Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Mulher negra em cadeira de rodas. Imagem representativa contra o Cripface.

CripFace: o que é, origem e por que é considerada uma prática inadequada

Você já ouviu falar em CripFace? Essa prática tem gerado controvérsias na representação de pessoas com deficiência ou pessoas atípicas na mídia, como filmes e séries.

Além de ser algo bastante ofensivo, está também diretamente relacionado ao capacitismo, por não promover representatividade e inclusão de PCDs em produções audiovisuais.

Isso porque, a representação de pessoas com deficiência em diversas esferas da sociedade, é um tema importante para a conscientização sobre as diversas questões relacionadas à deficiência, além de quebrar estereótipos de que essas pessoas não são capazes de se tornarem atores.

Exatamente por isso, a prática do CripFace muitas vezes gera representações estereotipadas e pouco precisas, o que pode perpetuar preconceitos e discriminação.

Para ajudar você, neste texto falaremos mais sobre essa prática controversa que tem gerado debates na indústria do entretenimento. Acompanhe na leitura!

O que é CripFace?

O termo “CripFace” se refere a uma técnica de elenco que consiste em contratar atores sem deficiência ou transtornos para interpretar personagens com deficiência ou neurodivergentes em filmes, séries e peças de teatro.

Quando pensamos em deficiência ocultas ou transtornos do neurodesenvolvimento, como o autismo, o CripFace é algo que potencializa o mimetismo interpretado por artistas típicos, retratando vivências que não correspondem com a realidade das pessoas no espectro.

Exatamente por isso, essa prática tem sido criticada por muitas pessoas, que argumentam que ela reforça estereótipos e impede a representação autêntica das experiências e histórias de vida das singularidades de pessoas neurodivergentes e PCDs.

O CripFace está intimamente ligado ao capacitismo, que é a discriminação e o preconceito contra pessoas com deficiência, e seu combate é fundamental para promover uma cultura de respeito e inclusão.

Qual a origem do termo “Cripface”?

Ele surgiu nos Estados Unidos como forma derivada de duas palavras em inglês: crippled (sinônimo de disable que significa deficiência) e face (que significa rosto).

Essa terminologia referir-se a outra prática antiga, chamada de BlackFace — quando artistas brancos pintavam seus corpos para representar pessoas negras, de forma exagerada e sempre associada a piadas.

Assim, o termo Cripface surgiu nas redes sociais e na cultura online como uma derivação do BlackFace, como uma forma de simular ou imitar uma deficiência, seja física ou mental, muitas vezes de forma caricatural e ofensiva, com o objetivo de entretenimento ou zombaria.

Por que o CripFace é inadequado?

Primeiramente, ao usar atores sem deficiência para interpretar papéis de pessoas com deficiência, perpetua-se a ideia de que as próprias pessoas com deficiência não são capazes de representar a si mesmas. Isso desvaloriza suas experiências e exclui oportunidades para atores PCDs.

Além disso, o CripFace pode levar à perpetuação de estereótipos prejudiciais. A representação inadequada pode reforçar visões simplistas e distorcidas sobre as deficiências, criando uma imagem limitada e pouco realista das vidas e habilidades dessas pessoas.

Precisamos lembrar que: a representatividade autêntica é fundamental para uma sociedade mais inclusiva e respeitosa!

É essencial que as vozes e experiências de todas as pessoas, sejam elas PCDs ou neurodivergentes, sejam ouvidas e representadas de maneira correta e precisa.

Ao dar espaço para atores com deficiência e garantir que suas histórias sejam contadas, estamos promovendo a valorização da diversidade e combatendo estereótipos prejudiciais que foram construídos ao longo da história.

Como o Cripface se relaciona com o capacitismo?

O capacitismo refere-se à discriminação e ao preconceito contra pessoas com deficiência. Assim, o CripFace está intrinsecamente ligado ao capacitismo, pois utiliza a deficiência como objeto de diminuição e desrespeito.

Essa prática perpetua a ideia de que as pessoas com deficiência são inferiores ou merecem ser alvo de risadas, ou até que não podem fazer papéis de si mesmas.

Com isso, acreditamos que elas precisem ser substituídas por alguém que não tenha deficiência, o que apenas reforça as barreiras sociais que enfrentam.

Dessa forma, ao participar do CripFace, a sociedade contribui para a normalização do capacitismo, tornando mais difícil para as pessoas com deficiência serem aceitas e respeitadas em todos os aspectos da vida cotidiana.

Exemplos de CripFace com personagens autistas

capa do filme Rain Man

Um dos primeiros e principais marcos de representações de pessoas autistas na indústria cultural é com o personagem Raymond Babbit, no filme Rain Man de 1988 e interpretado pelo ator Dustin Hoffman.

O longa chegou a ganhar oito estatuetas no Oscar de 1989, e acabou ajudando a consolidar um estereótipo de pessoa autista ligado ao do personagem, com muitas dificuldades de interação social, inteligência de “gênio” em matemática e pouco sentimental.

Mas, com o passar do tempo e o aumento das discussões sobre o TEA, além do entendimento de que o autismo é um espectro e as pessoas são únicas, muitas pessoas entendem que essa é uma representação falha e que não condiz com a realidade.

Além desse exemplo, uma produção mais recente que chamou a atenção da comunidade autista e gerou bastante críticas, foi o filme Music, escrito e dirigido pela cantora Sia, que recentemente compartilhou abertamente seu diagnóstico de autismo.

capa filme Music

O filme de 2021 conta a história de uma adolescente autista — representada por uma atriz fora do espectro (Maddie Ziegler) — que perde a família e precisa de cuidados da sua meia-irmã.

As críticas apontam que a personagem exibe vários comportamentos estereotipados, como alguém que vê o mundo de forma completamente diferente, tem traços exagerados que não correspondem aos níveis de necessidade e suporte conhecidos e se comporta de maneira extremamente infantilizada, mesmo sendo uma adolescente.

Conclusão

Como falamos, o CripFace é uma forma de discriminação contra pessoas autistas, PCDs e neurodivergentes no geral, potencializando crenças capacitistas e esteriótipos criados pelo imaginário social.

Essa é uma discussão que precisa ser ampliada para gerar mais representatividade e inclusão de atores atípicos e PCDs em toda a indústria cultural, sejam em filmes, séries, televisão ou teatro.

É fundamental que toda a sociedade entenda essa questão da sub-representação e incluam cada vez mais pessoas, de todos os tipos, como personagens com as mesmas características.

Um ótimo exemplo de produção audiovisual feita com sobre e com pessoas autistas é a série Amor no Espectro, vencedora do Emmy Internacional. Já temos um conteúdo completo sobre ela, vale a pena ler:

Conheça Amor no Espectro

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora?