Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Personagem da peça de teatro infantil Azul sentado na praia. Ele constrói um castelo de areia com as mãos.

Conheça a peça de teatro “Azul” que fala de forma lúdica sobre o TEA entre irmãos

A chegada de um bebê traz muitos sentimentos, dúvidas e questionamento para a família, principalmente se já existe um filho mais velho. Quando falamos de irmãos de crianças atípicas, isso pode ser ainda mais difícil.

É sobre isso que a peça de teatro “Azul” fala. Com Violeta, personagem principal da peça, a história se desenrola e muda de rumo quando ela descobre que o irmão caçula é uma pessoa neurodivergente.

Emocionante e educativa, esta produção encantadora aborda de forma lúdica o Transtorno do Espectro Autista (TEA) entre irmãos, proporcionando uma experiência única e enriquecedora para toda a família.

Conversamos com o dramaturgo Gustavo Bicallho, da Artesanal Cia. de Teatro, companhia responsável pela peça de teatro  “Azul”. Leia e conheça mais!

“Azul”, uma peça de teatro para todos os públicos

Boneco utilizado na peça infantil de teatro 'Azul'

“Azul” é uma obra teatral que estreou com grande destaque no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), conquistando crianças e adultos com sua abordagem sensível sobre o TEA.

Com uso de bonecos e máscaras e uma trilha sonora que mistura blues, marchinhas e música erudita, essa peça de teatro infantil está cativando o público ao tratar, de forma lúdica e sensível, o Transtorno do Espectro Autista.

Gustavo conta que “Azul” surgiu em 2016, quando ele e Andrea Batitucci estavam escrevendo outro texto. Na época, a Andrea era madrasta de uma menina com autismo e comentou um fato que a criança havia feito, que havia causado um grande embaraço com outra pessoa, no elevador, mas que era engraçado e genuíno ao mesmo tempo.

A partir dessas nuances que crianças geralmente têm, independentemente de serem típicas ou atípicas, eles começaram a escrever algo a respeito do tema.

Ambos foram estudando mais sobre o TEA, até que em 2020, surgiu a possibilidade de montarem essa peça de teatro pela CCBB — Centro Cultural Banco do Brasil — do Rio, que só foi possível em 2022, com CCBBs de demais estados, como São Paulo, Distrito Federal e Minas, como patrocinadores.

Dividida em 3 atos, a peça de teatro  conta primeiro sobre Violeta com 4 anos, quando o irmão Azul chega e ela quer de todo jeito se livrar dele. Depois, com 7 anos, quando a família descobre o diagnóstico do irmão mais novo. Por fim, no terceiro ato, todos acham que Azul sumiu, e Violeta se encontra com Tempo, para explicar que cada coisa tem seu próprio ritmo.

Bicallho também fala que a montagem é toda inclusiva e com volume baixo, sem sons e barulhos inesperados. Além disso, também sempre há um tempo “dilatado” para que o público neurodiverso consiga compreender melhor.

Artesanal Cia. de Teatro é a responsável pela peça

Pessoas reunidas para uma fotografia. São os atores e atrizes que fazem a peça 'Azul'

A Artesanal Cia. de Teatro foi criada no Rio de Janeiro em 1995 e tem, como foco principal, a produção de espetáculos de teatro para os públicos infanto-juvenil e jovem adulto.

Já são mais de 29 anos de trajetória com cerca de 17 espetáculos de teatro produzidos. E apesar de serem um grupo de origem carioca, a Artesanal é uma companhia que se apresenta em diversos Estados brasileiros e, também, já coleciona algumas apresentações internacionais, como na Alemanha e China.

“Azul é filho dos 29 anos da Artesanal, dos anos que a Andrea Batitucci e eu estamos nos dedicando à escrita, da constante pesquisa de toda nossa equipe, que sempre traz novidades e outras inquietações. De coração, desejamos que Azul tenha uma vida longa e que possa alcançar o maior número de pessoas possível”, pontua o dramaturgo.

Violeta e Azul e o papel dos irmãos no desenvolvimento de crianças atípicas

Narrada através dos olhos de Violeta, a peça de teatro “Azul” começa com a menina ansiosa e animada para a chegada do seu novo irmãozinho. O que ela não imagina, é que o bebê ocupará um espaço inesperado na vida da família, trazendo à tona sentimentos de ciúme e tristeza para ela.

Isso é algo muito comum na realidade de famílias atípicas, onde o núcleo familiar precisa entender e ajustar a rotina sobre as diversas possibilidades de uma pessoa no espectro, onde filhos neurotípicos podem se ver em uma nova configuração, sem saber como comunicar ou demonstrar o que estão sentindo.

“Há uma questão na peça que é colocada de forma bastante sutil, mas Azul não é o irmão que Violeta esperava ganhar. A família precisa descobrir formas de se comunicar com o menino”.

Bicallho conta que, o primeiro ato fala sobre os ciúmes da irmã mais velha, que perde seu espaço de centralidade, em função do bebê que chega. Isso é uma vivência comum em toda a família que tem mais de um filho.

“O segundo ato, não só apresenta o fato de Azul estar no TEA, mas trabalha o amadurecimento de Violeta como irmã, quando ela compreende que Azul faz parte da sua centralidade e estabelece uma relação de troca com o irmão”, continua ele.

“Já o terceiro ato, apenas nos mostra que Violeta cresceu, ela já entendeu que faz parte da experiência de vida dela, a coexistência com esse irmão — e é nesse ato que ela descobre a relação de afeto que há com ele.”

É importante frisar que para construir os personagens, a companhia teve a parceria da Cris Muñoz, pessoa autista e também mãe de autista, além de consultora de Acessibilidade e Inclusão.

Ela acompanhou todo o processo e sempre trouxe sua experiência como pessoa no espectro e também mãe de uma adolescente autista. Gustavo afirma que “ela foi fundamental para ajudar a encontrar o tom narrativo da encenação”.

Peça de teatro sobre TEA ajuda na representatividade e informação

O dramaturgo afirma que o teatro é um espaço que permite uma comunicação direta entre atores e espectadores, por isso ele é uma ferramenta tão poderosa quando queremos potencializar uma ideia e transmitir diversas perspectivas.

“Azul transcende a questão do TEA. Ele funciona, também, como espetáculo. Ele entretém. Ele possibilita diversas camadas de leitura, desde uma mais superficial a outras mais profundas. Ou melhor dizendo, “Azul” não propõe nenhuma resposta, apenas uma reflexão”.

Dessa forma, “Azul” é uma forma educativa de abordar sobre o TEA e desafios comuns na vida de famílias atípicas. Com elementos de imersão com bonecos, máscaras e até mesmo a música, é possível comunicar as várias individualidades do espectro.

Além disso, por vermos toda a história pelas percepções de Violeta, podemos nos aproximar dos pensamentos e compreensões de uma criança, que diferente de um adulto, precisa de muito mais suporte para entender as coisas ao seu redor.

“Acho que a primeira coisa a se fazer é tratar a diversidade como algo normal. O fato é que somos todos diferentes. Cada indivíduo carrega seu próprio universo interno e sua forma de compreender o mundo”.

Conclusão

“Azul” é mais do que uma peça de teatro infantil, é uma celebração da diversidade, uma lição de empatia e uma jornada inesquecível para toda a família.

Ao explorar o TEA entre irmãos, a produção destaca a importância do entendimento, informação e suporte na jornada de toda a família, por várias perspectivas.

O espetáculo está em cartaz em São Paulo no CCBB entre os dias 05/01/24 a 25/02/24. Depois segue para o Rio de Janeiro onde fica disponível até o dia 06/08/24.

Assim como em “Azul” é importante olharmos para as relações familiares sob várias perspectivas. Por isso, em nosso blog já temos um conteúdo sobre desafios, feito com irmãos de pessoas atípicas, vale a pena ler:

Habilidades sociais no autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Conteúdos relacionados

Esse artigo foi útil para você?

Dia Nacional do Futebol: inclusão e emoções das pessoas com TEA Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Aprovado Projeto de Lei que obriga SUS aplicar a escala M-CHAT em crianças de 2 anos Dia mundial do Rock: conheça 5 bandas com integrantes autistas Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? Senado: debate público sobre inclusão educacional de pessoas com TEA Emoções no autismo: saiba como as habilidades emocionais funcionam Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin