Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
menino folheando um livro de cabeça baixa

“Um Monstro em Minha Escola” e o impacto da obra na comunidade autista

Recentemente, o livro infantil “Um Monstro em Minha Escola” virou pauta da comunidade de influenciadores digitais que lutam por um mundo mais inclusivo e menos capacitista.

Isso porque a obra faz alusão a um personagem com comportamentos parecidos aos dos sinais do Transtorno do Espectro Autista (TEA), relacionando o personagem principal a um monstro.

O material que vem sendo divulgado nas redes sociais, é um vídeo do canal “Varal de Histórias”, onde a contadora de histórias Juçara Batichoti interpreta o livro infantil de autoria de Iara Medeiros.

Nesse texto, vamos falar mais sobre o impacto que essa obra trouxe para a comunidade autista, e a importância de lutar por um mundo mais inclusivo e apoiar a neurodiversidade.

A figura do autista em “Um monstro em minha escola”

Na contação da história, somos apresentados a um monstrinho que queria ser aluno, mas segundo a obra, atrapalha os colegas de classe por fazer muito barulho e não conseguir ficar quieto.

Em outros momentos é descrito que o monstrinho escala bancos e repete o que a professora e colegas falam, deixando todos da sala de aula, segundo a história, “muito irritados”.

Apesar de não citar abertamente o autismo, muitas pessoas acreditam que as características apresentadas pela autora Iara Medeiros retratam um aluno neurodivergente, com sinais típicos do TEA, que estão presentes na obra:

  • Ecolalia Distúrbio de linguagem, definida como a repetição em eco da fala do outro. Normalmente, a pessoa com autismo tende a repetir palavras ou frases que ouviu na televisão ou em conversas, sem intenção de se comunicar;
  • Estereotipias – Os comportamentos repetitivos também são muito comuns no TEA. Muitos deles podem ter a função de regulação emocional.
  • Dificuldades de comunicação e habilidades sociais.

O livro vem sendo muito criticado pela retratação do aluno como uma figura monstruosa, que faz a relação com um ser que causa espanto, e também pela falta de empatia na abordagem da inclusão escolar, já que a professora do livro fica irritada com as atitudes do aluno, e os colegas de sala estão sempre pedindo para que o monstrinho fique quieto.

Influenciadores se posicionaram

No twitter, o influenciador anti-capacitista, Ivan Baron, fez uma thread de repúdio a obra:

#REPÚDIO: Era pra ser apenas mais uma música infantil, mas a letra da história narrada “TEM MONSTRO NA ESCOLA” faz uma comparação extremamente capacitista entre um aluno neuroatípico a um monstro.

Ele fala de sua indignação pela pessoa no espectro autista ter sido comparada a um monstro, e reforça quão traumática a narrativa dessa história pode ser não só para pessoas autistas, mas para famílias atípicas que lutam diariamente pela inclusão.


No instagram, a professora e influenciadora Amanda Soares, uma pessoa com deficiência e voz ativa no movimento anti-capacitista, trouxe sua vivência dentro do ambiente universitário, onde presenciou uma atitude capacitista de um próprio docente.

Se a gente não consegue considerar que uma pessoa com deficiência tem intelectualidade suficiente para estar no mesmo espaço que a gente, se a gente não consegue considerar que uma pessoa com deficiência produz, a gente não vai considerar que ela tem que pertencer ao espaço, reforçou no vídeo:


Livros que respeitam a neurodiversidade

A diversidade é uma parte essencial da sociedade, e isso inclui a diversidade neurológica. Valorizar e celebrar as diferenças neurodivergentes, como o autismo e o TDAH, desde a infância é fundamental para construir uma sociedade inclusiva.

Na jornada do desenvolvimento infantil, os livros desempenham um papel fundamental. Eles não apenas fornecem entretenimento e estimulam a imaginação, mas também podem ser poderosas ferramentas para a construção de empatia, compreensão e aceitação.

Ver representações de pessoas neurodivergentes nos livros permite que essas crianças se identifiquem e sintam-se validadas, percebendo que não estão sozinhas e que suas perspectivas são valiosas.

Felizmente, existem obras que falam sobre a importância de incluir pessoas com deficiência e neurodivergentes, e foi a mãe atípica e autista, Kat (@divesca) que indicou em seu twitter duas obras que retratam a neurodiversidade abrem portas para o diálogo, a compreensão e a aceitação, contribuindo para a construção de um mundo mais diverso e inclusivo.

1. Meu amigo faz iiiii – Andréa Wener com ilustrações de Kelly Vaneli

imagem da capa do livro" meu amigo faz iiiii"

O livro retrata a história de dois colegas de escola, onde a personagem Bia desempenha o papel de narradora. Bia, ao receber orientação de sua professora, começa a notar que seu colega Nil apresenta comportamentos distintos dos demais. Movida pela curiosidade e com o intuito de compreendê-lo melhor, ela decide observá-lo atentamente.

Disponível no site Lagarta Vira Pupa

2. Um Sonho de Escola – Taicy Ávila com ilustrações de Vanessa Alexandre

imagem da capa do livro "um sonho de escola"
A história narra o dia a dia da Bia, uma garotinha com paralisia cerebral, na escola. No contexto desse sonho escolar, a inclusão é alcançada através da introdução de novos materiais e pequenas adaptações na rotina, para que todos possam aprender e crescer em um ambiente cheio de diversão, histórias e amizade.

No desfecho da história, o melhor amigo de Bia, Rodrigo, compartilha com a professora uma descoberta incrível e cheia de poesia sobre a variedade e beleza da diversidade humana.

Disponível no site da editora Mais Ativos

Aqui em nosso blog também falamos sobre o livro “Malu e Cadu: Aventura no Dentista”, que relata a consulta de dois amigos pela primeira vez no dentista. Cadu é autista e Malu tem Síndrome de Down e são atendidos pelo “Doutor Dentão”, que procura atender todos os pacientes de forma singular e inclusiva.

Leia mais sobre a obra em nosso blog:
“Malu e Cadu em: Aventura no Dentista”: obra mostra a importância do atendimento inclusivo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul