Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Menina com celular jogando game divertido. tal ação remete ao termo "autismo virtual"

Autismo virtual: entenda o que é, seus sintomas e estudos sobre o termo

Você já se deparou com o termo ‘autismo virtual’? Nos últimos tempos, essa expressão tem ganhado destaque ao descrever um “fenômeno” em que crianças, após longos períodos diante das telas, manifestam sinais associados ao autismo e recebem o diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista (TEA).

O aumento significativo de relatos de famílias que vivenciaram essa situação, especialmente durante o cenário desafiador da pandemia de coronavírus, tem chamado atenção para essa questão.

Mas, será que a exposição prolongada às telas realmente pode desencadear o autismo? Neste artigo, vamos explorar e explicar esse tema. Acompanhe.

Afinal, autismo virtual existe mesmo?

Autismo virtual é um termo que tem sido utilizado para descrever um conjunto de sinais semelhantes aos do autismo que supostamente surgem em crianças após longos períodos de exposição a telas, como computadores, smartphones e tablets.

No entanto, até o momento, não há consenso na comunidade científica sobre a existência real do “autismo virtual” como uma condição distinta.

Alguns profissionais e pesquisadores contestam a ideia de que a exposição às telas possa desencadear o autismo. O diagnóstico de TEA é complexo e baseia-se em uma avaliação detalhada do comportamento e das interações sociais da criança, além de outros critérios clínicos.

Autismo virtual é realidade ou mito?

Embora seja reconhecido que o uso excessivo de dispositivos eletrônicos possa ter impactos na saúde mental e no desenvolvimento das crianças, é importante ressaltar que não existe, até o momento, evidência científica sólida que comprove uma ligação direta entre a exposição às telas e o desenvolvimento do autismo.

É fundamental que informações sobre o autismo sejam baseadas em estudos e pesquisas científicas rigorosas, a fim de evitar equívocos e estigmatização.

A discussão sobre o impacto da tecnologia na saúde e no desenvolvimento infantil continua sendo um tema relevante, mas a existência concreta do “autismo virtual” ainda carece de respaldo científico definitivo.

O autismo virtual não existe e não é um fenômeno real. Apesar desta associação ser feita por muitas famílias, ainda não foi provado que ficar em contato com celulares, tablets e outros dispositivos eletrônicos possam causar autismo.

Até hoje, as causas do autismo ainda não foram totalmente concluídas. Mas o que se sabe é que a criança nasce com o transtorno, não o desenvolve depois.

Além disso, diversos estudos já provaram que a genética tem um papel fundamental no desenvolvimento do TEA, assim como fatores ambientais, como a idade dos pais.

Quais os sintomas do autismo virtual?

De acordo com alguns profissionais e famílias, os principais sinais apresentados por crianças com o chamado autismo virtual, os sintomas atribuídos ao autismo virtual são descritos como comportamentos que se assemelham aos do autismo, porém, seriam resultados do uso excessivo de dispositivos eletrônicos, como smartphones, tablets e computadores.

Esses sintomas incluiriam:

  • Dificuldades de interação social: podem manifestar-se como dificuldade em estabelecer ou manter conexões sociais, dificuldade em compreender expressões faciais, falta de interesse por interações sociais ou dificuldade em iniciar, ou manter conversas.
  • Problemas de comunicação: podem ser observados atrasos ou dificuldades no desenvolvimento da linguagem, dificuldade em compreender figuras de linguagem ou tom de voz, além de expressão verbal limitada.
  • Padrões restritos e repetitivos de comportamento: isso pode incluir aderência a rotinas rígidas, interesses intensos e específicos em determinados assuntos, movimentos motores repetitivos (estereotipias), entre outros comportamentos repetitivos.
  • Sensibilidades sensoriais: sensibilidades a estímulos sensoriais, como luzes, sons, texturas, entre outros, que podem causar desconforto ou agitação.
  • Dificuldades na regulação emocional: como, por exemplo, em expressar emoções de forma apropriada ou compreender as emoções dos outros.

De fato, todos esses sinais também podem ser característicos do TEA. Por isso, a associação entre o tempo de exposição a telas e o autismo.

Existem estudos sobre autismo virtual?

Crianças focadas em celulares. A imagem reflete ao tema: autismo virtual.

Ainda sobre esse assunto, o periódico JAMA Pediatrics publicou um estudo em 2022 cujo título era: Association between screen time exposure in children at 1 year of age and Autism Spectrum Disorder at 3 years age (Associação entre tempo de exposição a telas com 1 ano de idade e Transtorno do Espectro do Autismo aos 3 anos de idade), em tradução para o português.

A pesquisa, conduzida no Japão, chamou atenção de muitas famílias brasileiras quando a Revista Crescer divulgou seus resultados em uma reportagem intitulada “Meninos que passam mais de 2 horas por dia em frente às telas têm mais chance de desenvolver autismo, aponta estudo”.

O alarme provocado pela reportagem foi devido ao fato dela sugerir uma relação de causalidade entre a exposição a telas e o diagnóstico de autismo mais tarde. Mas o estudo japonês fez uma correlação entre as variáveis:

Ou seja, o que os pesquisadores avaliaram, na realidade, foi que algumas das crianças analisadas realmente passavam mais de duas horas por dia em frente às telas com a idade de 1 ano e, aos três anos, elas apresentavam sinais que ajudaram profissionais a traçarem o diagnóstico.

No entanto, isso não prova relação entre os fatores. Isso porque o próprio estudo não descarta a possibilidade de que simplesmente bebês autistas podem se interessar mais por telas do que bebês com desenvolvimento típico.

A controvérsia em torno da matéria levou a Revista Crescer a revisar o título para “Estudo investiga possível ligação entre exposição de crianças de 1 ano a telas e o Transtorno do Espectro Autista; análise por especialistas”.

Além disso, o subtítulo foi modificado para: “Correção: O título original não reflete a conclusão do estudo. A matéria foi atualizada com insights de especialistas”.

Essa retratação evidencia que o conceito de autismo virtual não tem respaldo e, até o momento, não há comprovação de vínculo entre o uso de telas e o TEA.

Dê olho no excesso de telas e controle de acesso

A estratégia de usar telas para entreter crianças pequenas é compreensível, mas será que é saudável? Muitos pais recorrem a essa estratégia para manter os pequenos ocupados, porém, é importante compreender os possíveis impactos negativos desse hábito.

Especialistas alertam que o tempo prolongado diante de dispositivos eletrônicos pode prejudicar o desenvolvimento infantil. O entretenimento passivo oferecido por vídeos em celulares ou tablets limita o envolvimento ativo da criança, desperdiçando oportunidades cruciais para estimular habilidades essenciais, como a coordenação motora.

Além disso, a luz emitida pelas telas interfere na produção de melatonina, um hormônio fundamental para induzir o sono. Esse desequilíbrio pode acarretar dificuldades para a criança adormecer.

Diante desses desafios, recomenda-se enfaticamente limitar e supervisionar o acesso de crianças a dispositivos eletrônicos durante a infância e a adolescência. Priorizar atividades mais interativas e estimulantes para o desenvolvimento é essencial para o crescimento saudável das crianças.

Conclusão

A discussão em torno do autismo virtual mostra como interpretações equivocadas podem surgir de estudos. Apesar do termo ser popular, não há evidências sólidas que vinculem o uso de telas ao autismo.

É fundamental focar em medidas preventivas para um uso saudável da tecnologia pelas crianças, priorizando interações estimulantes e limitando o acesso aos dispositivos eletrônicos.

Existem, inclusive, aplicativos e jogos educativos, que podem ser acessados nos aparelhos, para tornar o processo de aprendizagem lúdico e divertido (dentro, é claro, dos limites e controle familiar).

Que tal conhecê-los em uma próxima leitura?

Aplicativos para autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora?