Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
professora ajuda aluna

A importância de um acompanhante terapêutico para o desenvolvimento da criança com autismo

O acompanhante terapêutico escolar ou AT, como é popularmente conhecido, é um profissional muito importante para o desenvolvimento e aprendizagem de crianças com autismo, já que através da sua formação consegue favorecer a inclusão pedagógica e social.

Isso porque, a jornada de desenvolvimento de uma criança com autismo pode ser desafiadora, mas também muito mais assertiva quando o apoio adequado é fornecido.

Como sabemos o Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por dificuldades na comunicação e interação social, exatamente por isso, é fundamental que crianças no espectro tenham esse acompanhamento escolar de acordo com suas necessidades educativas.

O AT conseguem trabalhar em conjunto da equipe multidisciplinar e núcleo familiar, levando essas intervenções para outros ambientes, trazendo para a sala de aula as mesmas estratégias e ações focadas nesse desenvolvimento de habilidades sociais e aprendizagem como um todo.

Neste texto, você vai entender melhor sobre o trabalho de um acompanhante terapêutico, sua importância na rotina de uma pessoa autista e quais legislações falam sobre o tema. Acompanhe!

O que é um acompanhante terapêutico?

acompanhante terapêutica ajudando aluna

O acompanhante terapêutico (AT) é um profissional que atua nas áreas da saúde ou educação junto de uma pessoa que tenha dificuldades psicossociais, promovendo a inclusão social, aprendizagem e desenvolvimento da sociabilidade, promovendo competências e autonomia.

Esses profissionais são especializados e capacitados para atuar diretamente com a criança, podendo ser:

  • Psicólogos;
  • Terapeutas ocupacionais;
  • Pedagogos.

Normalmente, ele pode ser um estudante ou recém-formado que recebe orientações e supervisão da equipe de especialistas que já cuida do desenvolvimento da criança.

O que faz um acompanhante terapêutico (AT)?

Os acompanhantes terapêuticos desempenham um papel crucial na vida da criança, atuando como uma figura de apoio e facilitador durante as diferentes atividades e interações do dia a dia.

Sua principal função é garantir que a criança com TEA aproveite todos os recursos da escola e realize as atividades e propostas pedagógicas e sociais da melhor forma possível.

Com isso, são capazes de ajudar na promoção da autonomia e independência da criança, adaptando suas estratégias de acordo com as necessidades específicas de cada paciente.

Dessa forma, o acompanhante terapêutico transformou-se em um aliado importante no processo de manutenção de vínculos sociais e na participação ativa na qualidade de vida das pessoas com autismo, principalmente no ambiente escolar.

Qual papel no profissional AT no ambiente escolar?

acompanhante terapêutico na escola com criança

O Profissional de Acompanhamento Terapêutico (AT) é essencial no ambiente escolar de crianças autistas, oferecendo suporte individualizado e adaptado às necessidades específicas desses alunos.

Sua atuação nesse contexto é fundamental para promover a inclusão, o desenvolvimento acadêmico e a socialização. Entre os principais benefícios dessa troca, podemos citar:

Acompanhamento individualizado

O AT trabalha de forma próxima e individualizada com a criança com autismo, identificando suas habilidades, desafios e necessidades. Com esse conhecimento, ele pode criar estratégias personalizadas para apoiar o aluno em suas atividades acadêmicas e sociais, buscando sempre desenvolver suas habilidades e promover a autonomia.

Facilitação da comunicação

A comunicação é uma área crítica para muitas crianças com autismo, e o acompanhante terapêutico desempenha um papel-chave ao facilitar a interação entre o aluno e seus colegas e professores.

Ele pode utilizar métodos de comunicação alternativa e recursos visuais para tornar a comunicação mais eficaz e ajudar o aluno a expressar suas necessidades e pensamentos de maneira clara.

Mediação social

Para alunos com autismo, a interação social pode ser desafiadora. Assim, esse profissional atua como um mediador social, incentivando a participação do aluno em atividades grupais e auxiliando-o a compreender as dinâmicas sociais.

Dessa forma, a criança tem a oportunidade de se envolver com seus colegas de classe e construir relacionamentos positivos.

Apoio ao desenvolvimento de habilidades acadêmicas

O AT colabora com professores e outros profissionais da escola para adaptar as atividades acadêmicas e torná-las mais acessíveis ao aluno com autismo.

Ele pode utilizar estratégias de ensino diferenciadas e recursos adaptados, garantindo que o aluno possa aprender de acordo com suas capacidades individuais.

Colaboração com a equipe escolar e família

O acompanhante terapêutico trabalha em colaboração com a equipe escolar, os professores e os pais do aluno com autismo.

Essa colaboração é essencial para garantir que o suporte seja contínuo e consistente tanto na escola quanto em casa. Assim, a troca de informações entre eles permite uma compreensão mais abrangente das necessidades da criança e um planejamento de intervenções mais eficaz.

Qual a importância do acompanhante terapêutico para a criança com TEA?

O papel do AT é acompanhar e auxiliar a criança autista em suas atividades diárias, como na escola, na terapia e em situações sociais.

Por isso, esse profissional contribui para o desenvolvimento da criança autista na escola, facilitando o processo de inclusão e ajudando-a quebrar barreiras de socialização e/ou aprendizagem.

Um AT tem um olhar muito direcionado para os objetivos de aprendizagem da pessoa no espectro, fornecendo suporte para o bem-estar do aluno, potencializando sua independência e autonomia em diferentes esferas sociais.

Como cada criança com autismo é única e tem necessidades diferentes, o acompanhante terapêutico pode precisar ter total conhecimento das intervenções e estratégias para atender às necessidades individuais dessa criança, por isso é tão importante estar em contato com a equipe multidisciplinar.

Além disso, um AT pode ajudar no desenvolvimento de habilidades sociais e de comunicação, que são frequentemente desafiadoras para as crianças com autismo.

Esse profissional pode ensinar e ajudar a criança a se comunicar de forma mais assertiva, a interagir com os outros de maneira mais eficaz e a lidar com as mudanças e transições que podem causar estresse infantil.

Outro benefício importante do acompanhante terapêutico é o apoio emocional que ele pode oferecer à criança e à sua família.

O acompanhante pode ajudar a criança a lidar com a ansiedade, a frustração e outras emoções negativas que podem surgir devido às dificuldades que enfrentam. Essa abordagem proativa contribui para a redução de crises e melhora a qualidade de vida da criança e de sua família.

Além disso, ele pode oferecer orientação e suporte aos pais, ajudando-os a entender melhor o transtorno e a lidar com os desafios diários na rotina do pequeno.

Banner sobre a Rede Genial de terapeutas com mulher segurando uma prancheta de anotações e um criança sorrindo com os braços levantados.

Existe lei que determine a presença de um AT em sala de aula?

Muitos pais se perguntam quanto custa para que os filhos tenham um acompanhante terapêutico na sala de aula, ou até mesmo como conseguir esse profissional. Nesse ponto, é muito importante que a família conheça as leis e direitos da pessoa autista e saiba o que reivindicar.

De acordo com a Lei Berenice Piana (nº 12.764/12), que institui os direitos dos autistas e suas famílias em várias esferas sociais, todo aluno autista que demonstre dificuldades acentuadas de convívio social e manejo comportamental, tem direito a um acompanhante especializado em sala de aula.

“Art. 3o São direitos da pessoa com transtorno do espectro autista: Parágrafo único. Em casos de comprovada necessidade, a pessoa com transtorno do espectro autista incluída nas classes comuns de ensino regular, nos termos do inciso IV do art. 2º, terá direito a acompanhante especializado”. (LEI Nº 12.764/12, BRASIL).”

Além disso, ao instituir a Política de Proteção dos Direitos das Pessoas com Transtorno do Espectro Autista, essa mesma legislação garante, nos casos comprovados, o direito da criança autista ser matriculada em escola regular (pública ou particular) com acompanhante especializado em sala.

Importante frisar que: embora no momento da publicação desta lei não tenha sido definido quais são as funções do acompanhante terapêutico, o Decreto 8.368/14 pontua que esse profissional deve estar integrado ao contexto escolar e ter domínio no acompanhamento de crianças autistas e com outras deficiências, dentro da escola.

Estamos contratando

A inclusão de um terapeuta ocupacional na equipe multidisciplinar de intervenção para crianças autistas é essencial. Por isso, se você é um profissional da terapia ocupacional e busca uma oportunidade inovadora para fazer a diferença na vida de crianças com autismo e suas famílias, a Genial Care é o lugar perfeito para você.

Nossa clínica multidisciplinar está com vagas de T.O., expandindo a equipe e buscando profissionais comprometidos e talentosos para se juntarem a nós nessa transformação.

Oferecemos um ambiente de trabalho colaborativo, infraestrutura moderna e recursos atualizados para o desenvolvimento profissional contínuo.

Além disso, você terá a chance de trabalhar lado a lado com uma equipe experiente de especialistas multidisciplinares, incluindo psicólogos ABA e fonoaudiólogos, proporcionando uma abordagem abrangente e integrada em todo o processo.

Terapeutas: preencham já nosso formulário

Na Genial Care, valorizamos a dedicação, a empatia e o compromisso em ajudar todas as crianças a alcançarem seu máximo potencial. Se você deseja fazer parte de uma equipe apaixonada por transformar vidas e contribuir para o avanço da terapia ocupacional no autismo, acesse nossas vagas agora mesmo.

A Genial Care é uma clínica multidisciplinar para crianças autistas e suas famílias, mas, além disso, é uma healthtech que valoriza os profissionais clínicos e oferece constantes treinamentos, trocas e formações para entregar resultados clínicos e intervenções de excelência.

Conclusão

Ficou clara a importância de um acompanhante terapêutico no desenvolvimento da criança com autismo. O suporte dedicado e personalizado fornecido por esses profissionais pode fazer uma diferença significativa na vida da criança com autismo e suas famílias.

O AT desempenha um papel fundamental para garantir a inclusão e o desenvolvimento pleno de crianças com autismo. Sua atuação individualizada, aliada ao suporte à comunicação, mediação social e colaboração com a equipe escolar e família, possibilita que o aluno com autismo alcance seu potencial máximo, desenvolvendo-se academicamente e socialmente em um ambiente educacional acolhedor e inclusivo.

Aqui em nosso blog temos um conteúdo completo sobre como ajudar a criança com autismo a se adaptar a escola, vale muito a pena continuar a leitura:
Como ajudar uma criança autista se adaptar à escola nova

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi