Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
estresse parental: criança é segurada nas mãos pelos pais enquanto caminham

Estresse parental e o desenvolvimento da criança autista

Tanto a paternidade quanto a maternidade são tarefas desafiadoras por si só, mas quando você tem uma criança com autismo, os desafios podem ser ainda maiores. 

O estresse parental é uma realidade com a qual muitos pais de crianças autistas lidam diariamente. Ele tem sido estudado há anos pela ciência e foi definido, em 1998, por Kirby Deater-Deckard, como qualquer experiência de desconforto ou sofrimento que resulta das demandas características da parentalidade. 

Essa definição foi publicada no artigo do autor “Parenting stress and child adjustment: somes old hypotheses and new questions” onde ele aborda as dificuldades e desafios dessa jornada, e detalhes do estresse parental.

Neste artigo, falamos sobre alguns dos motivos, quais os impactos dos níveis de estresse parental no desenvolvimento de crianças autistas e compartilharemos dicas valiosas para ajudar os pais a enfrentar essa jornada de forma mais saudável. Acompanhe!

O que é Estresse Parental?

O estresse parental é uma reação natural ao enfrentar as demandas e as incertezas de criar uma criança, seja ela típica ou atípica.

Essa experiência é presente na vida de todos os pais, independentemente das suas características pessoais, das habilidades da criança, de fatores sociais ou demográficos. 

É claro que esses fatores modulam a intensidade da experiência, porém independentemente deles, haverá algum nível de estresse atribuído ao papel de ser pai ou mãe.

Quando falamos de famílias atípicas, as preocupações com o desenvolvimento da criança, as terapias necessárias, as mudanças na rotina familiar e as dificuldades diárias podem contribuir para o estresse parental. 

Como o estresse afeta nosso dia a dia

O estresse cotidiano impacta a qualidade de vida de todos nós. Seus efeitos característicos são diversos, mas podem incluir:

  • Cansaço
  • Fadiga
  • Depressão
  • Alterações neurais e hormonais, que podem aumentar o risco de algumas patologias, como doenças cardíacas.

Existem muitas causas para o acúmulo de estresse. Dentre elas, ele pode ser o resultado de alguma situação de emergência, como um acidente traumático ou situações da vida cotidiana, como ambiente de trabalho insalubre, trânsito, responsabilidades financeiras ou familiares. 

Quando relacionamos estresse com a parentalidade, especialmente de crianças com diagnóstico de autismo, estamos nos referindo ao estresse crônico. Esse tipo de estresse é presente de maneira contínua e com magnitude média.

Estresse parental de pais de crianças com autismo

Há alguns anos a ciência tem estudado o estresse parental. Desde a década de 1990, pesquisadores têm levantado dados que apontam que o nível de estresse de pais de crianças com deficiência é mais elevado do que pais de crianças sem deficiência.

Quando falamos de pais de pessoas autistas, as pesquisas demonstram que os níveis de estresse são ainda maiores e podem impactar nos resultados da intervenção com a criança.

Um estudo realizado em 2008, intitulado Parenting Stress Reduces the Effectiveness of Early Teaching Interventions for Autistic Spectrum Disorders, indica que o estresse parental pode ser um dos fatores que  interferem na efetividade da intervenção precoce.

Como o estudo foi feito

Ao todo, o estudo contou com 65 participantes, pais de crianças autistas que tinham entre 2 e 4 anos. Todas elas estavam no processo de início das intervenções precoces para o TEA.

Para avaliar as hipóteses, os pesquisadores aplicaram escalas para qualificar:

  • O repertório comportamental das crianças
  • Os níveis de estresse dos pais

Estas escalas foram aplicadas durante dois momentos: no início e, após 10 meses, no final da pesquisa. Isso foi feito para que os pesquisadores pudessem avaliar e comparar as pontuações obtidas em cada momento e assim investigar se houve relação entre o nível de estresse dos pais e o repertório da criança.

A seguir, abordamos os principais resultados divulgados pelos pesquisadores sobre o estresse parental.

Resultados

Os resultados obtidos no estudo demonstraram que as intervenções feitas com crianças filhas de pais com níveis elevados de estresse foram menos efetivas. Especialmente quando a criança foi submetida a intervenções consideradas intensivas (mais de 15h semanais).

Esses dados são compatíveis com os encontrados em outros estudos. Além disso, outros pesquisadores descreveram resultados que relacionam a melhora de comportamentos da criança como consequência da redução dos níveis de estresse dos pais.

Tudo isso demonstra a importância do bem-estar dos cuidadores das pessoas autistas quando falamos sobre o estresse parental. De fato, os pesquisadores do estudo citado concluíram que é importante medir e acompanhar os níveis de estresse dos pais, como parte da intervenção com a criança.

Motivos para o estresse parental em pais de autistas

Ao longo do tempo, a ciência tem demonstrado que o estresse parental impacta diretamente no desenvolvimento da criança. 

Porém, ainda é necessário entender quais os motivos que levam pais de pessoas autistas a apresentarem níveis de estresse tão superiores quando comparados a pais de crianças com desenvolvimento típico e de crianças com outras deficiências.

Dentre os motivos que justificam esses níveis elevados estão:

  • A sobrecarga de tarefas e responsabilidades. Vale lembrar que, em geral, as mães se tornam as principais cuidadoras dos filhos com autismo.
  • Cuidadores de pessoas autistas reportam passar ao menos duas horas a mais por dia em atividades de cuidado dos filhos, se comparados com cuidadores de crianças sem deficiência.
  • Cuidadores de crianças autistas têm duas vezes mais chances de relatarem cansaço e três vezes mais chances de passarem por um evento estressante.
  • Alguns estudos apontam que o estresse parental de pais de crianças autistas está relacionado com as dificuldades sociais, comportamentos repetitivos e restritivos, característicos do TEA.

Além disso, outros estudos abordam o cansaço e a sobrecarga de familiares, especialmente as mães, de crianças no TEA. 

Um deles foi publicado no Journal of Autism and Developmental Disorders e afirma que os níveis de cansaço e exaustão de mães de crianças autistas são semelhantes aos apresentados por soldados.

Tendo isso em vista, é preciso encontrar maneiras de ajudar esses cuidadores a lidar e diminuir o nível de estresse parental em suas rotinas. 

O impacto do estresse parental no desenvolvimento da criança autista 

O estresse parental pode afetar o desenvolvimento da criança autista de várias maneiras:

  • Modelagem de comportamento: Pais sob estresse podem não ter a capacidade de modelar comportamentos sociais e emocionais saudáveis para seus filhos. Isso pode dificultar o aprendizado de habilidades importantes de comunicação e interação social;
  • Disponibilidade emocional: Quando os pais estão sobrecarregados pelo estresse, podem ter dificuldade em estar emocionalmente disponíveis para seus filhos. O apoio emocional é crucial para o desenvolvimento das crianças autistas;
  • Efeitos na saúde mental: O estresse constante pode levar a problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão, o que pode impactar ainda mais a capacidade dos pais de cuidar de seus filhos de maneira eficaz.

Dicas para lidar com o estresse parental no dia a dia

Antes de mais nada, é importante lembrar que ainda que os níveis de estresse parental sejam mais altos em cuidadores de crianças no espectro, pais de crianças sem deficiência também apresentam níveis de estresse relacionados à parentalidade.

Além disso, as chances de pais de crianças autistas terem experiências positivas com seus filhos é semelhante a de pais de crianças com desenvolvimento típico.

Dessa forma, vamos destacar a seguir algumas estratégias para manejo do estresse parental que podem ajudar na manutenção da saúde de todas as famílias:

Busque apoio

Não hesite em buscar apoio de amigos, familiares ou grupos de apoio. Compartilhar suas preocupações com outras pessoas que entendam o que você está passando pode aliviar o fardo emocional.

Relações sociais próximas e íntimas são importantes para que você receba ajuda quando precisar e para descontrair, se divertir e relaxar.

Pratique o autocuidado

Reserve um tempo para si mesmo(a). O autocuidado é essencial para lidar com o estresse parental. Isso pode incluir meditação, exercícios, hobbies ou simplesmente tirar um tempo para relaxar.

Existem dados científicos que apontam que a compaixão consigo mesmo pode ser uma habilidade importante para manutenção da qualidade de vida de pais de crianças no espectro.

Estabeleça uma rotina

Tente manter uma rotina estável para você e seu filho. Previsibilidade pode reduzir o estresse para ambos.

Procure ajuda profissional

Se o estresse parental estiver se tornando avassalador, não hesite em procurar ajuda de um profissional de saúde mental. Terapia pode ser uma ferramenta valiosa para aprender a lidar com o estresse.

Mantenha hábitos saudáveis

Manter hábitos de higiene do sono, como diminuir uso de telas próximo da hora de dormir, para garantir que o sono seja restaurador.

Além disso, ter uma alimentação equilibrada, variada, pouco industrializada e sem restrição de nenhum grupo alimentar para garantir que todos os nutrientes necessários estão sendo consumidos.

Foque no presente 

Pratique a respiração diafragmática. Essa técnica pode ajudar no manejo da ansiedade de preocupação. Além disso, use o relaxamento muscular progressivo como forma de relaxar seus pensamentos e corpo durante possíveis crises de estresse parental.

Mantenha como hábito o treino da habilidade de manter-se no momento presente, para diminuir ruminação de preocupações e pensamento agitado. A prática pode ser realizada utilizando aplicativos com exercícios guiados, praticando yoga ou outras atividades que ensinem o foco intencional da atenção no momento (e não nos pensamentos/preocupações).

Nas palavras de Stephanie Hayes e Shelley Watson: 

“É importante lembrar que há muito mais na história das famílias de crianças autistas do que o estresse parental e é nossa responsabilidade como pesquisadores identificar fatores que facilitam o funcionamento familiar e fomente esperança para o futuro”.

Conclusão

O estresse parental é uma parte desafiadora da jornada de criar uma criança autista, mas é importante lembrar que você não está sozinho nisso. 

Encontrar maneiras de gerenciar o estresse é fundamental para o bem-estar da família e o desenvolvimento da criança. 

Lembre-se de que o autocuidado não é egoísta, é uma maneira de garantir que você esteja no seu melhor para apoiar seu filho com autismo em sua jornada única de crescimento e aprendizado.

Lidar com o estresse parental pode ser um processo difícil, mas com apoio e cuidado, você pode proporcionar um ambiente amoroso e saudável para o seu filho autista prosperar.

Por esses motivos, cuidar da saúde mental e qualidade de vida de todo núcleo familiar é essencial para o bem-estar tanto dos pais e familiares, como para o desenvolvimento da criança no espectro.

A orientação parental pode ser uma ferramenta poderosa nesse sentido. Clique no botão e saiba como a Genial Care realiza este processo com pais e pessoas cuidadoras, dando suporte e apoio para eles nessa jornada:

Qual o papel da Genial Care na orientação parental?

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul