Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
menino triste olhando para frente

Sinais de que uma criança com autismo está sofrendo bullying

Infelizmente, o bullying ainda é um comportamento agressivo que se faz presente, principalmente, no ambiente escolar, ou até mesmo em pequenos grupos de amigos e atividades extracurriculares.

Geralmente, crianças e adolescentes no espectro do autismo são vítimas desse comportamento agressivo, que pode vir tanto de forma física quanto psicológica (através de palavras de ameaça e provocações).

Esse comportamento acontece por pessoas no espectro, ou neurodivergentes, apresentarem comportamentos atípicos, ou seja, com atitudes que não são esperadas de acordo com a sociedade típica, e por isso são julgadas.

Apesar de ser um comportamento — infelizmente — muito comum, algumas pessoas ficam com medo de denunciar que estão sofrendo bullying, ou não conseguem se comunicar a respeito da agressão que estão sofrendo.

Por isso, esse texto tem a função de alertar pessoas, cuidadoras e profissionais da pedagogia a ficarem em alerta e entenderem como acolher e auxiliar pessoas com TEA que são alvos de bullying no ambiente escolar ou em espaços compartilhados.

O que é o bullying?

crianças na escola, uma menina triste na frente e dois meninos apontando atrás

O bullying é uma forma de violência repetitiva, intencional e consciente, que pode ser física ou verbal e que ocorre entre pessoas em diferentes ambientes, incluindo escolas, locais de trabalho e redes sociais.

É um comportamento que, muitas vezes sem um motivo aparente, tem a função de:

  • Intimidar;
  • Humilhar;
  • Ameaçar;
  • Ofender;
  • Prejudica outra pessoa.

As agressões podem ser diretas, de forma física ou verbal, ou indiretas, como exclusão social, difamação ou propagação de rumores. Além de outras formas, como: o assédio moral, a discriminação, o preconceito e os ataques cibernéticos; também chamado de cyberbullying.

O bullying pode causar danos graves à saúde emocional e mental, resultando em baixa autoestima, ansiedade, depressão, transtornos alimentares, insônia, dentre outros problemas.

Por isso, é fundamental que sejam tomadas medidas para prevenir e combater o bullying em todos os ambientes em que ocorre.

Qual a relação do autismo com o bullying?

Infelizmente, muitas pessoas ainda têm preconceito em relação ao autismo. Isso porque, muitas vezes, não compreendem ou não têm conhecimento acerca do TEA, e caem em pré-conceitos que estão enraizados há anos.

Crianças diagnosticadas com distúrbios do neurodesenvolvimento, como o autismo, vivenciam vários tipos de desafios na escola. Isso pode ser devido à dificuldade da comunicação e também ao relacionamento com outras crianças.

Existem estudos que evidenciam que crianças autistas são mais propensas a sofrer bullying. O estudo Exploring Potential Modifiers of the Association Between Neurodevelopmental Disorders and Risk of Bullying Exposure traz como objeto de estudo a relação dos alunos típicos e atípicos no ambiente escolar, e aponta que o autismo é o principal fator de risco para a exposição ao bullying entre todos os distúrbios do neurodesenvolvimento.

Além disso, uma pesquisa canadense evidencia que 77% das crianças com TEA relatam ter sofrido bullying no ambiente escolar.

Crianças com outros tipos de transtornos do neurodesenvolvimento, como o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), Síndrome de Tourette e Deficiência Intelectual, também estão mais propensas a serem vítimas do bullying; em comparativo com crianças não neurodiversas.

Sinais de que uma pessoa autista é vítima do bullying

Na jornada de cuidar e apoiar crianças com autismo, é essencial que pais, professores e profissionais de saúde estejam atentos a diversos aspectos de seu desenvolvimento. 

Geralmente, quando a pessoa é vítima da violência do bullying, alguns comportamentos se acentuam, permitindo assim observar o reflexo de traumas por conta de tamanha violência.

Alguns sinais de que alguém pode estar sofrendo bullying incluem:

Mudanças em seu comportamento ou humor

Por exemplo, quando de repente a pessoa que tende a ser sociável com pessoas que se sente confortável, começa a se isolar ou fica quieta, isso pode ser um sinal de que algo está errado. Também podem ocorrer mudanças de humor, como irritabilidade, tristeza ou ansiedade.

Queda no desempenho escolar

O desempenho escolar cair repentinamente pode ser um sinal de que está sofrendo bullying, pois sente muita distração ou incapacidade de se concentrar. 

Se você observar uma queda repentina nas notas ou um desinteresse repentino pela escola, isso pode ser um sinal de que algo está errado. Conversar com os professores e outros profissionais da escola pode fornecer informações adicionais sobre o comportamento da criança durante o dia escolar.

Lesões físicas inexplicáveis

Se alguém apresentar ferimentos inexplicáveis, como hematomas, arranhões ou cortes, isso pode ser um sinal de que ele está sendo agredido. Crianças que sofrem bullying podem manifestar mudanças físicas ou emocionais, ou uma piora em problemas de saúde existentes, como dores de estômago ou dores de cabeça. 

