Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
mães autismo

Mães são as principais cuidadoras de crianças com autismo

Resultados finais mostram que 86% dos cuidadores de crianças com TEA são mães. Elas se tornam as principais responsáveis quando o assunto é entender o autismo e lidar com a criança. Ouvimos histórias reais de mulheres que vivenciam essa realidade – aqui vão algumas delas.

“Estava com as malas prontas no último ano da faculdade. Cancelei todos os meus sonhos”. É assim que Camila Nogueira explica a mudança de planos quando recebeu o diagnóstico de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) do filho Miguel. Graduada em Publicidade e Propaganda no ano de 2004, ela terminou o curso com a promessa de um emprego no Rio de Janeiro (RJ). Mas a realidade do diagnóstico transformou seus planos. Mais de 16 anos depois, ela nunca chegou a exercer a profissão que planejava e dedica a vida aos cuidados com o filho, também ajudando outras famílias a lidarem com o diagnóstico.

Histórias como a de Camila são comuns em mães de crianças com diagnóstico de TEA. Independente da classe social, grau de escolaridade e de estarem ou não no mercado de trabalho, elas muitas vezes acabam sendo o principal ponto de apoio para os filhos. É o que mostram os resultados finais do estudo cuidando de quem cuida: um panorama sobre as famílias e o autismo no Brasil em 2020, realizado pela Genial Care. Segundo dados colhidos na pesquisa, 86% dos cuidadores responsáveis por crianças com autismo são mães.

As análises de pessoas que se classificam como as cuidadoras imediatas destas crianças, que têm entre 0 e 12 anos e diagnóstico – ou suspeita – de autismo mostram ainda que os 16% restantes estão divididos entre os pais (10%) e outros (4%). Os números não são nada chocantes para quem conhece a realidade da comunidade do autismo. Em entrevista para a Genial Care em agosto, Eliseu Acácio da Silva, pai e padrasto de dois meninos com autismo nível 3, comentou sobre a disparidade de pais e mães como protagonistas na criação dos filhos.

“Não que sejam raríssimos os pais na causa do autismo e nos cuidados do autista,  mas as mães são maioria esmagadora”, observou.

Dupla jornada

Enquanto muitas mães deixam o mercado de trabalho para se dedicar aos estudos sobre autismo, outras decidem – ou são forçadas a – fazer dupla jornada. Assim, se dividem entre as tarefas administrativas e os cuidados com a criança. É o caso de Giselle, que atua no setor fiscal de uma empresa multinacional e também cuida do filho, Matheus.

Mesmo após descobrir a condição do filho, ela conta que continuou no ritmo de trabalho de sempre. “Não fiz adaptação nenhuma, tive que juntar o emprego e tudo que veio junto com o diagnóstico”.

Antes da pandemia provocada pelo novo coronavírus, ela trabalhava presencialmente das 8h às 18h. Nesse período, Matheus frequentava a escola e as terapias. Em casa, Giselle tomava conta dos afazeres domésticos e também da organização da rotina familiar junto ao marido. Agora, ela trabalha apenas dois dias por semana na empresa, o restante é no esquema de home office. “Hoje temos dois mundos, né? Um antes da pandemia e outro na pandemia. É mais fácil cuidar dele em home office”, diz.

Mães na linha de frente do autismo

Para Luciana Habermann, mais do que apenas cuidadores, mães muitas vezes são as verdadeiras protagonistas no desenvolvimento dos filhos. Ela estava grávida pela segunda vez quando a filha, Alice, recebeu o diagnóstico de autismo.

Apesar de ter se afastado das funções que exercia como consultora porque estava grávida pela segunda vez, Luciana conta que o diagnóstico da filha mais velha foi, e tem sido, uma grande norteador de sua vida. “Desde o diagnóstico já li 13 livros sobre o autismo e suas comorbidades. E descubro novos caminhos todos os dias. Não estou levando Alice para a terapia. Eu abandonei a clínica em que eu estava. Não fez bem para a Alice. E agora tentarei novas estratégias após a pandemia. Até lá, seguimos”, diz.

Ajudando outras mulheres

Co-fundadora da ONG FASA (Família Autismo Só Amor), ela atua acolhendo e oferecendo apoio para famílias que recém descobriram o diagnóstico. Por isso, acredita em um movimento no qual os pais sejam inseridos no contexto terapêutico e aprendam mecanismos e estratégias para lidar com as crianças e ajudar no desenvolvimento delas.

“Muitos dos terapeutas não têm filhos -, muitos falam sobre a educação que devemos dar, os limites que devemos impor. A partir daí, comecei a pensar que o Protagonismo da Intervenção deveria ser dos pais”, comenta.

Por meio desse trabalho, ela tem criado iniciativas para ajudar as famílias a lidar com o difícil momento do diagnóstico. Além disso, busca orientá-las na procura por terapias e intervenções. Tudo isso motivado pela própria experiência com Alice, que fez dela uma mãe protagonista. “Estou movimentando meu pequeno universo. Se eu ajudar 50 mães até o final da minha vida, ajudar 50 filhos, eu serei uma vitoriosa, porque no meu pequeno mundo eu contribuí para algo de valor”, conclui.

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi