Banner do post Reforçamento positivo: entenda o que é e como os reforçadores são usados para ensinar pessoas com autismo
Banner do post Reforçamento positivo: entenda o que é e como os reforçadores são usados para ensinar pessoas com autismo

Reforçamento positivo: entenda o que é e como os reforçadores são usados para ensinar pessoas com autismo

O reforçamento positivo é crucial  para o aprendizado das pessoas – sejam elas autistas ou neurotípicas. Isso porque é o processo de reforçamento que possibilita que um comportamento ocorra mais vezes no futuro. 

Por causa do próprio nome, o reforço positivo frequentemente é considerado algo “bom”, enquanto o reforço negativo é visto como algo “ruim”, mas esse é apenas um mito e é preciso entender como usar itens, atividades e interações funciona para o ensino de habilidades e para lidar com comportamentos desafiadores no autismo

Neste artigo, explicamos mais sobre o reforçamento positivo, os tipos de reforçadores que existem e como usá-los. 

O que são reforçadores?

Chamamos de reforçadores todas as consequências de um comportamento, que aumentam as chances dele voltar a ocorrer no futuro. Eles podem ser itens, objetos, interações ou atividades que acontecem como consequência de uma resposta  e eles variam de pessoa para pessoa. Isto é, um objeto que é reforçador para um indivíduo não é necessariamente para outro.

Como já aprendemos, todo comportamento – seja ele desafiador ou não – pode ser analisado  pelo modelo ABC, da sigla em inglês para Antecedent (Antecedente) → Behavior (Comportamento) → Consequence (Consequência). Ou seja, para compreender um comportamento precisamos olhar para o que acontece antes e depois dele.

Normalmente, mesmo sem perceber, a pessoa que está próxima reage ao comportamento emitido de uma determinada forma, e essa reação pode estar sendo reforçadora, aumentando a probabilidade daquela resposta  voltar a acontecer. 

Por exemplo, imagine que a criança começa a chorar e atirar objetos pelo quarto toda vez que está brincando com o tablet e a mãe pega o objeto para trabalhar. Se para fazer com que o comportamento de chorar pare imediatamente, a mãe devolve o tablet e tenta fazer as atividades pelo computador, isso pode ser reforçador, ou seja, pode ser que isso aumente a chance da criança voltar a chorar todas as vezes que quiser e não tiver acesso aos seu tablet. 

Assim, temos: A → Mãe pega o tablet, B → Criança começa a chorar e atirar objetos e C → Mãe devolve o tablet. Neste caso, o aparelho eletrônico está servindo como um objeto de reforço para que o comportamento ocorra. 

Tipos de reforçadores

Os reforçadores podem ser primários ou construídos (condicionados): 

  • Reforçadores primários: todos os reforçadores que permitem que nossa espécie sobreviva são chamados de reforços primários. Aqui temos como exemplo a água, o alimento, o sexo, entre outros. Esses reforçadores independem dos nossos gostos pessoais ou individualidades. Ou seja, todos precisamos de comida, mas nem todos gostam de feijoada. A comida em si é um exemplo de reforçador primário e a feijoada é um gosto pessoal relacionado à história individual de cada um;
  • Reforçadores construídos (condicionados): além dos reforçadores primários, que são aqueles essenciais para a nossa espécie, temos os reforçadores condicionados, que são todos aqueles que foram sendo construídos ao longo da nossa história particular de vida e por meio das experiências que temos. Aprendemos a gostar de músicas, histórias, roupas, filmes e atividades e todos eles são reforçadores que podem ser classificados como sociais, tangíveis, generalizados e atividades reforçadoras. 

Dentro desse segundo conjunto de reforçadores, os construídos ou condicionados, existem quatro outras categorias: 

  • Reforçadores sociais: são os reforçadores que resultam da nossa relação com os outros. Nessa categoria, podemos incluir coisas como atenção, abraços, elogios etc. 
  • Reforçadores tangíveis: são os itens/objetos que funcionam como reforçadores, como, por exemplo, ganhar um celular, um brinquedo favorito, uma roupa depois de fazer alguma atividade. No caso do exemplo com o tablet, ele é um reforçador tangível. 
  • Reforçadores generalizados: são aqueles que fornecem acesso a outros reforçadores. Os maiores exemplos são as fichas e o dinheiro. Ou seja, todo reforçador que tem como função a possibilidade de trocá-lo por outra coisa (objeto, viagem, entre outros) que também seja um reforçador. Por exemplo, você ganha dinheiro e, com ele, compra um celular. O dinheiro é o reforçador generalizado e o celular o reforçador tangível.
  • Atividades reforçadoras: nessa categoria, podemos incluir um passeio de bicicleta, assistir televisão, brincar com os colegas, ler um livro etc. Algumas ações podem ter seu próprio resultado como reforçador, como, por exemplo, eu quero sair e preciso descer até o hall do prédio (antecedente), se eu apertar o botão do elevador (comportamento), tenho como consequência reforçadora o elevador disponível que me leva até o hall (reforçador). A resposta de apertar o botão do elevador aumentará a frequência em outras situações em que eu precisar descer até o hall. Outro exemplo: mãos limpas e cheirosas podem funcionar como um reforçador para lavar as mãos.

O que é reforçamento positivo? 

Ao contrário do que muitos pensam, o reforçamento positivo não é algo “bom”. Assim como o reforço negativo não é algo “ruim”. Isso porque as palavras positivo e negativo, nesse sentido, tem relação direta com a introdução ou retirada de estímulos no ambiente. 

Para facilitar, vamos pensar no seguinte exemplo: se a criança está com sede e diz “eu quero água”, e a pessoa mais próxima lhe dá um copo de água, esse foi um reforço positivo. Isso porque ela produziu a ação de pedir o que desejava resultou na apresentação de um estímulo. 

Por outro lado, se está chovendo e eu abro um guarda-chuva para não me molhar, dizemos que houve um reforçamento negativo. Porque desta vez a ação tem como objetivo eliminar um estímulo aversivo (chuva) após a resposta (abrir o guarda-chuva). 

Entender essa diferenciação é importante para não confundir o reforço positivo como uma recompensa e o reforço negativo como uma punição. Apertar o botão do elevador e ele chegar ao seu andar é um reforço positivo, mas isso nem sempre vai ser algo recompensador para você, não é? 

Para que o reforçamento positivo é usado? 

Dentro das intervenções, o reforçamento positivo – assim como os negativos – podem ser usados, principalmente, para ensinar novas habilidades. Eles são essenciais para manter a pessoa engajada e motivada em uma atividade, por exemplo. Por isso, é importante observar o comportamento e entender o que será reforçador para aquele indivíduo. 

Para conseguir identificar e usar reforçadores para o ensino de comportamentos e habilidades, é preciso seguir alguns passos: 

  • Passo 1: decida quais habilidades você gostaria de ensinar. Aqui vale desde compreender regras e direcionamentos até se vestir sozinho pela manhã antes da escola. É importante entender se essa atividade ou habilidade é razoável, ou seja, se ela está levando em consideração o repertório de habilidades já conquistadas pela pessoa, assim o aprendizado será mais produtivo e fácil, sem frustrações. Além disso, se uma atividade tiver muitas etapas, é legal reparti-la em pequenas partes e seguir ensinando-a gradativamente. 
  • Passo 2: defina com que frequência os reforçadores serão usados. Quando uma criança está aprendendo um novo comportamento, é ideal que o reforço seja contínuo e ocorra sempre que ela fizer a ação correta. Mas quando esse comportamento já tiver sido aprendido, você pode passar para reforços com intervalos de tempo e mais espaçados. Ou seja, algumas vezes que ela se comportar daquela forma, será reforçada e outras não. 
  • Passo 3: use o reforçador assim que o comportamento acontecer. Se você demorar um tempo para empregar o reforço depois que o comportamento ocorrer, ele será menos efetivo, porque a pessoa pode não entender a conexão entre o comportamento e o reforço. É importante usar o reforço quando o comportamento acontecer, porque isso funciona como uma espécie de contrato no qual a criança se comporta da maneira desejada e, em seguida, recebe o reforço.
  • Passo 4: mantenha o valor dos reforçadores. Quando a criança tem livre acesso a um reforçador por tempo indeterminado e fora dos momentos de aprendizado, esse reforçador pode perder o valor. Por isso, garanta que o reforçador continue tendo valor para a criança. Se não tiver mais, é preciso buscar por outros reforçadores. 
  • Passo 5: é importante parear o reforço social com as atividades/materiais de reforço. Fazer isso vai ser essencial para um aprendizado mais efetivo e rápido do comportamento. Então, sempre que a criança fizer um bom trabalho, dê o reforço e a elogie: “você fez um bom trabalho arrumando sua cama. Parabéns!”.
  • Passo 6: aproveite os apoios visuais. Pessoas no espectro do autismo têm dificuldades de aprendizado, e o uso de suportes visuais é essencial para ajudar a quebrar essas barreiras. Por isso, sempre que possível, mostre o passo a passo da atividade/comportamento adequado e o reforço que ela vai receber após emiti-lo. 

Vale lembrar que o uso de reforçadores, assim como demais estratégias da ABA (Análise do Comportamento Aplicada) devem ser realizadas com ajuda de profissionais clínicos e da equipe que já acompanha aquele indivíduo. Para continuar a aprender sobre ABA, leia nosso blog