Também é comum que essas crianças apresentem sintomas de estresse pós-traumático, como pesadelos ou flashbacks.

Dificuldade em comunicar o problema

Devido às dificuldades de comunicação que muitas crianças com autismo enfrentam, pode ser desafiador para elas expressar que estão sendo vítimas de bullying. Elas podem não ter as habilidades verbais para descrever o que estão passando ou podem não entender completamente o que está acontecendo. Portanto, é fundamental estar atento a pistas não verbais, como expressões faciais e gestos;

Perda de interesse em atividades que antes eram prazerosas

Se alguém de repente perder o interesse em atividades que antes adorava, pode ser um sinal de que ele está se sentindo desmotivado ou triste;

Alterações no padrão de sono ou alimentação

Quando surgem problemas de sono ou apetite, isso reflete diretamente em comportamentos de ansiedade e depressão, resultado de traumas gerados pelo bullying.

Uma das primeiras pistas de que uma criança com autismo pode estar sofrendo bullying é a observação de mudanças em seu comportamento padrão em aspectos rotineiros. Essas mudanças podem incluir um aumento na ansiedade, irritabilidade ou retraimento social

Isolamento social

Crianças com autismo já enfrentam desafios na construção de relacionamentos sociais. Se você notar que uma criança está se isolando ainda mais, evitando interações sociais ou perdendo amizades anteriormente sólidas, pode ser um indicativo de bullying. 

Monitorar as interações sociais da criança e promover oportunidades para o desenvolvimento de habilidades sociais é crucial.

Lembre-se, esses sinais não garantem necessariamente que alguém esteja sofrendo bullying, mas podem indicar que algo não está certo. Se você suspeitar que alguém está sofrendo bullying, é importante buscar abertura para uma conversa e oferecer apoio.

Como ajudar vítimas de bullying?

menino negro triste encostando em uma parede

Citamos acima que buscar uma abertura para conversar a respeito das agressões pode ser uma opção, mas para algumas pessoas com TEA que possuem dificuldades de socialização, nem sempre é possível avançar para esse lado.

Identificar sinais de que uma criança com autismo está sofrendo bullying requer observação cuidadosa e comunicação aberta com a criança. É importante criar um ambiente de confiança para que a criança se sinta segura ao compartilhar suas preocupações. 

Além disso, envolver-se ativamente na escola, estabelecendo parcerias com professores e profissionais de saúde, pode ajudar a garantir que qualquer forma de bullying seja detectada e abordada de maneira eficaz.

Com o bullying geralmente acontece no ambiente escolar, é preciso cobrar um posicionamento da própria unidade de ensino. Se mesmo com conversas e denúncias a escola não está tomando medidas adequadas para proteger a criança, você pode seguir os seguintes passos:

  • Exija um plano de ação: peça à escola que apresente um plano de ação, com etapas específicas e detalhadas de que a escola irá tomar para resolver o problema e proteger a criança;
  • Mantenha registros: mantenha um registro detalhado de todos os incidentes de bullying que você souber, incluindo a data, hora e local. Compartilhe essas informações com a escola para que eles possam entender a extensão do problema;
  • Seja persistente: se você sentir que a escola não está levando o problema a sério, continue a pressionar a escola para que eles ajam. Envie e-mails ou faça chamadas telefônicas regulares para acompanhar o progresso e verifique se o plano de ação está sendo implementado;
  • Procure ajuda externa: se a escola não tomar medidas adequadas para resolver o problema, você pode procurar ajuda externa, como um conselheiro escolar, um advogado ou uma organização que lida com questões de bullying. Eles podem aconselhá-lo sobre seus direitos e opções legais e ajudá-lo a tomar medidas adicionais para proteger a criança que está sofrendo bullying.

Lembre-se de que é importante trabalhar em conjunto com a escola para resolver o problema de bullying! Em colaboração e ajuda de toda rede de apoio é mais provável de levar a resultados positivos e acolhimento para a criança que está sofrendo bullying.

Conclusão

Identificar sinais de que uma criança com autismo está sofrendo bullying é essencial para garantir que elas cresçam em um ambiente seguro e acolhedor. 

Lembrando que cada criança é única e pode reagir de maneira diferente ao bullying. Portanto, é fundamental estar atento a qualquer sinal de que algo não está certo e buscar apoio profissional quando necessário. 

O apoio e a compreensão da comunidade ao redor da criança com autismo são fundamentais para criar um ambiente seguro e inclusivo onde todas as crianças possam florescer.

Lembre-se sempre da importância da escuta ativa e da criação de um ambiente onde a criança se sinta à vontade para compartilhar seus sentimentos e preocupações.

Se você suspeitar que uma criança com autismo está sofrendo bullying, não hesite em buscar orientação e apoio de profissionais, terapeutas, e especialistas em autismo. 

Em nosso blog já falamos sobre o papel da escola, principalmente, na alfabetização e educação da criança no espectro do autismo, para continuar a ler conteúdos desse tipo, clique no botão e acesse nossa guia de conteúdos voltados para a jornada da família:

Conteúdos Para Famílias

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora?