Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Risperidona e autismo: remédio comumente indicado para tratamento do TEA.

Risperidona e autismo: o papel do remédio no tratamento

Qual a relação entre Risperidona e autismo? O medicamento é um dos mais indicados por profissionais da neuropediatria ou psiquiatria infantil para pacientes com diagnóstico de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e costuma causar muitas dúvidas nas famílias sobre sua prescrição e efeitos.

Além dele, é comum que as pessoas cuidadoras recebam receita para outros remédios com objetivo de melhorar crises de agressividade e outros comportamentos da criança, adolescente ou adulto com autismo. Mas será que existe uma medicação criada para o TEA?

Conversamos com o Dr. José Salomão Schwartzmann, neuropediatra especialista em autismo e transtornos do neurodesenvolvimento sobre Risperidona para autismo, abordando as indicações do medicamento, seus efeitos colaterais e também outras formas de medicação hoje recomendadas para o TEA.

Banner sobre a Rede Genial de terapeutas com uma criança levantada por duas terapeutas, Genial Care. O menino Sorri com a brincadeira.

Para quê serve a Risperidona?

Para começar, vamos entender o que é Risperidona. Esse medicamento é um antipsicótico atípico ou de segunda geração (SGA) aprovado pela Indústria Federal de Medicamentos na década de 1990 com o objetivo de tratar sintomas de psicose e transtorno bipolar em pacientes.

Com o passar do tempo, o uso da Risperidona se tornou mais amplo e ela passou a ser indicada por profissionais da medicina para tratar também sintomas de agressão e irritabilidade em pacientes diagnosticados com demência.

Além disso, sua recomendação também ocorre para crianças com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), Transtorno Opositivo Desafiador (TOD) ou Transtorno Disruptivo de Desregulação do Humor.

No caso do autismo, ainda hoje é comum encontrar profissionais que indicam Risperidona como forma de reduzir a ocorrência de comportamentos desafiadores, especialmente a agressão e a autoagressão. Assim, é muito comum que as famílias encarem o antipsicótico como um remédio próprio para tratar o TEA.

“A utilização do medicamento [Risperidona] em crianças com autismo não é obrigatório. Nem todos vão precisar, mas quando precisam, acho que tem que ter esse benefício”, pontua Dr. Salomão.

Risperidona e autismo: quem decide usar ou não a medicação?

Médica analisando papéis referente a consulta para saber quais medições indicar ao paciente.

É importante ressaltar que a decisão de usar a Risperidona em crianças com autismo é sempre feita pelo profissional da medicina que acompanha a criança em conjunto com a família. Em geral, a recomendação surge quando a comorbidade pode colocar em risco a vida da pessoa ou daqueles que estão próximos a ela e até auxiliar no comportamento e em outras características.

De acordo com o Dr. Salomão, é papel do profissional da medicina informar a família sobre tudo que for possível sobre o medicamento. “Meu papel é de dar a eles todas as informações conhecidas para que a decisão seja deles, mas baseada em conhecimento”, pontua.

O neuropediatra ainda faz uma importante reflexão sobre a decisão de optar ou não pelo uso do medicamento. Segundo ele, muitas famílias tendem a negar o uso por preconceito.

“Eu acho muito melhor uma criança que não esteja medicada, evidentemente, mas quando ela precisa de medicamento e o quadro é severo, privá-la disso não é adequado apenas por um preconceito. Ninguém é a favor ou contra remédio, você tem que ser a favor ou contra do uso de remédio, na dose certa, quando indicado”, reforça.

Efeitos colaterais da Risperidona

Outro ponto importante é que é preciso também que a família se informe e conheça os efeitos colaterais do uso da Risperidona para interromper o tratamento em casos graves. Entre os efeitos colaterais mais comuns deste medicamento estão:

  • Ganho de peso substancial;
  • Alterações metabólicas;
  • Alterações neurológicas;
  • Alterações hormonais.

Além disso, é essencial realizar exames frequentes, cujo tempo de retorno depende do medicamento.

Como a dosagem de Risperidona é determinada e ajustada?

De acordo com o Dr. Salomão, a indicação da dose de Risperidona é feita de acordo com a resposta buscada e também a possibilidade de surgirem efeitos colaterais. “Dependendo da dose que você usa, o efeito colateral é sedação. Tem também o aumento de peso, porque aumenta muito o apetite da criança em geral”.

O neuropediatra ainda traz sua visão sobre a dosagem adequada e como defini-la de acordo com cada caso. “Toda vez que você usa um remédio, seja esse ou qualquer outro, minha visão é: você sempre começa com uma dose mínima e observa o comportamento, eventuais efeitos colaterais e vai ajustando a dose até o momento em que você tenha o efeito clínico bom, sem efeitos colaterais indesejáveis”, reforça.

Por quanto tempo a Risperidona deve ser usada em pessoas com autismo?

Conforme o Dr. Salomão explica, não existe um tempo padrão para uso da Risperidona em casos de autismo. “Por quanto tempo vai ser usado? Pelo tempo que for necessário, quer dizer, existem pessoas que têm que tomar medicamentos a vida inteira, e existem crianças que têm que usar por alguns meses, até que a terapia faça efeito e ele por si só possa melhorar os distúrbios comportamentais presentais”, explica.

Existe medicamento para autismo?

Como já falamos anteriormente, o autismo não é uma doença. Logo, não existem medicamentos próprios para ele. Assim, a única forma de tratar o autismo é por meio de intervenções que vão ajudar o indivíduo a desenvolver habilidades e ter uma qualidade de vida melhor.

Assim, embora exista uma dúvida das famílias, os medicamentos receitados por médicos servem, muitas vezes, para agir nas comorbidades do autismo, ou seja, em condições associadas ao TEA.

Para conhecer mais sobre intervenções que ajudam pessoas autistas a se desenvolver e as pessoas cuidadoras a lidarem com comportamentos desafiadores, leia a seção de ABA e intervenções para o autismo no nosso blog.

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora?