Genial Care

Pesquisar
Pesquisar
Comunicação aumentativa e alternativa: imagem mostra um tablet com imagens que representam sentimentos, ações e lugares

Prática baseada em evidências: conheça a Comunicação Aumentativa e Alternativa (CAA)

A Comunicação Aumentativa e Alternativa (CAA) é parte de um conjunto de práticas baseadas em evidências para a população com TEA. Assim como as intervenções baseadas em antecedentes, que já vimos anteriormente.

Essa estratégia é utilizada para possibilitar que pessoas que não conseguem se comunicar de maneira efetiva passem a ter como estabelecer relações de aprendizado, sociais e afetivas mais produtivas e saudáveis.

Neste texto, apresentamos a CAA, desde seus objetivos até sua implementação em um plano de intervenções para a pessoa autista.

O que é a prática baseada em evidências?

São chamadas de práticas baseadas em evidências, intervenções investigadas a partir do método científico e apresentaram dados positivos para a queixa de alguma população específica.

No caso do autismo, essas são as intervenções que têm estudos suficientes demonstrando eficácia para melhora de algum aspecto do desenvolvimento de indivíduos no espectro. Inclusive já apresentamos anteriormente algumas dessas estratégias, no texto Técnicas recomendadas para o autismo.

O que é Comunicação Aumentativa e Alternativa (CAA)?

A comunicação alternativa e aumentativa (CAA) pode ser entendida como um conjunto de intervenções que visa tornarmais efetiva a comunicação de um indivíduo. Para esse fim são utilizados sistemas de comunicação que não são essencialmente verbais vocais (como a fala), e que podem ou não ter algum tipo de recurso como auxílio.

Essas estratégias são extremamente importantes para que o desenvolvimento da criança autista ocorra de maneira saudável, sendo muitas vezes crucial para a inclusão escolar, estabelecimento de relações sociais e aprendizado de novas habilidades.

Assim como qualquer outro conjunto de intervenções, a implementação da CAA deve ser feita por meio da avaliação por uma equipe multidisciplinar, interdisciplinar ou transdisciplinar, para garantir que as necessidades da pessoa no espectro sejam atendidas.

Quais são os tipos de comunicação alternativa?

Como citado acima, a CAA pode ou não utilizar algum tipo de auxílio para potencializar a comunicação de um indivíduo.

Isto é, algumas pessoas precisam de recursos além do próprio corpo ou necessitam da mediação de outro indivíduo para se comunicar efetivamente. Um exemplo de CAA que não utiliza nenhum suporte é a linguagem de sinais.

Já, quando se fala de CAA com auxílio, alguns exemplos de suporte são:

  • Placas com imagens;
  • Fotografias;
  • Tablets ou computadores.

Uma forma de comunicação alternativa e aumentativa muito presente no contexto do autismo é o PECS, que é caracterizado por ser um sistema no qual a pessoa troca figuras por acesso a itens ou atividades.

Quais benefícios da CAA?

A comunicação alternativa possibilita o desenvolvimento da autonomia de pessoas com múltiplas dificuldades de comunicação.

Quando pensamos em crianças no espectro, esse é um ponto bastante importante, já que essa intervenção pode possibilitar a devida inclusão escolar, contato mais efetivo com pares e familiares, além de potencializar o ensino de outros comportamentos importantes para o seu desenvolvimento saudável.

Apesar das inúmeras vantagens dessas estratégias, existem alguns cuidados necessários ao inseri-las em um programa de intervenção. O próximo tópico apresenta alguns deles.

Quais cuidados devem ser tomados para uso da CAA?

Assim como qualquer estratégia de ensino de novos comportamentos, ao iniciar o uso de alguma ferramenta de comunicação alternativa e aumentativa, é necessário que haja uma avaliação por toda equipe para ser oferecida a melhor alternativa para a criança.

E isso só é possível por meio de uma análise funcional individualizada do caso, isto é, somente analisando quais são as dificuldades daquela criança e quais são os comportamentos que ela já emite, que é possível escolher de maneira adequada a melhor estratégia.

Além disso, para que de fato seja desenvolvida a autonomia da criança no espectro, todos que convivem com ela devem ser treinados para o manejo adequado da CAA escolhida. Portanto, familiares, professores e outros profissionais que atuam com a criança devem receber orientação a respeito da intervenção.

Saiba mais sobre práticas baseadas em evidências para o autismo, acesse nossoblog.

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso Escala M-CHAT: saiba como funciona! Déficit na percepção visual: Como a terapia ocupacional pode ajudar? 3 aplicativos que auxiliam na rotina de crianças autistas 3 Animações que possuem personagens autistas | Férias Geniais Conheça os principais tratamentos para pessoas no espectro autista Diagnóstico de autismo do meu filho. O que preciso fazer? Quais os principais sinais de que meu filho tem autismo? Diagnóstico de autismo: quais os próximos passos. Veja 5 dicas Estereotipias: o que são e quais as principais em pessoas autistas Graus de autismo: Conheça quais são e como identificá-los