Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Crianças junto a terapia ocupacional, brincando de correr

Quais atividades utilizar na terapia ocupacional para crianças autistas?

Na busca contínua pelo melhor desenvolvimento e inclusão de crianças autistas, a Terapia Ocupacional (T.O.) desempenha um papel fundamental, já que essa é especializada em promover atividades que beneficiam a desempenho da criança ao realizar uma atividade cotidiana (ocupações) quando existem problemas para desenvolvê-las, promovendo o suporte para o desenvolvimento de pessoas autistas.

Por meio da análise do contexto em que a criança está inserida, da avaliação dos interesses e motivação das crianças, do levantamento de habilidades presentes e ausentes.

Com isso, os terapeutas ocupacionais utilizam atividades personalizadas e direcionadas que auxiliam a criança a desenvolver habilidades motoras, sociais e emocionais, promovendo seu engajamento ativo e autonomia.

Assim, a terapia ocupacional auxilia em atividades que favorecem o desenvolvimento e/ou aprimoramento das capacidades e habilidades sensório-motoras, psicossociais, etc, que dão suporte para a melhoria do seu estado emocional, social, laborativo e de lazer.

E como é feita essa intervenção? Neste artigo, vamos falar sobre algumas atividades da terapia ocupacional, e quão importantes elas são para potencializar a evolução e bem-estar das pessoas autistas.

E se você é um terapeuta ocupacional apaixonado pela causa, continue lendo até o final, pois também temos uma oportunidade para você se juntar à equipe da Genial Care, nossa clínica multidisciplinar líder no cuidado de crianças com autismo. Confira!

O que faz um Terapeuta Ocupacional?

Terapeutas brincando com criança autismo. A brincadeira é feita sob brinquedos de obstáculos, em um jardim.

O terapeuta ocupacional estuda o desenvolvimento infantil e os marcos desse caminho evolutivo.

Além disso, ele acompanha pessoas típicas e atípicas, de todas as faixas etárias, e que tenham alguma limitação ou incapacidade de realizar atividades da vida diária, incluindo, por exemplo, as tarefas de:

  • Autocuidado – higiene, como escovar os dentes, alimentação e vestuário;
  • Produtividade – trabalhar ou estudar;
  • Momentos de lazeresportes, dança, brincar e pintura, por exemplo;
  • Atividades sociais em geral.

O Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito) define a terapia ocupacional como uma profissão de nível superior voltada ao estudo, à prevenção e ao tratamento de indivíduos com alterações:

  • Cognitivas;
  • Afetivas;
  • Perceptivas;
  • Psicomotora.

Essas alterações podem ser decorrentes ou não são decorrentes – ou não – de distúrbios genéticos, traumáticos e/ou de doenças adquiridas.

Terapia ocupacional e o espectro autista

O terapeuta ocupacional trabalha a partir das habilidades e limitações de cada um. Ele cria junto a pessoa no espectro novas formas de realizar atividades, propondo maior autonomia e independência.

O nível de autonomia é diferente dentro de cada realidade. Por isso, o profissional deve ter um olhar individualizado e avaliar o contexto de vida, idade, histórico ocupacional, desenvolvimento e objetivos da criança autista.

No caso do autismo, a T.O. busca desenvolver habilidades:

  • De caligrafia;
  • Motoras finas;
  • Diárias da rotina.

Quando pensamos nos graus de autismo no desenvolvimento de habilidades com a T.O., algumas habilidades muitas vezes contemplam mais os autistas de nível 1 (leve) e nível 2 (moderado). No entanto, algumas atividades podem auxiliar aqueles que estão no nível 3 (severo) do espectro.

Isso porque auxilia também no desenvolvimento de habilidades mais básicas. Um exemplo disso é alimentar-se e ir ao banheiro sozinho, o que promove mais autonomia.

Banner sobre a Rede Genial de terapeutas com mulher sentada em um escritório, com um notebook a sua frente.

Atividades para terapia ocupacional no autismo

As intervenções e atividades da terapia ocupacional, impactam na melhoria da comunicação, habilidades de interação e habilidades motoras.

Assim, os terapeutas ocupacionais podem indicar algumas atividades que estimulem diversas informações sensoriais ao mesmo tempo! Um exemplo disso são os circuitos sensoriais: um programa de atividades que podem ajudar as crianças a alcançar um estado “pronto para aprender”.

Lembra quando falamos sobre o nível de alerta? A depender do funcionamento da criança, este tipo de atividade pode ajudar a criança a “acordar”, a estar desperta para os estímulos e informações do ambiente.

Os circuitos sensoriais são uma série de atividades projetadas especificamente para despertar todos os sentidos.

Entre algumas atividades da terapia ocupacional no autismo, podemos destacar:

Estimulação Sensorial

As crianças autistas muitas vezes têm uma resposta sensorial atípica, podendo ter hipersensibilidade ou hipossensibilidade aos estímulos do ambiente.

Assim, a terapia ocupacional utiliza atividades sensoriais como massagens, uso de escovas terapêuticas, caixas de toque e objetos com texturas variadas.

A estimulação sensorial é uma forma de enriquecer o ambiente da criança, de forma a dar suporte para sensações de prazer e bem-estar.

Algumas atividades de alerta, para estimular o sistema nervoso central

a preparar o

corpo em preparação para o aprendizado, podem ser:

  • Girar, pular em uma bola de ginástica;
  • Pular sozinho com os pés.

Em contrapartida, podem ser realizadas algumas atividades calmantes, que estimulem o “trabalho pesado”, com ativação muscular, ou mesmo a pressão profunda, para dar uma consciência de seu corpo no espaço e aumentar a capacidade de autorregulação da entrada sensorial são:

  • Empurrões na parede;
  • Flexões;
  • Uso de pesos.

Importante ressaltar que a depender da criança, estes grupos de estímulos (mais alertantes) podem gerar comportamentos mais agitados! Por isso, observe sua criança e os comportamentos que ela apresenta!

Brincadeiras Estruturadas

As brincadeiras estruturadas são uma forma divertida e eficaz de desenvolver habilidades sociais, linguagem e interação. Aqui, os profissionais usam jogos e brinquedos apropriados para a idade e nível de desenvolvimento da criança, estimulando a comunicação, a coordenação motora e a resolução de problemas.

Atividades de Autocuidado

O desenvolvimento de habilidades de autocuidado é essencial para promover a independência da criança autista.

Ao pensar no treino dessas habilidades, os terapeutas ocupacionais fazem uma análise da tarefa, considerando quais são as habilidades que a criança apresenta, quais as habilidades que precisam ser desenvolvidas, o contexto em que a atividade ocorre e como o ambiente interfere em sua performance.

Por isso, os T.Os. trabalham em conjunto com os pais e cuidadores para ensinar e praticar atividades como vestir-se, escovar os dentes, alimentação e higiene pessoal. Isso fortalece a autoconfiança da criança e sua capacidade de realizar tarefas do dia a dia.

Integração Sensorial

Muitas crianças autistas têm dificuldade em integrar as informações sensoriais, o que pode afetar sua capacidade de responder às demandas do ambiente, uma vez que podem impactar a organização do comportamento.

Por exemplo, pode afetar a capacidade de concentração, engajamento, motivação, participação social, etc.

Dessa forma, a terapia ocupacional utiliza técnicas que estimulam a integração de informações sensoriais através de atividades que utilizam balanços, trampolins, atividades com bola e jogos, etc.

Essas atividades envolvem a organização de estímulos específicos, direcionados e personalizados que ajudam a criança a responder de forma adaptativa, ou seja, tem uma resposta considerada apropriada para determinada ação do ambiente.

Algumas atividades de que exijam a integração de informações são:

  • Brincar de pular em cima de texturas variadas;
  • Brincar de subir em uma superfície alta e pular dentro de uma piscina de bolinhas;
  • Brincar de tiro ao alvo enquanto está balançando.

É importante lembrar que: cada pessoa é única e todas as atividades dependem das necessidades e repertório da criança, por isso é fundamental conhecer o perfil sensorial e padrão de funcionamento dos pequenos.

Isso porque, ao conhecer a criança, os terapeutas ocupacionais podem adaptar as atividades do dia a dia, promovem atividades que se enquadrem as habilidades da criança e seja motivadora.

A importância do brincar

O ato de brincar, na terapia ocupacional, é muito importante, já que a T.O. estuda o comportamento ocupacional, considerando seus componentes, o contexto em que ele acontece e a área em que ele ocorre.

Os terapeutas ocupacionais entendem que o ser humano é um ser ocupacional. O brincar na primeira infância é a principal ocupação da criança.

E é a partir do engajamento do brincar são estabelecidas habilidades que dão base para o seu cotidiano, refletindo em seu próprio fazer, estimulando aspectos motores, sensoriais, sociais, emocionais e de aprendizado da criança.

As brincadeiras realizadas durante as sessões são direcionadas, a escolha de brinquedos se dá a partir do nível de brincar e do repertório da criança e proposição de atividades são pensadas a partir da idade, da habilidade a ser desenvolvida e da motivação da criança autista.

Por exemplo, em um bebê de poucos meses com atraso no desenvolvimento, é preciso estimular sentidos como a visão e a audição, além do controle do pescoço e o movimento de se virar.

Por isso, apostar em brinquedos mais no visual, com músicas e sons que atraem a atenção. Ainda mais quando conseguimos associar estes brinquedos com músicas e desafios motores e experiências corporais.

Atividades da vida diária

Atividades de vida diária proporcionam sensações diversificadas, e nem sempre interpretadas como agradáveis.

Quando pensamos na população TEA, de 40% a 90% dos autistas apresentam quadro de sensibilidade sensorial, o que pode gerar dificuldades em ficar embaixo do chuveiro, lavar e cortar o cabelo, cortar as unhas, etc.

E é para que a criança consiga realizar essas atividades necessárias, a T.O. promove adaptações ambientais e da atividade, para que a criança consiga autonomia durante esse processo.

As AVDs, quando estimuladas, ajudam no desenvolvimento da autonomia da criança, incentivando-a a realizar cada vez mais atividades de forma autônoma e independente.

Isso por que a terapia ocupacional amplia a oportunidade da criança agir no mundo, promovendo sentimentos de realização que impactam inclusive em sua motivação.

Podemos pensar em duas atividades cotidianas que acontecem frequentemente e que são exemplos de como isso pode acontecer no dia a dia:

  • Na hora de se vestir – é possível favorecer que a criança escolha a roupa que desejar vestir pela combinação que mais chame a atenção dela, como as cores, as texturas, o peso e/ou o tamanho.
  • Na hora do banho – é o momento de experimentar sensações como toque leve, toque profundo e temperatura. Acrescentar cor e brinquedos na banheira torna o banho um momento de brincadeira.

Em ambas as situações, a criança engajou em uma atividade rotineira, o que ampliou a sua participação na atividade.

Estamos em busca de Terapeutas Ocupacionais

terapeuta com criança em sala de integração sensorial

A inclusão de um terapeuta ocupacional na equipe multidisciplinar de intervenção para crianças autistas é essencial.

Por isso, se você é um profissional da terapia ocupacional e busca uma oportunidade inovadora para fazer a diferença na vida de crianças com autismo e suas famílias, a Rede Genial é o lugar perfeito para você.

Estamos em busca de terapeutas ocupacionais comprometidos e talentosos para se juntarem a nós nessa transformação. Oferecemos um ambiente de trabalho colaborativo, infraestrutura moderna e recursos atualizados para o desenvolvimento profissional contínuo.

Além disso, você terá a chance de trabalhar lado a lado com uma equipe experiente de especialistas multidisciplinares, incluindo psicólogos e fonoaudiólogos, proporcionando uma abordagem abrangente e integrada em todo o processo.

Terapeutas: preencham já nosso formulário

Na Genial Care, valorizamos a dedicação, a empatia e o compromisso em ajudar todas as crianças a alcançarem seu máximo potencial.

Se você deseja fazer parte de uma equipe apaixonada por transformar vidas e contribuir para o avanço da terapia ocupacional no autismo, preencha nosso formulário agora mesmo.

A Genial Care é uma rede de cuidado de saúde atípica referência na América Latina. Especializada no cuidado e desenvolvimento de crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista) e suas famílias.

Unimos modelos terapêuticos avançados, suporte educacional e tecnologia própria para maximizar a qualidade de vida e o bem-estar de todas as pessoas envolvidas no processo de intervenção. Nosso propósito é garantir que toda criança atinja o seu máximo potencial.

Conclusão

A terapia ocupacional desempenha um papel essencial no cuidado e desenvolvimento de crianças autistas.

Além de fornecer uma abordagem personalizada e direcionada às necessidades da criança, o terapeuta ocupacional contribui para o planejamento e monitoramento do progresso e da evolução clínica da criança, garantindo uma intervenção abrangente e coordenada.

A expertise do terapeuta ocupacional ao considerar o desempenho ocupacional, as habilidades motoras, sensoriais e aspectos emocionais, sociais e contextuais, permite uma intervenção mais completa e integrada, potencializando o desenvolvimento global da criança, garantindo autonomia e independência para vida toda.

Em outros textos do blog falamos como a Terapia Ocupacional pode ajudar no desenvolvimento de pessoas autistas, em atividades da vida diária. Acesse nossa seção de T.O. em nosso blog, clicando no botão abaixo:

Leia mais cconteúdos sobre Terapia Ocupacional

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi