Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Crianças com lupa representando a busca de curiosidades sobre o autismo

9 curiosidades sobre o autismo que você precisa saber

Quando pesquisamos sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA), nos deparamos com uma infinidade de informações e curiosidades sobre o autismo em páginas de redes sociais e fóruns na internet.

Apesar do excesso e partilha em massa das informações, elas nem sempre são verdadeiras, ou até mesmo acolhedoras. Muitas vezes, existem dados desatualizados e informações falsas que contribuem para o não entendimento do transtorno.

Por isso, neste texto reunimos 9 curiosidades sobre o autismo para você começar a entender mais sobre o TEA e ter informações verdadeiras sobre temas importantes da comunidade. Entenda cada uma delas!

1. O que é autismo?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA), nome científico do autismo, é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por dificuldades na comunicação e interação social e pela presença de padrões de comportamentos restritos e repetitivos.

Além disso, essas dificuldades na interação social, transformam a percepção e a comunicação da pessoa com o mundo.

Alguns sinais do autismo surgem ainda na primeira infância, com os marcos de desenvolvimento infantil, por isso, é importante que famílias e pessoas cuidadoras observem esses comportamentos nos bebês e procurem profissionais especializados para entender sobre um possível diagnóstico.

Entretanto, nenhum autista é igual ao outro, dessa forma, cada descoberta e desenvolvimento é feita de forma singular, conforme a percepção e necessidades da pessoa autista.

Nem todo autista apresenta os sinais, e algumas pessoas que apresentam sinais similares, não são autistas!

2. De onde surgiu o termo “autismo”?

Autismo vem do grego autós e significa, na tradução literal “de si mesmo”. O termo foi usado pela primeira vez em 1908 pelo psiquiatra suíço Eugen Bleuler como forma de descrever uma “fuga da realidade para um mundo interior”.

Na época, ele foi usado para descrever um grupo de sintomas relacionados à esquizofrenia em pacientes observados por um psiquiatra.

Foi somente 35 anos depois, em 1943, que o autismo foi desassociado da esquizofrenia e passou a ser tratado como uma síndrome comportamental. Isso aconteceu após a publicação da famosa obra “Distúrbios Autísticos do Contato Afetivo”.

A partir desse momento, vários estudos começaram a ser feitos para se conhecer melhor o que estavam chamando de autismo, como a primeira edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais DSM-1 em 1952, documento referência para estabelecer padrões.

Apesar de hoje em dia o conhecermos como Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), essa nomenclatura é recente, já que foi apenas em 2013 que o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), da Associação Americana de Psiquiatria, publicou sua 5ª e mais recente edição, definindo tal conceito.

3. Autismo não tem cura

O Autismo não é uma doença, portanto, não tem cura. Como o TEA é um transtorno do neurodesenvolvimento, suas características podem ser percebidas ainda na primeira infância, quando a criança tem entre 18 meses e três anos.

Pessoas no espectro podem apresentar diferentes níveis de necessidade de suporte, que popularmente são conhecidos como os “graus de autismo” leve, moderado e severo.

O que significa que, enquanto alguns têm facilidade de realizar qualquer atividade pessoal e da vida diária, outros precisam de apoio para algumas atividades, como:

Apesar de não podermos curar o autismo, é possível intervir com terapias para a pessoa ter melhor qualidade de vida, como aprimorar a comunicação, a concentração e diminuir os movimentos repetitivos que podem competir com a aprendizagem.

Geralmente, uma equipe multidisciplinar acompanha a pessoa autista para que ela mantenha o constante ritmo de evolução. Terapeutas Ocupacionais, Especialistas em ABA e profissionais da fonoaudiologia fazem parte de diversas etapas do desenvolvimento, e costumam acompanhar pessoas autistas e suas famílias para promover bem-estar.

Além disso, existem as práticas baseadas em evidências, que são intervenções cientificamente comprovadas que auxiliam nesta jornada.

4. Autismo já foi considerado esquizofrenia

Como falamos, foi o psiquiatra suíço, Eugen Bleuler, que citou o termo autismo pela primeira vez. Para ele, o transtorno, na verdade, era uma “versão mais severa” da esquizofrenia.

Entretanto, em 1943, o psiquiatra Leo Kanner, se afastou da ideia de autismo ser considerado esquizofrenia, e escreveu sobre crianças que tinham uma “extrema solidão autista e desejo ansiosamente obsessivo pela manutenção da mesmice”.

Para Kanner, essas crianças eram mais inteligentes e tinham uma memória extraordinária. Ele dissociou o termo de esquizofrenia e autismo, denominando a síndrome de “distúrbios autísticos do contato afetivo”.

5. Adultos também podem ser diagnosticados

Algumas pessoas recebem diagnóstico tardio de autismo, o que costuma acontecer — principalmente — após se identificarem com pessoas que conhecem que estão no espectro (filhos, amigos, colegas de trabalho), ou até mesmo com personagens de séries e filmes.

Os sinais de autismo acabam sendo mais sutis do que os outros quando falamos de autismo em adultos, o que pode dificultar o diagnóstico.

Mas é muito importante que pessoas adultas no espectro tenham acesso a esse laudo, pois assim é possível compreender melhor suas características e perspectivas de mundo, encontrando estratégias direcionados para ajudar em barreiras ou dificuldades diárias.

Temos um vídeo mais detalhado sobre o assunto em nosso canal, falando sobre o autismo em adultos, vale a pena conferir:

6. Muitas “curiosidades sobre o autismo” são falsas!

Infelizmente, muitas curiosidades sobre o autismo e informações falsas são partilhadas nas redes sociais, e acabam confundindo e afastando as pessoas cuidadoras que procuram por informações a respeito das melhores intervenções para o autismo.

Já falamos sobre alguns desses mitos, mas é sempre bom reforçar a informação, afinal, ainda tem muitos pais que se sentem desamparados ao lerem algumas teorias e discussões por aí.

  • Teoria mãe geladeira: que questiona se a falta de carinho e amor dos pais causa o autismo. E isso não é verdade! Não existem evidências que a falta de afeto resulte no autismo. Os pais não têm culpa nenhuma sobre o autismo em seus filhos, e o autismo não tem nada a ver com a falta de amor.
  • Vacinas causam autismo: não, vacinas não causam autismo! Ainda em 2004, o Instituto de Medicina dos Estados Unidos concluiu que não existem provas de que a vacina cause autismo. E de onde isso surgiu? Contamos essa história detalhadamente nesse texto aqui.
  • Autistas vivem em seu próprio mundo: isso também é mito! Afinal, os autistas vivem no mesmo mundo que todos nós, apenas a forma de se desenvolver é diferente, pois pessoas com TEA precisam de acompanhamento de profissionais especializados. Aliás, nenhuma pessoa se desenvolve como a outra: somos todos diferentes.

7. Existem leis que garantem os direitos de autistas e suas famílias

No Brasil algumas leis amparam a pessoa com TEA.

  • Lei Brasileira de Inclusão (LBI) – garante que pessoas autistas frequentem a escola e seja acolhida da melhor forma possível, para que o aprendizado seja potencializado.
  • Lei Berenice Piana –dentro dessa Lei Nº 12.764, pessoas com TEA são consideradas deficientes, por isso a lei assegura que todos os direitos concedidos a PCDs são concedidos, também, para autistas
  • Lei Romeo Mion – a Lei Romeo Mion cria a Carteira de Identificação da Pessoa com TEA (CipTEA), que garante a todos aqueles com o diagnóstico de autismo um documento que possa ser apresentado para informar a condição do indivíduo. O nome foi inspirado em Romeo Mion, filho adolescente do apresentador de TV Marcos Mion.

Além dessas Leis, existem benefícios que auxiliam, como: Benefício da Prestação Continuada (BPC), redução na carga horária de trabalho e outros que reduzem as dificuldades encontradas no cotidiano.

Também temos um texto completo sobre os direitos das famílias, que você pode ler para entender melhor.

8. Nos EUA, 1 em cada 36 crianças é autista

De acordo com o mais recente relatório do CDC (órgão responsável por identificar e pesquisar o número de pessoas com autismo), divulgado em 2021 (com dados observados em 2018) 1 em cada 36 crianças é autista.

Os dados são baseados exclusivamente em declarações de diagnóstico de TEA documentadas, com crianças de 3 a 8 anos, assegurados por profissionais clínicos.

Quando falamos nos dados do Brasil, ainda temos algumas informações desatualizadas e que serão comprovados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que contabilizou no senso de 2022 o número de autistas no Brasil.

Esse dado foi incluído após a sanção da Lei 13.861/19, que obriga o IBGE a inserir perguntas sobre o autismo nas pesquisas e entender qual é a prevalência do autismo no Brasil.

9. Estudo recente sobre o autismo no Brasil

Uma curiosidade sobre autismo é que, infelizmente, ainda são poucos os estudos e dados sobre a população no espectro. Para mudar esse cenário e garantir que cada vez mais pessoas no espectro se sintam representadas na sociedade, a Genial Care realizou em 2023 a pesquisa “Retratos do autismo no Brasil em 2023: um estudo Genial Care e Tismoo.me”.

Com 2.247 resposta no total, conseguimos uma amostra válida conforme a Calculadora de Tamanho de Amostra, considerando uma estimativa de 4 milhões de pessoas com TEA no Brasil — estimativa feita com base em dados do CDC — com grau de confiança de 99% e margem de erro de 3%.

Com isso, criamos um painel de dados da pesquisa inédita sobre o aumento dos diagnósticos de autismo e como existe uma repercussão global que afeta os custos e qualidade dos serviços na saúde suplementar para pessoas com TEA e suas famílias.

O nosso estudo oferece uma visão diversificada das experiências de cuidadores e pessoas autistas. Conseguimos mostrar em números a realidade de muitas famílias brasileiras – um assunto ainda não tão conhecido.

Quando falamos sobre a análise dos dados demográficos, esse estudo reflete a multiplicidade de experiências vividas pelos cuidadores.

Você pode ter os dados completos do nosso estudo “Retratos do Autismo no Brasil e no mundo: Impactos na saúde suplementar a curto prazo” clicando no botão:

Retratos para autismo no Brasil

Conclusão

Compreender o autismo vai além do conhecimento superficial e por isso é importante entender sobre essas curiosidades sobre autismo e outros mitos e informações disponíveis por aí.

Ao divulgarmos dados baseados em evidências, respeitando a diversidade e promovendo a inclusão, podemos construir uma sociedade muito mais diversa, inclusiva e empática.

Essas são algumas das curiosidades do autismo, mas você pode aprender muito mais sobre o TEA em nosso blog! Temos uma categoria preparada para pessoas cuidadoras, com textos que buscam acolher famílias desde o momento inicial do diagnóstico.

PARA AS FAMÍLIAS

Conheça nosso atendimento para autismo

Conteúdos relacionados

Esse artigo foi útil para você?

Dia Nacional do Futebol: inclusão e emoções das pessoas com TEA Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Aprovado Projeto de Lei que obriga SUS aplicar a escala M-CHAT em crianças de 2 anos Dia mundial do Rock: conheça 5 bandas com integrantes autistas Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? Senado: debate público sobre inclusão educacional de pessoas com TEA Emoções no autismo: saiba como as habilidades emocionais funcionam Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin