Banner do post Autismo virtual existe?
Banner do post Autismo virtual existe?

Autismo virtual existe?

Você já ouviu falar em “autismo virtual”? Esse termo tem se popularizado muito há algum tempo, e diz respeito a crianças que, após uso excessivo de telas teriam desenvolvido sintomas de autismo e recebido o diagnóstico de TEA.

Os casos de famílias que afirmam ter vivenciado essa experiência com suas crianças cresceram bastante, principalmente durante a pandemia provocada pelo novo coronavírus. 

Mas será mesmo que a exposição a telas por muito tempo pode causar autismo? É o que te explicamos neste artigo. 

O que é autismo virtual?

O termo autismo virtual surge para abordar uma problemática bastante comum em famílias com crianças pequenas: a exposição ilimitada a telas de TVs, tablets, smartphones e outros dispositivos eletrônicos. 

De acordo com alguns profissionais da área da saúde, esta exposição excessiva pode fazer com que a criança desenvolva os sintomas característicos do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Por isso o nome, autismo virtual.

Esse fenômeno tem aparecido em vários lugares e chamado a atenção de pais que sentem receio em deixar os pequenos reféns das telas e, mais tarde, desenvolverem autismo.  

Quais os sintomas do autismo virtual?

De acordo com alguns profissionais e famílias, os principais sinais apresentados por crianças com o chamado “autismo virtual” seriam: 

De fato, todos esses sinais também podem ser característicos do TEA. Por isso, a associação entre o tempo de exposição a telas e o autismo. 

Afinal, autismo virtual existe mesmo?

A resposta para esta pergunta é simples: não, o autismo virtual não existe e não é um fenômeno real. Apesar desta associação ser feita por muitas famílias, ainda não foi provado que ficar em contato com celulares, tablets e outros dispositivos eletrônicos possa causar autismo..

Até hoje, as causas do autismo ainda não foram totalmente concluídas. Mas o que se sabe é que a criança nasce com o transtorno, não o desenvolve depois. Além disso, diversos estudos já provaram que a genética tem um papel fundamental no desenvolvimento do TEA, assim como fatores ambientais, como a idade dos pais.

Existem estudos sobre autismo virtual?

Ainda sobre esse assunto, o periódico JAMA Pediatrics publicou um estudo em 2022 cujo título era: Association between screen time exposure in children at 1 year of age and Autism Spectrum Disorder at 3 years age (Associação entre tempo de exposição a telas com 1 ano de idade e Transtorno do Espectro do Autismo aos 3 anos de idade, em tradução para o português). 

A pesquisa, conduzida no Japão, chamou atenção de muitas famílias brasileiras quando a Revista Crescer divulgou seus resultados em uma reportagem intitulada “Meninos que passam mais de 2 horas por dia em frente às telas têm mais chance de desenvolver autismo, aponta estudo”. 

O alarme provocado pela reportagem foi devido ao fato dela sugerir uma relação de causalidade entre a exposição a telas e o diagnóstico de autismo mais tarde. Mas o estudo japonês fez uma correlação entre as variáveis: 

Ou seja, o que os pesquisadores avaliaram, na realidade, foi que algumas das crianças analisadas realmente passavam mais de duas horas por dia em frente às telas com a idade de 1 ano e, aos três anos, elas apresentavam sinais que ajudaram profissionais a traçarem o diagnóstico. 

No entanto, isso não prova relação entre os fatores. Isso porque o próprio estudo não descarta a possibilidade de que simplesmente bebês autistas podem se interessar mais por telas do que bebês com desenvolvimento típico. 

Revista mudou o título da reportagem 

Após a polêmica acerca da reportagem, a própria Revista Crescer modificou o título da matéria para “Estudo analisa associação entre exposição ao tempo de tela em crianças com 1 ano de idade e o Transtorno do Espectro Autista; especialistas comentam”. 

Além disso, o subtítulo da reportagem também foi alterado para: “Erramos. O título desta matéria foi modificado porque ele não condiz com o resultado da análise do estudo. A reportagem foi atualizada com a explicação de especialistas”. 

Assim, a própria retratação deixa claro que o autismo virtual não existe e, até o momento, não existe relação entre o acesso a telas e o TEA. 

Então tudo bem deixar as crianças terem acesso às telas?

Agora você provavelmente está se perguntando se está tudo bem deixar crianças pequenas com um alto tempo de exposição a telas. E normalmente, essa é uma estratégia usada por muitos pais com o objetivo de entreter a criança a mantê-la ocupada. 

No entanto, precisamos alertar que essa atitude pode, sim, ser prejudicial para o desenvolvimento infantil. Isso porque, de acordo com especialistas, quando a criança está vendo um vídeo no celular ou tablet, por exemplo, são ativadas somente as vias de processamento sensorial que são predominantemente passivas.

Assim, perde-se um tempo precioso que poderia ser usado para estimular o bebê com atividades mais ativas, que vão aperfeiçoar habilidades importantes nesta faixa etária, como as de coordenação motora. 

Além disso, a própria luz das telas consegue inibir a produção de melatonina, um hormônio essencial para a indução do sono, o que pode causar problemas para a criança dormir. Assim, o mais recomendado é que durante a infância e adolescência o acesso a dispositivos seja feito de forma limitada e supervisionada. 

Para saber mais sobre o desenvolvimento infantil e autismo, leia nosso blog.