Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Sistema PECS de comunicação

A socialização de crianças com autismo através do PECS

O Sistema de Comunicação por Troca de Figuras ou PECS, como é mais conhecido, é um dos métodos de comunicação mais usado com pessoas com TEA. Isso porque, quando pensamos em comunicação não estamos falando necessariamente de fala, mas de todas as maneiras que alguém usa para se fazer entender.

No Transtorno do Espectro Autista existe um comprometimento, em maior ou menor grau, na linguagem expressiva, receptiva e na comunicação social. Assim, recursos não verbais como gestos, expressões corporais e faciais podem transmitir várias informações além das palavras.

Nesse sentido, o PECS é uma das opções mais usadas para ajudar crianças no espectro a manifestarem suas vontades e sentimentos e expressarem seus desejos e emoções por meio da troca de figuras.

Neste texto, você vai entender melhor a importância do PECS para autismo e como ele ajuda na socialização de crianças com TEA. Acompanhe na leitura!

O que é PECS?

Ilustração de uma terapeuta negra passando um PECS (cartão com uma figura de bala), para uma criança negra sentada no chão.

O PECS — Sistema de Comunicação por Troca de Figuras (Picture Exchange Communication System) — é um sistema de Comunicação Aumentativa e Alternativa (CAA) para auxiliar as pessoas que não são verbais ou que apresentam dificuldades em se expressar a se comunicarem melhor.

Ele baseia-se no uso de figuras ou símbolos para facilitar a expressão de desejos, necessidades e interações sociais quando uma pessoa não consegue usar a comunicação verbal para isso, ou seja, fazendo a troca de imagens para criar o vocabulário.

Desenvolvido nos EUA por Lori Frost e Andy Bondy em 1985, usado pela primeira vez com alunos de pré-escola diagnosticadas com autismo, o protocolo de ensino do PECS é baseado no livro de B.F Skinner “Comportamento Verbal, e análise de comportamento aplicada no amplo espectro”.

Com ele é possível construir estratégias específicas de estímulo e reforço para uma comunicação mais independente.

Como trabalhar com o método PECS?

Como falamos, o PECS é um sistema de comunicação baseado na troca de figuras, que são selecionadas de acordo com os interesses do indivíduo e organizadas numa pasta e equivalem à voz de uma pessoa, sendo completamente individual.

Como cada pessoa tem a sua própria voz, essa pasta não pode ser compartilhada, ou seja, cada um tem a sua, no entanto, deve-se estar com ela em todos os lugares que for para poder se comunicar.

O treinamento desse sistema é realizado em 6 fases ou etapas, que vão desde o aprendizado da troca (ato comunicativo básico) de uma figura por um item de interesse com um “parceiro de comunicação”, até a formação de frases para fazer comentários.

Dessa forma, o sistema continua ensinando a discriminação de figuras e como juntá-las em frases. Quando a pessoa chega em fases mais avançadas, aprende a usar iniciadores, responder perguntas e comentar.

Vamos conhecer em detalhes cada uma dessas 6 fases do PECS:

Quais são as 6 etapas do PECS?

  1. Como comunicar: aprendizado de troca da figura por um item ou atividade que desejam;
  2. Distância e Persistência: ainda usando a mesma figura, o indivíduo aprende a fazer o pedido mesmo que a figura ou parceiro de comunicação estejam mais distantes, além de persistir na tentativa comunicativa quando surgem obstáculos. Também são ensinados a generalizar essa nova habilidade usando-a em diferentes situações;
  3. Discriminação de Figuras: aqui eles aprendem que cada figura corresponde a um item específico e fazem escolhas entre duas ou mais figuras para pedir as coisas favoritas, adicionando essas escolhas na pasta de comunicação;
  4. Estrutura de sentença: os indivíduos aprendem a criar sentenças mais simples em uma “Tira de sentença” destacável usando a figura “Eu quero” seguida pela figura do item desejado;
  5. Solicitação Responsiva: Eles aprendem a usar o PECS para responder perguntas mais complexas como “O que você quer agora?”;
  6. Comentário: são ensinados como comentar as respostas e aprendem também a compor frases começando com “Eu quero” “Eu sinto” Eu “ouço”, etc.

Além dessas etapas, entre a fase 4 e a 5, também existe o processo de Atributos e Expansão da Linguagem, que ensina as pessoas a expandirem suas frases colocando verbos, adjetivos e preposições, aumentando a tira de sentença do PECS.

Como o PECS ajuda na socialização de crianças com TEA?

O principal objetivo de trabalhar o PECS para autismo é no ensino de uma comunicação funcional. Com esse sistema, é possível ampliar o repertório de uma pessoa e também estimular cada vez mais a comunicação.

Isso ajuda a diminuir barreiras, permitindo que ela possa ser mais compreendida, e assim, melhorando as interações sociais que irá desenvolver ao longo dos anos.

Quando a pessoa no espectro tem a oportunidade de conseguir se expressar melhor em relação ao mundo ao seu redor, ela passa a interagir muito mais com as pessoas que convive.

O PECS é uma ótima forma de aumentar as interações sociais espontâneas entre crianças com TEA, favorecendo a inclusão delas na sociedade.

Elas precisam encontrar um caminho saudável para se comunicar, diminuindo suas frustrações e potencializando seu crescimento como pessoa.

Dessa forma, quando ensinamos a comunicação, estamos diminuindo comportamentos desafiadores, melhorando a atenção, independência, autoestima e qualidade de vida.

Por isso, para que o sistema tenha sucesso e, de fato, ajuda na socialização de pessoas com TEA, é preciso que exista um poderoso conjunto de reforçadores.

Assim, a equipe multidisciplinar consegue identificar quais são os itens e atividades que a pessoa no espectro mais gosta, e pode criar oportunidades de comunicação para cada momento do dia.

Quais os benefícios do PECS para crianças com autismo?

  • Facilita a comunicação: o PECS oferece uma forma estruturada e visualmente acessível de comunicação, permitindo que as crianças com autismo expressem seus pensamentos, desejos e sentimentos de forma independente.
  • Promove a socialização: ao capacitar as crianças com autismo a se comunicarem de maneira eficaz, o PECS cria oportunidades para interações sociais mais significativas e gratificantes com seus colegas, familiares e cuidadores.
  • Reduz comportamentos desafiadores: a comunicação eficaz pode ajudar a reduzir a frustração e a ansiedade associadas à incapacidade de se expressar, potencialmente diminuindo comportamentos desafiadores observados em crianças com autismo.
  • Estimula o desenvolvimento da linguagem: o uso contínuo do PECS pode facilitar a transição para formas mais avançadas de comunicação, como a linguagem verbal, promovendo o desenvolvimento da linguagem e da alfabetização.

O uso do PECS no autismo atrapalha o desenvolvimento da fala?

Mesmo com os resultados positivos do uso do PECS, existem pessoas que acreditam que esse sistema faz com que a criança fique acostumada a se comunicar somente assim e não desenvolva a fala corretamente.

Isso não acontece! Os métodos alternativos existem para estimular o aparecimento e desenvolvimento do comportamento verbal. Eles inclusive contribuem para o aumento do vocabulário de uma pessoa.

Como o PECS cria essas possibilidades de uma pessoa se expressar com muito mais facilidade e entendimento, ele também permite que a fala surja de uma forma mais natural. Isso porque, o sistema ensina sobre a função da comunicação, que é um pilar importante para o desenvolvimento da fala.

Além disso, é muito importante que pessoas cuidadoras estimulem que a criança com TEA esteja em novos lugares, conheça nossas possibilidades e aprimore seu repertório, na prática.

Assim, é possível estimular a interação social e desenvolvimento de habilidades cognitivas por meio da motivação, criando cada vez mais oportunidades para o diálogo e a comunicação funcional.

Mesmo com os resultados positivos do uso do PECS, existem pessoas que acreditam que esse sistema faz com que a criança fique acostumada a se comunicar somente assim e não desenvolva a fala corretamente.

Conclusão

Ficou claro que o PECS representa uma ferramenta poderosa para promover a socialização e a comunicação em crianças com autismo, garantindo que elas possam expressar suas vontades e desejos.

Ao proporcionar uma maneira estruturada e visualmente acessível de expressar necessidades e desejos, o PECS ajuda a superar as barreiras de comunicação enfrentadas por essas crianças, abrindo caminho para interações sociais mais gratificantes e significativas.

Com estratégias cuidadosamente planejadas e o apoio adequado, os pais e profissionais da saúde podem maximizar os benefícios do PECS, permitindo que as crianças com autismo desenvolvam suas habilidades de comunicação essenciais para o seu bem-estar.

Aqui na Genial Care, trabalhamos com a orientação parental, que garante que as famílias tenham as informações necessárias para que seus filhos possam criar caminhos extraordinários.

Acesse nosso formulário para entrar em contato conosco:

Rede de cuidado de saúde atípica

Conheça nosso atendimento para autismo

Conteúdos relacionados

Esse artigo foi útil para você?

Dia Nacional do Futebol: inclusão e emoções das pessoas com TEA Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Aprovado Projeto de Lei que obriga SUS aplicar a escala M-CHAT em crianças de 2 anos Dia mundial do Rock: conheça 5 bandas com integrantes autistas Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? Senado: debate público sobre inclusão educacional de pessoas com TEA Emoções no autismo: saiba como as habilidades emocionais funcionam Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin