Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Skinner, pai do behaviorismo radical. Homem branco com cabelos grisalhos e de óculos de grau.

Quem foi Skinner, o pai do behaviorismo radical?

Há muitos médicos que fizeram parte da história do autismo, com suas pesquisas, casos e aplicações. Até hoje, eles continuam a mudar, revolucionar e inspirar outros profissionais da saúde mental.

Um deles é Burrhus Frederic Skinner, mais conhecido como Skinner. Ele foi um psicólogo norte-americano que ficou conhecido por criar uma vertente filosófica, conhecida como Behaviorismo Radical na década de 40, que tinha por objetivo estudar e entender – principalmente – o comportamento dos seres humanos.

Neste artigo, você vai conhecer um pouco sobre a história do pai do behaviorismo radical e entender o porquê sua teoria continua a revolucionar a vida de pessoas no espectro autista nos dias de hoje.

Quem foi Skinner?

Antes de se tornar um psicólogo de sucesso, Skinner fez bacharelado em Literatura Inglesa e pensou em seguir carreira de escritor, mas concluiu que lhe faltavam habilidades. Seu interesse pela área da psicologia veio de uma pós-graduação, em 1928, na Universidade de Harvard, onde se tornou um doutor especialista.

Skinner ficou no campo de pesquisa – em Harvard – até 1936. E, antes de retornar para a universidade de prestígio, passou por outros lugares:

  • 1936 a 1945: Docente na Universidade de Minnesota;
  • 1945 e 1947: Docente na Universidade de Indiana;
  • Ainda em Indiana foi Presidente do Departamento de Psicologia;
  • 1948: Retorno a Harvard como professor titular.

Ele faleceu em 18 de agosto de 1990, em Cambridge, após complicações causadas pela leucemia. Skinner deixou sua esposa Yvonne Blue e dois filhos.

Qual a teoria de Skinner?

Skinner acreditava e defendia a investigação do comportamento, e analisando organizações, espaços e humanos, ele chegou a conclusão que cada ser se comportava de acordo com o ambiente em que estava inserido, e suas ações eram consequências dos estímulos oferecidos por essa vivência.

Essa teoria segue o princípio de que a ocorrência de um estímulo, chamado de estímulo discriminativo, aumenta a probabilidade de ocorrência de uma resposta, e após a resposta segue-se um estímulo reforçador, podendo ser um reforço (positivo ou negativo) que estimule o comportamento (aumentando sua probabilidade de ocorrência), ou uma punição que iniba a ocorrência do comportamento posteriormente em situações semelhantes.

Para Skinner, cada pessoa é um ser único, homogêneo, e não um todo construído apenas de corpo e mente.

Entre seus estudos, destaca-se a teoria de análise do comportamento, punição positiva e a teoria da aprendizagem, e aqui no blog já abordamos esses assuntos:

Análise do Comportamento

A análise do comportamento é uma ciência que tem instrumentos para observar, analisar e criar estratégias para intervir no comportamento do indivíduo. Assim, ela pode ajudar tanto na aprendizagem de novos comportamentos, como na redução de comportamentos desafiadores, como as crises.

Punição Positiva

Segundo Skinner, a punição positiva é um recurso empregado quando a intenção é eliminar uma conduta indesejada (ou induzir uma pessoa a se comportar de determinada maneira). Ela ocorre a partir da adição de um estímulo aversivo após o acontecimento de um comportamento desafiador ou menos aceito socialmente.

Teoria da Aprendizagem

Mais conhecida comoABA, é uma ciência de aprendizagem que, quando aplicada em pessoas no espectro autista, foca em promover o ensino de novas habilidades e redução de comportamentos prejudiciais.

Podemos considerar prejudiciais aqueles comportamentos que colocam sua integridade física em risco, por exemplo: machucar a si mesmo ou outras pessoas, atirar objetos, bater a própria cabeça e etc.

É importante ressaltar que Skinner nunca chegou a trabalhar com ABA para o autismo, mas seus estudos acerca do tema foram importantes para as intervenções nessa ciência.

O pai do Behaviorismo Radical

O trabalho de Skinner confrontava as teorias de outros profissionais da área de psicologia, como por exemplo, Sigmund Freud, que acreditava que as pessoas poderiam ser curadas tornando conscientes seus pensamentos e motivações inconscientes. Enquanto o pai do behaviorismo radical, considerava superficial o ato de analisar o Id, Ego e Superego em um acompanhamento psiquiátrico.

Para ele, examinar os motivos inconscientes do ser humano era uma perda de tempo.

Skinner sempre se dedicou ao estudo das possibilidades que ofereciam o controle científico da conduta mediante técnicas de reforço, ou seja, os estímulos de comportamentos desejados).

Assim, acreditava que a aprendizagem concentrava-se na capacidade de estimular ou reprimir comportamentos, desejáveis ou indesejáveis.

Ele se interessava pelo Behaviorismo de Watson, o que o levou a desenvolver seus estudos e pesquisas, surgindo assim o “Behaviorismo Radical”. A proposta se definia contra causas internas (mentais) para explicar a conduta humana, além de negar também à realidade e a atuação dos elementos cognitivos, opondo-se à concepção de Watson.

Durante esse processo de pesquisa e estudos, Skinner escreveu alguns artigos e livros que ficaram marcados como referências de seu trabalho:

  • The Behavior of Organisms– antes de partir para os estudos do comportamento humano, Skinner fez análise do comportamento em ambientes e organizações, para começar a propor a teoria de estímulo e resposta;
  • Ciência e Comportamento Humano – onde aplicou seus princípios comportamentais fora do contexto de laboratório, partindo para estudos voltados a aspectos sociais, leis, educação, psicoterapia e muitos outros;
  • Tecnologia de Ensino – onde defende a educação da Arte de Ensinar, oferecendo formas alternativas e mais plausíveis na ciência do ensino, sendo o comportamento o termo pelo qual o ser humano é capaz de aprender;
  • Para além da liberdade e dignidade – nesse livro, Skinner escreve sobre suas teorias de forma simplificada, com linguagem acessível para leitores fora da área de psicologia.

Reconhecimentos e premiações

Em 1958 a Associação Americana de Psicologia reconheceu as contribuições de Skinner à Psicologia, concedendo-lhe o Prêmio de Contribuição Científica Distinguida. Outras distinções seguiram-se: a Medalha Nacional em Ciência

em 1968, a Medalha de Ouro da Associação Americana de Psicologia em 1971 e no mesmo ano foi capa da revista Time.

O legado do pai do behaviorismo radical continua a ser enaltecido entre os idealizadores da B.F. Skinner Foundation, que promove eventos anuais para reconhecer outros profissionais e pesquisadores que se dedicam à área da análise do comportamento.

A Fundação anualmente oferece suporte financeiro para incentivar mais cientistas a divulgarem o legado do estudioso. Fundada em 1988, a Fundação B. F. Skinner tem um vasto material da propriedade literária de Skinner, frutos de doações dos colegas, estudantes e membros da família.

Além de Skinner, já falamos aqui em nosso blog sobre outros profissionais que mudaram a história do autismo. São profissionais que contribuíram para a mudança na forma de enxergar o transtorno do espectro autista nos dias de hoje.

Conheça cada um deles clicando no botão abaixo:

5 Médicos que mudaram a história do autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora?