Genial Care

Pesquisar
Pesquisar
um menino de cabelo preto e blusa azul está pegando um bloco vermelho da mão de uma mulher loira de óculos. os dois estão sentados em uma mesa cheia de blocos coloridos

Mitos e verdades sobre a terapia ABA para autismo

Será que a terapia ABA é só para autismo? Os pais não podem participar dessa prática? A criança fica robotizada? Os reforçadores são sempre os mesmos? Essas são apenas algumas das perguntas que muitos pais e pessoas cuidadoras fazem quando estão buscando entender mais sobre a ciência ABA.

Primeiro, vale lembrar que ABA para autismo é derivada do termo em inglês Applied Behavior Analysis, é a Análise do Comportamento Aplicada.

Essa é a ciência de aprendizagem usada como embasamento para os atendimentos de pessoas com transtornos do desenvolvimento, como o TEA, por exemplo. Inclusive é indicada pela OMS, como uma prática baseada em evidências, para pessoas no espectro.

Por meio dela os profissionais conseguem analisar os comportamentos das pessoas para entender como e porque eles existem, saber quais são as influências ambientais que estão relacionadas a essas ações e assim, traçar estratégias que permitem ensinar novas habilidades focadas nas necessidades de cada pessoa.

Neste texto, você vai encontrar os principais mitos e verdades sobre ABA para autismo, e tirar suas dúvidas de uma vez por todas. Confira!

Principais mitos e verdades sobre a terapia ABA

mulher e criança brincando com figuras deitas no chão

A terapia ABA para autismo foca em promover o ensino de novas habilidades e também reduzir comportamentos que são desafiadores no dia a dia da pessoa no espectro.

Apesar de muitas pessoas conhecerem ela como terapia, é importante lembrar que a ABA é uma ciência de aprendizagem que estuda os comportamentos humanos que são socialmente relevantes. Assim, usamos essa nomenclatura para facilitar a busca e compreensão.

Mas, mesmo ela sendo a indicada pela OMS, e sendo considerada como um dos métodos mais conhecidos pelas pessoas cuidadoras, ainda existem muitas dúvidas e informações falsas sobre ela circulando por aí. Veja só o que é ou não verdade:

1. ABA é uma ciência

Verdade! É muito comum que depois de um diagnóstico de autismo e durante o começo da jornada muitas famílias recebem a informação de que ABA é um método ou terapia. Apesar de isso ajudar no entendimento dos pais, é preciso frisar que a ABA é uma ciência.

Essa área, composta de pressupostos filosóficos, conceitos e técnicos, é fruto de muito estudo e embasamento científico.

Por isso, dentro da ciência ABA nada é achismo, é sempre tudo comprovado. Inclusive, as práticas baseadas em evidências usadas nas sessões para pessoas no espectro são, em grande maioria, baseadas em ABA.

2. ABA é só para autismo

Mito! Apesar de costumeiramente ser mais indicada para pessoas com desenvolvimento atípico, como autismo, as estratégias ABA podem ser usadas para o atendimento de inúmeras demandas profissionais e com pessoas neurotípicas também, sempre que existir a necessidade de aprimorar comportamentos socialmente relevantes.

É comum ver aplicações do fundamento da ABA em diferentes contextos, como em ações de saúde mental, psicologia educacional, hospitalar e de organizações, sempre de forma individualizada e intensiva.

Então, mesmo ABA para autismo sendo usada como método de ensino de novas habilidades e redução de comportamento desafiador nas intervenções de pessoas no espectro, todas as suas estratégias têm resultados comprovados quando pensamos no desenvolvimento de autonomia para todas as pessoas.

3. ABA robotiza a criança

Mito! É comum encontrar críticas da terapia ABA para autismo por aí, principalmente dizendo que essa ciência tende a robotizar a pessoa, fazendo com que a pessoa autista decore respostas e seja rígida.

O que acontece é que muitas pessoas acreditam que ABA e DTT (Ensino por Tentativa Discretas) ou “terapia de mesinha” são a mesma coisa. Apesar do DTT ser uma das práticas da ABA, ela não é a única. Dessa forma, as intervenções de pessoas no espectro não se limitam apenas a isso.

É fundamental que os pais entendam os princípios da ABA e conversem muito com os terapeutas aplicadores, para ter certeza de que as ações não sejam algo mecanizado, mas individualizadas e focadas nas necessidades diárias.

4. Os pais participam da terapia ABA

mulher e criança sentados no chão da sala brincando com letras coloridas

Verdade! É fundamental que as intervenções envolvem todo o núcleo familiar, indo além do ambiente terapêutico. Assim, qualquer pessoa que faça parte da rotina da criança com TEA deve participar das estratégias da terapia ABA no dia a dia.

A criança autista precisa desse apoio durante a terapia para se sentir mais segura e confortável. É importante que os pais mantenham contato constante com o terapeuta para garantir que as habilidades sejam trabalhadas, e entender quais são os desafios que seus filhos estão enfrentando.

Por isso, todo o núcleo familiar pode e deve exigir algumas características do terapeuta ABA para autismo, que vão ajudar no desenvolvimento infantil e garantir o rigor clínico das intervenções.

Dessa forma, os profissionais aplicadores precisam passar orientações de como proceder nas situações cotidianas, além de garantir que pais e pessoas cuidadoras possam ajudar no desenvolvimento de habilidades rotineiras.

Além disso, é muito importante que haja uma visão macro do ambiente em que a criança está inserida, fazendo com que todos possam analisar seus comportamentos e atuar na evolução constante.

5. Todas as estratégias de ABA são iguais

Mito! Como a ABA não é um método com começo, meio e fim, não é possível que ela seja sempre igual para todas as pessoas. Para a aplicação dos ensinos de comportamentos e estratégias é preciso que exista uma avaliação inicial da pessoa, entendendo qual seu repertório comportamental e o que pode ser desenvolvido.

Assim, as sessões serão sempre voltadas para o nível de desenvolvimento da criança, o grau de necessidade e suporte que ela apresenta e as respostas que pode dar. Existem muitas práticas que podem ser aplicadas no dia a dia e tudo sempre será feito de forma individualizada.

Banner sobre a Rede Genial de terapeutas com mulher sorrindo com o rosto pouco inclinado para sua esquerda.

6. Na terapia ABA apenas alimentos e brinquedos são usados como reforçadores

Mito! Os reforçadores são qualquer consequência de um comportamento que aumente as chances dele acontecer no futuro. Assim, eles podem ser itens, objetos, atividades, interações ou qualquer coisa que ajude a pessoa a se sentir motivada a repetir determinada ação.

Os reforçadores podem ser tanto primários (aqueles que permitam que nossa espécie sobreviva) quanto construídos (aqueles que foram construídos ao longo do tempo por meio de experiências). Dentro dos reforçadores construídos, temos ainda algumas classificações:

  • sociais – reforçadores que resultam da nossa relação com os outros;
  • tangíveis — itens/objetos que funcionam como reforçadores;
  • generalizados – aqueles que fornecem acesso a outros reforçadores;
  • atividades reforçadoras – nessa categoria, podemos incluir um passeio de bicicleta, assistir televisão, brincar com os colegas, ler um livro, etc.

O reforço positivo é sim um aspecto fundamental na terapia ABA para autismo, porém ele pode ser muito mais que um alimento ou brinquedo, já que eles estão diretamente ligados ao repertório da criança e o que ela gosta e tem interesse.

Estamos contratando

 

Menina e terapeuta Genial brincando com peças de quebra-cabeça sobre a mesa.

Se você é um profissional ABA e busca uma oportunidade inovadora para fazer a diferença na vida de crianças com autismo e suas famílias, a Genial Care é o lugar perfeito para você.

Nossa clínica multidisciplinar está com vagas abertas, expandindo sua equipe e buscando fonoaudiólogos comprometidos e talentosos para se juntarem a nós nessa transformação.

Oferecemos um ambiente de trabalho colaborativo, infraestrutura moderna e recursos atualizados para o desenvolvimento profissional contínuo.

Além disso, você terá a chance de trabalhar lado a lado com uma equipe experiente de especialistas multidisciplinares, incluindo fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais, proporcionando uma abordagem abrangente e integrada em todo o processo.

Terapeutas: preencham já nosso formulário

Na Genial Care, valorizamos a dedicação, a empatia e o compromisso em ajudar todas as crianças a alcançarem seu máximo potencial. Se você deseja fazer parte de uma equipe apaixonada por transformar vidas e contribuir para o avanço da ciência ABA no autismo, acesse nossas vagas agora mesmo.

A Genial Care é uma clínica multidisciplinar para crianças autistas e suas famílias, mas, além disso, é uma healthtech que valoriza os profissionais clínicos e oferece constantes treinamentos, trocas e formações para entregar resultados clínicos e intervenções de excelência.

Conclusão

Ficou claro que existem muitas informações falsas por aí quando o assunto é terapia ABA para autismo e que podem acabar confundindo pais e pessoas cuidadoras na hora de buscar intervenções de qualidade para as crianças com TEA.

Aqui, listamos alguns dos principais mitos e verdades sobre terapia ABA, mas existem muitos outros que podem surgir por falta de conhecimento no assunto.

Por isso, é fundamental que pais e pessoas cuidadoras busquem fontes de informações confiáveis e tenham uma comunicação aberta com profissionais especializados, sempre tirando dúvidas que surgirem ao longo da jornada.

Se você ainda tem dúvidas sobre ABA ou qualquer outro tipo de terapia para autismo, acesse as demais categorias do nosso blog. Todos os nossos conteúdos são focados na transmissão de informações verdadeiras e seguras para toda a família:
Conteúdos sobre ABA e as intervenções para autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso Escala M-CHAT: saiba como funciona! Déficit na percepção visual: Como a terapia ocupacional pode ajudar? 3 aplicativos que auxiliam na rotina de crianças autistas 3 Animações que possuem personagens autistas | Férias Geniais Conheça os principais tratamentos para pessoas no espectro autista Diagnóstico de autismo do meu filho. O que preciso fazer? Quais os principais sinais de que meu filho tem autismo? Diagnóstico de autismo: quais os próximos passos. Veja 5 dicas Estereotipias: o que são e quais as principais em pessoas autistas Graus de autismo: Conheça quais são e como identificá-los