Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
mães sobrecarregadas autismo

Você está com sobrecarga? Veja sinais de esgotamento e falta de tempo

Se você cuida de uma criança com diagnóstico ou suspeita de autismo, é bem provável que já tenha se sentido sobrecarga em algum momento. Os desafios de lidar com comportamentos e entender as nuances e diferentes percepções de uma pessoa no Transtorno do Espectro do Autismo são inúmeros, por isso é comum que famílias – especialmente as mães, que representam 86% dos cuidadores principais segundo o estudo Genial Care – acabam tendo menos tempo para si mesmos e se esquecem da importância do autocuidado.

“Parece que você não vai dar conta de fazer nada da lista enorme de coisas que você tem pra fazer, é um sentimento de incompetência, é um sentimento de ingerência, é uma coisa muito, muito ruim mesmo, sabe? É um sentimento muito ruim”, define a jornalista e fundadora do Instituto Lagarta Vira Pupa, Andréa Werner.

Mãe do Theo, de 12 anos, Andréa é ativista na causa do autismo e já ajudou inúmeras famílias por meio de seus relatos pessoais e projetos que envolvem maior conscientização. Para ela, é difícil até trazer à mente a primeira sensação de sobrecarga.

“O sentimento que eu tenho é que isso é uma constante na minha vida, sendo muito honesta. E eu não sei se isso é comum a todas as mães e principalmente a todas as mães de crianças e ou adolescentes autistas, mas a sensação que eu tenho quando eu fico sobrecarregada é exatamente o que eu tô sentindo nesse momento é que eu tenho tantas coisas pra fazer juntas que a vontade é jogar tudo pra cima e não fazer nada. É um sentimento muito desesperador”.

Assim como ela, muitas famílias vivem essa constante sensação de sobrecarga. No mesmo estudo da Genial Care, 48% dos respondentes determinaram “falta de tempo para si mesmo e para se cuidar” como a terceira principal necessidade em que mais precisam de ajuda. Te ajudamos agora a entender mais sobre esse sentimento e como ele prejudica o desenvolvimento da criança e impacta o bem-estar de toda família agora.

Coloque a máscara primeiro em você 

Sempre que fala sobre a importância do próprio bem-estar e o impacto dele em toda família, nossa líder clínica Ashley Curcio usa a analogia do avião: quando estamos prestes a decolar em uma viagem, a equipe de comissários dá avisos importantes sobre como devemos agir em emergências. A primeira delas é justamente que se algo acontecer, o cuidador deve colocar a máscara de oxigênio primeiro em si mesmo para, depois, ajudar a criança ou outra pessoa.

Essa analogia não só é perfeita como explica de forma simples algo que muitas famílias se esquecem: que o autocuidado é tão importante quanto o cuidado com o outro. Se você não se sente bem, a criança também e a dinâmica familiar como um todo será impactada. Pode parecer até frase de efeito, mas é cientificamente comprovado.

Quando falamos de autismo, a regulação emocional ainda carrega outro fator: cuidar das emoções pode contribuir com a saúde do núcleo familiar como um todo e com o aprendizado do autista. Isso acontece porque se torna possível observar comportamentos e pensar quais estratégias e intervenções podem ser realizadas diante de uma situação desafiadora com a sua criança para que ela também aprenda como se expressar positivamente diante daquela questão. Lembre-se da pirâmide de Maslow:

piramide con informações sobre Maslow

Quando a mãe se sente culpada

Muitas vezes, a sobrecarga é também um reflexo da culpa e incapacidade que as mães sentem em se cobrar para fazer o melhor por seus filhos. Se isso também acontece com você, voltamos a reforçar: você não está sozinha! 

Andréa relata que, para ela, a culpa vinha acompanhada de remorso por ter tomado tal atitude ou não ter feito tal coisa no passado.

“Se eu pudesse voltar lá atrás no diagnóstico do Théo, eu faria muitas coisas diferentes, porque hoje em dia, o nível de conhecimento que eu tenho é bem diferente. Então, tem algumas terapias que ele fez, que eu não faria mais. Só que na época, eu fiz o melhor que eu podia com as informações que eu tinha. E é isso que eu aprendi muito com a terapeuta, a botar na minha cabeça e ficar repetindo como um mantra. E é assim hoje em dia também. Hoje em dia, eu faço o que eu consigo fazer com as ferramentas que eu tenho, com as informações que eu tenho. Então, é com esse tipo de coisa que eu tento lidar não só com sobrecarga, mas também com a questão do sentimento de culpa, lembrando sempre que eu tenho que tentar ser a melhor mãe que eu consigo ser”.

Ela ainda reforça a importância não só de olhar para a criança e quais terapias ela precisa para se desenvolver, mas, também, procurar ajuda profissional para si mesma. Desde o diagnóstico de Theo, ela faz terapia, embora tenha parado por alguns períodos, segue fazendo um acompanhamento.

“Eu acho que toda mãe lida com o sentimento de culpa, sobrecarga e de incapacidade. Constantes, assim, isso é uma coisa que toda mãe lida, mas eu acho que na maternidade atípica, isso vem dobrado, triplicado, porque parece que além de todas as culpas que a maternidade joga em cima da gente, na maternidade atípica, jogam também em cima da gente a culpa pelo tanto de habilidades que ele adquire ou não. Então, se ele não aprendeu a falar, é porque você, mãe, não se esforçou o suficiente, não estimulou o suficiente, não achou as terapias certas pra ele. Ou não colocou ele na dieta, ou não fez a terapia tal. Isso tudo vem em cima da gente, né? Então, é essencial a gente fazer terapia pra entender”.

O que você pode fazer? 

Controlar as próprias emoções é um dos primeiros passos em sua busca pelo bem-estar e evitar a sobrecarga. Afinal, a regulação emocional é a habilidade que um indivíduo tem de gerenciar seus próprios sentimentos, pensamentos e comportamentos. Descobrir estratégias e atividades que contribuam com a regulação das nossas emoções é essencial para o nosso dia a dia, para a saúde das nossas relações e principalmente para nós mesmos.

Cada pessoa é e age de uma forma diferente. Por isso, não existem regras padronizadas para cada uma, mas compartilhar experiências e desafios é um bom começo. Para Andréa, o que tem funcionado é o seguinte:

“Eu tento fazer listas assim e priorizar coisas e tentar ir me livrando principalmente do que é mais difícil de fazer, ou do que é mais chato de fazer, porque eu tenho a tendência de ir empurrando as coisas que são mais difíceis ou mais chatas. Isso é uma tática e tem muito a ver com o fato de eu ter Transtorno de Déficit de Atenção (TDA) também. E eu tento sempre ficar repetindo na minha cabeça que eu não sou infalível, eu não sou perfeita e que isso não existe, isso não existe, e que ninguém dá conta de tudo, quem fala que dá conta de tudo está mentindo, né?”

“Todas as mulheres, mães, estão sobrecarregadas, principalmente nesse cenário de pandemia e eu não sou diferente de ninguém. É isso, é tentar tirar essa esse sentimento de que eu tenho que ser a diferentona supermulher, porque ninguém é. Isso não existe”, pontua.

Lembrete: conhecemos o desafio de educar uma criança com autismo. Criamos instrumentos e guiamos a família nessa jornada, por meio de capacitação parental com módulos de educação que variam de acordo com o nível de transtorno, mensuração de resultados e precisão clínica, com evidências científicas e tratamentos focados em cada indivíduo.

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul