Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Mulher pesquisando mitos sobre autismo na internet. Ela está com a mão esquerdo no queixo e se mostra focada na leitura.

11 grandes mitos sobre autismo

Quantos mitos sobre autismo você já ouviu na sua vida? Entre os mais conhecidos, temos o fato de as vacinas causarem autismo, que pessoas autistas são super dotadas, que não podem aprender ou que são emocionalmente distantes.

Mesmo com cada vez mais informação sobre o TEA (Transtorno do Espectro do Autismo), ainda hoje existem muitos estereótipos sobre a pessoa com autismo, que vão desde a forma do diagnóstico até mesmo as características que alguém pode ou não ter.

Por isso, separamos os 11 maiores mitos sobre autismo que as pessoas precisam saber, independente se tem uma ligação mais próxima ao transtorno ou não. Só assim conseguiremos aumentar as informações verdadeiras sobre TEA e acabar com fake news. Leia e compartilhe com alguém que também precisa dessa informação!

Os 11 mitos sobre autismo mais conhecidos

Como os sinais do TEA podem aparecer de forma diferente para cada pessoa, podem surgir dúvidas e questões sobre possíveis mitos do autismo, sobre essas diferenças em cada pessoa no espectro. Dessa forma, é preciso expor essas informações falsas e sanar as dúvidas que surgem a partir disso.

Esses mitos ligados ao autismo podem atrapalhar a divulgação de informações verdadeiras e criar dúvidas e visões erradas sobre as pessoas no espectro. Assim, é fundamental existirem espaços com dados verdadeiros e conteúdos com embasamento científico ou de profissionais específicos sobre o tema.

Vamos conhecer os mitos e saber quais são as informações verdadeiras por trás de cada um!

1 – Alguma vacina é causadora do autismo em crianças

Essa informação é completamente falsa. Não existe nenhuma comprovação científica que ligue o transtorno autista com vacinas utilizadas para imunização de crianças. Por isso não, vacinas não causam autismo!

Mesmo que toda essa história tenha sido esclarecida, ainda hoje é comum ver pais e pessoas cuidadoras com o receio de vacinar as crianças achando que isso pode causar autismo.

Inclusive, apesar de muitos estudos sobre o tema, ainda não temos nada que comprove exatamente sobre as causas do autismo. O que existem são estudos ligados à genética e fatores ambientais, principais fatores de risco quando falamos do transtorno.

Precisamos lembrar que: as vacinas, por outro lado, além de não causarem autismo, são essenciais para garantir a segurança e saúde de crianças em todo mundo.

2 – A falta de carinho e amor dos pais causa o autismo

Não existe nenhuma evidência que a falta de afeto seja uma possível causadora de autismo. Esse mito sobre autismo surgiu com a Teoria da Mãe-Geladeira, que afirmava que a falta de amor e carinho maternal é a causa do transtorno.

Isso foi algo ligado a uma afirmação do médico Leo Kanner que chamou a atenção ao dizer que “pessoas autistas teriam sido filhas de mães emocionalmente distantes”. Posteriormente, Kanner disse ter sido mal compreendido e tentou se retratar em seu livro Em Defesa das Mães.

Vale salientar que os pais não têm culpa nenhuma sobre o autismo em seus filhos, e o autismo não tem nada a ver com a falta de amor. Não existe nenhuma ligação com o emocional dos pais como resultado do diagnóstico de seus filhos.

3 – Traumas psicológicos causam autismo

As causas do autismo ainda não foram totalmente esclarecidas, mas muitos estudos e pesquisas apontam que a genética tem um papel fundamental no desenvolvimento do TEA, assim como variáveis ambientais também podem se tornar fatores de risco para o diagnóstico.

Por isso, não é possível afirmar que qualquer tipo de trauma psicológico é responsável pelo diagnóstico de autismo de uma criança. Infelizmente ainda é muito comum ouvir algumas pessoas associarem o transtorno a um castigo ou trauma, o que é totalmente falso!

4 – Deve-se permitir que crianças com sinais precoces de autismo cresçam sem intervenção até que o diagnóstico seja concluído

Sabemos que a intervenção precoce nos primeiros anos de vida tem impacto significativo sobre o funcionamento e desenvolvimento das crianças, sendo ela autista ou não.

Por isso, antes mesmo de obter um diagnóstico de autismo, é importante que a família procure maneiras de incluir na rotina intervenções focadas no desenvolvimento da criança e comece o mais rápido possível.

5 – Autistas vivem em seu próprio mundo

Apesar do transtorno desenvolver dificuldades na socialização, é perfeitamente possível que o autista viva com interação social. Existem graus específicos de autismo, e todos exigem tratamento.

Afinal, os autistas vivem no mesmo mundo que todos nós, apenas a forma de se desenvolver é diferente, pois pessoas com TEA precisam de acompanhamento de profissionais especializados. Aliás, nenhuma pessoa se desenvolve como a outra: somos todos diferentes.

6 – Pessoas autistas são incapazes de amar e ter empatia

Embora uma das características mais marcantes do autismo seja a dificuldade na interação social, muitas pessoas diagnosticadas com TEA desenvolvem relações e preocupação com os sentimentos dos outros.

É muito comum que a pessoa sinta e experimente emoções, porém, apresenta dificuldade de nomear, expressar e demonstrá-las. Cada pessoa tem sua maneira de se expressar e trazer sentimentos, isso não quer dizer que alguém é mais ou menos capaz em algo do que o outro.

Autista podem precisar de um suporte maior para demonstrar seus sentimentos, mas isso não os torna menos humanos. Muito pelo contrário, pessoas autistas também precisam aprender a lidar com suas emoções e entender como expressá-las.

7 – Autistas não se desenvolvem intelectualmente, ou seja, não aprendem

O autista possui formas diferentes de aprendizado, todos são capazes de aprender e se desenvolver dentro do seu contexto apropriado.

Encontramos grandes profissionais autistas no mundo desempenhando trabalhos fantásticos, como, por exemplo, a ativista e escritora Temple Grandin.

Com o apoio adequado, intervenções corretas, estratégias personalizadas e compreensão por parte dos educadores, crianças e jovens no espectro alcançam excelentes desempenhos acadêmicos.

8 – Não existe tratamento adequado para o TEA

Na lista de mitos sobre autismo também temos que não existem tratamentos ou estratégias para o desenvolvimento de pessoas com TEA, o que é mentira!

As terapias mais indicadas de tratamento para autismo são aquelas cujas práticas são baseadas em evidências científicas. Isso significa que os pesquisadores forneceram um nível aceitável de pesquisa que mostra que a prática produz resultados positivos para crianças, jovens e ou adultos com TEA.

Existem métodos de intervenção realizados por uma equipe multiprofissional sendo: psicólogos, fonoaudiólogos, médicos e terapeutas ocupacionais. Tudo sempre de acordo com as necessidades individuais e as oportunidades de aprendizagem.

O autismo não é uma doença, por isso não existe cura, mas existem, sim, estratégias baseadas em evidências que auxiliam a pessoa a ter muito mais qualidade de vida.

Lembre-se: a utilização de medicamentos só é prescrita quando existe alguma comorbidade, ou seja, algum outro transtorno associado, e/ou sintomas mais graves que tragam prejuízos a pessoa.

9 – Autista tem que estudar e trabalhar em locais especializados

Autistas podem frequentar espaços regulares. Por exemplo, jovens são capacitados a cursar universidades e adultos a trabalhar no mercado comum.

É possível, no entanto, que uma pessoa diagnosticada com autismo seja incluída em cotas nas universidades, ou trabalhe via PCD (pessoas com deficiência) nas empresas.

Mas não existe nenhum espaço que é destinado apenas para pessoas típicas ou atípicas, isso só reforçaria a ideia de que a neurodivergência precisa estar separada do resto da sociedade.

10 – Autistas são super dotados

Pessoas com autismo muitas vezes apresentam interesses específicos – que chamamos de hiperfoco, o que contribui para a impressão de super inteligência.

Porém, suas capacidades podem ser muito variadas e não são considerados como super dotados. Dizer e esperar que todos os autistas sejam superdotados ou muito inteligentes é reforçar um estereótipo comum no imaginário.

Embora alguns possuam habilidades excepcionais em determinados assuntos, a gama de talentos no espectro é vasta e diversificada. Reconhecer e apoiar os interesses individuais é mais importante do que categorizar todos os autistas sob uma única perspectiva.

11 – Todas as pessoas autistas são iguais

Um dos mitos sobre autismo bastante difundidos é de que “autismo tem cara” ou todos os autistas são iguais. Falar que autismo tem cara e tentar definir uma “aspecto padronizado” para o TEA é redutor e pode levar a estereótipos prejudiciais, já que o espectro autista abrange uma infinidade de indivíduos com experiências e características distintas.

Cada pessoa é única, seja ela típica ou atípica. A diversidade faz parte da condição humana, somos todos diferentes em determinados aspectos, e isso não é diferente no TEA.

São múltiplas as expressões no espectro que vão além do que os estereótipos podem capturar, abrangendo variações significativas em termos de habilidades sociais, comunicação e interesses.

A importância de acabarmos com os mitos sobre autismo

Esses mitos sobre autismo são uma forma de disseminar desinformação, medo e dúvidas em famílias, pessoas cuidadoras e na sociedade. Quando falamos algo desse tipo, estamos reforçando estereótipos sobre o autismo, além de alimentar o preconceito existente contra PCDs.

É importante criarmos espaços de diálogo e conscientização sobre o TEA, para que cada vez mais pessoas se sintam incluídas e possam compartilhar suas experiências, aumentando o contato de outros com o tema.

Dessa forma, conseguimos mostrar que o autismo, ao contrário do que muitas pessoas pensam, não é algo ruim, apenas diferente do imaginado, e que apesar das barreiras e desafios, as oportunidades de aprendizado é um fator fundamental para que crianças no espectro possam se tornar pessoas realizadas e independentes.

Conclusão

Desmistificar os mitos sobre autismo é uma jornada essencial para promover uma compreensão mais profunda e empática do transtorno, e diminuir as fake news espalhadas por aí.

Pais, profissionais de saúde e a sociedade em geral podem, e devem, desempenhar um papel vital ao educar-se sobre o autismo, celebrar a diversidade no espectro e trabalhar juntos para criar ambientes inclusivos e de apoio.

O conhecimento é a chave para quebrar estereótipos e construir uma sociedade mais inclusiva para todos.

Lembre-se que conhecer a fundo uma pessoa diagnosticada com autismo pode trazer um aprendizado especial em nossas vidas. Pessoas autistas precisam e merecem ser acolhidas, cuidadas e estimuladas.

Compartilhe essas informações para desconstruirmos esses e tabus do autismo

Gostou do conteúdo? Aproveite e veja 7 curiosidades sobre o espectro autista:

7 curiosidades sobre o espectro Autista

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi