Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Anamnese: médica conversando com menino para anamnese

Saiba a importância do anamnese no tratamento do espectro autista

Você já ouviu falar em anamnese? Essa prática é uma etapa muito importante antes de qualquer intervenção médica, conhecida como uma “entrevista” entre profissional clínico e paciente para entender o histórico da pessoa durante a consulta.

A medicina evoluiu muito, trazendo avanços incríveis. Mesmo com todas as novas tecnologias e exames, a anamnese continua sendo super importante. É através dessa conversa que os médicos conseguem entender melhor a situação única de cada paciente.

Para falar sobre essa importante etapa do diagnóstico, conversamos com a neuropediatra Dr. Juliana Arita, mestre e doutora em neurologia e neurociências pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), especialista em Neurologia Infantil pela Sociedade Brasileira de Pediatria e em Neurologia pela Academia Brasileira de Neurologia.

O que é a anamnese?

Anamnese: doutora conversando com paciente idoso. Ela e ele seguram uma xícara branca.

A anamnese é uma entrevista detalhada com o paciente, que tem como objetivo coletar informações relevantes da pessoa, principalmente em relação à saúde, como: histórico médico, sintomas atuais, estilo de vida e qualquer outra informação que possa ser útil para o profissional de saúde.

No autismo, essa etapa é muito importante para oferecer um diagnóstico preciso e indicar as terapias para o desenvolvimento da pessoa. Geralmente, quando se fala em TEA, a anamnese é focada em explorar perguntas sobre:

A anamnese não fica para trás com os novos avanços da medicina; na verdade, fica ainda mais importante.

Ela vai além dos números e das imagens, considerando coisas como o ambiente em que a pessoa vive, sua situação emocional, e outros fatores que podem afetar a saúde.

Além disso, essa conversa ajuda a criar uma relação forte entre médico e paciente, o que é importante para um cuidado de saúde mais personalizado.

Num mundo em que cada pessoa é única, a anamnese é uma ferramenta para os médicos tomarem decisões mais acertadas e cuidarem das pessoas de forma mais completa.

Por que a anamnese é tão importante?

A anamnese é fundamental na prática médica por várias razões. Em primeiro lugar, ela oferece uma compreensão abrangente da história clínica do paciente, permitindo ao profissional de saúde identificar fatores de risco, padrões de sintomas e contextos individuais que podem influenciar a saúde. Isso é crucial para um diagnóstico preciso e para o desenvolvimento de estratégias de tratamento personalizadas.

Além disso, a anamnese desempenha um papel essencial na construção da relação médico-paciente.

Estabelecer uma comunicação eficaz durante essa entrevista não apenas cria um ambiente de confiança, mas também permite que o paciente se sinta ouvido e compreendido.

Essa conexão emocional pode ter um impacto significativo no engajamento do paciente no tratamento, contribuindo para melhores resultados.

Quem deve fazer a anamnese?

A anamnese geralmente é realizada por profissionais de saúde treinados, especialmente médicos. No entanto, dependendo do contexto e do tipo de cuidado, outros profissionais de saúde também podem conduzir anamneses. Aqui estão alguns exemplos:

  • Médicos: frequentemente responsáveis pela anamnese em diversos locais, como consultas médicas, ambulatoriais, emergências e internações hospitalares.
  • Enfermeiros: em ambientes de cuidados primários, os enfermeiros podem conduzir anamneses preliminares, coletando informações relevantes para repassar aos médicos ou para orientar os cuidados de enfermagem.
  • Terapeutas Ocupacionais: especialmente em contextos de reabilitação, fisioterapeutas realizam anamneses focados em questões relacionadas ao movimento, lesões e histórico de saúde física.
  • Psicólogos e psiquiatras: para avaliações de saúde mental, profissionais como psicólogos e psiquiatras conduzem as anamneses para entender o histórico emocional, comportamental e psicológico do paciente.

Independentemente de quem conduz a anamnese, é essencial que o profissional tenha habilidades de comunicação eficazes, seja capaz de criar um ambiente de confiança e compreenda a importância de obter informações detalhadas para orientar o diagnóstico e o plano de tratamento.

Em muitos casos, a anamnese é uma colaboração entre diferentes membros da equipe de saúde, com cada um contribuindo para uma avaliação completa da pessoa.

Como funciona a anamnese no autismo?

A anamnese é feita em crianças com suspeita de autismo, geralmente quando os pais começam a observar sinais no atraso do desenvolvimento e procuram um profissional clínico da pediatria ou psicologia que já tenha essa especialidade em TEA.

Segundo a Dra. Juliana, antes de oferecer um diagnóstico preciso, o profissional verifica se com os dados da anamnese e exame clínico é possível enquadrar a criança nos critérios definidos pelo DSM-5. “Muitas vezes isso não é possível logo na primeira consulta, pois os dados da anamnese são subjetivos e às vezes até conflitantes com o que é observado em consulta”.

Além disso, a anamnese pode envolver perguntas e orientações direcionadas aos familiares.

Compreender o contexto familiar, as preocupações dos pais e a percepção da dinâmica familiar é essencial para oferecer suporte adequado e orientações específicas para ajudar a família a lidar com o autismo.

Com base nas informações, os profissionais podem desenvolver planos de intervenção personalizados e adaptados às necessidades específicas de cada pessoa autista.

“Monta-se um plano da intervenção, para ver o que a criança está cumprindo em diferentes domínios e já levar de uma forma mais estruturada aos pais: quais são as demandas a serem trabalhadas? E também: qual a estratégia neste momento para que esses objetivos sejam alcançados?”, explica a Dra. Juliana.

Essas intervenções podem incluir terapias comportamentais, intervenções educacionais, apoio familiar e outras abordagens terapêuticas que visam melhorar a qualidade de vida e o desenvolvimento do indivíduo.

Além disso, auxilia o profissional clínico a rastrear os possíveis sinais mais comuns do autismo e permite avaliar o impacto funcional desses sintomas na vida diária do indivíduo. Informações sobre dificuldades sociais, emocionais, de comunicação e de comportamento são coletadas para compreender o autismo nas diferentes áreas da vida:

  • Escola;
  • Trabalho;
  • Vida familiar;
  • Interações sociais.

Existe uma estrutura específica da anamnese?

A Dra. Juliana Arita explica que a anamnese médica segue uma estrutura específica. Ela começa com a identificação do paciente e a queixa principal, ou seja, o motivo pelo qual estão buscando atendimento.

Pode ser algo como “ah, a criança ainda não fala” ou “ela está com dificuldades para dormir e interagir com outras crianças”. Além disso, a duração do problema é um aspecto importante a ser considerado. Nessa parte, o familiar do paciente pode fornecer muitos detalhes que ajudam a entender a queixa principal.

Em seguida, a anamnese aborda o interrogatório sobre diversos aparelhos do corpo, os hábitos como o sono, a alimentação e também problemas de saúde prévios e histórico de cirurgias.

Os antecedentes também são explorados, incluindo informações sobre a gestação, “o parto e o rastreio neonatal, como os testes realizados e se houve alguma alteração detectada”, reforça a médica.

A Dra. Juliana destaca a importância de abordar os marcos do desenvolvimento da criança, e algumas perguntas são abordadas no processo, como:

  • Com que idade em que sustentou a cabeça?
  • Quando começou a ter o sorriso social?
  • Quando começou a engatinhar?

E a forma como a criança realizou esses marcos também é importante. “Por exemplo: se ela engatinhava arrastando uma perna, isso pode ser um sinal de alerta”, explica a neuropediatra. Também é relevante saber a idade em que a criança começou a andar e a falar suas primeiras palavras, “observando se houve progressão no vocabulário e na estruturação de frases”, complementa.

Além disso, segundo ela, é importante indagar sobre a presença de transtornos de neurodesenvolvimento ou doenças psiquiátricas em outros membros da família.

Por isso, essa estrutura da anamnese é fundamental para identificar sinais de alerta, como comportamentos suspeitos de interação, comportamentos repetitivos ou alterações sensoriais.

Anamnese na Genial Care por Victória Girão

Mulher de pele branca e cabelos grandes. Ela sorri.

Para entender como esse processo de anamnese acontece na Genial Care, conversamos com a fonoaudióloga, Vic Girão, que explicou mais sobre o processo.

Na Genial a anamnese é preenchida diretamente pelo cuidador, feita de forma on-line, por um link enviado à família. “O preenchimento é feito em um dia mesmo e é o pontapé inicial para o começo da jornada de avaliação”, contou a fonoaudióloga.

Com esse único documento a equipe consegue ter acesso aos dados completos do histórico do desenvolvimento da criança, e isso inclui informações relevantes das três áreas: Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia e Terapia ABA.

Vic explica: “a anamnese na Genial Care é considerada parte de uma avaliação indireta porque é aplicada exclusivamente com o cuidador, feito isso, a criança inicia a avaliação direta que é a sessão presencial com o pequeno”.

Os dados do histórico e desenvolvimento da criança são informações norteadoras e que depois são correlacionadas com os dados obtidos por meio da avaliação direta com a criança.

Em seguida, é utilizado um instrumento on-line, onde é aplicado, de forma síncrona com os cuidadores, chamado Vineland, que contribui ainda mais para indicar as terapias necessárias à criança que inicia as intervenções na Genial Care.

Além da anamnese da criança, também é feita com a pessoa cuidadora, para entender o histórico dela, afinal, uma das missões da Genial é cuidar de quem cuida, por isso um dos diferenciais da clínica é o serviço de orientação parental, que amplia as intervenções de desenvolvimento da criança além da sala de atendimento.

Conclusão

A anamnese desempenha um papel importante para o diagnóstico e tratamento do espectro autista, é uma peça chave para compreender as necessidades individuais e promover um cuidado integral.

Na abordagem do autismo, a anamnese foca em marcos de desenvolvimento, interações sociais, habilidades de comunicação e comportamentos específicos. Essa etapa não apenas contribui para um diagnóstico preciso, mas também estabelece uma relação forte entre médico e paciente, crucial para um cuidado mais personalizado.

Em um mundo onde cada pessoa é única, a anamnese é uma ferramenta indispensável para orientar decisões clínicas acertadas e oferecer cuidado abrangente.

Aqui na Genial Care estamos comprometidos em oferecer cuidados personalizados para crianças com autismo e sua família. Para conhecer mais sobre nós, acesse o link abaixo:

Conheça a Genial Care

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul