Genial Care

Pesquisar
Pesquisar
Doutora com uma prancheta anotando informações da criança que está a sua frente. Ambas estão sorrindo.

Os desafios da Comunicação Alternativa no autismo

A comunicação alternativa é uma ferramenta voltada para auxiliar pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) que enfrentam dificuldades na comunicação verbal.

Essas dificuldades podem incluir atraso ou dificuldade na fala, falta de compreensão do que é dito ou até mesmo a ausência de desenvolvimento da linguagem.

Os recursos da comunicação alternativa são fundamentais para ajudar pessoas no espectro a criarem um meio de expressão eficaz para comunicar suas vontades, ideais, necessidades e pensamentos.

Portanto, é muito importante abordar diversas formas de comunicação, que vão além da fala, como expressões faciais, gestos e comunicação alternativa para ajudar pessoas no espectro autista.

Mesmo assim, ainda existem muitos desafios ligados a essa ferramenta de desenvolvimento de linguagem. Por isso, neste texto, você vai entender quais são esses desafios e como essa troca de informações pode ajudar na vida de quem está no espectro.

O que é Comunicação Alternativa?

fonoaudióloga e criança em sessão de comunicação alternativa

A Comunicação Alternativa (CA), também conhecida como Comunicação Aumentativa e Alternativa (CAA), é uma área de pesquisa e prática clínica que busca ampliar a capacidade comunicativa de pessoas com deficiência.

Essa abordagem é especialmente útil para aqueles que não conseguem se comunicar de maneira funcional por meio da fala ou da escrita, ou que apresentam habilidades de comunicação limitadas.

Por meio da CA, é possível explorar outros canais de comunicação, como expressões faciais, linguagem corporal, sons e gestos. As intervenções são direcionadas a tornar a comunicação de uma pessoa mais eficaz com aqueles ao seu redor.

Essas estratégias são extremamente importantes para o desenvolvimento global de crianças com autismo, especialmente em termos de inclusão escolar, desenvolvimento de relacionamentos sociais e aquisição de novas habilidades.

Para expandir as possibilidades dentro da CAA, foram criados métodos e ferramentas, como pranchas e cartões de comunicação, por exemplo. Assim, pode existir uma diferença na Comunicação Alternativa com ou sem apoio, quando existe essa necessidade de auxílio.

Qual a diferença entre Comunicação Alternativa com e sem apoio?

Como falamos acima, dentro da CA, foram desenvolvidos métodos e ferramentas, como pranchas de comunicação e cartões visuais, que ampliam as possibilidades de comunicação. A CA pode ser dividida em comunicação com ou sem apoio, dependendo da necessidade individual de cada pessoa.

Na comunicação sem apoio, a pessoa utiliza seu próprio corpo para se comunicar, por meio de piscar os olhos, movimentar a cabeça, fazer sons ou gestos, como na linguagem de sinais. Já na comunicação com apoio, é necessário o uso de recursos externos, como:

  • Placas com imagens;
  • Fotografias;
  • Tablets ou computadores;
  • Cartões visuais e
  • Sistema de Comunicação por Troca de Figuras (PECS).

Todos os sistemas de CA são iguais?

É importante destacar que existem diferentes sistemas de CA, cada um com suas características e complexidades. Portanto, a organização e o número de símbolos podem variar entre eles.

Alguns exemplos incluem:

  • Sistemas tangíveis, que utilizam objetos e miniaturas;
  • Sistemas pictográficos, que representam conceitos por meio de imagens padronizadas;
  • Sistemas de significação, que envolvem o uso de palavras impressas e escritas.

Comunicação Alternativa no autismo

Quando aplicada no contexto do autismo, a CA é considerada uma forma de tecnologia assistiva (TA), pois permite e amplia a comunicação e a interação da pessoa com os outros ao seu redor.

As terapias de comunicação alternativa no autismo ajudam as pessoas no espectro a se expressarem e se relacionarem melhor, tanto em âmbito familiar quanto escolar ou profissional.

Exemplos de melhorias na comunicação com a CA incluem a redução das ecolalias (imitações e repetições de palavras ou frases) e a diminuição de comportamentos prejudiciais com função comunicativa, como bater em alguém ou em si mesmo. Essas estratégias buscam tornar a comunicação mais compreensível para os outros.

Portanto, é essencial contar com uma equipe multidisciplinar para determinar a estratégia ou sistema de comunicação mais adequado para cada indivíduo e orientar os pais e cuidadores sobre a aplicação da comunicação alternativa no dia a dia.

É importante ressaltar que a falta de adaptação a uma determinada ferramenta não significa que a criança não possa se comunicar, mas sim que é necessário encontrar o treinamento adequado para ela.

Como trabalhar a comunicação no dia a dia?

No cotidiano, os profissionais devem compreender as situações de interação social entre a pessoa autista, os pais e os cuidadores, pois eles são parceiros fundamentais para o sucesso da comunicação alternativa no autismo. O repertório, a motivação e o interesse da criança são essenciais para determinar a melhor abordagem de treinamento e construir as estratégias adequadas.

Por exemplo, se chorar na cozinha é a maneira que a criança pede comida, pode ser muito difícil ensiná-la a dizer “fome” ou “quero comida”. Em vez disso, a família pode entender com os profissionais como desenvolver as habilidades que estão apenas a um passo desse repertório, como alcançar ou apontar para a comida, por exemplo.

Banner sobre a Rede Genial de terapeutas com mulher sorrindo com o rosto pouco inclinado para sua esquerda.

O foco é trabalhar a comunicação passo a passo, assim é possível vencer os desafios e expandir o repertório e habilidades que a criança possui. Para fazer isso, é possível:

  • Usar frases curtas e diretas;
  • Usar linguagem clara e concreta;
  • Exagerar o tom da voz quando quiser enfatizar alguma mensagem ou parte dela;
  • Fazer perguntas que tenham respostas objetivas, como sim ou não, que podem ser feitas por gestos;
  • Permitir que a criança tenha o tempo necessário para responder;
  • Estimular o contato visual, notando as expressões faciais e emoções na hora de se comunicar.

A Comunicação Alternativa deixa a criança preguiçosa?

Algumas pessoas acreditam – equivocadamente – que a Comunicação Alternativa torna a criança preguiçosa, limitando sua comunicação apenas ao sistema utilizado. No entanto, a CAA é respaldada por evidências científicas que demonstram que ela estimula o desenvolvimento das habilidades comunicativas, vocabulário e construção de frases em pessoas com TEA.

Essas estratégias têm uma base científica sólida e visam estimular o surgimento e o desenvolvimento da linguagem verbal em pessoas no espectro autista, permitindo que elas se tornem mais independentes e autônomas na comunicação.

A equipe multidisciplinar avaliará constantemente a melhor forma de contribuir para a comunicação e a qualidade de vida da pessoa, enquanto promove a socialização adequada e a criação de uma rede de relacionamentos.

Lembre-se de que todas as pessoas que convivem com a criança precisam ser treinadas para se tornarem bons parceiros de comunicação, a fim de promover sua autonomia.

É importante seguir as orientações dos profissionais e buscar o apoio do profissional de fonoaudiologia responsável pela intervenção sempre que surgirem desafios ou dificuldades relacionadas à comunicação alternativa.

Estamos contratando

Menina e terapeuta Genial brincando com peças de quebra-cabeça sobre a mesa.

Se você é um profissional da fonoaudiologia e busca uma oportunidade inovadora para fazer a diferença na vida de crianças com autismo e suas famílias, a Genial Care é o lugar perfeito para você.

Nossa clínica multidisciplinar está com vagas de fono, expandindo sua equipe e buscando profissionais da fonoaudiologia comprometidos e talentosos para se juntarem a nós nessa transformação.

Oferecemos um ambiente de trabalho colaborativo, infraestrutura moderna e recursos atualizados para o desenvolvimento profissional contínuo.

Além disso, você terá a chance de trabalhar lado a lado com uma equipe experiente de especialistas multidisciplinares, incluindo psicólogos ABA e terapeutas ocupacionais, proporcionando uma abordagem abrangente e integrada em todo o processo.

Profissionais da fonoaudiologia: preencham já nosso formulário

Na Genial Care, valorizamos a dedicação, a empatia e o compromisso em ajudar todas as crianças a alcançarem seu máximo potencial. Se você deseja fazer parte de uma equipe apaixonada por transformar vidas e contribuir para o avanço da fonoaudiologia no autismo, acesse nossas vagas agora mesmo.

A Genial Care é uma clínica multidisciplinar para crianças autistas e suas famílias, mas, além disso, é uma healthtech que valoriza os profissionais clínicos e oferece constantes treinamentos, trocas e formações para entregar resultados clínicos e intervenções de excelência.

Conclusão

Embora a comunicação alternativa no autismo apresente desafios, a colaboração entre profissionais, pais e cuidadores, ela desempenha um papel essencial na escolha das estratégias adequadas e no suporte contínuo.

É importante lembrar que cada pessoa é única e pode necessitar de métodos específicos de comunicação adaptados às suas necessidades. Ao longo do processo, é fundamental ter em mente que a comunicação alternativa não torna a criança preguiçosa, mas, pelo contrário, estimula o desenvolvimento da linguagem e a autonomia na comunicação.

Ao investir no desenvolvimento da comunicação alternativa, estamos capacitando as pessoas no espectro autista a se expressarem, se relacionarem e alcançarem seu potencial máximo.

Essas estratégias promovem inclusão social, melhoria da qualidade de vida e o fortalecimento das habilidades comunicativas.

Com orientações adequadas e apoio contínuo, podemos construir um ambiente que valoriza a diversidade da comunicação e torna o mundo mais acessível para todas as pessoas com TEA.

Em nosso blog, temos um conteúdo sobre a importância da fonoaudiologia para o desenvolvimento de pessoas autistas. Clique no botão abaixo para acessar o artigo completo:
Fonoaudiologia no autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso Escala M-CHAT: saiba como funciona! Déficit na percepção visual: Como a terapia ocupacional pode ajudar? 3 aplicativos que auxiliam na rotina de crianças autistas 3 Animações que possuem personagens autistas | Férias Geniais Conheça os principais tratamentos para pessoas no espectro autista Diagnóstico de autismo do meu filho. O que preciso fazer? Quais os principais sinais de que meu filho tem autismo? Diagnóstico de autismo: quais os próximos passos. Veja 5 dicas Estereotipias: o que são e quais as principais em pessoas autistas Graus de autismo: Conheça quais são e como identificá-los