Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
RUBI: imagem mostra criança erguendo as mãos e mulher com a colher no ar, prestes a por na boca dela

RUBI: conheça as sessões complementares do programa de treinamento parental

Estamos no último texto da série que criamos sobre o protocolo RUBI de treinamento parental, material que tem como objetivo principal capacitar pais e cuidadores no manejo de comportamentos desafiadores de seus filhos no espectro.

Falamos anteriormente sobre as sessões 1 a 11 e organizamos as informações da seguinte forma nos textos anteriores:

  • Sessões 1 e 2, que têm como foco introduzir os princípios comportamentais, como o modelo A-B-C de registro e análise de comportamentos e apresentar estratégias de prevenção para os comportamentos desafiadores;
  • Sessões 3 e 4, que cobrem a importância da organização de uma rotina diária e a introdução do conceito de reforço;
  • Sessões 5 e 6, que se aprofundam no conceito de reforço e no ignorar de maneira  planejada, enquanto estratégia para potencializar o desenvolvimento saudável de crianças com TEA;
  • Sessões 7 e 8, que apresentam como objetivo principal estratégias para o ensino e fortalecimento de habilidades de cooperação e de comunicação funcional;
  • Sessões 9 e 10, que têm foco em procedimentos importantes para o ensino de novas habilidades importantes para o desenvolvimento saudável da criança no espectro;
  • Sessão 11, que apresenta os conceitos de generalização e manutenção, que são estratégias necessárias para que as novas habilidades aprendidas pela criança se mantenham ao longo do tempo e em contextos variados.

Este artigo apresenta brevemente as sete sessões complementares do protocolo RUBI que abordam os seguintes temas:

  1. Economia de fichas;
  2. Problemas alimentares;
  3. Habilidades de imitação;
  4. Problemas de sono;
  5. Time out;
  6. Treino de banheiro;
  7. Manejo de crises.

Vamos lá?

RUBI sessão extra 1: Economia de fichas

Essa sessão tem como objetivo apresentar para a pessoa cuidadora o conceito por trás da economia de fichas, as implicações do seu uso, como fazer seu planejamento e aplicação em casa.

O que é economia de fichas?

A economia de fichas é uma ferramenta utilizada, em geral, com crianças mais velhas, que conseguem esperar para ter acesso ao reforçador. Dessa forma, são utilizados pontos, adesivos, estrelas, ou qualquer estímulo, que a criança recebe ao executar tarefas específicas e que ao final são trocados por algum reforçador. 

Isso facilita com que atividades reforçadoras mais potentes, porém que necessitam de planejamento – como por exemplo, uma ida a um parque que a criança goste –  possam ser usadas para promover o desenvolvimento saudável da criança. 

É importante ressaltar que o uso dessa ferramenta deve ser planejado, assim como sua eventual retirada.

 

RUBI sessão extra 2: Problemas alimentares

A segunda sessão complementar tem como foco alguns dos problemas alimentares mais comuns em crianças com TEA:

  • Seletividade;
  • Dificuldade em permanecer na mesa durante a refeição;
  • Comer rápido demais;
  • Comer mais do que o necessário para se sentir saciado.

São dadas orientações específicas para cada um desses cenários, dando à pessoa cuidadora ferramentas para manejar a dificuldade específica da criança. Dessa forma, o profissional que atua com a família deve individualizar a sessão para os objetivos específicos do caso.

Como familiares podem melhorar o momento das refeições?

O RUBI também oferece algumas dicas de como organizar a alimentação da criança de maneira efetiva:

  • Manter os mesmos horários para as refeições;
  • Limitar acesso a lanches;
  • Estabelecer a duração limite de cada refeição;
  • Transformar o momento da refeição em positivo.

 

RUBI sessão extra 3: Habilidades de imitação

Nessa etapa do treinamento parental, o objetivo é apresentar estratégias para potencializar o ensino das habilidades de imitação da criança.

Essa sessão complementar é incluída no manual porque dificuldades nessas habilidades podem atrapalhar o aproveitamento de outras intervenções apresentadas no RUBI, assim como a aprendizagem geral da criança. 

Dessa forma, essa sessão pode ser apresentada à pessoa cuidadora no início do treinamento, a depender da análise do caso.

RUBI sessão extra 4: Problemas de sono

Nessa sessão o foco central é em manejar problemas comuns em crianças no espectro na hora de dormir

Como para desenvolver as estratégias de manejo adequado do sono é necessário que o terapeuta tenha acesso ao cenário do sono da criança, essa etapa pode ser dividida em duas partes:

  • Etapa 1: Acessar dificuldades na hora de dormir (coleta de dados);
  • Etapa 2: Desenvolver estratégias adequadas de manejo das dificuldades.

Como familiares podem melhorar a hora do sono?

No manual RUBI estão descritas algumas estratégias para higiene do sono, que são mudanças que podem melhorar a qualidade do sono da criança, assim como a rotina de toda família nesse momento do dia.

Algumas dessas dicas são:

  • Ambiente: O quarto deve estar a uma temperatura amena, sem muitos barulhos ou luzes e não se deve fazer o uso de telas (celulares, televisão e etc);
  • Sentidos: Para algumas crianças, sons cotidianos podem atrapalhar o momento do sono. Logo, pode ser interessante colocar algum tipo de ruído mais agradável. Além disso, podem haver dificuldades devido à textura dos lençóis, travesseiros e até mesmo dos pijamas. Sendo assim, é importante que seja feita uma análise do quadro da criança para que essas mudanças sejam feitas;
  • Comida e bebida: É aconselhado que algumas horas antes do momento de dormir, sejam evitados alimentos e bebidas ricos em cafeína, como refrigerantes e chocolates;
  • Atividade: Logo antes de dormir é importante que sejam realizadas atividades relaxantes. Brincadeiras ou exercícios físicos devem ser evitados 30 minutos antes da hora da criança ir para a cama, assim como o uso de telas;
  • Saúde: Algumas medicações podem prejudicar o sono da criança, tanto dificultando com que ela pegue no sono, quanto que ela permaneça a noite toda dormindo. É importante checar com o médico se esse é o caso e pensar em conjunto quais alterações são possíveis.

 

RUBI sessão extra 5: Time out

Na quinta sessão complementar são oferecidas informações para o uso adequado do time out, além dos desafios de utilizar essa estratégia.

Afinal, o que é time out?

Esse termo em inglês se refere à estratégia de impedir que a criança tenha acesso a atividades reforçadoras por um tempo determinado.

Segundo o manual RUBI, o time out pode ser adequado para comportamentos mantidos por atenção, como por exemplo, retirar a criança da sala de aula, para que seu comportamento não seja mais reforçado pela atenção de seus pares. 

Importante ressaltar que essa ferramenta só será efetiva se a criança não tiver acesso aos estímulos reforçadores, durante esse período.

 

RUBI sessão extra 6: Treino de banheiro

Essa sessão é destinada a problemas relacionados ao uso do banheiro, dessa forma o terapeuta deve individualizar essa etapa a depender da dificuldade que a criança apresentar. 

Assim como na etapa focada no comportamento alimentar, esse momento do treinamento parental, deve ser dividido em dois:

  1. Destinado a coleta de dados dos comportamentos da criança no uso do banheiro;
  2. Destinado para o desenvolvimento de estratégias que a ajudem a aprender habilidades que promovam autonomia nessas tarefas da vida diária.

Alguns dos problemas que crianças com TEA podem apresentar nesse contexto são:

  • A criança não tem habilidades para o uso do banheiro: ela ainda não faz uso do banheiro, permanecendo a maior parte do tempo com fraldas.
  • A criança depende da rotina estruturada, não inicia o uso do banheiro de maneira independente: ela em geral não usa fraldas e tem poucos escapes, desde que alguém a leve regularmente ao banheiro. Caso não a levem ao banheiro, ela não pedirá para utilizá-lo ou irá sozinha até ele.
  • A criança que tem habilidades apenas para urinar ou defecar, porém não para os dois: ela tem habilidades para urinar ou defecar de maneira independente, porém não realiza os dois dessa forma.
  • A criança que apresenta rituais (no uso da fralda ou do banheiro): ela evacua somente em lugares específicos, como um canto de sua casa, segurando até que esteja nesse ambiente.
  • A criança que se recusa a sentar na privada: algumas crianças se recusam a sentar na privada e não conseguem desenvolver as habilidades necessárias para autonomia dessa atividade. Ao serem colocadas no banheiro, podem desenvolver crises.
  • A criança que urina na cama: ela utiliza corretamente o banheiro durante o dia, porém durante a noite não consegue segurar.

Para adereçar essas dificuldades o RUBI apresenta dicas de como iniciar o ensino dessas habilidades, como por exemplo, aumentar a ingestão de líquidos durante a fase inicial, para que aumente a probabilidade da criança precisar urinar ao ser levada ao banheiro.

 

RUBI sessão extra 7: Manejo de crises

A última sessão complementar tem como objetivo capacitar a pessoa cuidadora a manejar crises, desde comportamentos desafiadores que podem incluir comportamentos perigosos, que colocam a integridade da criança em risco, até problemas no sistema familiar. 

Para tal, o manual oferece duas opções de como essa etapa pode ser guiada pelo terapeuta:

  • Opção 1: A criança apresenta comportamentos desafiadores e perigosos para sua integridade.
  • Opção 2: O profissional percebe que há problemas no sistema familiar que impedem a continuidade do treinamento parental e que portanto precisam ser endereçados. Como por exemplo: problemas conjugais ou possibilidade de abuso. 

Se você ficou interessado em saber mais sobre como o RUBI funciona, fique de olho no nosso blog e leia os conteúdos já produzidos sobre este treinamento parental!

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul