Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
mão de uma criança pintando com pincel e tinta azul

Arteterapia no autismo: uma forma de estimular a criatividade

A arteterapia é uma intervenção para autismo que busca promover o bem-estar da pessoa no espectro autista, enquanto desenvolve outras habilidades durante a terapia, como a noção espacial, coordenação motora e muito mais.

Como o nome já indica, arteterapia é a junção das palavras arte + terapia, e essa intervenção consiste em unir a arte das pinturas por meio de tintas guaches que são exploradas com pincéis, pontas dos dedos e/ou com as mãos da própria pessoa.

Por ser uma intervenção que vem sendo aplicada e estudada, ela é considerada como uma Prática Integrativa e Complementar e, apesar de ser aplicada por profissionais da saúde como fisioterapeutas, psicólogos, enfermeiros, etc, as evidências científicas e sua eficácia ainda estão sendo exploradas e estudadas atualmente.

Entretanto, existem núcleos de pesquisas internacionais que defendem a prática da arteterapia, alegando que o contato com essa intervenção influencia diretamente nos comportamentos desafiadores observados por pessoas cuidadoras de autistas, visto que o contato com a arte pode ser relaxante e lúdico.

Nesse texto vamos falar mais sobre essa intervenção e o porquê ela vem sendo tão procurada pelas famílias que buscam atividades para seus filhos no espectro autista.

O que é arteterapia?

A arteterapia é uma prática transdisciplinar que promove a arte como objeto terapêutico, utilizando-se de tintas e pinturas que buscam explorar o sentimento da pessoa inserida na intervenção.

Por meio das misturas das cores, do contato com as diversas texturas e conversas com terapeuta aplicador é que a intervenção acontece. Por ser uma intervenção com raízes da Psicologia Freudiana, a arteterapia tem influência dessa intervenção, que trabalha diretamente com a manifestação do inconsciente – nesse caso – através de imagens.

Segundo o livro “Arteterapia em saúde mental”, a arteterapia é um “processo predominantemente não verbal, por meio das artes plásticas e da dramatização, que acolhe o ser humano com toda sua complexidade e dinamicidade. (…) procura aceitar os diversos aspectos da pessoa, como os afetivos, culturais, cognitivos, motores, sociais, entre outros, tão importantes na saúde mental”.

A arteterapia acontece de diversas maneiras, sendo conhecida por não conter sempre uma prática estruturada, variando entre uma intervenção natural e orientada para alguns objetivos. Tudo acontece de acordo com as necessidades de quem tem contato com essa terapia.

Arteterapia e autismo

Um dos fundamentos da arteterapia é a construção da intervenção conjunta com o terapeuta aplicador e o paciente, ou seja, ela sofre modificações a cada sessão de acordo com a necessidade e o contexto em que a pessoa está inserida, levando em conta toda a vivência, limitações e metas futuras.

Quando aplicada em pessoas com TEA, a arteterapia busca desenvolver as habilidades sociais e também:

  • Gerenciar comportamentos desafiadores;
  • Reduzir estresse;
  • Auxiliar no ganho de autonomia;
  • Contribuir com o desenvolvimento motor e da coordenação fina e grossa;
  • Reconhecer e responder a expressões faciais;
  • Prevenir crises sensoriais, como, por exemplo, a hipersensibilidade.

A arteterapia é, muitas vezes, buscada por pessoas cuidadoras de autistas não vocais, justamente pela intervenção estar atrelada a Comunicação Suplementar e Alternativa, que trabalha com imagens e suportes visuais para assegurar a eficácia da intervenção.

Essa intervenção oferece uma oportunidade para ser trabalhada outras formas de linguagem, potencializando a forma de comunicação da pessoa autista, ou seja, indo além da língua falada.

Mas atenção: nem sempre o contato com as tintas pode ser agradável para a pessoa autista, justamente por sua textura e odor. Por isso, é preciso se atentar ao perfil sensorial, o que pode e ser observado junto à equipe de profissionais que acompanha o desenvolvimento da pessoa autista.

Objetivos gerais da arteterapia

O objetivo principal desta intervenção é promover o bem-estar emocional e social da pessoa que tem contato com a arte trabalhada dentro das sessões. Através das pinturas, o terapeuta oferece o espaço de autoconhecimento para quem tem contato com essa intervenção, ajudando a pessoa (e até mesmo o próprio terapeuta) a entender os obstáculos e as possíveis mudanças de um comportamento.

Além disso, ela também busca promover:

  • A expressão dos sentimentos – Muitas vezes a pessoa pode apresentar dificuldades em verbalizar os sentimentos, seja através da fala ou da linguagem funcional escrita, dessa forma, os sentimentos são expressados através das pinturas;
  • Melhor capacidade de concentração – Através das intervenções, a arteterapia trabalha o foco, a atenção e a memória; tudo isso mesclado a conversas e espaços para o desenvolvimento artístico;
  • A criatividade e a imaginação – Nem sempre a arte será expressada no sentido literal, pois na arteterapia o sentido figurado muitas vezes se sobressai, por exemplo: a figura da família pode ser representada através de uma diversidade de cores, dessa forma, há espaço para trabalhar a imaginação e a criatividade.

Quais são as terapias para autismo?

Quando falamos de intervenções para pessoas com TEA, é aconselhável buscar por terapias com práticas baseadas em evidências, um conjunto de procedimentos para os quais os pesquisadores forneceram um nível aceitável de pesquisa que mostra que a prática produz resultados positivos para crianças, jovens e/ou adultos com TEA.

É importante estar em contato com a equipe multidisciplinar que acompanha a evolução da pessoa com autismo, justamente para entender qual(is) dessa(s) prática(s) pode beneficiar não só fisicamente a pessoa, mas também no que diz respeito aos gostos pessoais e identificação.

As terapias mais conhecidas e indicadas para o autismo são a Terapia ABA, a Fonoaudiologia e a Terapia Ocupacional, que são responsáveis por trabalhar no desenvolvimento em todos os aspectos da vida da pessoa autista, desde atividades da vida diária e interações sociais, principalmente nas escolas e outras atividades que envolvem a família, como, por exemplo, os momentos de lazer.

Nesse texto falamos sobre arteterapia, porém como citamos acima, muitas vezes o perfil sensorial da pessoa não a deixa confortável com a textura e odores da tinta. Mas se sua criança tem gostos voltados para o mundo artístico, temos um texto falando sobre como a atividade do teatro pode ser um aliado no desenvolvimento da pessoa autista.

Além disso, outra intervenção baseada em evidência científica é a musicoterapia, onde o desenvolvimento da pessoa com TEA acontece diretamente com o contato entre os instrumentos musicais e até mesmo pelo canto. Acesse o botão abaixo e saiba mais sobre essa prática!

Musicoterapia no autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso