Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Menino segurando mordedor sensorial perto do rosto.

Conheça o mordedor sensorial para desenvolvimento de bebês e crianças com autismo

Durante o desenvolvimento infantil, as crianças passam por uma fase onde levam tudo até a boca. Apesar de ser bastante comum e fazer parte da descoberta do corpo, quando falamos de crianças atípicas, morder itens do dia a dia pode significar uma forma de regulação emocional.

Um recurso valioso para garantir essa estimulação intra oral (na boca) é o mordedor sensorial.Esse item pode ser muito benéfico para crianças atípicas, com TDAH ou ansiedade, como forma de se acalmar, direcionar uma sobrecarga de estímulos e até mesmo, evitar crises.

Neste artigo, vamos explorar mais sobre o colar mordedor sensorial como parte da rotina de crianças com autismo, falando sobre seus possíveis benefícios e riscos e fornecendo dicas práticas para seu uso. Acompanhe!

O que é um mordedor sensorial?

Mordedor sensorial: objeto em formato de coelho com diversas cores formando na ordem de um arco-íris

Um mordedor sensorial é um objeto de silicone feito para morder, ou seja, totalmente seguro para crianças e bebês colocarem na boca. Também conhecido como colar mordedor sensorial, ele é um brinquedo infantil muito utilizado no momento de nascimento dos dentes do bebê, para aliviar desconforto na boca.

Além disso, ele é uma poderosa ferramenta terapêutica para auxiliar no desenvolvimento, diminuir ansiedades e controlar desregulação sensorial em crianças com autismo.

Esses mordedores vêm em uma variedade de formas, texturas e tamanhos, adaptando-se às preferências individuais e necessidades sensoriais específicas de cada criança, funcionando para a popularmente conhecida, síndrome sensorial.

O que é Transtorno do processamento sensorial?

A “síndrome sensorial” é, na verdade, o Transtorno do Processamento Sensorial. Trata-se de uma condição na qual o sistema nervoso apresenta dificuldade para processar estímulos do ambiente e dos sentidos.

Ela pode ou não estar presente no autismo, mas se trata de um distúrbio distinto do TEA, ou seja, uma comorbidade. Dois aspectos que podem aparecer no TPS são:

  • Hipersensibilidade: aqui, a pessoa sente demais os estímulos. Por isso, os sons podem ser mais altos e estímulos visuais muito fortes, por exemplo, o som do escapamento da moto ou de fogos de artifício;
  • Hipossensibilidade: já no caso da hipossensibilidade, a pessoa tem dificuldades em sentir os estímulos do ambiente. Assim, ela pode se cortar e não sentir a mesma for que pessoas sem a condição sentiriam.

Além disso, ao identificar o Transtorno do Processamento Sensorial, existem classificações diagnósticas que determinam o quadro daquela pessoa:

  • Transtorno de modulação sensorial: dificuldade para regular grau, intensidade e natureza das respostas dos estímulos sofridos;
  • Transtorno de discriminação sensorial: gasta mais energia para identificar diferenças e semelhanças dos estímulos;
  • Transtornos motores com base sensorial: dificuldade para absorver informações do próprio corpo e reagir de forma coerente com o ambiente.

Para que serve um mordedor sensorial?

A peculiaridade do mordedor sensorial está em sua capacidade de oferecer estímulos táteis e proprioceptivos, sendo especialmente relevantes para crianças no espectro autista.

Além de ser uma ferramenta útil durante o período de dentição, os mordedores sensoriais têm ganhado destaque como uma estratégia eficaz para lidar com a sensibilidade sensorial e promover o desenvolvimento oral e motor.

Sua natureza flexível e adaptável torna-os uma escolha positiva e versátil para pais e profissionais de saúde que buscam promover o bem-estar e o desenvolvimento saudável em crianças, especialmente aquelas com autismo.

Dessa forma, o colar mordedor sensorial foi feito para acalmar, aumentar o foco, melhorar a concentração e regular emocional e sensorialmente crianças durante a realização de atividades ou até mesmo em momentos de crise.

Por isso, no momento em que uma criança atípica usa um mordedor sensorial, ela está dando estímulos e informações para a boca, que através do sistema sensorial, leva essas informações até o cérebro, processando e ajudando a entregar uma resposta de comando de comportamento.

Com isso, essa resposta a criança fica mais tranquila, menos agitada, concentrando sua atenção no ato de morder, consequentemente, tendo menos buscas orais por outros objetos, ou até mesmo pessoas.

Desenvolvimento sensorial em crianças com autismo

O desenvolvimento sensorial desempenha um papel fundamental no crescimento e na experiência de mundo de todas as crianças, mas é especialmente significativo quando discutimos crianças no espectro autista

O ato de morder, por exemplo, não é uma ação isolada. Ela é uma resposta das crianças para algumas situações específicas, ajudando em momentos de desconforto ou até mesmo como reconhecimento de texturas, gostos e outros estímulos.

Crianças com autismo muitas vezes lidam com sensibilidades sensoriais únicas. Isso pode se manifestar como uma hipo ou hipersensibilidade a estímulos sensoriais como luz, som, tato e movimento.

Essas sensibilidades podem transformar significativamente seu comportamento, interações sociais e habilidades de comunicação.

Além disso, as sensibilidades sensoriais podem apresentar desafios no desenvolvimento motor, social e cognitivo.

Por exemplo, uma criança com hipersensibilidade tátil pode evitar toques ou certas texturas, enquanto uma criança com hipersensibilidade auditiva pode não reagir adequadamente a estímulos sonoros.

Esses desafios podem impactar negativamente o engajamento social, o desenvolvimento da linguagem e as habilidades motoras finas e grossas.

Assim, integrar estratégias que abordem as sensibilidades sensoriais é fundamental para o desenvolvimento sensorial em crianças com TEA. Os mordedores sensoriais destacam-se como ferramentas eficazes para oferecer estímulos controlados e aliviar a ansiedade associada a sensibilidades específicas.

Seja para proporcionar uma saída para a necessidade de morder ou para oferecer uma textura reconfortante, esses mordedores podem ser um item muito benéfico no desenvolvimento sensorial positivo.

Por que autista leva tudo à boca?

Para crianças autistas, a boca muitas vezes torna-se um meio primário de explorar e compreender o mundo ao seu redor.

A exploração sensorial oral pode ser uma resposta natural à busca por estímulos táteis e proprioceptivos. Colocar objetos na boca oferece uma experiência sensorial que auxilia na autorregulação e proporciona conforto em meio a sensibilidades sensoriais específicas.

Além disso, levar objetos à boca pode ser uma estratégia auto satisfatória para lidar com a ansiedade e o estresse. A pressão sensorial proporcionada pela mordida pode atuar como um mecanismo de autorregulação, auxiliando a criança a se acalmar em situações desafiadoras.

Para muitas crianças no espectro existe uma dificuldade de comunicação, com isso, é possível usar a boca como uma forma de expressar emoções e necessidades. Morder ou chupar objetos pode ser uma maneira de comunicar desconforto, alegria, excitação ou frustração.

Benefícios do mordedor sensorial para crianças com autismo

Os mordedores sensoriais têm se destacado como ferramentas valiosas no suporte ao desenvolvimento de crianças com autismo.

Esses dispositivos não são apenas itens de conforto durante o período de dentição, mas também oferecem uma variedade de benefícios que contribuem para o bem-estar e o desenvolvimento positivo dessas crianças.

Além de ajudar a diminuir o estresse das crianças, o mordedor sensorial é extremamente benéfico na hora de auxiliar os pequenos a regularem o organismo em crises de choro ou frustração, por exemplo.

Estimulação sensorial

O mordedor sensorial proporciona uma estimulação tátil adaptada às necessidades individuais da criança.

Ao oferecer uma variedade de texturas, formas e tamanhos, esses dispositivos permitem uma estimulação sensorial personalizada, auxiliando a criança a explorar e compreender o ambiente ao seu redor de maneira controlada e confortável.

Alívio na mastigação

O ato de morder é uma resposta natural à necessidade de alívio sensorial e, muitas vezes, à dor associada à dentição.

Um colar mordedor sensorial oferece uma solução segura para a mastigação, contribuindo para o desenvolvimento adequado das habilidades motoras orais. Isso não apenas alivia a ansiedade, mas fortalece os músculos orais, impactando positivamente a alimentação e as habilidades de fala.

Aumento no foco e atenção

Existe uma relação entre o uso de mordedores sensoriais e o aumento no foco e atenção de crianças com autismo.

A ação de morder atua como uma estratégia eficaz de canalizar a energia sensorial, permitindo que a criança concentre sua atenção em atividades específicas. Isso pode ser particularmente benéfico em ambientes educacionais e durante atividades de aprendizado.

Redução de comportamentos autolesivos e alívio sensorial

Muitas crianças autistas podem apresentar comportamentos lesivos como uma resposta às sensibilidades sensoriais intensas.

O uso de um mordedor sensorial oferece um meio seguro para aliviar essa tensão, reduzindo a incidência de comportamentos considerados agressivos, a si e a outras pessoas.

Ao fornecer uma saída controlada para a necessidade de morder, esses dispositivos promovem um ambiente mais seguro e propício ao desenvolvimento positivo.

Mordedor sensorial: qual escolher?

Por terem vários benefícios e serem itens que ajudam muitas crianças atípicas, existe uma variedade de mordedores sensoriais disponíveis.

Isso pode acabar se tornando uma dúvida em pais e pessoas cuidadoras, na hora de escolher um modelo adequado para os pequenos.

É muito importante lembrar que não existe um modelo melhor para a criança, mas sim aquele que atende às necessidades individuais de cada criança. Também é importante conversar com a equipe que acompanha o desenvolvimento para entender possibilidades e riscos.

Na hora de escolher um mordedor, lembre-se de alguns pontos:

  • Material seguro e durável: ao escolher um mordedor sensorial, priorize materiais seguros e duráveis. O silicone médico é uma escolha popular devido à sua textura suave, toxicidade e resistência. Certifique-se de que o material seja livre de BPA, ftalatos e outras substâncias prejudiciais, garantindo a segurança durante o uso.
  • Texturas variadas e formas ergonômicas: opte por mordedores sensoriais que ofereçam uma variedade de texturas e formas ergonômicas. Alguns mordedores apresentam superfícies rugosas, enquanto outros têm partes mais macias, proporcionando uma estimulação tátil diversificada.
  • Tamanho adequado para a idade e habilidades motoras: mordedores que se encaixam confortavelmente nas mãos e podem ser manipulados facilmente, incentivam a independência e a exploração. Certifique-se de que não há peças pequenas que possam representar riscos de engasgo.
  • Opções de resfriamento ou aquecimento: mordedores sensoriais com opções de resfriamento ou aquecimento podem proporcionar benefícios adicionais. Para crianças que enfrentam desconforto durante a dentição, mordedores que podem ser resfriados oferecem alívio para as gengivas inflamadas. Da mesma forma, opções aquecidas podem ser reconfortantes e relaxantes.
  • Fácil limpeza e manutenção: a praticidade na limpeza e manutenção do mordedor sensorial é essencial para garantir um ambiente seguro e higiênico. Opte por aqueles que podem ser facilmente lavados com água e sabão, e que resistem ao desgaste causado pelo uso frequente.

Conclusão

O mordedor sensorial é uma ferramenta valiosa no desenvolvimento de bebês e crianças com autismo, oferecendo benefícios significativos e melhorando a qualidade de vida.

Ao entender as necessidades sensoriais específicas e integrar estrategicamente os mordedores sensoriais nas atividades cotidianas, pais e profissionais de saúde podem potencializar seu impacto positivo.

Lembrando sempre de buscar a orientação profissional adequada, o uso consciente dos mordedores sensoriais pode ser um passo significativo no apoio ao desenvolvimento saudável das crianças no espectro autista.

Além disso, sempre supervisione o uso do mordedor para garantir a segurança e prevenir possíveis riscos de engasgo.

Em nosso blog temos uma categoria totalmente dedicada a conteúdos de Fonoaudiologia que podem ajudar ainda mais no desenvolvimento infantil. Acesse agora mesmo:

Quero ver mais sobre Fonoaudiologia

Conheça nosso atendimento para autismo

Conteúdos relacionados

Esse artigo foi útil para você?

Dia Nacional do Futebol: inclusão e emoções das pessoas com TEA Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Aprovado Projeto de Lei que obriga SUS aplicar a escala M-CHAT em crianças de 2 anos Dia mundial do Rock: conheça 5 bandas com integrantes autistas Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? Senado: debate público sobre inclusão educacional de pessoas com TEA Emoções no autismo: saiba como as habilidades emocionais funcionam Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin