolescentes. Entre eles:

– Início da vida sexual mais tardio;

– Diminuição do número de parceiros;

– Diminuição de comportamentos de riscos;

– Aumento do uso de camisinhas e métodos contraceptivos.

Essas confirmações foram descobertas em duas revisões conduzidas pela UNESCO, nos anos de 2008 e 2016.

Outros estudos demonstraram evidências de que as intervenções de educação sexual também diminuíram a violência de gênero entre pares e aumentaram a autoestimados jovens. Vale ressaltar que todas essas pesquisas foram realizadas levando em consideração apenas a população neurotípica.

Em 2009, as pesquisadoras Pamela Wolfe, Bethany Condo e Emily Hardaway publicaram um guia de educação sexual voltado especialmente para pessoas autistas.A seguir falamos sobre algumas orientações retiradas deste trabalho.

Iniciando intervenções sobre sexualidade e puberdade no TEA

No guia de Wolfe, Condo e Hardaway são descritas algumas áreas que devem fazer parte das intervenções desenhadas para trabalhar sexualidade e puberdade com jovens no espectro do autismo. Veja a seguir:

  • Biologia e reprodução: ensino da anatomia e fisiologia do corpo, considerando mudanças características da puberdade, gravidez e formas de contracepção.
  • Saúde e higiene: prevenção de DSTs, aspectos que contemplam saúde e bem-estar; e prevenção do uso abusivo de álcool e outras substâncias.
  • Relacionamentos: desenvolvimento de habilidades sociais necessárias para a construção e manutenção de relações familiares, românticas, sexuais e de amizade com qualidade. Esclarecimento sobre os tipos de famílias e papéis a serem desempenhados, parentalidade e orientação sexual.
  • Autoproteção: proteção contra abusos, como, por exemplo, ensino da distinção de contato físico apropriado ou inapropriado. Desenvolvimento de habilidades de assertividade, como colocar limites pessoais; dizer não; uso de preservativos. Conhecimento dos seus direitos pessoais e legais

Todos esses tópicos devem compor intervenções para jovens com autismo. Para isso, é preciso usar práticas baseadas em evidências científicas.

Como trabalhar a sexualidade com adolescentes autistas?

Intervenções baseadas nos princípios da Análise do Comportamento Aplicada (ABA) já demonstram diversas evidências de serem efetivas para pessoas com autismo.

Dessa forma, Wolfe, Condo e Hardaway, levantaram 5 estratégias que podem ser usadas para o ensino do conteúdo levantado acima. São elas:

  • Modelação por vídeo: consiste na utilização de vídeos de pessoas realizando o comportamento alvo visando que a criança ou adolescente o imite. Para que a mudança de comportamento ocorra, é importante serem dadas dicas durante o procedimento, além de feedback. Alguns exemplos de comportamentos que podem ser ensinados utilizando essa estratégia são: escovar os dentes, lavar as mãos ou tomar medicações.
  • Estratégias visuais: dicas visuais utilizadas para lembrar o jovem de realizar um determinado comportamento. Essa estratégia pode ser utilizada para ajudar o jovem a interagir em um situação social específica,
  • Histórias sociais: histórias especialmente desenvolvidas com foco em alguma habilidade social específica ou na resolução de algum conflito social.
  • Passo a passo: descrição do passo a passo que oriente o jovem como reagir a uma situação específica. Essa estratégia é utilizada principalmente com autistas verbais. Esse passo a passo pode ser usado, por exemplo, para chamar alguém para um encontro. É importante ressaltar que é programada a retirada gradual desse passo a passo, para que a criança ou adolescente passe e emitir tal comportamento sem o suporte
  • Análise de tarefas: quebra de uma tarefa em pequenas etapas. Geralmente usado para comportamentos com várias etapas e que devem ser realizados em uma sequência específica, como, por exemplo, para troca do absorvente.

Todas essas intervenções estão presente no relatório mais recente do EBM (Evidence based-Medicine), publicado em 2020).

Como profissionais podem melhorar sua atuação

Dylan Kapit é um pesquisador autista da Universidade Pittsburgh que tem se dedicado a criar materiais de educação sexual para pessoas no espectro.

Em um texto publicado a respeito desse tema, o pesquisador levanta que profissionais que atuam com educação sexual devem ser treinados a falar sobre a sexualidade de pessoas com deficiência, independente de não trabalharem especificamente com essa população.

Segundo ele, isso é necessário por dois motivos:

  1. Ainda que o profissional não saiba, com alguma frequência haverá pessoas com deficiência presentes e que precisam ter acesso a essas informações e estratégias específicas.
  2. É possível que todos se beneficiem de uma educação sexual inclusiva, já que isso significaria uma atuação com estratégias de ensino mais acessíveis e explícitas, com menos explicações focadas em conceitos abstratos. Facilitando assim, que todos entendam melhor as informações e como se comunicar em interações sexuais.

Para Kapit, a seguinte frase resume no que familiares e profissionais devem focar quando se fala de sexualidade e puberdade no autismo:

“Educação sexual inclusiva é, essencialmente, sobre anatomia física, conversas explícitas sobre sexo, várias discussões sobre consentimento, enfatizando a ideia de que o sexo é diferente para cada um de nós (…)”.

De modo geral, famílias e profissionais precisam estar preparados para lidar com a puberdade e ensinar sobre sexualidade no autismo. A ciência e a ABA devem ser aliadas nessa fase, assim como em outros momentos do desenvolvimento.

Leia mais sobre ABA no nosso blog.

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso