Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
menino gritando abraçado com uma bola

E se meu filho tiver uma crise quando não estiver por perto?

Um episódio de crise é algo comum em crianças com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), já que esse transtorno do neurodesenvolvimento muda a forma como as pessoas veem e interagem com o mundo, fazendo com que elas se desregulam emocionalmente com maior facilidade.

Dessa forma, esses momentos de crises são um dos principais motivos pelos quais a família, ou pessoas cuidadoras, se sentem nervosas e preocupadas, buscando entender melhor sobre o que é possível fazer naquele momento e até informações de como evitar futuras crises.

No entanto, mesmo que os cuidadores estejam preparados para essa situação quando estão presentes, um dos medos mais frequentes está relacionado com não saber o que fazer quando não estiverem por perto durante um momento de crise para intervir.

Isso porque, nosso estudo Cuidando de quem cuida: um panorama sobre as famílias e o autismo no Brasil em 2020 mostra que 57% dos cuidadores sente dificuldade em saber o que fazer e como agir em situações desafiadoras com a criança.

Esse sentimento é comum. Assim como o de não estar por perto nesses momentos, já que é um instinto natural dos pais querer sempre estar próximos para proteger os filhos. E se eu filho tiver uma crise quando você não estiver por perto? Nós te ajudamos a entender como ajudar, mesmo de longe. Acompanhe na leitura!

Autismo não é birra: entenda o comportamento da crise

O primeiro passo para conseguir lidar com esse sentimento de medo é entender o comportamento – ou os comportamentos – que a criança expressa num momento de crise.

Apesar de muitos associarem choro, gritos e outras reações à birra, é preciso investigar os detalhes para entender do que essa reação é formada. De uma forma bem resumida, uma birra é um comportamento intencional e que aparece quando existe um descontentamento com alguma situação.

Já uma crise, por outro lado, é algo involuntário que a pessoa não consegue controlar, e ocorre quando existe uma desregulação emocional por conta de uma exposição a vários estímulos sensoriais, em que o cérebro não consegue lidar com tanta informação ao mesmo tempo.

A principal diferença entre elas é que a birra é proposital e estratégica, normalmente quando a criança tem o objetivo de conseguir alguma coisa, sendo interrompida imediatamente a partir do momento que ela a conquista. Já a crise é a resposta a um limite que foi extrapolado, muitas vezes devido aos distúrbios do processamento sensorial.

Além disso, todo comportamento é composto pelos seguintes fatores:

  • Antecedente: aquilo que acontece antes da crise;
  • Comportamento: a maneira como a criança reage ao antecedente, descrita de forma detalhada (por exemplo: ela chora, se joga no chão, tapa os ouvidos etc);
  • Consequência: o que acontece logo em seguida ao comportamento, e que pode servir para reforçá-lo.

Entender estas etapas é essencial para que você consiga entender porque aquele comportamento acontece e criar estratégias que vão ajudar a diminuí-lo ou substituí-lo.

Como identificar uma crise?

Uma crise, ou meltdown, como também é chamada no autismo, é um comportamento vindo de uma sobrecarga sensorial que muitas pessoas com TEA têm de lidar com o excesso de informação ou estímulo, por isso algumas situações com muitas pessoas, barulhos ou movimentos podem ser difíceis de lidar.

Por isso, para que a família, pessoa cuidadora ou até mesmo profissionais que acompanham o desenvolvimento da criança consigam identificar uma crise no autismo, é muito importante estar atento aos sinais e comportamentos.

Dessa forma, é possível entender quais são as ações ou situações que funcionam como precedentes de uma crise, para poder evitá-las. Normalmente, essas desregulações emocionais são caracterizadas por alguns comportamentos como:

  • Gritos;
  • Choros;
  • Enjoos;
  • Mal-estar;
  • Tremores;
  • Xingamentos;
  • Atirar objetos;
  • Apresentar comportamentos que podem ferir a si mesmo ou outra pessoa.

Ficar alerta com os sinais mais comuns que envolvem ansiedade e crises, observando o que pode ou não mostrar um desconforto, é parte importante para garantir que as estratégias usadas sejam eficientes e de acordo com a necessidade de cada pessoa.

Explicando para outra pessoa o comportamento do meu filho

Depois de entender o que compõe o comportamento do seu filho, é hora de explicá-lo para outra pessoa. De novo, não se esqueça de ser o mais detalhista possível, compartilhe tudo que observou sobre como é o comportamento e o que normalmente o ocasiona e o reforça.

Embora esse processo possa parecer algo simples, ele é fundamental para que você enfrente o medo de uma crise acontecer quando você não estiver por perto.

Isso porque da próxima vez que se deparar com pensamentos acerca dessa hipótese, vai se lembrar que, se seu filho tiver uma crise longe de você, ele vai estar próximo de alguém que sabe como ele se comporta nesse momento e entende o que pode e não fazer para amenizar o comportamento desafiador.

É possível evitar uma crise?

O que faz muita diferença durante ou até mesmo antes de uma crise é o apoio do cuidador com a criança no espectro. Sabemos que nesses momentos a comunicação e o aprendizado podem ficar momentaneamente prejudicadas, por isso o ideal é investir em ações que acalmem a respiração profunda e diminuam a frequência cardíaca.

Pode parecer complicado, mas existem algumas estratégias preventivas que ajudam nesse processo, como:

  • Dar previsibilidade à criança sobre as tarefas e atividades que são esperadas dela e sua rotina;
  • Invés de negar, oferecer sugestões à criança que sejam coerentes com a atividade esperada dela;
  • Manter a calma e garantir que a criança seja ouvida em momentos de ansiedade ou estresse;
  • Oferecer alternativas nas situações que podem gerar crise, criando maior possibilidade de escolha para o pequeno;
  • Investigar os comportamentos da crise e anotar para entender o que antecede e qual a consequência desse comportamento.

Aqui em nosso blog já temos um conteúdo completo sobre Como ajudar seu filho durante as crises, que podem oferecer uma base maior de informações para esses momentos inesperados. Vale muito a pena ler!

Além disso, a Genial Care presta apoio aos pais de autistas para ajudá-los a entender e lidar com as crises por meio de práticas baseadas em evidências. Por meio dos nossos serviços, famílias conseguem ser atendidas em suas necessidades com as crises da criança e também criar estratégias para ajudá-los a lidar melhor com esses momentos.

Clique no banner e conheça melhor o nosso serviço:

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista