Search
Bebê olhando para urso de pelúcia

Diagnóstico precoce no autismo: riscos e equívocos, segundo Dr. José Salomão Schwartzman

É comum ouvir profissionais e famílias falarem sobre o “diagnóstico precoce” de autismo e sua importância para o desenvolvimento da criança. Em alguns casos, é possível até ver relatos de familiares que afirmam que, anos após o laudo e intervenções, a criança “saiu” do espectro e foi considerada neurotípica.

Apesar desta parecer uma realidade cada vez mais buscada pelas famílias que se deparam com sinais de atraso no desenvolvimento da criança, existem problemáticas em um diagnóstico dito “precoce” de Transtorno do Espectro Autista (TEA).

É sobre esse tema que o neuropediatra, especialista em autismo e transtornos do desenvolvimento, Dr. José Salomão Schwartzman conversou com a Genial Care.

 

Dr José Salomão

Neuropediatra José Salomão Schwartzman | Foto: Eduardo de Paula / Rede Globo

 

O que é um “diagnóstico precoce”?

Menina dormindo no colo da mãe
Segundo o Dr. José Salomão, a primeira questão que precisa ser abordada é justamente a definição do termo diagnóstico precoce. “Definir o que é precoce é muito subjetivo. Uma condição pode começar aos 60 anos e um diagnóstico precoce ocorre com 60 anos e 2 meses”, explica.

Já em casos de autismo, se fala em diagnóstico precoce quando ele acontece ainda na primeira infância. No entanto, uma vez que os sinais de TEA podem variar de pessoa para pessoa, identificá-los com precisão tão cedo para emitir um laudo pode ser difícil para profissionais.

“A gente sabe que, quanto mais nova é a criança, mais difícil é identificar determinados sinais e sintomas e identificá-los como sendo autismo, deficiência intelectual, imaturidade, prematuridade ou uma série de coisas. Então não é conveniente, a não ser em casos extremamente severos e muito graves em que você tem uma constelação de sinais tão óbvios que provavelmente com um ano e pouquinho você já pode dizer, com absoluta certeza, que o indivíduo tem TEA”.

Por que não fazer um “diagnóstico precoce” de autismo?

Mulher com criança recém-nascida no colo
A principal problemática do diagnóstico precoce no autismo, quando a criança não tem um caso severo como citado, é justamente a possibilidade maior de um equívoco. Ou seja, o conjunto de sinais parecidos com autismo pode ser devido a algum outro transtorno ou mesmo apenas sinais de atraso no desenvolvimento.

Um exemplo de como o diagnóstico precoce de TEA pode ser errôneo foi avaliado pelo próprio Dr. Schwartzman no estudo “Rastreo de señales sugestivas de TEA en prematuros con muy bajo peso al nacer” (Rastreio de sinais sugestivos de TEA em prematuros com baixo peso ao nascer, em tradução para o português).

Também assinado pelos pesquisadores Vivian Renne Gerber Lederman, Ana Lucia Goulart e Amélia Miyashiro Nunes dos Santos, o artigo traz detalhes da aplicação de escalas de rastreamento em bebês que nasceram prematuros, pesando menos de 1,5kg. A amostra foi feita da seguinte forma:

  • Escala M-CHAT (para bebês de 18 a 24 meses): aplicada em 60 crianças;
  • Escala ABC (para bebês de 30 a 36 meses): aplicada em 58 crianças.

Sabendo que a prematuridade está relacionada ao autismo, a intenção do estudo era identificar quantos bebês apresentavam, com pouca idade, sinais característicos e de risco para o TEA. Ao final da amostra, os resultados da aplicação foram:

  • 6,7% de crianças com sinais de risco segundo a M-CHAT;
  • 5,2% de crianças com sinais de risco segundo a ABC.

No entanto, os pesquisadores continuaram a acompanhar as crianças e, algum tempo mais tarde, somente 3,3% delas tiveram o diagnóstico de autismo confirmado.

“Se você aplicar testes de rastreamento de TEA em bebês que nasceram com baixo peso, dependendo da idade que você faz isso, se você acompanhar essas crianças por um ano ou dois, os 10% caem para 2% ou 5%. Ou seja, muita criança prematura tem sinais que podem induzir ao diagnóstico de TEA quando, na verdade, é padrão característico daquele tipo de criança”, explica Schwartzman.

