Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Profissional de desenvolvimento ajuda criança com autismo em uma atividade

Veja onde buscar ajuda para pessoas com autismo

É autismo, e agora? Onde buscar ajuda para pessoas com autismo? Receber o diagnóstico do autismo pode ser impactante no começo, seja de pais que recebem os de seus filhos, ou até mesmo de adultos que são diagnosticados tardiamente. 

Afinal, apesar da conscientização para o Transtorno do Espectro Autista (TEA) ganhar forças nos dias atuais, ainda há muitas dúvidas sobre como prosseguir e também como driblar os mitos que dificultam o aprendizado de informações e até busca por caminhos para o desenvolvimento 

Mas calma, estamos aqui para ajudar! Neste texto vamos orientar você a como procurar ajuda para pessoas no espectro, entender quais são as terapias indicadas para autismo e o porquê se tornam tão importantes para o desenvolvimento da pessoa com TEA.

É autismo?

Autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento que impacta habilidades sociais e outros comportamentos do indivíduo, além de trazer dificuldades na interação social, mudando a forma como aquela pessoa percebe e se comunica com o mundo. 

O TEA engloba diferentes características, afinal, nenhuma criança é igual a outra. 

Entretanto, há dois sinais muito comuns que podem ser identificados: a dificuldade na interação e comunicação social, e também a presença de padrões de comportamentos restritos e repetitivos. 

Existem outros sinais que podem alertar aos pais para entender se é autismo ou não, e são eles: 

  • Ecolalia – quando a criança repete várias vezes palavras ou frases, mas sem a intenção de comunicar algo;
  • Dificuldade com rotinas;
  • Fixações intensas e fascinações direcionadas – principalmente objetos;
  • Presença de estereotipias – quando a criança apresenta comportamentos repetitivos; 
  • Dificuldade em se expressar, com poucas expressões faciais e gestos;
  • Dificuldade em olhar diretamente para as pessoas;
  • Atraso ou dificuldade no desenvolvimento da fala.

Esses são alguns dos sinais, mas nem todas as pessoas do espectro vão apresentar exatamente essas características. Por exemplo: há crianças que possuem um desenvolvimento motor esperado de acordo com as fases do desenvolvimento, apenas com sutilezas de inadequações no comportamento. Enquanto os casos mais graves os sintomas são mais visíveis, facilitando a identificação.

Como procurar ajuda para autismo?

Após receber o diagnóstico, é muito comum que o próprio profissional que acompanhou a criança, e que conclui que ela está no espectro, oriente e indique profissionais qualificados para acolher o núcleo familiar naquele momento. 

Para as crianças, geralmente, o profissional procurado é o neuropediatra, mas outros profissionais que acompanham o desenvolvimento, como pedagogos, por exemplo, podem enxergar os sinais de autismo e orientar os pais a procurarem os profissionais especializados, como Terapeutas Ocupacionais, Fonoaudiólogos, Psicólogos, etc.

Já o autista adulto, pode perceber esses sinais ao se identificar com personagens de séries e filmes, ou até mesmo ser orientado por pessoas próximas para procurar ajuda. 

O que é o caso do ator famoso Anthony Hopkins, onde sua esposa o incentivou a pesquisar mais sobre o TEA e entender que algumas das suas características poderiam ser sinais de uma pessoa atípica.

Anthony Hopkins recebeu o diagnóstico de TEA aos 71 anos. E em nosso blog já falamos sobre famosos que estão no espectro.

Quais profissionais acompanham a pessoa com TEA?

As Intervenções ocorrem com uma equipe multidisciplinar composta normalmente por profissionais da: psicologia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, pedagogia e neuropediatra. 

É muito importante conhecer o profissional que fará parte desse processo de desenvolvimento, e entender se ele se adequa a realidade do momento em que você ou sua criança vive. 

Cada criança e família são únicas, por isso, as atividades para a evolução de seu filho devem ser escolhidas e direcionadas especialmente para vocês. A criança pode aprender e um tratamento adequado certamente será capaz de proporcionar a você e sua família uma melhor qualidade de vida.

O que cada profissional faz?

A pessoa com TEA precisa do apoio profissional para melhorar a qualidade de vida, além de melhorar a comunicação, a concentração e diminuir os movimentos repetitivos.

Para um processo de desenvolvimento infantil, é indicado que seja feito com uma equipe composta por médico, psicoterapeuta, terapeuta ocupacional e fonoaudiólogo, que indicam terapias específicas para cada paciente, e muitas vezes devem ser feitas por toda vida. 

Além disso, cuidados com a alimentação e atividades, como musicoterapia, também podem contribuir muito para a melhora dos sintomas. Vale lembrar que essas práticas são baseadas em evidências científicas, ou seja, elas funcionam de verdade e são muito importantes para o desenvolvimento da pessoa autista. 

Fonoaudiologia

O acompanhamento com o fonoaudiólogo é importante para melhorar e desenvolver a comunicação verbal e não verbal da criança com o espectro autista com outras pessoas, e a desenvolver a fala (em casos de atraso). Durante as sessões são realizados diversos exercícios que podem ajudar a criança a aumentar o seu vocabulário e melhorar a entoação da voz, podendo ser realizados jogos e brincadeiras para atrair a atenção da criança. Além de ajudar na hora da alimentação, levando a criança a mastigar e engolir melhor. 

Terapia Ocupacional 

Foca nas singularidades de cada criança, e tem como objetivo promover, manter e desenvolver habilidades necessárias para que as crianças consigam se adaptar de forma funcional ao dia a dia e diferentes ambientes. Profissionais da T.O. podem ajudar a criança a desenvolver: autonomia, autoestima, autoconfiança, auto regulação, interação social, pois, muitas vezes, pessoas com TEA têm alguma limitação: física, sensorial, mental, psicológica e social.

Terapia ABA 

Uma das práticas mais indicadas por especialistas e reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS). As estratégias e técnicas usadas nas intervenções baseadas em ABA para o TEA têm como objetivo reduzir comportamentos desafiadores para a pessoa e ensinar habilidades essenciais para seu desenvolvimento.

Orientação parental

Como o próprio nome já diz, o contato é feito diretamente com a pessoa cuidadora, onde o profissional orienta as famílias em diversas áreas que afetam a criança. Esses atendimentos favorecem a relação entre pais e criança com TEA e potencializam o desenvolvimento da criança.

O SUS ajuda as pessoas com autismo?

E os direitos das pessoas com autismo na saúde? Independente de ser da rede pública ou privada, toda família merece ter acesso ao diagnóstico e intervenções necessárias. Além disso, também são direitos: 

  • Sessões ilimitadas de terapias;
  • Atendimento sem carência estendida;
  • Medicação gratuita;
  • Reembolso de planos de saúde;
  • Realização do atendimento dentro do prazo.

No Brasil existem leis que apoiam as famílias com filhos no espectro, as duas mais conhecidas são:

Institui os direitos dos autistas e suas famílias em diversas esferas sociais. Dentro dessa lei, pessoas com o transtorno de espectro autista são consideradas deficientes, por isso a lei assegura a utilização de serviços da Assistência Social – no município onde reside – e possibilita o direito à educação com atendimento especializado.

A Lei Romeo Mion cria a Carteira de Identificação da Pessoa com TEA (CipTEA), que garante a todos aqueles com o diagnóstico de autismo um documento que possa ser apresentado para informar a condição do indivíduo. O nome foi inspirado em Romeo Mion, filho adolescente do apresentador de TV Marcos Mion. 

Embora a pessoa diagnosticada com autismo possua o direito de frequentar a escola conforme a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), é comum que famílias encontrem algumas dificuldades. Pesquise a melhor opção para seu filho e trabalhe em conjunto com os professores para garantir o cuidado que ele merece.

Além dessas Leis, existem benefícios que auxiliam, como: Benefício da Prestação Continuada (BPC), redução na carga horária de trabalho e outros que reduzem as dificuldades encontradas no cotidiano. Conheça os direitos das famílias aqui.

Aqui na Genial Care estamos prontos para acolher sua criança autista com uma equipe multidisciplinar. Nossos atendimentos são feitos na grande São Paulo, para crianças de até 5 anos. Quer conhecer mais? Preencha o formulário no botão abaixo:

QUERO CONHECER

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul