Metodologia da Genial Care RUBI: mãe e menina estão observando a mesma folha, aparentemente estudando

RUBI Sessões 3 e 4: Rotina diária e Reforçamento 1

Foto do author Natália Calegare

Natália Calegare

Publicado em 03 de março de 2022 Atualizado em 18 de agosto de 2023

Esse é o terceiro volume da sequência que preparamos para apresentar o RUBI, um manual de treinamento parental que, como falamos anteriormente, tem o objetivo de capacitar cuidadores de crianças com TEA no manejo de comportamentos disruptivos.

No último texto descrevemos as duas primeiras sessões do protocolo: Princípios comportamentais e Estratégias de prevenção. Nelas são apresentadas algumas ferramentas de observação e análise do comportamento, como o modelo A-B-C para analisar uma resposta, além de estratégias importantes para impedir que o comportamento desafiador ocorra.

Essa semana apresentamos as sessões 3 e 4, para que pais e, especialmente, profissionais possam conhecer mais deste material. Vamos?

RUBI Sessão 3: Rotina diária

A terceira sessão tem como objetivo principal obter a programação diária da criança, e auxiliar os pais a identificarem formas de adaptação da rotina que podem ajudar a diminuir o surgimento de comportamentos disruptivos.

Como em todas as sessões do manual, no início é realizada a revisão das atividades de casa dos pais, e então o novo conteúdo é exposto.

Dentre os objetivos esperados para a pessoa cuidadora nesta sessão estão:

  • Descrever a rotina diária, incluindo os momentos que surgem dificuldades de manejo do comportamento da criança;
  • Sugerir estratégias preventivas apropriadas para situações representadas em pequenos vídeos, utilizados como forma de exemplificar situações desafiadoras;
  • Sugerir estratégias de prevenção efetivas considerando a rotina e os desafios da criança;
  • Construir uma rotina visual para a criança.

Tendo em vista as possíveis forma de prevenção de comportamentos desafiadores são sugeridas algumas formas: 

  • Mudar o momento da demanda;
  • Usar atividades preferidas pela criança como consequência da realização de atividades menos prazerosas;
  • Estabelecer uma rotina para as atividades de vida diária.

Além disso, os autores do RUBI oferecem algumas dicas para a construção da rotina visual, como quais materiais podem ser usados ou maneiras de representar as atividades cotidianas – com fotos, desenhos etc. 

Dentre essas recomendações, a principal é de que haja espaço para flexibilidade na criação dessa ferramenta, já que ela deve funcionar dentro daquele contexto específico. 

Sendo assim, a confecção do material e forma como ele é apresentado à criança deve variar considerando as particularidades do caso. 

O próximo tópico cobre alguns dos principais aspectos da quarta sessão do manual RUBI.

Sessão 4: Reforçamento 1

Nessa sessão o principal objetivo é que os pais foquem nos pontos fortes da criança, ou seja, naqueles comportamentos que possibilitam um desenvolvimento saudável que ela já realiza. 

A ênfase deve ser nas habilidades de vida diária que a criança realiza, porém ainda não de maneira independente, isto é, sem qualquer tipo de ajuda.

Além disso, as pessoas cuidadoras nessa etapa do manual devem identificar estímulos reforçadores e aprender como utilizá-los para favorecer o aprendizado das habilidades alvo da intervenção. 

Dessa forma, alguns dos objetivos da quarta sessão são:

  • Apresentar o conceito de reforçamento positivo;
  • Revisar os tipos de reforçadores: primários, sociais, tangíveis, atividades ou fichas;
  • Identificar reforçadores;
  • Selecionar reforçadores para a criança;
  • Usar reforçadores para mudança comportamental.

Para ajudar os familiares a atingirem esses objetivos são apresentados os conceitos e listas de passo a passo de como realizar cada etapa. Também são dados exemplos em vídeos curtos que possam representar o conteúdo que está sendo passado. 

Por exemplo, para ajudar os pais a identificarem os reforçadores os autores oferecem algumas dicas, como:

  • Perguntar para criança o que ela gosta;
  • Conversar com outras pessoas que conheçam bem a criança, como professores ou parentes próximos;
  • Apresentar opções de potenciais reforçadores e ver o que a criança escolhe;
  • Observar a criança durante seu tempo livre.

A sessão é finalizada com a apresentação da tarefa de casa que deve ser realizada para o próximo encontro, na qual os pais devem colocar em prática uma contingência de reforçamento positivo. Isto é, devem elencar uma situação na qual será utilizado um reforçador positivo para aumentar a chance de um comportamento específico ocorrer.

Se você quer saber mais sobre como o RUBI funciona, fique de olho no nosso blog!  O próximo texto da sequência apresentará as sessões 5 e 6: Reforçamento 2 e Ignorar de forma planejada.

Conheça nosso atendimento padrão ouro em intervenção para autismo

Quero conhecer
Foto do author Natália Calegare

Escrito por:

Natália Calegare

Qual sua relação com o autismo?*

Digite seu CEP*

Conheça nossos serviços
Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Canabidiol no tratamento de autismo Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso Escala M-CHAT: saiba como funciona! Déficit na percepção visual: Como a terapia ocupacional pode ajudar? 3 aplicativos que auxiliam na rotina de crianças autistas 3 Animações que possuem personagens autistas | Férias Geniais Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Conheça os principais tratamentos para pessoas no espectro autista Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Diagnóstico de autismo do meu filho. O que preciso fazer? Quais os principais sinais de que meu filho tem autismo? Diagnóstico de autismo: quais os próximos passos. Veja 5 dicas Estereotipias: o que são e quais as principais em pessoas autistas 5 personagens autistas representados em animações infantis Graus de autismo: Conheça quais são e como identificá-los Outubro Rosa: 5 maneiras da mãe se cuidar 5 brincadeiras para o Dia das Crianças O Rol taxativo da ANS chegou ao fim? AUTISMO em ADULTOS: Quando e como saber? AUTISMO e ASPERGER: 25 sinais de Autismo Infantil Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Autismo: Fui diagnosticada aos 60 anos e agora?