Sinais precoces devem ser identificados

Menina pequena abraçando seu irmão menor
Ao contrário do diagnóstico precoce, a identificação de sinais precoces de atraso no desenvolvimento é essencial para garantir o aprendizado e evolução da criança em diversos aspectos. Segundo o Dr. Salomão, alguns comportamentos de alerta em crianças a partir de 1 ano e 2 meses são:

  • Não falar;
  • Não olhar nos olhos;
  • Não dar “tchau” com as mãos;
  • Não ter atenção compartilhada;
  • Não dar “beijinho”;
  • Não bater palmas.

“Esse não é um comportamento típico da idade, mas eu não posso afirmar que seja autismo. Pode ser um monte de coisas, inclusive um padrão de desenvolvimento atípico que, com o passar do tempo, vai ser normalizado”, pontua.

O neuropediatra continua, explicando que “não dá para afirmar ou afastar um diagnóstico, mas dá para dizer qual a melhor conduta. Não há dúvidas que a melhor conduta quando você tem sinais de risco para transtorno do desenvolvimento, seja TEA ou qualquer outro, você deve iniciar um programa de intervenção”.

“Se esse programa de intervenção tiver sucesso, em pouquíssimos meses, aqueles sinais deixam de aparecer, provavelmente. Não é um autista que sarou, era uma criança que tinha alguns sinais, mas como a literatura tá careca de saber, não faz um diagnóstico”, conclui.

Existe idade para o diagnóstico?

Bebê engatinhando na grama
Outra dúvida comum entre famílias é justamente se existe uma idade para que seja fechado o diagnóstico de autismo. De acordo com o Dr. Salomão, a recomendação dos profissionais é que esse laudo não seja definido com uma idade muito baixa. O que não significa, no entanto, que a família não deva ser encaminhada para iniciar a intervenção precoce.

Principalmente porque, começar essa intervenção assim que possível é essencial tanto para o desenvolvimento da criança quanto para se ter uma visão multidisciplinar dela que vai colaborar para o laudo final.

Segundo Schwartzman, isso muda quando a criança já tem entre 3 e 4 anos. “A partir desta idade, habitualmente os sinais e sintomas típicos e característicos do autismo já apareceram todos. Isso não está presente com 1 ano e 10 meses, mas aos 3 você já tem um histórico relativamente longo de desenvolvimento para poder afirmar, com certeza”, ressalta.

Ele ainda reforça um problema burocrático para as famílias, justamente devido à falta do laudo. “Se eu te dou um laudo dizendo que seu filho tem sinais de risco para, mas não tem diagnóstico, muito provavelmente seu plano de saúde não vai querer bancar seu tratamento, embora a literatura esteja cheia de argumentos mostrando que a simples presença de sinais sugestivos deve determinar início de terapia”, argumenta.

Saiba mais sobre a intervenção precoce no autismo em nosso blog:
Acesse o blog Genial Care

Conheça nosso atendimento padrão ouro em intervenção para autismo
Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Canabidiol no tratamento de autismo Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso Escala M-CHAT: saiba como funciona! Déficit na percepção visual: Como a terapia ocupacional pode ajudar? 3 aplicativos que auxiliam na rotina de crianças autistas 3 Animações que possuem personagens autistas | Férias Geniais Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Conheça os principais tratamentos para pessoas no espectro autista Diagnóstico de autismo do meu filho. O que preciso fazer? Quais os principais sinais de que meu filho tem autismo? Diagnóstico de autismo: quais os próximos passos. Veja 5 dicas Estereotipias: o que são e quais as principais em pessoas autistas 5 personagens autistas representados em animações infantis Graus de autismo: Conheça quais são e como identificá-los Outubro Rosa: 5 maneiras da mãe se cuidar 5 brincadeiras para o Dia das Crianças O Rol taxativo da ANS chegou ao fim? AUTISMO em ADULTOS: Quando e como saber? AUTISMO e ASPERGER: 25 sinais de Autismo Infantil Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Autismo: Fui diagnosticada aos 60 anos e agora?