Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Menino asiático de jaqueta vermelha olhando para o lado. A imagem faz parte do documentário “O que me faz pular”.

Conheça o documentário “O que me faz pular”, uma imersão no universo autista

Você já pensou como seria sua vida se você não conseguisse se expressar por meio da fala? Essa é a ideia principal do documentário “O que me faz pular”, adaptação do livro de mesmo nome do escritor japonês Naoki Higashida.

O documentário mostra em diversos pontos de vista, como as pessoas autistas enxergam o mundo e como elas se comunicam sem usar a fala, seja pulando em um trampolim ou criando um mural para reflexões.

Neste artigo você vai saber mais sobre o documentário e o livro “O que me faz pular”, conhecer o escritor, e entender sobre a história da adaptação para as telas.

Quem é Naoki Higashida?

Embed from Getty Images

Naoki Higashida, japonês, autista severo e não verbal, é o autor do livro “O que me faz pular” e mais de 20 livros publicados. Para produzir suas obras, ele usa uma prancha alfabética, apontando letra por letra do que quer transferir para o papel.

Naoki já revelou, em algumas entrevistas, que repete a pergunta de outras pessoas como uma forma de “peneirar suas lembranças”, tentando encontrar a resposta que procura.

Em um dos seus textos mais famosos, ele compara sua memória, como pessoa no espectro, como uma piscina de bolinhas, e a de pessoas neurotípicas como uma fila.

“Para viver como um ser humano nada seria mais importante do que a capacidade de me expressar.”

Seu livro mais famoso é de fato “O que me faz pular” (The Reason I Jump, em inglês) e que foi escrito aos 13 anos de idade; o primeiro do jovem autor. Além disso, a obra também apresenta algumas anedotas criadas por ele para mostrar a diferença entre a percepção de autistas e não autistas.

Livro “O que me faz pular”

A obra “O que me faz pular” é um conjunto de ensaios reunidos em forma de livro, mostrando o ponto de vista do próprio Higashida, toda a sua experiência como pessoa autista.

Nele, o autor descreve com muita delicadeza vários dos processos mentais responsáveis por comportamentos que muitas vezes destoam daquilo que é esperado.

A narrativa acontece a partir de diversas perguntas feitas por não autistas, como:

  • Por que você faz as mesmas perguntas o tempo todo?
  • Por que você nunca para quieto?
  • Por que você pula? — pergunta que deu origem ao nome da obra.

A história de Higashida mostra que, diferente do imaginário comum, as pessoas autistas estão longes de serem insensíveis e indiferentes ao mundo, sendo tão complexas quanto qualquer pessoa típica, repletas de empatia, senso de humor e imaginação.

O documentário O que me faz pular foi baseado no livro?

Sim, como falamos anteriormente, o documentário “O que me faz pular” é uma adaptação desse bestseller lançado no Japão em 2007, mas é importante lembrar que essa história é uma adaptação norte-americana da versão do livro.

O documentário foi dirigido por Jerry Rothwell, sendo considerado vencedor do Prêmio da Audiência de documentários no Sundance Film Festival 2020.

A versão traduzida para o português foi lançada apenas em 2014 e, apesar de a obra ter feito muito sucesso aqui no Brasil, depois que todos os exemplares feitos pela editora Intrínseca foram esgotados, ele parou de ser publicado, por isso é muito difícil de encontrar exemplares traduzidos para português.

Onde assistir o documentário O que me faz pular?

Apesar desse documentário ter tido sua estreia nos cinemas dos Estados Unidos em 8 de janeiro de 2021, e estar disponível no Disney+ em vários países e na Netflix nos EUA, ainda não é possível encontrá-lo disponível em nenhum serviço de streaming no Brasil.

Muitas pessoas conseguiram ver sua exibição em abril de 2022, quando o canal de TV National Geographic, fez uma apresentação em sua grade. O motivo foi a celebração do Dia Mundial de Conscientização do Autismo.

No site do documentário é possível encontrar diversas informações atualizadas sobre onde ele já está disponível e qual a previsão de chegada em outros países. Além de contar com informações de todas as pessoas que aparecem nas filmagens, e um pouco mais sobre o diretor e produtores.

O que é Comunicação Aumentativa e Alternativa (CAA)?

Como a questão principal (tanto do livro quanto do filme) é o entendimento de que: não conseguir falar não significa que uma pessoa não tenha nada a dizer, a história nos mostra a importância da Comunicação Aumentativa e Alternativa (CAA) e como essa terapia para autismo é uma excelente maneira de se expressar e relacionar melhor.

A CAA é uma das práticas baseadas em evidências usadas nas intervenções de pessoas com TEA, que foca em uma comunicação mais efetiva dos indivíduos. Nela são usados sistemas de comunicação, não essencialmente verbais ou vocais (como a fala), para atingir algum tipo de recurso.

Existem várias estratégias de CAA que dão suporte para pessoas com dificuldade na comunicação, como:

  • Placas com imagens;
  • Fotografias;
  • Tablets ou computadores;
  • E até mesmo a linguagem de sinais.

Uma das formas mais conhecidas de comunicação alternativa aumentativa para pessoas no espectro é o PECS (Sistema De Comunicação Por Troca De Figuras ou Picture Exchange Communication System, em inglês), um sistema de prancha que cria uma troca de figuras para o acesso de itens ou atividades determinadas.

Comunicação Facilitada

Quando pensamos em CAA, ainda existem algumas dúvidas a respeito do assunto, como, por exemplo, a ligação com a Comunicação Facilitada, que é bastante confundida com a alternativa e aumentativa.

Esse tipo de método é considerado uma técnica desacreditada na comunidade autista. Ela apareceu como uma abordagem desenvolvida nos anos 1980, em que existia a presença de um facilitador para pessoas não verbais.

O foco é ter um profissional que seja um tipo de ponte entre o indivíduo autista e a comunicação. Uma forma muito conhecida da comunicação facilitada é usando um teclado para digitar textos direcionados pela pessoa no espectro.

No podcast Introvertendo, Paulo Alarcón e Tiago Abreu conversaram com a fonoaudióloga Leiza Leite para entender melhor a importância da CAA e também a diferença entre a comunicação facilitada. O episódio 192 – Comunicação Alternativa e o problema da comunicação facilitada também fala um pouco mais sobre o documentário “O que me faz pular” e discute ainda mais esse assunto.

Aqui no nosso blog você consegue encontrar diversos outros conteúdos sobre as práticas baseadas em evidências para o autismo, acesse:

Intervenções para autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora?