Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Quatro crianças em processo de socialização, pulando corda e se divertindo juntas

Desenvolvimento da socialização em crianças: sinais de alerta para buscar ajuda

O desenvolvimento da socialização em crianças é um importante marco para o amadurecimento. Isso porque o aprendizado acontece quando ela interage com os pares da mesma idade e também com adultos, explorando o mundo ao seu redor e vivendo experiências que vão ajudá-la a se reconhecer.

Sendo um dos principais critérios diagnósticos para o autismo, a socialização é muito esperada e estimulada pelas famílias. Conhecer os marcos do desenvolvimento esperados em cada idade é essencial para ajudar a descobrir transtornos.

Neste artigo, explicamos quais são os marcos do desenvolvimento da interação social em crianças.

O que são marcos do desenvolvimento?

O Ministério da Saúde definiu um conjunto de habilidades esperadas para a criança em determinada fase de seu crescimento. Esses são os chamados marcos do desenvolvimento infantil, e acompanhá-los ajuda a identificar quando existe um atraso e buscar ajuda médica.

Vale reforçar que, apesar de cada criança ser única e se desenvolver da sua própria maneira, os marcos são essenciais para garantir que ela não está atrasada ou precisa de mais estímulos e intervenções para desenvolver uma ou mais habilidades.

Esses marcos do desenvolvimento ocorrem em diversas áreas:

Marcos de desenvolvimento da socialização em bebês

Desde o momento em que nascem, bebês aprendem a se adaptar e responder de diferentes maneiras às pessoas ao seu redor. Assim, podemos dizer que a socialização ocorre a partir do nascimento, e passa por diferentes fases.

Aqui estão os marcos do desenvolvimento da socialização em bebês de 0 a 9 meses:

De 0 a 3 meses:

  • Gostar de toques e ver sorrisos: a primeira etapa da socialização que ocorre com bebês recém-nascidos de até um mês é que eles gostam de ser tocados, segurados e embalados. Além disso, também já identificam e gostam de ver pessoas sorrindo para eles.
  • Fazer caretas e imitar gestos: a partir do 1º mês de vida, eles já fazem caretas e gostam de olhar para outros rostos. Nesta fase, também surge a imitação, essa habilidade é tão importante para o desenvolvimento da fala quanto da socialização. Assim, se alguém sorri, é provável que ele já sorria de volta.
  • Observar o que acontece ao redor: com dois meses, bebês já são capazes de passar os momentos em que estão acordados só observando o que acontece ao redor. É nesta fase que surgem os “sorrisos sociais”, ou seja, ela já sorri de verdade e com prazer.
  • Início das brincadeiras de conversar: a partir dos 3 meses, o bebê já emite balbucios e sons diferentes, porém, indistinguíveis. Também importante para o desenvolvimento da fala, essa etapa é essencial porque ela indica que o bebê já quer tentar se comunicar com vocês. Para estimular, responda conversando de volta.
  • Brincar “cara a cara”: um importante marco da socialização nesta etapa é que a criança gosta de brincar cara a cara com as pessoas cuidadoras.

De 4 a 5 meses:

  • É receptivo a desconhecidos: nesta fase, o bebê já mostra receptividade a pessoas desconhecidas. Ele pode, por exemplo, dar gritos de alegria para interagir.
  • Preferência pelas pessoas cuidadoras: ele também tem uma preferência pelas pessoas cuidadoras, que naturalmente passam mais tempo ao seu lado. Por isso, as reações ao estar em contato com a família ou cuidadores é bem maior. Esse é um sinal do vínculo afetivo, importante para o desenvolvimento.

De 6 a 9 meses:

  • Vontade de interagir: nesta fase, a vontade de interagir do bebê é grande. Por isso, ele sempre vai procurar as pessoas cuidadoras ou quem estiver ao redor para estabelecer alguma forma de contato e socialização.
  • Início do riso: aqui o bebê também começa a sorrir mais e se comunica por meio do riso com outras pessoas.
  • Conseguir jogar jogos simples e segurar objetos: a capacidade de jogar jogos mais simples e segurar objetos com as mãos também é importante para o desenvolvimento da socialização nesta etapa.

Marcos de desenvolvimento da socialização até os 2 anos

Entre 1 e 2 anos as crianças desenvolvem a fala e linguagem funcional. É nesse momento também que a socialização se expande, ela começa a interagir com pares da mesma idade e também adultos e amadurece sua interação social.
Alguns marcos importantes nesta etapa são:

Entre 1 e 2 anos:

  • Demonstrar emoções: comunicar chateação, alegria, raiva e outras emoções é importante nesta idade. Uma emoção bastante comum nesta fase é a ansiedade de separação das pessoas cuidadoras.
  • Sentimento de posse: a criança também já entende que alguns objetos são seus e passa a demonstrar possessividade com relação a eles. Apesar de causar algumas situações complicadas, essa fase é super comum em bebês e o aprender a compartilhar é um processo.
  • Aprender a fazer amigos: à medida que a comunicação se desenvolve, a criança tem vontade de fazer amigos. Por isso, ela interage com outras crianças da mesma idade ou mais velhas. Para ela, ter amigos pode ser só brincar ao lado do coleguinha, sem muita interação.
  • Abalo ao ver outra criança chorar: com cerca de 1 ano e meio, é comum que as crianças se abalem ao ouvir o choro de outros bebês. Apesar disso, ela não sabe como reagir.
  • Observar e imitar outras crianças: por ter um interesse maior por outras crianças, nesta idade é comum que ela observe-as por muito tempo, apenas olhando o que fazem e também comecem a imitá-las.
  • Imitar comportamentos de adultos e demonstrar novas emoções: com dois anos, a criança já imita adultos e são capazes de demonstrar emoções como frustração, orgulho e carinho.
  • Sinais de independência e recusa: nesta fase, a criança também apresenta o que chamamos de “sinais de independência”, como se recusar a dar a mão para as pessoas cuidadoras na rua ou fazer birra quando lhe recusam algo. É por isso que essa fase é conhecida como “terrible two” (terríveis dois [anos], na sigla em inglês).

Marcos do desenvolvimento da socialização a partir dos 3 anos

A partir dos 3 anos, a criança já desenvolveu etapas importantes para a socialização. No entanto, ela continua a amadurecer esses aprendizados. Nesta fase, marcos importantes para se atentar são:

Entre os 2 e 3 anos:

  • Entender o conceito de confiança e amor: essa concepção faz sentido para a criança quando ela tem entre 2 e 3 anos. Por isso, aqui ela já sabe demonstrar afeição, toma a iniciativa para dar beijos e abraços. No entanto, ela ainda tem dificuldade para entender as emoções de outras pessoas.
  • Aprender a compartilhar: como falamos acima, a criança aprende a compartilhar objetos e brinquedos com o tempo. Isso acontece nessa fase, que também é quando ela começa a chamar outras crianças de “amigos”.
  • Aprender a socializar: gostar de estar perto de outras pessoas – especialmente crianças –, entender e se relacionar com os outros, dar a vez na brincadeira e compartilhar. Esses são alguns dos aprendizados muito importantes nesta idade.
  • Ter amigos preferidos: a escolha de pares que são seus “melhores amigos” também acontece a partir dos 3 anos.
  • Compreender gênero: a distinção entre homens e mulheres acontece nesta idade.

Quais são os sinais de alerta na socialização de crianças?

Muitas famílias se preocupam em entender quais são os sinais de alerta na socialização de crianças que indicam a necessidade de buscar ajuda profissional.

Alguns dos principais são:

  • Não olhar nos olhos: dificuldade ou não fixação no olhar de outras pessoas. Pode ser percebido pelas mães no momento da amamentação ou ao longo dos dias.
  • Não se direcionar para sons: muitas famílias acreditam que as crianças podem ter deficiência auditiva, mas em alguns casos ela ouve perfeitamente, mas não demonstra interesse em saber o que são os sons ao seu redor.
  • Não responder ao próprio nome: quando chamada, a criança parece não reconhecer o próprio nome.
  • Não imitar gestos ou palavras: a criança não desenvolveu habilidades de comunicação e, por isso, não imita gestos, palavras ou sons de pessoas ao seu redor.
  • Não buscar pares da mesma idade: a criança não tem interesse em se relacionar com outras crianças e prefere brincar sozinha.

Quando procurar ajuda para a socialização?

A partir do momento em que a família identifica sinais de atraso na socialização, é preciso buscar ajuda. Neste caso, é melhor buscar profissionais da pediatria que já acompanham o desenvolvimento dela e, se for o caso, fazer consultas com profissionais da neuropediatria ou psiquiatria infantil, a fim de identificar possíveis transtornos.

Além disso, é preciso se atentar a outros marcos do desenvolvimento, como: comunicação, cognição e motor. Veja como estimular a socialização da sua criança abaixo:

Estimule a socialização da criança

Conheça nosso atendimento para autismo

Conteúdos relacionados

Esse artigo foi útil para você?

Dia Nacional do Futebol: inclusão e emoções das pessoas com TEA Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Aprovado Projeto de Lei que obriga SUS aplicar a escala M-CHAT em crianças de 2 anos Dia mundial do Rock: conheça 5 bandas com integrantes autistas Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? Senado: debate público sobre inclusão educacional de pessoas com TEA Emoções no autismo: saiba como as habilidades emocionais funcionam Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin