Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
menino sentado no chão encostado em uma parede azul brinca com um elástico azul na frente do seu rosto

“Mas ele nem parece autista”: Veja 5 expressões capacitistas para tirar do vocabulário

Você já ouviu falar em expressões capacitistas? Esses termos que, infelizmente, fazem parte do vocabulário de muitas pessoas, estão relacionados com falas discriminatórias e preconceituosas como forma de se dirigir a pessoas com deficiência ou neurodivergentes.

Mas, felizmente, ao longo dos anos acompanhamos a evolução das discussões sobre inclusão, diversidade e discriminação, e como a extinção dessas falas ajuda na reflexão sobre as atitudes da sociedade para a criação de ambientes mais seguros.

Por isso é tão importante entender que expressões como “Mas ele nem parece autista” precisam ser abolidas do vocabulário, ajudando na revisão de ditados ofensivos para determinadas comunidades, e criando espaços de representatividade e informações verdadeiras para uma população mais consciente.

Para ajudar você a entender o que é capacitismo e quais expressões cortar do seu dia a dia, criamos esse conteúdo completo sobre o tema. Acompanhe a leitura!

O que é capacitismo?

Por definição, o capacitismo é a descriminalização de pessoas com deficiência (PCD) — seja ela física ou mental — com um olhar de superioridade, como se elas fossem incapazes ou tivessem menos valor como pessoas. Dessa forma, usar de expressões capacitistas é manifestar um preconceito social por suposição.

Geralmente, a principal característica do capacitismo é o uso de termos, falas ou expressões que pretendem inferior PCDs se comparados com pessoas neurotípicas. Pode ser que muitas pessoas que usam essas expressões capacitistas nem saibam, mas essas falas são uma forma de opressão.

Isso acontece porque muitas vezes essas expressões associam as deficiências a fatos negativos, como forma de ofender ou diminuir alguém. Precisamos lembrar que o capacitismo atinge PCDs de maneiras diferentes, desde limitar o acesso inclusive a direitos básicos até mesmo criar novas barreiras para que eles possam realizar atividades de forma independente.

Além disso, essas falas discriminatórias ajudam a tratar pessoas como incapazes, dependentes, infantilizando e até mesmo tirando a voz que elas têm para comunicar suas vontades e necessidades.

Portanto, eliminar essas palavras, expressões e frases do nosso vocabulário é uma forma de ajudar a construir ambientes mais respeitosos, inclusivos e diversos!

5 Expressões capacitistas para excluir do seu dia a dia

1. Ele nem parece autista

Infelizmente essa é uma expressão capacitista bastante ouvida por autistas, seus familiares ou pessoas cuidadoras. Mas, precisamos entender que é algo bastante inadequado e cruel de ser dito.

Essa fala é capaz de invalidar todas as dificuldades e barreiras que autistas e suas famílias têm. Precisamos lembrar que: não existe característica diagnóstica que seja física e o laudo não é feito pela aparência de alguém.

Por isso, não existe uma “cara” para autismo, não existe autismo melhor ou pior. O que existe são níveis de necessidade e suporte diferente, além das individualidades e unicidades de cada pessoa no espectro.

2. Falar que alguém está “muito autista”

Essa é uma expressão que as pessoas usam para definir um comportamento de distração, ausência ou isolamento. Usar o nome de um diagnóstico ou transtorno como uma característica física de forma pejorativa reforça estereótipos que pessoas com autismo são imperfeitas, incapazes ou distantes emocionalmente.

Não queremos isso! Ser autista não é uma coisa ruim, mas sim ser diferente em alguns aspectos. Além disso, essa ideia de que todo autista é igual e distante, é totalmente errada. Cada pessoa apresentará sinais diferentes e terá seu próprio repertório social.

3. Fingir demência

Assim como o autismo, a demência também é um diagnóstico médico. Ela se refere a perda geral das habilidades mentais de uma pessoa, como linguagem, raciocínio e memória.

Então, usar de um laudo como característica diminutiva ao falar de uma situação no qual algo não foi compreendido, é uma forma de expressar o capacitismo. O ideal é trocar essa expressão por frases como: “se fingir de desentendido”.

4. Retardado

Historicamente, essa palavra está associada a uma forma pejorativa de tratar pessoas com deficiência intelectual. Portanto, usar esse termo para se definir quando alguém faz algo de “errado” ou para xingar e ofender é uma forma clara de manifestar preconceito, reforçando essa ideia de superioridade entre pessoas típicas e atípicas.

É importante pararmos de criticar a capacidade de outras pessoas, e até nós mesmas, entendendo que todo mundo erra e que precisa existir espaço para avaliar e aprender.

5. Dar uma de João sem braço

Não ter um braço, ou qualquer outra parte do corpo, é uma condição física e não comportamental. Dessa forma, isso não significa que uma pessoa é mais ou menos disposta a ajudar ou a assumir alguma responsabilidade.

Essa é uma das expressões capacitistas mais fáceis de eliminar do seu vocabulário, basta dizer que alguém “deixou de fazer algo” ou “fugiu da responsabilidade”.

Expressões capacitistas ajudam a reforçar uma falsa “normalidade”

Esses são apenas alguns exemplos comuns que ainda ouvimos no nosso dia a dia. É muito importante entendermos o porquê essas falas são prejudiciais e verbalizam capacitismo na nossa sociedade.

Falar que alguém nem parece PCD, ou que algo é normal ou anormal é uma forma de reforçar que ter um transtorno ou deficiência é algo ruim e que deve ser escondido.

Precisamos expandir as conversas sobre acessibilidade, inclusão e diversidade para que a sociedade entenda cada vez mais que não existe algo normal, mas sim diferente da expectativa do outro.

Já falamos aqui que todas as pessoas são capazes de aprender e da potencialidade de encontrar oportunidade de aprendizado. Por isso, excluir essas falas é uma forma de diminuir barreiras e dar espaço para o desenvolvimento humano.

Em nosso blog já fizemos um conteúdo sobre como melhorar a comunicação entre pessoas neurotípicas e atípicas que pode ajudar nesse processo, acesse e confira:
Clique e leia!

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso