Banner do post RUBI Sessões 9 e 10: Ensinando habilidades 1 e 2
Banner do post RUBI Sessões 9 e 10: Ensinando habilidades 1 e 2

RUBI Sessões 9 e 10: Ensinando habilidades 1 e 2

Estamos no sexto volume da série que criamos sobre o protocolo RUBI de treinamento parental. Este material tem como objetivo principal capacitar pais e cuidadores no manejo de comportamentos desafiadores de seus filhos no espectro.

Falamos anteriormente sobre as sessões 1 a 8 e organizamos as informações da seguinte forma nos textos anteriores:

  • Sessões 1 e 2, que têm como foco introduzir os princípios comportamentais, como o modelo A-B-C de registro e análise de comportamentos e apresentar estratégias de prevenção para os comportamentos desafiadores;
  • Sessões 3 e 4, que cobrem a importância da organização de uma rotina diária e a introdução do conceito de reforço;
  • Sessões 5 e 6, que se aprofundam no conceito de reforço e no ignorar de maneira  planejada, enquanto estratégia para potencializar o desenvolvimento saudável de crianças com TEA;
  • Sessões 7 e 8, que apresentam como objetivo principal estratégias para o ensino e fortalecimento de habilidades de cooperação e de comunicação funcional.

Esse artigo apresenta as sessões 9 e 10, que têm como objetivo principal se aprofundar no ensino de habilidades que possibilitam o aumento da autonomia de crianças com TEA. 

RUBI – Sessão 9: Ensinando habilidades 1

A nona sessão tem como principal objetivo apresentar procedimentos para o ensino de habilidades que fomentem a autonomia e desenvolvimento saudável de crianças com autismo. 

Alguns dos temas abordados nesse momento do treinamento parental são:

  • Elencar quais habilidades precisam ser ensinadas para a criança;
  • Ensinar o conceito de task analysis (análise de tarefas);
  • Ensinar encadeamento como técnica de ensino;
  • Revisar vídeos curtos que exemplificam o uso do encadeamento para o ensino de novas habilidades.

A ideia geral dessa etapa é juntar o conhecimento adquirido nas sessões anteriores – princípios do comportamento, estratégias de prevenção, estabelecimento de uma rotina diária e a importância do conceito de reforço – e utilizá-lo para encorajar comportamentos pró sociais e importantes para a independência da criança.

Sendo assim, além de trabalhar para a diminuição de comportamentos desafiadores, parte do que é importante no trabalho com crianças no espectro é ensinar novas habilidades para que elas atinjam todo seu potencial.

Mas quais são essas habilidades que podem ser ensinadas? O RUBI são descritas algumas delas:

  • Habilidades de brincar;
  • Habilidades sociais;
  • Habilidades acadêmicas;
  • Habilidades de organização.

Dessa forma, para que seja possível ensinar novas competências para a criança, os pais e pessoas cuidadoras precisam aprender alguns procedimentos de ensino que podem facilitar essa aprendizagem. Dentre esses procedimentos estão a task analysis e o encadeamento.

O que é task analysis?

Task analysis é um procedimento de ensino de novas habilidades que divide a competência a ser ensinada em pequenos passos. Um exemplo de habilidade que, para ser ensinada, precisa passar por esse tipo de análise é escovar os dentes.

Para aprender a escovar os dentes, seguimos uma sequência de comportamentos: 

  • Segurar a escova;
  • Abrir a pasta de dentes;
  • Colocar a pasta na escova; 
  • Fechar a pasta de dentes;
  • Escovar; 
  • Enxaguar a boca;
  • Secar a boca;
  • Limpar a escova;
  • Guardar a escova.

É justamente esse tipo de habilidade que para ser ensinada podemos utilizar a task analysis, já que é necessário que a criança aprenda uma sequência de comportamentos para conseguir executá-la. 

O que é encadeamento?

Outro procedimento utilizado no ensino de novas habilidades, em conjunto com a task analysis, é o encadeamento

Dessa forma, após a habilidade ser quebrada em pequenos passos, é necessário analisar quais dessas etapas a criança ainda não realiza de maneira independente (sem ajuda). Isso dará uma pista de por onde começar o ensino.

É importante que o foco seja em ensinar um passo por vez, e somente quando a criança tiver conseguido realizá-lo é que se deve passar para o próximo. Nesse meio tempo, a pessoa cuidadora ou profissional deve realizar os passos que sobrarem para a criança.

Além disso, é importante decidir qual será a ordem de ensino das etapas.  Existem duas possibilidades: começar pelo primeiro passo e seguir a ordem até que a tarefa seja concluída ou começar pelo último passo da cadeia e seguir os passos em ordem contrária. 

Uma boa forma de decidir por qual dos caminhos seguir é escolher o passo que será mais fácil para a criança executar, isso pode ajudar na motivação tanto da criança, quanto da pessoa cuidadora.

RUBI – Sessão 10: Ensinando habilidades 2

Na sessão 10 o tema central é mantido, ou seja, ainda é abordado o ensino de novas habilidades. Porém, nessa etapa do RUBI, o foco se dá na variedade de dicas que podem ser oferecidas para potencializar o aprendizado da criança.

Alguns dos seguintes temas fazem parte dessa sessão:

  • Modelação como procedimento de ensino;
  • Dicas visuais, verbais e físicas como procedimentos de ensino;
  • Como usar dicas;
  • Revisar vídeos curtos desses procedimentos.

Com a apresentação dessas estratégias de ensino, os familiares e pessoas que convivem com a criança passam a ter mais condição de planejar e ensinar comportamentos efetivos para que ela tenha uma vida mais independente e saudável. 

O que é modelação?

É possível ensinar uma nova habilidade de diversas maneiras. Por isso, o RUBI apresenta diversos procedimentos que podem otimizar a aprendizagem da criança com autismo. 

A modelação é uma forma possível de ajudar no ensino e funciona da seguinte forma: 

  1. O familiar executa a habilidade a ser ensinada;
  2. A criança imita esse comportamento. 

Para algumas crianças imitar pode ser difícil. Por isso, nessas situações é necessário ensiná-la a imitar, já que esse comportamento facilita e permite a aprendizagem de muitas habilidades em contextos naturais da criança, como na escola ou com amigos.

O que são dicas visuais, verbais e físicas?

Além da modelação, existem outras formas de potencializar a aprendizagem de novos comportamentos. Os autores do RUBI organizaram um jeito de facilitar que pessoas cuidadoras se lembrem disso:

Há coisas que você DIZ, MOSTRA e FAZ para ajudar a criança a aprender uma nova habilidade. 

  • Dicas verbais: são as coisas que você DIZ que a ajudam a executar uma tarefa;
  • Dicas visuais: são as coisas que você MOSTRA que ajudam a criança a realizar uma tarefa;
  • Dicas físicas: são as coisas que você FAZ que a ajudam a fazer uma tarefa.

Existem também alguns cuidados a serem tomados com o uso de dicas no ensino de novos comportamentos. Dentre eles, um muito importante, é utilizar apenas as dicas realmente necessárias para que a criança realize a tarefa.

Nessa sessão, também é apresentado um pequeno resumo das formas que possibilitam uma aprendizagem de sucesso vistas até esse momento, além de alguns outros temas.

Para você saber mais sobre como o RUBI funciona, fique de olho no nosso blog. O próximo texto da sequência vai apresentar a sessão 11: Generalização e manutenção, última sessão padrão do manual.