Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Menina negra com o cabelo preso está sentada no chão mexendo em um celular.

Hiperfoco no autismo: o que é, e como trabalhá-lo?

O hiperfoco no autismo acontece quando pessoas no espectro apresentam um interesse intenso e altamente focado, em um ou mais assunto. Isso pode durar a vida toda ou mudar com o tempo.

Os interesses são os mais variados: arte, música, jardinagem, animais, números e outros. Muitas crianças com autismo gostam de dinossauros ou personagens específicos de desenhos animados.

Apesar de o hiperfoco ser algo predominante entre pessoas no espectro ou com déficit de atenção, essa não é uma característica exclusiva para pessoas atípicas.

Neste artigo, você vai entender melhor como funciona o hiperfoco no autismo e encontrar informações para trabalhá-lo no dia a dia.

O que é hiperfoco?

Podemos definir o hiperfoco como uma forma intensa de concentração em determinado assunto, tarefa ou tópico. Ele acontece quando uma pessoa fica em absorção total em determinada atividade ou informação.

Muitas vezes, pessoas cuidadoras ou a família acham que o indivíduo se desliga completamente do seu redor e tem a atenção voltada apenas para o que está sendo focado. Em geral, o hiperfoco é uma atividade que dá prazer e diverte as pessoas, e por isso, é tão poderoso.

Precisamos entender que, o hiperfoco em si é muito mais um estado mental do que uma condição de fato, já que as habilidades de atenção estão ora em seu estado máximo, ora quase que inexistentes.

É importante pontuar que existem diferentes formas de se gostar de algo, cada uma delas com mecanismos distintos e que mudam de acordo com o interesse de uma pessoa. Nem todas elas podem ser chamadas de hiperfoco.

O hiperfoco no autismo

Quando pensamos no hiperfoco no autismo, estamos falando de uma espécie de “fascínio” ou “fixação momentânea” sobre determinado assunto. É um interesse tão grande em algo, que as coisas que estão acontecendo em volta não importam.

Neste aspecto, até mesmo pausas para comer, tomar banho ou realizar outras atividades da vida diária podem ser esquecidas pelas pessoas com TEA, já que elas geram um afastamento daquele assunto de interesse.

É assim que o hiperfoco no autismo se difere do interesse comum, por exemplo. Já que pessoas neurotípicas apresentam maior facilidade em se desligar de um tema momentaneamente e depois retornar para o estado que estavam antes.

Isso porque, o cérebro autista é diferente do cérebro de uma pessoa neurotípica. Para pessoas com TEA, esse órgão é hiperexcitado, fazendo com que o hiperfoco seja um refúgio durante situações estressantes, atuando até mesmo como regulador emocional.

Banner sobre a Rede Genial de terapeutas com mulher auxiliando uma criança a ler um livro de histórias infantis.

Como trabalhar o hiperfoco no autismo?

Existem aspectos positivos em se trabalhar o hiperfoco no autismo, desde que isso seja feito corretamente. Ele pode ajudar a desenvolver novas habilidades ou até mesmo se tornar a profissão da pessoa, como acontece na série da Netflix “Uma advogada extraordinária”, onde a personagem Woo Young Woo apresenta seu hiperfoco em baleias e também no direito.

Diversos profissionais e até mesmo educadoras usam esse aspecto das crianças com TEA a favor da sua educação e aprendizagem. Isso porque, o cérebro incorpora novos aprendizados por meio das redes neuronais de preferência, que vão se juntando através das experiências vividas e/ou repetidas.

Assim, essa pode ser uma estratégia para agregar sentido nessa formação de redes, trazendo novas informações e ampliando o interesse e conhecimento desses indivíduos. É importante lembrar que, isso precisa ser feito sempre através de atividades de interesse da criança, respeitando seu repertório e aplicando motivação.

Algumas maneiras de usar o hiperfoco de forma positiva são:

  • Para começar uma nova conversa: O hiperfoco pode ser uma ótima ferramenta para diminuir a dificuldade que pessoas no espectro sentem ao começar uma nova conversa ou interação social;
  • Para manter a calma durante situações estressantes: Criar esse foco em um interesse especial ajuda a trazer uma sensação de ordem e calma em momentos imprevisíveis e desafiadores;
  • Para se divertir: Essa também é uma ótima maneira de se divertir e relaxar fazendo algo que gosta, sendo uma forma de respirar e até mesmo recarregar as energias.

Porém, nunca podemos usar o hiperfoco no autismo como uma estratégia para deixar a criança quieta, entretida e longe de contexto social. Isso pode restringir ainda mais o repertório de interesses, acabando com oportunidades de aprendizagem em outros temas e atividades.

Quando o hiperfoco é um sinal de alerta?

Apesar do hiperfoco poder ser usado como algo positivo e até mesmo ajudar no desenvolvimento de novas habilidades, é preciso ficar atento, já que ele pode deixar de ser saudável e se tornar uma obsessão.

Isso pode criar complicações para pessoas no espectro, afetando seu bem-estar e capacidade de aprender. Por isso, pessoas cuidadoras e as famílias precisam ficar atentas a esses comportamentos.

  • Esse comportamento está deixando a pessoa com TEA infeliz, mesmo ela tendo dificuldade de parar?
  • Esses momentos estão causando situações desafiadoras com outras pessoas, como irmãos ou amigos?
  • O hiperfoco está minando a capacidade da pessoa aprender, tirando a concentração em momentos de ensino, como na escola?
  • Isso está limitando a habilidade de conhecer novas pessoas ou assuntos?

Essas são algumas perguntas que podem ajudar a família a analisar a situação, procurando um especialista para conversar sobre o assunto e expor as preocupações. Assim, é possível investigar melhor o comportamento e encontrar as estratégias corretas para ajudar.

Essa capacidade de hiperfocar em algum tópico pode ser positiva e ajudar a desenvolver conhecimentos e habilidades genuínas para a vida. Por isso, não se desespere.

Esse é o momento para procurar as informações e pessoas que vão ajudar, encontrando maneiras de aumentar a qualidade de vida da pessoa com TEA. Aqui na Genial Care trabalhamos com as práticas baseadas em evidências e elas podem ajudar a trabalhar o hiperfoco de maneira correta.

Conheça mais sobre elas clicando nesse botão a baixo:
Prática baseada em evidências para o autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul