Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
menina no espectro autista sorrindo segurando um coração colorido

Por que o autismo é um considerado um espectro?

O autismo — Transtorno do Espectro Autista (TEA) — é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por dificuldades na comunicação e interação social e pela presença de padrões de comportamentos restritos e repetitivos.

Exatamente por conta disso, existem muitas diferenças e singularidades dentro desse espectro, fazendo com que o autismo de cada pessoa seja único. Ou seja, enquanto algumas pessoas podem precisar de suporte para tarefas do dia a dia, outras podem ser mais autônomas nesse sentido.

Nesse sentido, ainda pode ser difícil para muitas pessoas entenderem porque usamos o termo espectro autista e o que isso significa. Para ajudar, criamos este conteúdo informativo sobre a multiplicidade do TEA. Confira!

Por que chamamos de espectro autista?

mão de criança segurando brinquedo colorido

O autismo é um transtorno que impacta as habilidades sociais e outros comportamentos de uma pessoa, o que pode trazer dificuldades na interação, mudando a forma como ela vê e interage com o mundo ao seu redor.

Assim, o termo “espectro” foi inserido ao nome do transtorno autista em 2013, para descrever a diversidade de sinais e níveis de suporte que as pessoas autista apresentam. Isso quer dizer que cada autista tem seu próprio conjunto de manifestação, dificuldades, repertório e individualidade, tornando-o único dentro desse espectro.

Com a chegada desse termo na quinta atualização do DSM — Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais — mudamos o nome para Transtorno do Espectro do Autismo, ampliando a diversidade e indicando as múltiplas formas de ser autista.

Dessa forma, quando entendemos que o TEA se manifesta diferente em cada pessoa, evitamos também nos apoiar em estereótipos bastantes reforçados na sociedade, como somente meninos terem o diagnóstico ou todo autista ser um gênio.

Isso é importante porque amplia a discussão sobre as singularidades das pessoas no espectro, aumenta a representatividade e ajuda na busca por diagnósticos corretos a partir de uma suspeita.

Vale ressaltar que segundo dados recentes do CDC (Center of Diseases Control and Prevention – Centro de Controle e Prevenção de Doenças, em tradução livre), 1 a cada 36 pessoas está no espectro autista, o que nos mostra a grandiosidade de diversidade quando pensamos nesse transtorno.

Apesar da diversidade no espectro, existem características comuns do TEA

Mas se falamos em uma diversidade tão grande no espectro, por que muitas pessoas têm o mesmo diagnóstico? Essa pode ser uma dúvida comum quando explicamos sobre a pluralidade no TEA.

É importante lembrarmos que para fecharmos um laudo de autismo, o diagnóstico é clínico e baseado em critérios pré-estabelecidos dos Manuais Diagnósticos disponíveis, como o CID — Classificação Internacional de Doenças — e o DSM.

Nesses documentos são determinadas as características que compõem o espectro autista como “díade do autismo”: dificuldades na comunicação e interação social e padrões restritos e repetitivos de comportamento.

Isso quer dizer que para alguém ter o laudo de TEA é preciso que existem alguns pontos em comum, mesmo que em diferentes níveis:

Dificuldades na comunicação social e interação social

  • Ausência ou dificuldade de fala são algumas das características mais comuns em autistas. Muitas vezes, apresentam compreensão reduzida da fala, fala em eco, dificuldade de entonação e uso de linguagem exclusivamente literal.
  • Falta ou ausência de contato visual. Muitas crianças autistas, desde muito pequenas, não costumam fixar o olhar nos olhos de uma outra pessoa diante de uma interação ou conversa. Têm também dificuldades com gestos, expressões faciais e corporais.
  • Imagem corporal rígida, exagerada, ou diferente do esperado pelos padrões sociais, o que está diretamente relacionado à dificuldade para coordenar a comunicação não verbal com a fala.
  • Dificuldade em entender e compartilhar emoções, o que implica em dificuldades para brincar com outras crianças, fazer amizades, iniciar interações e se relacionar com os outros.
  • Prejuízos na interação social. Muitos autistas, mesmo adultos, têm dificuldade no processamento de respostas a situações sociais mais complexas, como, por exemplo, saber quando entrar em uma conversa, ou o que se deve ou não dizer. Pessoas diagnosticadas com autismo raramente dominam essas habilidades sociais, e não entendem ironias e possíveis mentirinhas ou brincadeiras.

Comportamentos restritivos e repetitivos

  • Fixação ou fascínio por certos objetos. Normalmente se manifesta pela criação de rituais e fixações por certos temas, brinquedos, objetos, personagens etc. É comum utilizarem brinquedos de maneira peculiar, que lhes seja interessante, e podem também ter certo fascínio por luzes e objetos que piscam e giram.
  • Movimentos repetitivos com o corpo ou fala. Com seus próprios corpos, abanam as mãos, estalam os dedos, e balançam o corpo. Por meio da fala, apresentam ecolalia de palavras, frases e letras, ou seja, repetição mecânica de palavras ou frases que ouvem.

Mas atenção: como estamos falando de um espectro, nem todas as pessoas com autismo apresentam todos os sinais. Por isso é fundamental que exista uma avaliação clínica profissional sempre que existir uma suspeita!

Quais os níveis de suporte no autismo?

Além dessas características chamadas de “díade do autismo” também temos uma classificação que divide o transtorno em 3 níveis de necessidade e suporte.

Apesar de muitas pessoas conhecerem esses níveis como graus do autismo, é importante frisarmos que é apenas usado para simplificar o entendimento, mas que o correto é dizer que as pessoas no espectro do autismo apresentam diferentes níveis de suporte, de acordo com os critérios definidos por manuais diagnósticos.

  • Nível 1 (autismo leve): alguém neste nível tem problemas para iniciar interações e mostra menor interesse nos relacionamentos. O comportamento inflexível leva a dificuldades nas atividades cotidianas. No critério diagnóstico, essa pessoa pode apresentar pouco ou nenhum prejuízo na linguagem funcional.
  • Nível 2 (autismo moderado): neste nível, as pessoas têm dificuldade acentuada com a comunicação verbal e não verbal. Elas têm habilidades sociais limitadas. Seus padrões de comportamentos são rígidos, o que significa que têm dificuldade em lidar com mudanças. No critério diagnóstico, elas podem ou não ter deficiência intelectual e linguagem funcional prejudicada.
  • Nível 3 (autismo severo): alguém neste nível tem graves dificuldades de comunicação. No critério diagnóstico, podem ou não ter deficiência intelectual e ausência da linguagem funcional.

Independente do diagnóstico de autismo, não existe uma barreira ou limitação. Todas as pessoas podem aprender e desenvolver habilidades ao longo da vida.

Pessoas no espectro autista são seres humanos variados e fluídos e precisam de intervenção adequada e direcionada às suas necessidades para se tornarem mais autônomas e independentes.

Aqui na Genial Care prezamos pela singularidade de cada um e criamos objetivos de ensino focados na avaliação individual. Se você tem interesse e conhecer mais sobre nosso serviço e fazer parte dessa jornada, clique no banner abaixo:

Rede de cuidado de saúde atípica

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora?