Genial Care

Pesquisar
Pesquisar
Autismo não verbal

Autismo não verbal: como auxiliar a criança com TEA com estratégias do dia a dia

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por dificuldades na comunicação e interação social e pela presença de padrões de comportamentos restritos e repetitivos.

Assim, é muito frequente que pessoas no espectro tenham dificuldades com linguagem e comunicação, fazendo parte do que chamamos de autismo não verbal ou autismo não vocal.

Enquanto algumas pessoas podem se comunicar verbalmente, outras enfrentam desafios significativos na expressão linguística.

Este artigo explica sobre o que é o autismo não verbal e como pais, pessoas cuidadoras ou profissionais da saúde podem criar estratégias para apoiar e promover o desenvolvimento dessas crianças no seu dia a dia. Confira!

O que é autismo não verbal?

Fonoaudióloga com menino que tem autismo não verbal

O autismo não verbal é quando pessoas diagnosticadas com TEA não conseguem se expressar verbalmente, ou seja, por meio da fala. Muitas vezes, elas podem ter dificuldades para expressar o que sentem ou desejam por outras formas de comunicação.

Isso porque 25% a 30% das crianças autistas não conseguem utilizar a linguagem verbal para se comunicar ou tem um número restrito de palavras em seu vocabulário. Com isso, elas têm barreiras de aprendizado no processo de aquisição da linguagem oral.

É muito importante ressaltar que a ausência de fala ou linguagem oral em uma pessoa, não representa a ausência de compreensão. O que acontece é que no autismo não verbal a pessoa não consegue se expressar verbalmente, mas consegue, sim, compreender o que os outros estão falando.

Não verbal e não falante são a mesma coisa?

Já falamos sobre isso aqui em nosso blog de existir uma diferença entre comunicação, fala e linguagem. Assim, é importante entendermos que a comunicação verbal vai muito além da fala e a dificuldade ou ausência de fala, não significa incapacidade de comunicação.

Quando falamos que alguém é não verbal, estamos nos referindo a uma pessoa que se comunica por meio de expressões faciais, gestos, movimentos corporais ou ferramentas suplementares, como a CAA.

Com isso, essa pessoa não utiliza verbos para se comunicar, nem por meio da fala ou da escrita, por isso é não verbal.

Já alguém não falante é alguém que não se comunica por meio de fala, mas consegue empregar outras formas de linguagem verbal para se expressar, como, por exemplo, digitação e escrita.

Por isso, não devemos dizer ou presumir que toda pessoa que não desenvolveu a fala é “não verbal”, pois uma pessoa não falante pode sim ser verbal, apenas usar outros meios de comunicação distintos.

Assim, apesar do termo autismo não verbal ser o mais conhecido e procurado por famílias que receberam o diagnóstico ou querem encontrar informações, o termo autismo não vocal, é mais amplo e abrange essa diferença entre verbalização e vocalização oral.

Qual a diferença do autismo verbal e não verbal?

O autismo verbal e autismo não verbal referem-se às diferentes formas como as pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) se expressam e compreendem a linguagem.

Assim, existe uma diferença na forma em que a pessoa se comunica, seja verbalmente, oralmente ou por outros meios.

Crianças com autismo verbal são capazes de se comunicar verbalmente, usando palavras para expressar suas necessidades, desejos e pensamentos.

Essas crianças podem desenvolver habilidades de linguagem semelhantes às de seus pares, mas podem enfrentar desafios específicos, como a pragmática (uso adequado da linguagem em diferentes contextos sociais).

Além disso, ela tem a capacidade de compreender a linguagem falada, embora possam ter dificuldades em interpretar nuances sociais e inferir significados figurados.

Já crianças com autismo não verbal têm dificuldades significativas em expressar-se verbalmente ou oralmente e podem não desenvolver a linguagem falada ou ter uma fala limitada.

A compreensão da linguagem pode variar, com algumas crianças compreendendo a linguagem falada mesmo que não a expressam verbalmente. Crianças com autismo não verbal muitas vezes recorrem a formas alternativas de comunicação, como gestos, linguagem de sinais, comunicação visual ou outros sistemas não vocais.

É importante notar que o espectro autista é extremamente diversificado, e muitas crianças podem apresentar características de ambos os grupos.

Além disso, a evolução das habilidades de linguagem ao longo do tempo pode variar amplamente, e algumas crianças inicialmente com autismo não verbal podem desenvolver a linguagem ao longo do tempo com a intervenção adequada.

Fonoaudiologia: qual o papel do profissional na vida de crianças não verbais

O suporte personalizado, baseado nas necessidades individuais, é essencial para promover o desenvolvimento e a qualidade de vida das pessoas com TEA. O fonoaudiólogo é um profissional especializado em comunicação, linguagem, fala, voz e processos relacionados.

Assim, profissionais da Fonoaudiologia são fundamentais para garantir que pessoas com autismo não verbal consigam se comunicar da melhor forma possível, de acordo com os meios que utilizam.

Eles conseguem ajudar com:

  • Avaliação e diagnósticos precisos: realização de avaliações abrangentes para determinar o nível atual de habilidades de comunicação da criança, identificando possíveis desafios, como atrasos na linguagem, dificuldades na articulação, pragmática (uso social da linguagem) e outras questões relacionadas à comunicação.
  • Desenvolvimento de intervenções personalizadas: criação de planos de tratamento personalizados, adaptados às necessidades específicas da criança e implementação de estratégias para melhorar a comunicação, utilizando abordagens como a comunicação visual, linguagem de sinais ou sistemas alternativos e aumentativos de comunicação.
  • Estímulo à comunicação não verbal: fomento de formas alternativas de comunicação, como gestos, linguagem de sinais e uso de símbolos visuais, bem como a introdução de técnicas que visam fortalecer a expressão e compreensão de comunicação não verbal.
  • Orientação aos pais e pessoas cuidadoras: oferecimento de suporte e orientação aos pais para implementar estratégias de comunicação em casa, ampliando a educação sobre práticas que favoreçam o desenvolvimento da linguagem e da comunicação no ambiente familiar.
  • Treinamento de habilidades sociais e pragmáticas: trabalho no desenvolvimento de habilidades sociais, promovendo interações mais eficazes e significativas com os outros, garantindo o foco na pragmática da linguagem, abordando questões como turno de fala, tom de voz e compreensão de pistas sociais.

Estratégias de comunicação para estimular uma criança autista a falar

Primeiramente, a intervenção precoce é um dos melhores caminhos para estimular e desenvolver as habilidades de comunicação infantil. Isso porque, quanto antes uma criança começar a aprender, maiores serão as chances dela desenvolver a linguagem e comunicação verbal.

Além disso, mesmo quando falamos de pessoas com autismo não verbal, é importante entender que cada criança tem seu perfil específico, com necessidades e tempo de aprendizagens diferentes. Isso tudo precisa ser respeitado, para não haver expectativas irreais e também pressão para que a criança fale a qualquer custo.

Tenha sempre uma troca constante com a equipe profissional que acompanha seu desenvolvimento, para que cada intervenção e estratégia seja pensada de acordo com o objetivo específico do pequeno.

Tendo tudo isso em mente, aqui estão algumas estratégias de comunicação que podem ser aplicadas no dia a dia, sendo úteis para estimular uma criança autista a falar:

Estímulos diários

Integre momentos de comunicação nas rotinas diárias de pessoas com autismo não verbal, como narrar as atividades que estão sendo realizadas ou descrever objetos ao redor, como tomar banho ou fazer refeições, proporciona oportunidades naturais para desenvolver a linguagem.

Além disso, criar um ambiente rico em estímulos visuais, com cartazes, imagens e objetos interessantes, podem motivar a criança a se expressar.

A rotina também é uma ótima oportunidade de pensar em novas possibilidades de comunicação. Por exemplo, se sua criança tem um hábito específico e ela sempre faz gestos para isso, você pode narrar o que está acontecendo e incentivar que ela utilize aquela palavra ou frase.

Olha só como aumentar a intenção de se comunicar:

CAA – Comunicação Alternativa Ampliada

A Comunicação Alternativa e Aumentativa (CAA) é um conjunto abrangente de estratégias e recursos que auxiliam indivíduos com dificuldades na comunicação verbal a expressarem pensamentos, necessidades e emoções de forma eficaz.

Para isso, são utilizados sistemas de comunicação que não são essencialmente verbais vocais (como a fala), e que podem ou não ter algum tipo de recurso como auxílio.

Quadros de comunicação permitem que a criança com autismo não verbal se comunique visualmente, expressando suas necessidades e emoções. Aplicativos específicos de CAA, adaptados às preferências individuais, oferecem uma abordagem interativa para fortalecer a comunicação autônoma.

Jogos eletrônicos

Jogos eletrônicos podem ser integrados de maneira educativa. Jogos interativos com instruções verbais ou interações com outros jogadores podem ser aproveitados para promover a comunicação. Além disso, aplicativos lúdicos e educativos no ambiente digital podem se tornar ferramentas atrativas para o desenvolvimento da fala de pessoas com autismo não verbal.

Esses jogos são exemplos de tecnologia assistiva que além dos benefícios citados, fazer uso das tecnologias assistivas com alunos no espectro do autismo pode ajudar no processo de generalização para que a criança replique o que foi aprendido no ambiente escolar em outros locais e contextos.

Sistema PECS

O Sistema PECS (Picture Exchange Communication System) é uma abordagem gradual. Inicia-se com a troca de imagens simples para expressar necessidades básicas. Conforme a criança se familiariza, a expansão para conceitos mais complexos e frases promove uma comunicação abrangente.

Com ele existe um sistema de comunicação baseado na troca de figuras. Estas figuras são selecionadas conforme os interesses do indivíduo e organizadas numa pasta e equivalem à voz de uma pessoa, sendo completamente individual.

Conclusão

Auxiliar crianças com autismo não verbal é algo que precisa de paciência, apoio contínuo e intervenção baseada em ciência.

Incorporar estratégias como comunicação visual, linguagem gestual simplificada e estabelecimento de rotinas no dia-a-dia pode fazer uma diferença significativa.

A educação contínua e a colaboração com profissionais da saúde são pilares essenciais para proporcionar o melhor suporte possível a essas crianças únicas. Ao adotar uma abordagem personalizada e informada, podemos criar um ambiente propício para o aprendizado de cada criança com TEA não verbal.

Que tal continuar aprendendo sobre o desenvolvimento da fala em crianças? Já temos um conteúdo completo em nosso blog que traz muitas informações verdadeiras:

Desenvolvimento da fala

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso Escala M-CHAT: saiba como funciona! Déficit na percepção visual: Como a terapia ocupacional pode ajudar? 3 aplicativos que auxiliam na rotina de crianças autistas 3 Animações que possuem personagens autistas | Férias Geniais Conheça os principais tratamentos para pessoas no espectro autista Diagnóstico de autismo do meu filho. O que preciso fazer? Quais os principais sinais de que meu filho tem autismo? Diagnóstico de autismo: quais os próximos passos. Veja 5 dicas Estereotipias: o que são e quais as principais em pessoas autistas Graus de autismo: Conheça quais são e como identificá-los