Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Pai segurando filho no colo. A criança está com as mãos na face em sinal de tristeza.

Como sei que a minha criança atípica está triste?

A criação de uma criança atípica, ou neuroatípica, é uma jornada singular, especialmente quando se trata de compreender e lidar com suas emoções. 

Crianças com autismo, por exemplo, frequentemente experimentam e expressam emoções de maneira diferente das crianças neurotípicas, o que pode tornar a identificação de seus sentimentos uma tarefa complexa. 

Entre essas emoções, a tristeza é uma das mais comuns, mas como saber se uma criança com autismo está triste? 

Neste artigo, vamos explorar mais a fundo algumas dicas e estratégias que podem ajudar pais e pessoas cuidadoras a reconhecerem a tristeza em crianças atípicas, bem como discutir a importância de apoiar suas necessidades emocionais.

Atípico, neuroatípico, típico e neurotípico: quais são as diferenças?

Esses termos são usados para ajudar a distinguir entre diferentes perfis e necessidades das pessoas, especialmente no contexto de discussões sobre saúde mental, educação e inclusão. 

É importante lembrar que cada pessoa é única e que essas categorias podem ser usadas como ferramentas para entender e respeitar as diferenças individuais.

  • Atípico: usado para descrever algo que é diferente ou incomum em relação ao padrão geral. 
  • Típico: usado para descrever algo que é considerado dentro do padrão geral ou comum. 
  • Neuroatípico: usado para descrever pessoas cujo funcionamento neurológico é diferente do que é considerado típico. Isso pode incluir pessoas com condições como Transtorno do Espectro Autista (TEA), TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) e outras condições neurológicas.
  • Neurotípico: usado para descrever pessoas cujo funcionamento neurológico é considerado dentro do padrão geral ou comum. Isso inclui a maioria das pessoas que não têm condições neurológicas diagnosticadas.

Identificando a tristeza em uma criança atípica

É importante destacar que nem sempre é possível saber com certeza se alguém está triste apenas olhando para a criança atípica. A tristeza é uma emoção interna e subjetiva, que pode não ser visível externamente em todos os casos.

No entanto, é possível observar e identificar os sinais de tristeza em alguém por meio de diferentes indicadores emocionais e comportamentais.

Quando uma criança atípica está triste, ela pode apresentar sinais como:

  • Expressão facial triste;
  • Choro;
  • Isolamento social;
  • Falta de interesse ou prazer em atividades;
  • Alterações no apetite e no sono;
  • Falta de energia e motivação;
  • Entre outros. 

Esses sinais podem ser observados pelos cuidadores, familiares ou amigos próximos, e podem indicar que a pessoa está passando por um período de tristeza ou dificuldade emocional.

É importante ressaltar que cada criança atípica pode expressar e manifestar sua tristeza de maneira única. Alguns podem mostrar sinais mais evidentes, enquanto outros podem tentar esconder ou disfarçar sua tristeza. Portanto, é muito importante estar atento a esses sinais e levar em consideração o contexto e a personalidade dela.

Ao observar os sinais de tristeza em alguém, é essencial oferecer apoio e compreensão. A empatia e a escuta ativa são fundamentais para permitir que a pessoa se sinta confortável em compartilhar suas emoções e buscar o suporte necessário. 

Além disso, encorajar a expressão emocional e oferecer um ambiente seguro e acolhedor pode facilitar o processo de lidar com a tristeza e promover o bem-estar emocional.

É importante lembrar que, embora os sinais possam indicar a presença de tristeza, apenas a pessoa que está experimentando essa emoção pode relatar sua experiência interna com precisão. Respeitar a individualidade de cada pessoa e estar disponível para ouvir e apoiar quando necessário, é fundamental!

Como ajudar a criança atípica em um momento de tristeza?

O apoio emocional e o cuidado contínuo são fundamentais para ajudar a criança atípica a lidar com sua tristeza. As pessoas cuidadoras devem estar disponíveis para ouvir, oferecer conselhos e incentivar em sua jornada emocional. Isso pode envolver o envolvimento de profissionais de saúde mental, como psicólogos ou terapeutas, para fornecer suporte adicional quando necessário.

Incentivar a expressão emocional

É essencial que as pessoas cuidadoras criem um ambiente seguro e acolhedor para a criança atípica. Isso envolve demonstrar amor e compreensão, oferecer apoio emocional e estar presente para ela. Ela precisa sentir que tem um espaço seguro onde pode expressar seus sentimentos e ser compreendida.

Buscar informações e recursos

As pessoas cuidadoras devem incentivar a criança atípica a expressar suas emoções, incluindo a tristeza. Permitir que ela compartilhe seus sentimentos e ouvir atentamente suas preocupações é fundamental para ajudá-la a processar suas emoções de maneira saudável. Isso pode ser feito por meio de conversas abertas, atividades artísticas ou até mesmo por meio de diários emocionais.

Adaptar as estratégias de apoio

É importante que as pessoas cuidadoras busquem informações e recursos para entender melhor as necessidades e desafios da criança atípica. Isso pode envolver a pesquisa sobre o transtorno da criança, participação em grupos de apoio ou redes de suporte. Quanto mais conhecimento e compreensão as pessoas cuidadoras tiverem, melhor equipadas estarão para ajudá-la a lidar com sua tristeza.

Oferecer suporte contínuo

Cada criança atípica é única, e as estratégias de apoio devem ser adaptadas às necessidades individuais. As pessoas cuidadoras devem estar dispostas a aprender e ajustar suas abordagens de suporte, levando em consideração suas preferências e necessidades específicas. Isso pode envolver a tentativa de diferentes técnicas de relaxamento, atividades terapêuticas ou o uso de recursos visuais ou sensoriais.

Criar um ambiente seguro e acolhedor

É importante que a criança se sinta segura o suficiente para expressar seus sentimentos e ser compreendida, por isso, criar um ambiente seguro e acolhedor para ela envolve demonstrar amor e compreensão, oferecer apoio emocional e estar presente para ouvir e confortar.

Além disso, é importante estabelecer rotinas consistentes e previsíveis para a criança atípica, fornecendo um senso de estabilidade e segurança. Isso pode envolver a criação de um espaço tranquilo e acolhedor em casa, onde ela possa se sentir confortável e relaxada. As pessoas cuidadoras também devem estar atentas às necessidades individuais da criança, respeitando suas preferências e limitações.

Por que precisamos observar as emoções de crianças atípicas?

Como falamos acima, é extremamente importante que fiquemos atentos às emoções das crianças atípicas, pois isso desempenha um papel fundamental em seu bem-estar emocional e desenvolvimento saudável. 

Identificação de sinais de sofrimento

Observar as emoções das crianças atípicas nos permite identificar sinais de sofrimento emocional ou mental. Muitas vezes, elas podem ter dificuldade em expressar seus sentimentos ou comunicar suas necessidades. 

Ao ficarmos atentos às suas emoções, podemos identificar possíveis problemas precocemente e intervir para garantir que recebam o apoio necessário. Isso pode envolver o envolvimento de profissionais de saúde mental, como psicólogos ou terapeutas, para fornecer orientação e tratamento adequados.

Fortalecimento do vínculo

Demonstrar interesse genuíno e preocupação pelas emoções das crianças atípicas é uma forma poderosa de fortalecer o vínculo entre elas e as pessoas cuidadoras. Ao mostrar que nos importamos com suas emoções, estamos criando um ambiente de confiança e segurança. Isso permite que ela se sinta confortável em compartilhar seus sentimentos e buscar apoio quando necessário. 

Desenvolvimento emocional

Ao nos mantermos atentos às emoções, podemos ajudá-las a desenvolver habilidades emocionais saudáveis. Isso inclui ajudá-las a identificar e nomear suas emoções, expressá-las de maneira apropriada e desenvolver estratégias de enfrentamento eficazes.

Prevenção de problemas de saúde mental

As crianças atípicas podem estar em maior risco de desenvolver problemas de saúde mental, como ansiedade ou depressão. Ao ficarmos atentos às suas emoções, podemos identificar possíveis desafios emocionais precocemente e intervir para prevenir ou minimizar o impacto desses problemas. 

Isso pode envolver a busca de apoio adicional, como terapia ou aconselhamento, para ajudá-la a lidar com suas emoções e desenvolver “habilidades de enfrentamento” saudáveis.

No geral, observar as emoções das crianças atípicas é fundamental para garantir seu bem-estar emocional, fortalecer o vínculo e promover um desenvolvimento saudável. 

Ao oferecer apoio emocional adequado e estar atento às suas necessidades emocionais, podemos ajudá-las a enfrentar os desafios emocionais que possam surgir e capacitá-las a se tornarem adultos saudáveis e felizes.

Conclusão

A tristeza da criança atípica pode ser uma realidade com a qual muitas famílias lidam. É importante que as pessoas cuidadoras estejam cientes desse sentimento e compreendam as maneiras de ajudar.

Além de buscar um ambiente seguro e acolhedor, encorajar a expressão emocional e oferecer apoio para ela, as pessoas cuidadoras também podem buscar informações e recursos para entender melhor as necessidades e desafios da criança atípica. Isso inclui estar informado sobre o transtorno, buscar apoio em grupos de apoio e redes de suporte. Quanto mais conhecimento e compreensão as pessoas cuidadoras tiverem, melhor poderão ajudar a criança a lidar com sua tristeza.

Por fim, é importante lembrar que cada criança atípica é única, e as estratégias de apoio podem variar de acordo com suas necessidades individuais. É importante adaptar as abordagens de suporte para atender às necessidades específicas e estar aberto a aprender com elas.

Lembre-se de que o apoio emocional e o cuidado contínuo são fundamentais para ajudar a criança atípica a lidar com sua tristeza. Com amor, compreensão e suporte adequados, podemos ajudá-las a enfrentar os desafios emocionais que possam surgir.

Para mais conteúdos sobre o assunto, acesse a seção “para famílias” no blog da Genial Care clicando no botão abaixo:

 

Para as famílias

Conheça nosso atendimento para autismo

Conteúdos relacionados

Esse artigo foi útil para você?

Dia Nacional do Futebol: inclusão e emoções das pessoas com TEA Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Aprovado Projeto de Lei que obriga SUS aplicar a escala M-CHAT em crianças de 2 anos Dia mundial do Rock: conheça 5 bandas com integrantes autistas Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? Senado: debate público sobre inclusão educacional de pessoas com TEA Emoções no autismo: saiba como as habilidades emocionais funcionam Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin