Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos

Metodologias ativas: como essa prática estimula o aprendizado do autista na adolescência?

Metodologias ativas são um conjunto de abordagens de ensino que buscam colocar o estudante no centro do processo educacional, tornando-o protagonista de sua própria aprendizagem.

Elas podem ser benéficas para o desenvolvimento dos adolescentes no espectro autista, pois oferecem um enfoque de ensino mais envolvente e adaptável às necessidades individuais de cada aluno.

Existem metodologias que permitem que o aluno tenha um papel ativo no seu próprio processo de conhecimento, o que pode ser um impulso de desenvolvimento, principalmente para adolescentes autistas que podem ter dificuldade em se comunicar verbalmente ou se envolver socialmente em sala de aula.

Para saber mais sobre metodologias ativas de aprendizagem, continue nesse texto!

O que são metodologias ativas?

As metodologias ativas de ensino são uma abordagem pedagógica que coloca o aluno no centro do processo de aprendizagem, tornando-o protagonista ativo e participante da construção do próprio conhecimento.

Essa abordagem busca promover uma educação mais significativa e engajadora, estimulando o desenvolvimento de habilidades e competências que vão além da simples memorização de conteúdos.

Algumas das metodologias ativas mais comuns incluem a aprendizagem cooperativa, a aprendizagem por projetos, a aprendizagem baseada em problemas, a sala de aula invertida, a metodologia de projetos integrados e a aprendizagem por investigação.

Cada uma dessas metodologias tem suas particularidades, mas todas compartilham o objetivo: tornar o processo de aprendizagem mais dinâmico, participativo e significativo para os estudantes.

Existem 3 mais conhecidas e desenvolvidas dentro da sala de aula, sendo elas:

  • Aprendizagem cooperativa: os estudantes trabalham em grupos, onde cada membro é responsável por uma parte do processo. Dessa forma, todos aprendem juntos e ajudam uns aos outros.
  • Aprendizagem por descoberta: os estudantes são desafiados a resolver problemas ou questões, sem que o professor apresente uma solução prévia. Dessa forma, eles precisam buscar informações, testar hipóteses e elaborar uma solução própria.
  • Gamificação: os elementos dos jogos são utilizados para engajar e motivar os estudantes no ensino. Dessa forma, eles se envolvem em atividades lúdicas que têm um objetivo educacional.

Essas são apenas algumas das metodologias ativas que existem. Cada uma tem suas particularidades, mas todas têm em comum o fato de valorizarem o papel ativo do estudante no processo de aprendizagem.

Gamificação como um suporte visual

menino ruivo sentado na frente do computador com fone de ouvido

Uma das principais vantagens da gamificação para adolescentes autistas é que os jogos e aplicativos oferecem um ambiente seguro e controlado para praticar e experimentar habilidades sociais.

Ao jogar, eles podem aprender a reconhecer expressões faciais e emoções, praticar a comunicação funcional, desenvolver habilidades de resolução de problemas, autonomia e tomada de decisões.

Além disso, a gamificação pode ser utilizada para ensinar habilidades específicas, como planejamento, organização, coordenação motora, e outras habilidades importantes para a vida diária.

Os jogos podem ser projetados para atender às necessidades e interesses individuais dos adolescentes autistas, o que pode aumentar sua motivação e engajamento na atividade.

Outra vantagem da gamificação é que os jogos oferecem feedback imediato e recompensas, o que pode ajudar a aumentar a autoestima e a confiança dos adolescentes autistas.

Isso pode ajudá-los a se sentir mais motivados a se envolver em atividades sociais e a buscar novas experiências.

Lembrando que é sempre importante considerar as necessidades e habilidades individuais de cada adolescente autista e trabalhar com profissionais capacitados para desenvolver estratégias de suporte e intervenção apropriadas.

Quais são as metodologias ativas propostas pela BNCC?

Dentro do plano de ensino básico no Brasil proposto pelo Ministério da Educação (MEC), algumas metodologias ativas são usadas com frequência.

Apesar da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) não prescrever metodologias específicas, ela visa estabelecer diretrizes e competências gerais que devem ser desenvolvidas em todos os níveis de ensino.

A BNCC ainda enfatiza a importância do uso de metodologias ativas e participativas para promover uma educação mais significativa e engajadora.

Dentre algumas das metodologias ativas que estão em consonância com a BNCC são:

  • Aprendizagem cooperativa: os estudantes trabalham em grupo para alcançar objetivos comuns, desenvolvendo habilidades como cooperação, liderança, responsabilidade e comunicação.
  • Projetos de aprendizagem: os estudantes são convidados a resolver problemas complexos, desenvolver soluções criativas e aplicar o conhecimento em situações práticas, desenvolvendo habilidades como pesquisa, análise crítica, comunicação e trabalho em equipe.
  • Aprendizagem baseada em problemas: os estudantes são desafiados a resolver problemas reais, utilizando o conhecimento teórico e prático, desenvolvendo habilidades como pensamento crítico, resolução de problemas, tomada de decisão e colaboração.
  • Sala de aula invertida: os estudantes aprendem o conteúdo teórico em casa, por meio de materiais digitais, e as aulas são dedicadas a atividades práticas e discussões em grupo, favorecendo o desenvolvimento de habilidades como autonomia, colaboração e pensamento crítico.
  • Metodologia de projetos integrados: os estudantes trabalham em projetos interdisciplinares, que envolvem várias áreas do conhecimento, desenvolvendo habilidades como pesquisa, análise crítica, comunicação e trabalho em equipe.
  • Aprendizagem por investigação: os estudantes são convidados a realizar investigações sobre temas relevantes, utilizando métodos científicos, desenvolvendo habilidades como observação, coleta de dados, análise crítica e comunicação.

Essas metodologias ativas podem ser adaptadas e combinadas de acordo com as necessidades e interesses dos estudantes, favorecendo uma educação mais significativa e engajadora.

Quais metodologias ativas devo procurar para meu adolescente autista?

grupo de meninos sentado em uma mesa usando tecnologia

Algumas metodologias ativas podem ser mais adequadas para alguns alunos do que para outros, e é importante adaptar as abordagens educacionais para atender às necessidades individuais de cada aluno com TEA.

No entanto, é importante lembrar que cada adolescente autista é único e pode ter necessidades e preferências específicas.

É sempre importante trabalhar em colaboração com a família e uma equipe de profissionais especializados para desenvolver um plano educacional personalizado para o adolescente autista.

Se você quer saber mais sobre educação inclusiva para pessoas autistas, clique no botão abaixo:
Educação Inclusiva

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora?