Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
síndrome de asperger: criança segura um brinquedo e está com braços apoiados na mesa

Síndrome de Asperger: o que você precisa saber

A Síndrome de Asperger é um transtorno do neurodesenvolvimento que muda como as pessoas veem e compreendem o mundo, e que faz parte do transtorno do espectro autista (TEA) desde 2013.

Isso porque, ela fazia parte da categoria de Transtornos do Neurodesenvolvimento até 2013, antes da mudança do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais DSM para sua 5ª edição.

Quando pensamos no nível de necessidade de suporte que uma pessoa atípica precisa, a Síndrome de Asperger tende a se manifestar de uma forma mais branda, com necessidade de apoio geralmente menor, por isso era considerada como um tipo de autismo leve.

Neste artigo, você vai entender melhor sobre esta condição, desde sua definição, até a semelhança com o TEA. Confira!

O que é Síndrome de Asperger?

A Síndrome de Asperger é um transtorno neurobiológico que também apresenta dificuldades de interação e comunicação social, bem como padrões repetitivos e restritivos de comportamento.

Até 2013, a Síndrome de Asperger aparecia em manuais diagnósticos como o DSM, da Associação Americana de Psiquiatria, e o CID, da Organização Mundial da Saúde.

Dessa forma, sua classificação estava dentro dos chamados Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD), que também listava nomenclaturas como autismo infantil e autismo clássico.

Os primeiros registros da Síndrome de Asperger surgiram em 1944, quando o psiquiatra e pesquisador austríaco Hans Asperger publicou um estudo no qual observou o padrão de comportamento e as habilidades de mais de 400 crianças autistas.

Nesse estudo, ele descreveu deficiências sociais graves, como: falta de empatia, baixa capacidade de fazer amizades, conversação unilateral, intenso foco em um assunto de interesse especial e movimentos descoordenados.

Na ocasião, o psiquiatra nomeou esses sintomas como psicopatia autista. ⁣⁣O nome “Síndrome de Asperger” só foi usado pela primeira vez 37 anos mais tarde, quando a psiquiatra Lorna Wing adicionou 31 novos casos ao estudo e deu à condição um nome em homenagem ao austríaco.

Hans Asperger e o nazismo

Em 2018, o nome de Hans Asperger se tornou centro de uma polêmica quando um estudo o ligava aos movimentos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

A publicação da revista Molecular Autism trazia evidências de que o psiquiatra foi membro de várias organizações vinculadas ao regime de Adolf Hitler e estaria ativamente envolvido no programa de eutanásia Nazi, na Áustria.

O psiquiatra teria sido responsável pela transferência de duas meninas para o centro de Am Spiegelgrund, no hospital psiquiátrico Steinhof de Viena. As crianças morreram pouco depois, e tiveram a causa da morte decretada como pneumonia.

Segundo os registros, Asperger também examinou mais de 200 pacientes, dos quais 35 foram considerados “ineducáveis” e mortos por injeção letal e em câmaras de gás.

Quais as características da Síndrome de Asperger?

Pessoas com Síndrome de Asperger costumam ter uma inteligência, por vezes, considerada acima da média. No entanto, ainda podem apresentar dificuldades específicas de aprendizagem e precisar de apoio.

Com isso, muitas pessoas fazem uma relação entre a superdotação ou QI elevado, com o diagnóstico de Síndrome de Asperger.

No estudo “Traços compartilhados na superdotação e na Síndrome de Asperger” o autor traz a relação entre pessoas, anteriormente não diagnosticados com Síndrome de Asperger, mas considerados superdotados, que mostraram comportamentos semelhantes à condição, especialmente quando possuem QI acima de 145 pontos (99.9 percentil).

Assim, quanto maior o QI, mais comportamentos parecidos com os de uma pessoa com Síndrome de Asperger podem ser observados.

Além disso, é importante ressaltar que inteligência e autismo têm uma conexão genética, o que pode explicar a presença de comportamentos característicos em alguns casos, mesmo quando a condição autista não está formalmente presente.

Em outras palavras, a sobreposição de características comportamentais entre superdotação e Síndrome de Asperger pode ser explicada pela influência de genes compartilhados.

Outro ponto em comum com outros níveis de autismo é a questão da fala. Enquanto pessoas autistas podem ter muitos problemas para desenvolver a linguagem, as pessoas com Asperger costumam ter menos dificuldade nesse quesito, mas ainda podem ter dificuldade em entender e processar a linguagem.

Isso acontece, principalmente, porque elas podem ser mais literais que neurotípicos. Assim, figuras de linguagem, como as metáforas, acabam sendo interpretadas em seu sentido literal, dificultando a comunicação.

O mesmo acontece com frases irônicas e sarcásticas, que podem não ser compreendidas no tom de brincadeira, mas como algo verdadeiro.

Outras características comuns em pessoas com Síndrome de Asperger são:

  • Falta de contato visual na comunicação com outras pessoas;
  • Interesse obsessivo por um tema ou objeto, como o hiperfoco;
  • Dificuldade de se relacionar (o que não significa que não tenham amigos ou relacionamentos amorosos, mas sim que esta etapa pode ser mais complicada);
  • Dificuldade em lidar com mudanças na rotina e imprevistos, tendo crises e desregulações emocionais com mudanças não previstas;
  • Hiperatividade ou um estado de agitação muito grande em determinadas situações;
  • Comportamentos impulsivos.

Qual a diferença entre autismo e Síndrome de Asperger?

Até 2013 a Síndrome de Asperger era considerada uma condição dentro dos Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGDs). O fato dele não estar como uma sub condição do autismo sempre causou muitas dúvidas se era, de fato, uma forma de autismo.

Mesmo separada, a Síndrome de Asperger faz, sim, parte do diagnóstico de autismo. No entanto, essa nomenclatura foi descontinuada em 2013, com a publicação da 5ª edição do DSM.

DSM-5 e as novas classificações

Uma das principais mudanças desta edição do DSM é que o autismo deixa de ser classificado como um Transtorno Global do Desenvolvimento e passa a ser apontado como uma categoria própria: o Transtorno do Espectro Autista (TEA).

Assim, o termo Síndrome de Asperger deixa de ser utilizado. Aqueles que receberam anteriormente esse diagnóstico, são identificados como autistas com nível de necessidade de suporte 1, também conhecido como autismo leve.

Como identificar e diagnosticar a Síndrome de Asperger?

Apesar de existirem muitos testes online que prometem diagnosticar a Síndrome de Asperger, a única forma de conseguir o diagnóstico adequado é realmente buscar por ajuda profissional.

Alguns profissionais que podem ajudar nesse processo são das áreas de:

  • Psicologia;
  • Psiquiatria;
  • Neuropsiquiatria;
  • Neurologia.

É preciso observação clínica e aplicação de protocolos para avaliar se é possível fechar o diagnóstico.

O que a família pode fazer é olhar para alguns testes disponíveis como: o QA — teste de Quociente do Espectro Autista — que mede a extensão dos traços autistas na pessoa e que pode ser respondido por adolescentes e adultos.

E também a Escala M-CHAT como uma forma de entender se a criança apresenta alguns sinais de atraso no desenvolvimento, buscando uma ajuda médica mais direcionada.

Essa escala é considerada a principal escala para rastreio precoce no autismo, podendo ser usada em crianças com até 5 anos. Seu formulário é composto por 23 perguntas simples e diretas, cujas respostas são “Sim” ou “Não” que podem ser respondidas pelos pais ou pessoas cuidadoras. Para responder ao M-CHAT, clique no banner abaixo:

Mas atenção: mesmo se o resultado for baixo risco, mas você identifica sinais comuns, ou que indicam atraso no desenvolvimento da criança, procure ajuda profissional.

Diagnóstico tardio é uma realidade

Pelo fato dos sinais serem mais discretos e até imperceptíveis, muitas vezes o diagnóstico de Síndrome de Asperger pode ser tardio. Ou seja, quando a pessoa está na adolescência ou até na fase adulta.

Ainda assim, se existem suspeitas, é importante buscar o diagnóstico para melhoria da qualidade de vida e, se for necessário, iniciar intervenções que vão auxiliar no dia a dia.

Para muitas pessoas, receber a informação de que estão no espectro é essencial para autoconhecimento e também para questões relacionadas à saúde mental. Isso porque estudos mostram que pessoas autistas têm taxas de suicídio três vezes mais altas, se comparadas com a população em geral.

Quais as intervenções para Síndrome de Asperger?

Existem intervenções comportamentais que podem ajudar pessoas com Síndrome de Asperger, mesmo se o diagnóstico for tardio.

Uma delas é o treino de habilidade sociais, que auxilia em processos como os de interação social por meio do ensinamento de regras sociais e costumes que orientam as relações entre pessoas e que normalmente neurotípicos adquirem naturalmente. Alguns aspectos deste treino são:

  • Conversação: entender como iniciar e manter conversas;
  • Contato visual: entender como funciona e como fazer esse contato;
  • Habilidades acadêmicas: seguir instruções, atenção, trabalhar em grupo, etc.

Além desta, existem outras intervenções para pessoas com Síndrome de Asperger. Cada pessoa é única e por isso é preciso que profissionais que vão atuar com alguém no espectro a conheça e entenda quais as melhores formas de ajudá-la em suas necessidades.

Conclusão

Apesar do termo Síndrome de Asperger não ser mais usado, é importante entendermos sobre ele e não inviabilizar pessoas que, anteriormente, foram diagnosticadas assim.

Isso envolve conscientização, informação verdadeira e representatividade de toda a sociedade, promovendo apoio e compreensão. Cada pessoa é única, e o respeito pela diversidade é fundamental.

Ao compartilhar informações verdadeiras e acessíveis, contribuímos para uma sociedade mais inclusiva e empática.

Se você quiser saber mais em como a Genial Care pode te ajudar nesse sentido e conhecer sobre nossos serviços, basta clicar no banner abaixo e responder o formulário:

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul